Psicologia da Dor - by dorcronica.blog.br

Terapias psicológicas para a dor crônica

Terapias psicológicas para a dor crônica

A terapia cognitivo-comportamental (TCC) e a Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT) têm se demonstrado úteis para controlar depressão, transtornos de ansiedade, problemas de uso de álcool e drogas, problemas conjugais, transtornos alimentares e doenças mentais graves. A sua aplicação no campo da dor humana não podia demorar. A dor é um estressor complexo com custos físicos, psicológicos, ocupacionais e financeiros substanciais, particularmente em sua forma crônica. Como a intervenção médica frequentemente não resolve a dor crônica completamente, há necessidade de abordagens para o seu gerenciamento, incluindo intervenção psicológica. Idealmente, são procuradas melhorias no funcionamento físico, emocional, social e ocupacional, em vez de na resolução da própria dor. No entanto, as terapias psicológicas para a dor crônica diferem em seu escopo, duração e objetivos e, portanto, apresentam padrões distintos de eficácia do tratamento. Esse artigo compara brevemente duas delas: a terapia cognitivo-comportamental e a terapia de aceitação e compromisso.

“O objetivo principal da psicoterapia não é transportar a pessoa para um estado impossível de felicidade, mas ajudar (o cliente) a adquirir firmeza e paciência diante do sofrimento.”

– Carl Jung

Você certamente já ouviu falar de Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) de uma forma ou de outra. A TCC é uma terapia de curto prazo baseada em evidências que existe (em sua forma mais antiga) desde a década de 1950, com foco em ajudar as pessoas a desafiar e mudar o pensamento destrutivo e os padrões comportamentais.

A Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT) é menos conhecida apenas por ser mais nova que a TCC. Ela é considerada uma terapia de “terceira onda” – terapias que vão além das terapias cognitivas mais tradicionais e adicionam outras habilidades combinando mindfulness, visualização, hipnose etc.

Ambas as terapias, TCC e ACT, são baseadas em comportamento, mas diferem na visão que adotam em torno dos pensamentos que há por trás desses comportamentos. Enquanto a TCC funciona ajudando você a identificar e mudar pensamentos negativos ou destrutivos, a ACT sustenta que a dor e o desconforto são um fato da vida – algo com o qual devemos nos conformar serenamente ​​se desejamos viver uma vida feliz e realizada. O objetivo do ACT não é a eliminação de sentimentos difíceis; antes, é estar presente com o que a vida traz e “avançar em direção a um comportamento valorizado”. Por esta razão, a ACT encoraja o paciente a aceitar todos os pensamentos ao invés de tentar mudá-los – tanto os bons quanto os ruins.

Embora possam existir diferenças sutis e importantes no nível teórico e processual, os dados disponíveis não favorecem um tratamento em detrimento de outro e não sugerem mecanismos de ação diferenciados que garantam uma separação dramática da família de abordagens da TCC. Em vez disso, os tratamentos da “nova onda” são consistentes com a abordagem da TCC, que se refere a uma família de intervenções em vez de um único tratamento.

Para entender melhor como isso se parece na terapia, vamos nos aprofundar um pouco nas duas abordagens e no que as diferencia.

O que é Terapia Cognitivo Comportamental?

A TCC é uma terapia de curto prazo que se concentra na ideia de que não são os eventos da vida em si que nos causam problemas, mas sim a maneira como os interpretamos. Em outras palavras, a maneira como pensamos sobre o mundo afeta nosso comportamento – e, em última análise, como nos sentimos.

Um exemplo pode ser: se você está sempre antecipando o pior (em vez de se concentrar no positivo), acabará sendo muito cauteloso na vida. Esse tipo de pensamento é limitante porque provavelmente impedirá você de alcançar seus objetivos. Por sua vez, isso provavelmente vai deixar você triste e insatisfeito.

A terapia cognitivo-comportamental é amplamente utilizada para tratar incapacidades funcionais relacionadas à dor. Em geral, a TCC é uma intervenção baseada em habilidades que enfatiza a identificação e mudança de cognições, emoções e comportamentos desadaptativos. O tratamento breve (por exemplo, 1-2 sessões) ou de longo prazo (por exemplo, sessões sucessivas durante um período de 2 a 4 meses) pode ser realizado em sessões individuais ou em grupo. Quando aplicada dentro do modelo de evitação do medo, a TCC visa os efeitos deletérios da catastrofização da dor (ex.: cognições desadaptativas), do medo (ex.: uma emoção desadaptativa) e de comportamentos de evitação (ex.: comportamentos desadaptativos). O objetivo é desenvolver e adotar estratégias de enfrentamento destinadas a melhorar uma abordagem ativa de resolução de problemas para enfrentar e autogerenciar com sucesso as ameaças relacionadas à saúde representadas pela dor.

Embora os terapeutas da TCC usem várias técnicas, vários componentes são considerados “elementos centrais” dessa abordagem, incluindo:

  1. tarefas de casa graduadas (por exemplo, normalmente usando uma pasta de trabalho);
  2. reestruturação cognitiva (por exemplo, ensinar como desafiar cognições mal-adaptativas);
  3. treinamento de relaxamento (por exemplo, respiração diafragmática, relaxamento muscular progressivo e imaginação);
  4. ritmo de atividade baseado no tempo (por exemplo, basear-se no tempo ao invés da realização da tarefa); e
  5. extinguir comportamentos de dor (definidos como expressões verbais e não verbais de dor).

Outras técnicas incluem distração (por exemplo, desviar ativamente a atenção da dor), reinterpretação (por exemplo, mudar pensamentos sobre a dor), dissociação (por exemplo, separar sentimentos de dor de outras sensações), autoafirmações de enfrentamento (por exemplo, autoafirmações) e revelação emocional (por exemplo, escrita expressiva).

A terapia cognitivo-comportamental produz melhorias de longo prazo na intensidade da dor, incapacidade, qualidade de vida, enfrentamento relacionado, humor deprimido e comportamentos de procura de cuidados de saúde. Os efeitos favoráveis ​​da TCC nos resultados clínicos da dor são apoiados por pesquisas de imagem funcional. Em uma coorte de adultos com fibromialgia, a imagem funcional após a TCC exibiu maior ativação de regiões cerebrais associadas ao controle cognitivo executivo, sugerindo que a TCC aumenta o acesso às regiões cognitivas envolvidas na reavaliação da dor.1

Numerosos estudos de pesquisa sugerem que a TCC leva a uma melhora significativa no funcionamento e na qualidade de vida. Em muitos estudos, a TCC demonstrou ser tão eficaz ou mais eficaz do que outras formas de terapia psicológica ou medicamentos psiquiátricos. É importante enfatizar que os avanços na TCC têm sido feitos com base tanto na pesquisa quanto na prática clínica. A TCC, à diferença de outras terapias psicológicas, possui ampla cobertura científica a atestar que seus métodos produzem mudanças efetivas.

Terapias Baseadas na Aceitação

As terapias baseadas na aceitação enfatizam que crenças inflexíveis sobre a dor crônica (por exemplo, a dor crônica é curável e a expectativa de alívio total da dor) impedem a busca de valores de vida altamente considerados, resultando em um estado de desânimo e incapacidade.2

Duas abordagens baseadas na aceitação amplamente utilizadas para dor crônica incluem terapia de aceitação e compromisso e redução de estresse baseada em mindfulness.

  • A terapia de aceitação e compromisso promove a conscientização e a aceitação sem julgamento da dor crônica, ao mesmo tempo em que identifica e se compromete a perseguir metas que apoiam valores de vida altamente considerados. Um resultado importante da terapia é o funcionamento aprimorado por meio da aceitação contextual da dor. A terapia de aceitação e compromisso difere da TCC, que se concentra em reconhecer, avaliar e fazer alterações em pensamentos, emoções e comportamentos inúteis relacionados à dor.
  • A terapia de redução do estresse baseada na atenção plena usa essa técnica para desenvolver a consciência intencional e sem julgamento do momento presente. Após 6 a 8 semanas de treinamento orientado, os indivíduos desenvolvem a capacidade de sustentar um estado de consciência aberto e de aceitação no qual a atenção autorregulada é mantida na experiência momentânea.

Esse tipo de terapia é particularmente útil se você tem a tendência de se esquivar ou evitar os problemas da vida. Isso porque incentiva você a se comprometer a trabalhar com seus problemas de frente e se aproximar de sentimentos difíceis, em vez de tentar escondê-los.

Como é isso na prática?

A ACT ensina como se tornar mais curioso sobre seus pensamentos e também técnicas para difundi-los.

Estas últimas podem incluir:

  • Dizer um pensamento difícil em voz alta repetidamente até que seu significado desapareça e apenas o som permaneça.
  • Reconhecer um pensamento pelo que ele é: um pensamento. Por exemplo, mudar “Ninguém gosta de mim” para “Estou pensando que…”
  • Desenvolver um relacionamento de convivência com seus estressores (internos ou externos, e quando inamovíveis), em vez de lutar contra eles – como a depressão, por exemplo.

Outro aspecto importante da ACT é o compromisso de agir e trazer mudanças positivas em sua vida. A terapia ACT ajuda a esclarecer as coisas que são importantes para a pessoa e a criar um plano que se ajuste aos seus valores – de maneira a, finalmente, trazer mais significado e propósito à sua vida.

Os efeitos das terapias baseadas na aceitação nos resultados clínicos da dor crônica têm resultados mistos. Por exemplo, em 2 revisões sistemáticas que incluíram ensaios de terapia de aceitação e compromisso e redução de estresse baseada em mindfulness, foram observados efeitos pequenos a moderados para dor, depressão, ansiedade, qualidade de vida e bem-estar físico. No entanto, em 2 revisões sistemáticas que incluíram apenas intervenções baseadas em mindfulness, pequenos efeitos sobre dor, depressão e ansiedade foram encontrados em 2 a 6 meses de acompanhamento, mas nenhum efeito significativo foi observado quando as metanálises foram restritas a estudos incorporando grupos de controle ativos.3

Estudos de imagens funcionais sugerem que a meditação da atenção plena reduz a ativação do córtex somatossensorial primário e aumenta a atividade em regiões cerebrais implicadas na regulação cognitiva e na reavaliação da dor.4

Em suma,

Tanto a ACT quanto a TCC são terapias poderosas e baseadas em evidências que podem trazer grandes mudanças na vida. Em última análise, tudo se resume a encontrar uma abordagem que mais ressoe com você.

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI