Dor Crônica - by dorcronica.blog.br

Síndrome da fadiga crônica: como identificá-la?

Fadiga crônica

Pessoas que sofrem de uma doença debilitante e frequentemente incapacitante, conhecida como síndrome da fadiga crônica, podem em breve ter algo que procuram há décadas: uma prova científica de sua doença.

Um novo estudo relata que cientistas da Stanford University desenvolveram um teste com base no sangue que identificou com precisão as pessoas com síndrome da fadiga crônica, ou Chronic Fatigue Syndrome/Myalgic Encephalomyelitis (CFS/ME).

Nota do blog:

A síndrome da fadiga crônica (SFC) é uma doença de longa duração com uma ampla gama de sintomas. O sintoma mais comum é o cansaço extremo. Ela também é conhecido como EM, que significa encefalomielite miálgica. SFC/EM pode afetar qualquer pessoa, incluindo crianças. É mais comum em mulheres e tende a se desenvolver entre os 20 e 40 anos.

A síndrome da fadiga crônica / encefalomielite miálgica atualmente carece de um teste diagnóstico padrão e confiável.

“Incrivelmente, eles parecem ter descoberto uma característica distintiva da SFC/EM, e que pode ser medida de forma simples e barata.”

– Professor Chris Ponting, geneticista, Presidente de Bioinformática Médica e Investigador Principal da Unidade de Genética Humana MRC, Universidade de Edinburgh.

“Muitas vezes, esta doença é categorizada como imaginária”, disse  o Professor Ron Davis , PhD, professor de bioquímica e genética e o autor de um artigo que descreve um exame de sangue que pode ser capaz de identificar a síndrome da fadiga crônica.

Um Divisor de Águas na Síndrome da Fadiga Crônica?

Atualmente, o diagnóstico da síndrome da fadiga crônica, quando ocorre, é baseado em sintomas – cansaço, sensibilidade à luz e dores inexplicáveis, entre outras coisas – e só ocorre depois de eliminadas outras possibilidades de doença. Os indivíduos com suspeita de síndrome de fadiga crônica podem passar por uma série de testes que verificam as funções hepática, renal e cardíaca, bem como as contagens de sangue e células imunológicas.

Todos esses testes diferentes normalmente orientariam o médico em relação a uma doença ou outra, mas para pacientes com síndrome de fadiga crônica, porém, geralmente os resultados indicam normalidade.

O teste, que ainda está em fase piloto, é baseado em como as células imunológicas de uma pessoa respondem ao estresse. Com amostras de sangue de 40 pessoas – 20 com síndrome da fadiga crônica e 20 sem – o teste produziu resultados precisos, sinalizando com precisão todos os pacientes com síndrome da fadiga crônica e nenhum dos indivíduos saudáveis.

“Vemos claramente uma diferença na maneira como as células imunológicas da síndrome da fadiga crônica e saudável processam o estresse.”

– Dr. Ronald W. Davis, Professor de Bioquímica e Genética, Stanford Medicine

A plataforma de diagnóstico pode até ajudar a identificar possíveis medicamentos para tratar a síndrome da fadiga crônica. Ao expor as amostras de sangue dos participantes a candidatos a um medicamento e repetir o teste de diagnóstico, os cientistas poderiam ver se ele melhora a resposta das células imunológicas. A equipe já está usando a plataforma para rastrear drogas em potencial que possam ajudar as pessoas com síndrome de fadiga crônica no futuro.

“É um procedimento muito simples. Simplesmente tiramos uma amostra de sangue. Removemos os glóbulos vermelhos e colocamos uma gota de sangue no detector. O que foi realmente surpreendente para nós foi que cada paciente mostra esse sinal – que é uma mudança de impedância – mas nenhum dos controles saudáveis ​​mostrou o mesmo sinal.”

“Isso é o que você realmente gostaria de ter em um teste de diagnóstico. Não é incomum em testes de diagnóstico aprovados ter até 10% de falso positivo e 10% de falso negativo. Em nosso caso, não encontramos falsos positivos nem falsos negativos.” afirmou o Dr. Davis.

“A segunda fase é tentar descobrir como diagnosticar se é SFC/EM e não alguma outra doença relacionada. Isso vai levar algum tempo, pois temos que examinar um grande número de outras doenças, mas isso está acontecendo no momento.”

A tecnologia de diagnóstico da síndrome da fadiga crônica

Para Davis, a busca por evidências científicas da doença é pessoal. O seu filho sofre de síndrome da fadiga crônica há cerca de uma década. Foi uma pista biológica que Davis identificou pela primeira vez em seu filho que o levou a desenvolver a nova ferramenta de diagnóstico.

A tecnologia de diagnóstico usada emprega um “ensaio nanoeletrônico”, que é um teste que mede mudanças em quantidades minúsculas de energia como um substituto para a saúde das células do sistema imunológico e do plasma sanguíneo.

“As células imunológicas de pessoas saudáveis e de pessoas com a SFC/EM processam o estresse de maneira diferente.”

Por um lado, milhares de eletrodos criam uma corrente elétrica, e por outro lado, amostras simplificadas de sangue compostas por células do sistema imunológico e plasma são armazenadas em câmaras. Dentro das câmaras, as células imunológicas e o plasma interferem na corrente, mudando seu fluxo de uma ponta a outra.

A mudança na atividade elétrica está diretamente relacionada com a saúde da amostra. Mudanças na corrente indicam mudanças na célula: quanto maior a mudança na corrente, maior a mudança no nível celular. Uma grande mudança não é uma coisa boa; é um sinal de que as células e o plasma estão se debatendo sob estresse e são incapazes de processá-lo adequadamente. Todas as amostras de sangue de pacientes com síndrome da fadiga crônica criaram um pico claro no teste, enquanto as de controles saudáveis ​​retornaram dados relativamente uniformes.

“Não sabemos exatamente por que as células e o plasma estão agindo dessa maneira, ou mesmo o que estão fazendo”, disse Davis. “Mas (o achado prova que) há evidências científicas de que essa doença, a SFC/EM não é uma invenção da mente de um paciente. Vemos claramente uma diferença na forma como as células imunológicas da síndrome da fadiga crônica e saudável processam o estresse.”

A reação dos especialistas

“O biomarcador da Stanford mostra que as pessoas com SFC/EM são diferentes dos controles saudáveis no que diz respeito às propriedades elétricas de suas amostras de sangue. Antes que essa abordagem seja testada clinicamente, entretanto, três coisas serão necessárias:

Primeiro, os resultados devem ser replicados em uma segunda coorte de indivíduos. Em segundo lugar, o dispositivo deve ser testado para determinar se diferencia SFC/EM não apenas da saúde geral, mas também de outros distúrbios. Finalmente, as primeiras indicações de que o dispositivo pode distinguir pessoas gravemente afetadas de moderadamente afetadas com síndrome da fadiga crônica precisam ser testadas exaustivamente.”

“De qualquer maneira, esses resultados (do estudo da Stanford) agora também restringem as possíveis causas moleculares e celulares desse conjunto devastador de condições.”, admite o Prof Chris Ponting, antes mencionado.

“Há evidências científicas de que essa doença, a SFC/EM não é uma invenção da mente de um paciente”.

Próximos Passos

Agora, Davis e sua equipe estão expandindo seu trabalho para confirmar as descobertas em uma coorte maior de participantes. Além de diagnosticar a síndrome da fadiga crônica / encefalomielite miálgica, os pesquisadores também estão aproveitando a plataforma para triagem de tratamentos à base de medicamentos, já que atualmente as opções são mínimas.

“Usando o ensaio de nanoeletrônica, podemos adicionar doses controladas de muitos medicamentos diferentes potencialmente terapêuticos às amostras de sangue do paciente e executar o teste de diagnóstico novamente”, disse Davis.

Se as amostras de sangue coletadas de pessoas com SFC/EM geram um pico na corrente elétrica, então a droga testada provavelmente não funciona. Se, no entanto, a droga atenuar o salto na atividade elétrica, isso pode significar que está ajudando as células imunológicas e o plasma a processar melhor o estresse.

Baseado no artigo:Síndrome de Fadiga Crônica. Um Biomarcador Identificado”, de autoria de Steve Fisch.

Cadastre-se E receba nosso newsletter

2 respostas

  1. Sinceramente falando, só quem sente sabe como é essa doença SFC/EM .
    Não há ‘treino mental’ que resolva, vcs não têm ideia do que se trata,
    e creio que estão longe de saber.
    É a mesma coisa de querer ‘treinar’ uma pessoa desidratada a não sentir sede….. não resolve nada …. mesmo que ela ‘engane’ seu cérebro pra ‘não sentir a sede’ …. se ela não beber água …. vai continuar desidratada, entenderam ?!
    Não se iludam…. e não iludam as pessoas …. isso não é legal !
    Não ‘ensinem’ o que vcs mesmos ‘não sabem’ !

    1. Pelo visto, a senhora já desistiu de tentar aliviar a sua condição de saúde usando a própria mente. Talvez se saia melhor com medicamentos e/ou fazendo nada. Desejo-lhe muita sorte nisso. Cada um é dono do seu destino. Eu sou um iludido que deu certo – 23 anos carregando uma dor cervical severa – e vou continuar ajudando pessoas que queiram se iludir se baseando nos achados científicos em que eu me inspirei – diferentes dos seus, certamente – e fazendo o que eu fiz. Talvez consigam os mesmos bons resultados que eu consegui, talvez não. Porém, eu prefiro dar a todos esses iludidos um alento de vida, uma razão pela qual lutar contra a adversidade, em vez de fazer coro aos que – talvez por ser mais inteligentes, argutos e sabidos etc. – não tem nenhuma. De tão realistas que foram, da ilusão de viver, nelas, ficou nada. A mim, e a uns quantos outros, esse desfecho não interessa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI