Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Vacinas Pfizer, Moderna e Janssen: como se comparam?

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Finalmente, após um semestre, parece que os brasileiros terão acesso às três melhores vacinas anti-Covid-19 ora existentes no mundo: Pfizer, Moderna e Janssen-Johnson & Johnson. Há quase 2 meses eu já postei uma comparação entre elas, porém agora que o desembarque é real ou iminente, decidi revisitar o tema, de maneira mais completa. Dentre as muitas fontes disponíveis escolhi a de publicação mais recente, de autoria da farmacêutica americana Sarah Pearson.

As questões respondidas são as seguintes: Como funcionam essas vacinas? Quão eficazes elas são? Como é a sua proteção em relação as variantes? Por que umas (Pfizer e Moderna) requerem duas doses e a outra (Janssen) não? Quem as pode receber? Quais são os efeitos colaterais mais comuns?

Pontos-chave:

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas As três vacinas – duas de mRNA (Pfizer e Moderna) e uma de vetor viral (Janssen-Johnson & Johnson) – podem causar efeitos colaterais, incluindo sintomas leves semelhantes aos da gripe e reações no local da injeção. As reações graves às vacinas são muito raras.
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas Cada uma delas fornece proteção muito forte contra doenças graves, hospitalização e morte por Covid-19. Porém, ainda não é sabido se elas podem nos impedir de espalhar o vírus também.

Como funcionam as vacinas Covid-19?

As vacinas atuam estimulando as células do seu corpo a produzir anticorpos – memórias criadas em resposta a uma infecção – contra um determinado vírus ou bactéria. Isso significa que, se você for exposto ao germe no futuro, estará mais bem preparado para combatê-lo.

Os processos e a tecnologia usados ​​para fazer as vacinas variam. E enquanto vários tipos diferentes de vacinas Covid-19 estão sendo pesquisados, cobriremos os dois tipos atualmente disponíveis nos EUA – mRNA e vacinas de vetor viral.

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Vacinas de mRNA

As vacinas de mRNA – Pfizer e Moderna – funcionam por meio de uma tecnologia chamada RNA mensageiro (mRNA). Você pode pensar no mRNA como um projeto que é entregue às células do seu corpo. As células do seu corpo já usam o mRNA como instruções para fazer as proteínas de que precisam, mas o mRNA contido nas vacinas é específico para o coronavírus que causa a Covid-19.

Como as vacinas de mRNA causam uma resposta imune?

Quando você recebe uma dose de uma vacina de mRNA, suas células obtêm o esquema para fazer parte do coronavírus, chamado de proteína do pico. As proteínas de pico são encontradas na superfície do coronavírus e ajudam o vírus a entrar e infectar suas células. Elas são apenas uma pequena parte do vírus, então é impossível obter Covid-19 apenas com a sua aplicação.

Assim que suas células imunológicas perceberem as proteínas do pico, elas começarão a produzir anticorpos contra elas, permitindo que seu corpo construa sua imunidade. Em outras palavras, seu corpo aprende como lutar contra o novo coronavírus e assim saberá como se defender dele no futuro.

O que acontece com o mRNA em meu corpo?

Depois que seu corpo recebe os esquemas de proteína de pico, a célula decompõe o mRNA. Mas enquanto está lá, ele apenas interage com a parte da célula responsável pela produção de proteínas (chamadas de ribossomos) e nunca entra no núcleo de suas células – que contém seu DNA. Portanto, não afetará o seu DNA.

A tecnologia de mRNA é segura?

Embora essas vacinas tenham sido desenvolvidas mais rápido do que a maioria das outras, isso não significa que sejam inseguras. Ambas as vacinas de mRNA têm se mostrado seguras e eficazes durante os ensaios clínicos, e isso ainda é verdade depois que mais de 300 milhões de doses foram administradas nos EUA.

E embora a tecnologia de mRNA seja relativamente nova no mercado, ela vem sendo pesquisada há décadas. O uso de mRNA vem ganhando interesse entre os cientistas nos últimos anos porque são mais rápidas de se desenvolver do que as vacinas tradicionais. Além disso, sua estrutura permite que sejam facilmente atualizadas, tornando-as adaptáveis ​​a novas cepas ou variantes virais.

Vacinas de vetores virais

As vacinas de vetor viral – como a vacina Janssen-Johnson & Johnson – usam um vírus inofensivo (chamado vetor viral) para transmitir uma mensagem às suas células. Elas foram usadas ​​no passado para o tratamento de certos tipos de câncer e para uma vacina contra o Ebola. Mas, no caso das vacinas Covid-19, elas fornecem instruções para fazer a proteína de pico do coronavírus.

Como os vetores virais causam uma resposta imune?

Quando você recebe uma dose da vacina do vetor viral Covid-19, o vírus inofensivo entra em suas células e dá a mensagem para começar a produzir proteínas de pico. Eles funcionam de forma semelhante às vacinas de mRNA, pois depois que o vetor viral avisa suas células para produzir proteínas de pico, seu sistema imunológico começa a produzir anticorpos contra elas. Isso ajuda a criar proteção contra o coronavírus.

O vírus da vacina pode me deixar doente?

A Johnson & Johnson usa um adenovírus inativado – um vírus do resfriado comum que foi projetado para não deixar você doente – como seu vetor viral. É um adenovírus menos comum (denominado adenovírus tipo 26 ), pois o uso de um ao qual a maioria das pessoas foi exposta pode fazer com que a vacina seja menos eficaz. E, como acontece com as vacinas de mRNA, é impossível obter Covid-19 da vacina de vetor viral.

Quão eficazes são as vacinas Covid-19?

Embora as taxas de eficácia dos ensaios clínicos diferem, o resultado final é que cada uma das vacinas Covid-19 tem se mostrado muito eficaz, especialmente na prevenção de doenças graves que resultam em hospitalização ou morte.

A seguir, revisaremos o desempenho em testes clínicos, quão eficazes são no mundo real e quando você pode esperar estar totalmente protegido após ser vacinado.

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Pfizer

A vacina da Pfizer requer duas doses, administradas com 3 semanas (21 dias) de intervalo. Se necessário, a segunda dose pode ser administrada até 6 semanas (42 dias) após a primeira dose. A resposta imunológica varia de pessoa para pessoa, mas considera-se que está totalmente protegido 2 semanas após a conclusão da segunda dose.

Em ensaios clínicos, a vacina Pfizer demonstrou ser 95% eficaz na prevenção de infecções sintomáticas por Covid-19 em pessoas com 16 anos ou mais. A vacina também foi recentemente testada e autorizada para uso em adolescentes de 12 a 15 anos, demonstrando ser 100% eficaz contra a doença.

Os dados de eficácia do mundo real também são encorajadores. As vacinas de mRNA mostraram ser 94% eficazes na prevenção da hospitalização por Covid-19 em pessoas com 65 anos ou mais, que é um grupo considerado de maior risco para o desenvolvimento de doença grave. 

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Moderna

A vacina da Moderna também requer duas doses, mas elas são administradas com 4 semanas (28 dias) de intervalo. Da mesma forma, você precisará esperar pelo menos 2 semanas após a segunda dose para obter o benefício total. E, como a vacina Pfizer, você pode receber a segunda dose em até 6 semanas após a primeira, se necessário.

Em ensaios clínicos, a vacina Moderna demonstrou ser cerca de 94% eficaz na prevenção de infecções sintomáticas por Covid-19 em pessoas com 18 anos ou mais que receberam ambas as doses.

Conforme descrito acima, as vacinas de mRNA têm se mostrado altamente eficazes em adultos mais velhos, de acordo com dados do mundo real. Além disso, um estudo com profissionais de saúde mostrou que as vacinas de mRNA são 90% eficazes 2 semanas após a segunda dose. Isso significa que eles estão oferecendo proteção no mundo real semelhante ao que foi mostrado em testes clínicos.

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Johnson & Johnson

Ao contrário das vacinas de mRNA, a vacina da Johnson & Johnson requer apenas uma dose, o que a torna uma opção mais conveniente para muitas pessoas.

Pode parecer que a vacina Johnson & Johnson é significativamente menos eficaz do que as vacinas de mRNA, mas é importante saber que elas são difíceis de comparar. Vários fatores podem contribuir para as diferenças, como o que os estudos estão medindo e a prevalência de variantes do coronavírus onde as vacinas estão sendo testadas.

Dito isso, a vacina da Johnson & Johnson foi 66% eficaz na prevenção da Covid-19 sintomática 14 dias após a vacinação durante os ensaios clínicos. E o mais importante, foi 85% eficaz na prevenção de doenças graves (hospitalização e morte) pelo menos 28 dias após a vacinação.

Além do mais, dados do mundo real de um estudo que ainda não foi avaliado por pares mostraram que a vacina foi cerca de 76% eficaz na prevenção de Covid-19.

A proteção em relação as variantes

As três vacinas se mostram algo menos eficazes contra as variantes em geral, e particularmente contra a B.1.351, a da África do Sul. Porém, até agora (junho 2021) em nenhum caso, o suficiente para gerar preocupação sanitária.

“A eficácia estimada da vacina contra qualquer infecção documentada com a variante (inglesa) B.1.1.7 foi de 89,5% (intervalo de confiança de 95% [IC], 85,9 a 92,3) em 14 ou mais dias após a segunda dose. A eficácia contra qualquer infecção documentada com a variante B.1.351 foi de 75,0% (IC de 95%, 70,5 a 78,9). A eficácia da vacina contra doença grave, crítica ou fatal devido à infecção com qualquer SARS-CoV-2 (com as variantes B.1.1.7 e B.1.351 sendo predominantes no Catar) foi muito alta, em 97,4% (IC de 95%, 92,2 a 99,5).”1

“A taxa de eficácia da vacina da Janssen caiu de 72% nos Estados Unidos para apenas 57% na África do Sul, onde está presente a variante B.1.351.”2

“A Moderna diz que os primeiros resultados dos testes mostram um aumento da imunidade contra as variantes da Covid-19 encontradas pela primeira vez no Brasil e na África do Sul entre as pessoas que tomaram uma injeção de reforço ou uma nova vacina experimental.”3

“…dados iniciais de seu estudo de Fase 2, mostraram que uma única dose de 50 µg de mRNA-1273 ou mRNA-1273.351 dada como um o reforço para indivíduos previamente vacinados aumentou as respostas dos títulos de anticorpos neutralizantes contra SARS-CoV-2 e duas variantes preocupantes, B.1.351 (identificada pela primeira vez na África do Sul) e P.1 (identificada pela primeira vez no Brasil). Uma dose de reforço de mRNA-1273.351, o reforço da mesma cepa da Empresa (Moderna), alcançou títulos de anticorpos neutralizantes mais altos contra a variante B.1.351 preocupante do que uma dose de reforço de mRNA-1273.”4

Por que as vacinas Pfizer e Moderna requerem duas doses?

As vacinas de mRNA requerem duas doses para construir a resposta imunológica máxima. Existem dois tipos de células envolvidas na formação da imunidade – células B e células T.

As células B são as primeiras a se formarem após a aplicação da vacina, e sua função é produzir anticorpos nas primeiras semanas. No entanto, a quantidade de anticorpos no seu corpo pode começar a diminuir rapidamente se você não receber a segunda dose.

Mas assim que seu corpo vir a proteína spike novamente da segunda dose, seu sistema imunológico a reconhecerá na primeira vez e será capaz de produzir mais células T – células imunes direcionadas que duram mais – e células B maduras, que produzem anticorpos ainda mais fortes. Isso significa proteção melhor e mais longa contra o coronavírus.

Você pode estar se perguntando se uma dose lhe dará proteção suficiente se você estiver parcialmente vacinado. No entanto, ainda existem muitas incógnitas sobre por quanto tempo você estará protegido se pular sua segunda dose, então ainda é recomendado fazer as duas.

Por que as vacinas Pfizer e Moderna têm períodos de espera diferentes entre a primeira e a segunda injeção?

O intervalo de tempo entre a primeira e a segunda dose é determinado pelos dados coletados em seus ensaios clínicos. As empresas publicaram seus resultados de segurança e eficácia com base nesses intervalos especificados. Os dados publicados da Pfizer são baseados em um intervalo de 21 dias entre as doses, enquanto os da Moderna são baseados em um intervalo de 28 dias.

Quem pode receber as vacinas Covid-19?

Se você tem certos tipos de alergia – aos ingredientes da vacina, outras vacinas ou outras injeções – o CDC tem recomendações sobre se você deve ou não tomar a vacina. Mas para a maioria das outras pessoas, é recomendado que você seja vacinado. E embora existam algumas diretrizes gerais para todas as vacinas Covid-19, a maior diferença é quais grupos de idade podem receber cada vacina.

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Adultos

Todas as três vacinas Covid-19 podem ser administradas a pessoas com pelo menos 18 anos de idade. As vacinas Moderna e Johnson & Johnson estão atualmente autorizadas para uso apenas nesta faixa etária.

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Crianças

A vacina Pfizer, por outro lado, foi recentemente autorizada para qualquer pessoa com pelo menos 12 anos de idade, nos Estados Unidos e no Brasil. A Moderna também tem testes de vacinas em adolescentes em andamento, com resultados provisórios de 96% de eficácia em pessoas de 12 a 17 anos. A Johnson & Johnson ainda está relativamente no início do processo de testar sua vacina em pessoas mais jovens.

Mas para crianças menores de 12 anos, ainda precisaremos esperar um pouco antes que as vacinas estejam disponíveis. Tanto a Pfizer quanto a Moderna estão em processo de teste de suas vacinas neste grupo – mesmo com apenas 6 meses de idade.

Todas têm os mesmos efeitos colaterais?

A maioria das vacinas tem o potencial de causar efeitos colaterais menores e as vacinas Covid-19 não são exceção. Cada uma das vacinas causa efeitos colaterais semelhantes entre si.

Devido à natureza de alto perfil da pandemia de coronavírus, você pode ter algumas preocupações sobre os efeitos colaterais dos quais ouviu falar nas notícias. Vamos analisar o que você deve esperar.

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Efeitos colaterais comuns

Todas as três vacinas Covid-19 têm o potencial de causar uma reação no braço de injeção, incluindo:

  • Dor
  • Vermelhidão
  • Edema no local da injeção ou dos gânglios linfáticos

Eles também podem causar sintomas leves de gripe , como:

  • Dor de cabeça
  • Fadiga
  • Dores no corpo
  • Febre baixa
  • Arrepios
  • Náusea

Os efeitos colaterais tendem a ser de gravidade leve a moderada e duram apenas alguns dias. E se você estiver recebendo uma vacina de mRNA, os efeitos colaterais tendem a ser mais fortes após a segunda dose.

É importante lembrar que as pessoas podem reagir às vacinas de maneira diferente – algumas podem reagir fortemente, enquanto outras não reagirão de forma alguma. E se você não sentir quaisquer efeitos colaterais, isso não significa que não esteja funcionando.

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Efeitos colaterais graves

No geral, todas as três vacinas Covid-19 foram bem toleradas com efeitos colaterais temporários. No entanto, às vezes podem ocorrer efeitos colaterais mais graves. Aqui estão alguns que você deve conhecer:

Reações alérgicas graves

Uma reação alérgica grave após uma vacina Covid-19 é extremamente rara, mas se você tiver após a primeira dose, o CDC recomenda que você não tome a segunda dose.

Uma reação alérgica grave, também conhecida como anafilaxia, requer o uso de epinefrina e, possivelmente, uma ida ao hospital. O CDC recomenda que todos os que recebem a vacina Covid-19 sejam monitorados por 15 minutos depois – é quando as reações alérgicas mais graves tendem a acontecer.

Mas se você tem histórico de anafilaxia por qualquer causa, ou se teve uma reação imediata após uma vacina ou medicamento injetável diferente, você deve ser monitorado por 30 minutos.

Dor forte no braço

O CDC recebeu relatos raros de “braço COVID” após receber a primeira dose de uma vacina Covid-19. Esta é uma erupção cutânea vermelha, inchada, com coceira e potencialmente dolorosa no braço injetado que às vezes pode cobrir uma grande área. Pode ocorrer alguns dias a uma semana após a vacinação.

Ainda é recomendado tomar a segunda dose se você tiver isso, mas avise seu vacinador quando for para a segunda injeção.

Riscos de coágulo sanguíneo da vacina Johnson & Johnson

Após a administração da vacina Johnson & Johnson, houve relatos de uma doença rara, mas grave, de coagulação do sangue. Após uma breve pausa e análise de especialistas, o CDC e o FDA concordam que esta vacina ainda é segura para uso.

No entanto, se você receber a vacina Johnson & Johnson, deve ficar atento aos seguintes sintomas por 3 semanas após a injeção:

  • Falta de ar
  • Visão embaçada
  • Dor de cabeça forte que não vai embora
  • Inchaço nas pernas
  • Dor no peito
  • Dor abdominal que não vai embora
  • Hematomas ou manchas de sangue sob a pele, longe do local da injeção

Em síntese:

No geral, todas as três vacinas previnem com eficácia doenças graves, hospitalização e morte por Covid-19. E os efeitos colaterais mais comumente relatados são dor no braço leve a moderada e sintomas semelhantes aos da gripe que duram alguns dias.

Leia também o post: Como as vacinas da Pfizer e da Oxford-AstraZeneca se comparam?

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Cadastre-se E receba nosso newsletter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SAIBA TUDO SOBRE VACINAS COVID-19
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas