Neurociência e Dor - by dorcronica.blog.br

Quebrando o ciclo da dor

Quebrando o ciclo da dor

Este post foi escrito há 13 anos. Mas não se engane, o que postula está muito vigente. Na época, pode ter sido uma premonição, ou uma sacada baseada no bom senso, ou uma análise cuidadosa do potencial da então emergente neurociência da dor. Provavelmente, foi uma mistura de tudo isso. O fato é que ele acena com uma teoria muito atual, por demais suportada pela neurociência da dor. A de que a causa e a solução da dor crônica não maligna e sem explicação, estão na mente de quem a sente.

Nota do blog:

Isso da dor “estar na cabeça da gente” e não no local de uma ferida ou lesão está mais do que cientificamente comprovado, mas não é o caso aqui de nos determos a explicar os porquês. Basta dizer que aquilo não implica na dor ser um produto da imaginação do(a) portador(a), como alguns médicos preferem acreditar, e sim no fato de ela resultar de interações neuro-eletroquímicas (ou coisa que o valha) muito concretas que ocorrem no Sistema Nervoso Central (do qual o cérebro faz parte), identificáveis em nível molecular por meio de aparelhos de leitura de imagem (ressonância magnética) de última geração. Não assuste, longe de mim eu querer impressionar você com neuro-termos rimbombantes que quase ninguém entende. Ao contrário, a beleza deste artigo, além de ser pioneiro no seu gênero – o da biopsicopatologia da dor – é a sua simplicidade ao nos dizer que a dor crônica é, em essência, uma dor nociplástica. Ou seja, uma dor sem causa tecidual aparente; ou dito de outra forma, uma dor cuja origem então só pode ser mental. E que, portanto, precisa ser mentalmente enfrentada.

Eu soube de Alan Gordon, o autor do artigo, há 5 anos. Ambos seguíamos os ditados de um discreto médico novaiorquino especializado em medicina de reabilitação de nome John Sarno. Sarno era olimpicamente desprezado pela classe médica por duas coisas: 1) curava a maioria dos pacientes, 2) motivando-os, via conversa, a pensar psicologicamente sobre sua dor. Ponto. A maioria concluía que não havia motivos físicos para sentir dor e medo, e que a saída consistia em convencer o próprio cérebro disso. Se você quer saber mais do Sarno, eu traduzi o seu livro mais famoso e publiquei vários posts sobre sua obra. Apesar de eu ler quilos de artigos científicos sobre dor toda semana, continuo achando ele o máximo.

Na época, o Alan destacava-se por publicar podcasts dos diálogos com seus pacientes. Atualmente, ele é big business. Após participar de um estudo inovador de neuroimagem sobre o tratamento da dor crônica, a cargo de pesquisadores da University of Colorado-Boulder, que evidenciou bons resultados, ele escreveu um bom livro sobre o assunto: “The Way Out”. A abordagem foi bem-sucedida o suficiente para construir a base do Pain Psychology Center: uma instalação de tratamento com sede em Los Angeles que emprega 19 terapeutas, ocupar uma cadeira de professor assistente da USC, e ser cofundador de um site que vende produtos da linha mente-corpo nos EUA e na Europa.

Hoje, a mensagem do Alan é a mesma do Dr. Sarno, embora fundamentada em ciência e usando termos mais cativantes. Mas a ideia central continua simples e sugestiva: a dor crônica pode ser curada pelo próprio paciente, desde que ele ou ela siga um protocolo mental destinado a detectar e eliminar fontes de dor (essencialmente, estressores hospedados na consciência).

QUEBRANDO O CICLO DA DOR

Autor: Alan Gordon

Este artigo é para aqueles de vocês que tiveram o seguinte pensamento: “Eu tentei olhar minha dor psicologicamente, abordei algumas das emoções subjacentes e, no entanto, por que minha dor não está desaparecendo?”

Há uma resposta curta e uma longa.

Vou começar com a resposta curta. A dor psicofisiológica tem um propósito subjacente: gerar preocupação. Os comportamentos preocupantes servem para reforçar a dor, perpetuando assim o ciclo.

A menos que você leia tratados de behaviorismo em seu tempo livre, isso provavelmente não significa nada para você; mas aqui está a essência: a maneira de eliminar ou reduzir significativamente sua dor é quebrar esse ciclo de reforço.

Se você tentar isso, posso dizer-lhe duas coisas:

  1. Há uma boa chance de você se livrar de seus sintomas,
  2. É muito difícil.

Quero começar com alguns exemplos da forma como o reforço funciona.

Se você dá a um rato um grânulo de comida sempre que ele corre na roda, você está reforçando esse comportamento. Sua pequena mente de rato pensará: “Toda vez que eu corro no volante, eu recebo comida. Comida é boa. Vou correr mais”. Isso também funciona com pessoas. Se você der um doce a uma criança cada vez que ela faz birra, você está reforçando seus chiliques. O garoto aprende, “Se eu fizer uma birra, eu recebo doces”, e o comportamento continuará.

Isto é o que está acontecendo com sua dor. Embora você provavelmente não esteja ciente disso, sua dor está sendo reforçada dezenas de vezes por dia. E, como a nossa criança com ataque de birra, se um comportamento for reforçado, ele continuará.

Então, a questão é, como a dor está sendo reforçada? Qual é o agente de reforço?

Porque (na maioria dos casos, pelo menos) o propósito da dor é preocupar ou distrair-se de emoções inconscientes dolorosas, então qualquer coisa que levará à preocupação servirá como um reforçador.

Há duas fontes principais de preocupação: medo e atenção. Sua mente originalmente introduziu a dor em uma tentativa de preocupá-lo. Toda vez que você sente medo relacionado ao seu sintoma físico, e toda vez que você dá atenção, a dor está sendo reforçada.

Isso é tudo inconsciente, então não tome isso para significar que você é responsável por perpetuar sua dor. Você não é mais responsável por seus processos inconscientes do que você é por seus sonhos sobre perder seus dentes ou aparecer nu na escola.

Medo e atenção. Essas duas coisas são o combustível para sua dor.

A maioria de vocês provavelmente teve os seguintes pensamentos em algum momento: “Será que essa dor irá desaparecer?” “Ora, como a vida era boa antes da dor!” “Espera, hoje ela está melhor ou pior do que ontem?”

Cada vez que você pensa sobre sua dor, sente-se frustrado por isso, monitora-a, sente sua própria existência, a parte da sua mente que criou sua dor está recebendo exatamente o que ela quer. Preocupação. Você está totalmente e inequivocamente preocupado. Sua mente vai para a dor 20 ou 50 ou 100 vezes por dia. Você monitora isso, você tem medo, você se concentra nisso, você se pergunta se vai doer se você usar esses sapatos, você se pergunta se a festa que você vai tem cadeiras confortáveis, você pensa: “Como eu estou? alguma vez vou ter filhos se eu não consigo nem mesmo levantá-los?”. Sua mente é uma máquina implacável, despertando um pensamento atrás do outro, e um medo após o outro, com um foco singular: a dor.

E sua mente passou a sofrer tantas vezes por tantos dias ou semanas ou anos, que tornou-se um hábito. E os hábitos são difíceis de quebrar. Mas você pode quebrá-lo. E quando você faz, quando você tira sua fonte de combustível, a dor perderá seu poder. Como um carro que fica sem gasolina, acabará por sair…

No filme “O Mágico de Oz”, Dorothy e a gangue estavam aterrorizadas com o poderoso mago. Mas assim que Toto puxou a cortina para trás, e eles viram que era apenas um homem, ele perdeu seu poder sobre eles. (Nota do blog; se você não assistiu esse filme, é uma pena. Alguns ainda o consideram o melhor filme de todos os tempos, junto com “Citizen Kane”.)

Convido você a puxar a cortina de volta. Veja o que sua mente está fazendo. Veja quão desesperado e persistente e inteligente é fazer você se concentrar em sua dor com esse pensamento ou esse medo. Saiba que seu objetivo, seu motivo interior é aterrorizá-lo ou frustrar você ou preocupá-lo de alguma forma; e faça uma escolha consciente e um esforço consciente para não comprar esses pensamentos. Tire seu poder.

Ouvi monges budistas fazer a seguinte analogia: um pensamento é como um trem que puxa para a estação. Você pode saltar a bordo do trem e deixá-lo levá-lo a algum outro lugar, ou você pode assistir o comboio à medida que passa. Observe esses pensamentos pautados pela dor à medida que aparecem. Eles são a maneira da sua mente tentar manter você com medo e atender a dor. Saiba que esses pensamentos estão tentando fazer você saltar a bordo e você precisa tomar uma posição contra eles; até mesmo rir deles e de sua astúcia.

Quando você para de acreditar nesses pensamentos e medos, você está cortando o reforço da dor. E quando você parar de reforçar um comportamento, o comportamento perde seu propósito.

Eu mencionei anteriormente que isso é difícil de fazer. Na verdade, ele vai contra a própria natureza por causa do poder que a dor pode ter sobre você. É um processo de reaprendizagem que leva tempo e prática.

Quero enfatizar que não estou defendendo que você tente ignorar a dor. A própria dor não é o problema. São as histórias e emoções e medos e frustrações em torno da dor que o distraem de emoções dolorosas e inconscientes. A própria dor é simplesmente um meio para um fim.

Os clientes me disseram que, quando conseguiram não se entregarem a esses pensamentos temáticos, eles realmente se tornam um pouco indiferentes à dor. Claro que ainda dói, mas sem todo o medo e a frustração, a dor perde muito do seu significado.

Quando você alcança este lugar de quase indiferença, a dor já não está cumprindo seu propósito, e acabará desaparecendo. Não é tarefa fácil tentar tornar-se indiferente em relação a algo que você se preocupa muito, e não é algo que pode ser alcançado durante a noite. Mas, gradualmente, tirando o poder da sua dor, você provavelmente verá mudanças incrementais, o que fará com que continuar a fazê-lo se torne ainda mais fácil.

Quero adicionar duas advertências.

1

Há um fenômeno no behaviorismo conhecido como “explosão de extinção”. Quando você pára de reforçar um comportamento, você pensaria que o comportamento seria imediatamente interrompido. Mas eles descobriram que esse não é o caso. Quando você pára de dar os pellets de alimentos do rato para correr na roda, ele realmente corre mais e mais rápido no início, antes que ele pare de funcionar completamente. Quando você pára de dar o doce ao garoto de dois anos de idade, suas birras realmente pioram antes de ir embora. Ninguém gosta de perder um comportamento que está funcionando, então há um pouco de resistência uma vez que o reforço é tirado.

Como isso é relevante para a dor? Muitas vezes, quando você tira o reforço da dor (medo, atenção etc.), a dor piora antes de ir embora. A mente não gosta de perder um mecanismo de defesa mais do que uma criança gosta de perder seu comportamento de fazer birra pelo doce. Então, só saiba que se você parar de reforçar a dor e começa a piorar, não entre em pânico, isso é apenas uma explosão de extinção. Isso significa que você está no caminho certo.

2

Embora eu focasse principalmente em como responder à dor, não quero minimizar a importância de trabalhar com as emoções subjacentes. Muitas vezes, se você não trabalha com essas emoções, aparecerá um novo sintoma que servirá para preocupá-lo novamente. Uma das razões que quebram o ciclo da dor é tão difícil porque os pensamentos e medos relacionados à dor são tão persistentes e implacáveis. Então você deve ser também.

Há uma ótima história que muitas vezes digo aos meus clientes que captam a importância disso. No final dos anos 70, Bob Marley estava programado para se apresentar em uma manifestação de paz na Jamaica. Dois dias antes da manifestação, ele foi baleado por um homem armado desconhecido. Apesar de seus ferimentos, ele apareceu no evento e performou por 90 minutos. Quando perguntado depois por que ele não ignorou o evento para se recuperar, ele respondeu: “As pessoas que estão tentando fazer o pior do mundo não tiram um dia de folga. Como posso?”

Seus pensamentos e medos sobre a dor não vão tirar um dia de folga, como você pode? Seja disciplinado, seja persistente, comprometa-se a puxar a cortina para trás sobre esses pensamentos e quebrar o padrão de reforço. Quando você tira o poder da dor, é um comportamento sem propósito. E seus dias estão contados.

Tradução livre de “Breaking the Pain Cycle”, de Alan Gordon.

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Veja outros posts relacionados…

nenhum

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI