Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Qual é a estratégia de tratamento ideal da fibromialgia?

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Este é o quarto post de uma série de sete, baseada numa revisão de artigos sobre as Diretrizes Canadenses de 2012 para o Diagnóstico e Tratamento da Síndrome de Fibromialgia, focando as mudanças na compreensão e tratamento da fibromialgia ocorridas desde os anos 90.

A série sobre Fibromialgia está composta de:

1 Como o diagnóstico da fibromialgia mudou? Ver post →
2 Como diagnosticar a fibromialgia? Ver post →
3 Como as novas evidências neurofisiológicas sobre a fibromialgia podem propiciar seu gerenciamento racional? Ver post →
4 Qual é a estratégia de tratamento ideal da fibromialgia?  
5 Quais são os tipos de tratamento indicados para a fibromialgia? Ver post →
6 Quais medidas de resultados podem ser aplicadas na prática clínica? Ver post →
7 Fibromialgia: ainda em busca de identidade médica Ver post →

Autor: Julio Troncoso

Como não há cura para a fibromialgia, o objetivo do tratamento é melhorar os sintomas e otimizar a função1234567891011. O manejo baseado em sintomas levará em consideração a natureza heterogênea da fibromialgia, com atenção a todos os componentes do sofrimento. 12 A estratégia ideal irá combinar tratamentos não farmacológicos e farmacológicos em uma abordagem multimodal sob medida para o paciente individual.13 Os médicos são, portanto, encorajados a identificar o(s) sintoma(s) mais problemático(s) e direcionar o manejo de acordo. Sabendo que os sintomas persistem com o tempo, a maioria dos pacientes identificará estratégias que podem modular as exacerbações.14 Os pacientes devem ser encorajados a serem participantes ativos em sua gestão de cuidados de saúde, porque a autoeficácia (a crença na capacidade de alguém para atingir uma meta ou resultado) e a adesão ao tratamento predizem um resultado melhor, enquanto um resultado menos favorável está associado a resultados externos locus de controle (a crença de que apenas fatores externos podem influenciar a saúde de alguém, em oposição a um locus de controle interno, que é a crença de que se tem controle sobre a própria saúde) e traços de personalidade, como neuroticismo e catastrofização.1516

Tratamento da fibromialgia1718192021222324252627

Conceitos gerais

  • Nenhum tratamento supera os outros, então uma abordagem multimodal é melhor.
  • O objetivo do resultado é o controle dos sintomas e a melhoria da função.
  • O envolvimento do paciente melhora a adesão, e o fracasso do tratamento está associado à passividade, transtorno do humor não controlado, catastrofização e ganho secundário.

Tratamento não farmacológico da Fibromialgia

  • É essencial que as terapias não farmacológicas sejam incorporadas a um plano de tratamento.
  • Habilidades de enfrentamento, autoeficácia e educação do paciente formam a base da autogestão.
  • O exercício regular deve ser encorajado para todos os pacientes, embora as evidências sejam atualmente limitadas.
  • Não há evidências suficientes para recomendação de tratamentos de medicina complementar e alternativa.

Tratamento farmacológico da Fibromialgia

  • O manejo baseado em sintomas deve abordar os sintomas individuais de dor, sono, humor e fadiga, mas os efeitos podem ser modestos.
  • Uma abordagem “comece devagar, vá devagar” é recomendada ao iniciar a terapia farmacológica.
  • Drogas com diferentes mecanismos de ação podem ser combinadas para melhorar a eficácia.
  • Ao longo do tratamento, a eficácia e o perfil de efeitos adversos devem ser monitorados.

A evidência atual indica que não existe um único tratamento ideal, com respostas modestas na melhor das hipóteses. 28 A interpretação dos efeitos do tratamento em estudos clínicos pode ser confundida na ausência de uma medida de desfecho universalmente aceita, com estudos relatando efeitos variáveis ​​sobre a dor, qualidade de vida ou outros fatores afetados pela fibromialgia.

Em uma meta-análise de rede que examinou a eficácia comparativa de tratamentos farmacológicos e não farmacológicos, os efeitos da maioria dos tratamentos foram calculados como pequenos a moderados, com tamanho de efeito reduzido para a maioria dos tratamentos conforme o tamanho das amostras aumentava.29 Quando estudos com mais de 50 participantes por grupo foram examinados, as diferenças médias padronizadas (SMDs) com intervalos de credibilidade de 95% (CrIs), interpretados de forma semelhante aos intervalos de confiança (ICs), variaram de -0,19 (95% CrI -0,60 a 0,23) para o tratamento com inibidores seletivos da recaptação da serotonina, indicando nenhum efeito significativo, a -0,47 (95% CrI -0,69 a -0,24) para tratamentos de terapia multicomponente. Um SMD de -0,20 indica pequenas diferenças entre os grupos, enquanto um SMD de -0,80 indica um grande efeito de um tratamento. Há, portanto, a necessidade de estudos maiores e bem controlados para ajudar a direcionar os tratamentos.

Tratamentos não farmacológicos da Fibromialgia

As estratégias não farmacológicas são parte integrante da terapia multicomponente, que atualmente apresenta as melhores evidências de efeito no tratamento da fibromialgia. Essas intervenções podem incluir educação para melhorar a autoeficácia do paciente e os mecanismos de enfrentamento, bem como exercícios, intervenções psicológicas, como terapia cognitivo-comportamental e terapia multidisciplinar. As intervenções não farmacológicas devem ser incorporadas ao plano de tratamento de cada paciente.30313233

Levando em consideração os benefícios globais para a saúde associados a um programa de exercícios regulares, é intuitivo que os exercícios devam ser uma rotina normal para todos os pacientes com fibromialgia. A evidência dos efeitos do exercício em sintomas específicos de fibromialgia não é convincente devido ao desenho heterogêneo do estudo, medidas de resultados variáveis ​​e diferentes modalidades de exercício examinadas. Em uma meta-análise de 45 estudos, 10 dos quais eram elegíveis para inclusão, melhorias de curto prazo na dor foram observadas com exercícios, que incluíram exercícios aeróbicos, de treinamento de força, baseados em piscina e multicomponentes.34 No entanto, foi identificada a necessidade de estudos de longo prazo.35 Quando pelo menos 50 participantes foram incluídos por grupo e a qualidade de vida foi a medida de desfecho, o SMD para exercício aeróbio foi de -0,28 (95% CrI -0,54 a 0,01), indicando nenhum efeito significativo.36

A terapia cognitivo-comportamental foi encontrada para ajudar os pacientes a lidar com a dor, melhorando os comportamentos relacionados à dor, a autoeficácia e o funcionamento físico geral, mas os efeitos nos sintomas não foram significativos.37 O SMD para o efeito da terapia cognitivo-comportamental sobre a dor foi calculado em -0,43 (95% CrI -0,74 a -0,12) e -0,55 para a qualidade de vida (95% CrI -0,96 a -0,15), indicando um efeito moderado.38

O tratamento multicomponente que inclui terapia educacional ou psicológica combinada com pelo menos 1 programa de exercícios foi considerado eficaz a curto prazo para a redução da dor (SMD -0,37, IC de 95% -0,62 a -0,13), fadiga (diferença média ponderada – 0,85, IC de 95% -1,50 a -0,20), sintomas de depressão (SMD -0,67, IC de 95% -1,08 a -0,26) e limitações à qualidade de vida relacionada à saúde (SMD -0,59, IC de 95% -0,90 a -0,27), enquanto melhora a aptidão física (SMD 0,30, IC 95% 0,02 a 0,57). No entanto, apenas os efeitos positivos relacionados à aptidão física foram mantidos em longo prazo (SMD 0,30, IC 95% 0,09 a 0,51).39 Embora os pacientes com fibromialgia usem comumente medicamentos complementares, incluindo medicamentos ingeridos e administrados pelo médico, atualmente não há evidências suficientes para recomendar essas terapias.40 Levando em consideração a contenção de custos, o acesso a um enfermeiro para aconselhamento e apoio em saúde, sessões de educação e participação em um programa de exercícios em grupo são modalidades acessíveis à maioria dos pacientes.

Este foi o quarto de uma série de sete posts contendo trechos selecionados do artigo: “Fibromyalgia: evolving concepts over the past 2 decades, de autoria de Mary-Ann Fitzcharles, Peter A. Ste-Marie, BA, e John X. Pereira, for the Canadian Fibromyalgia Guidelines Committee. Canadian Medical Association Journal.

Não deixe de conhecer os próximos posts da série sobre Fibromialgia:

1 Como o diagnóstico da fibromialgia mudou? Ver post →
2 Como diagnosticar a fibromialgia? Ver post →
3 Como as novas evidências neurofisiológicas sobre a fibromialgia podem propiciar seu gerenciamento racional? Ver post →
4 Qual é a estratégia de tratamento ideal da fibromialgia?  
5 Quais são os tipos de tratamento indicados para a fibromialgia? Ver post →
6 Quais medidas de resultados podem ser aplicadas na prática clínica? Ver post →
7 Fibromialgia: ainda em busca de identidade médica Ver post →
Cadastre-se E receba nosso newsletter

6 respostas

  1. Tenho fibromialgia há muito tempo, gostaria de alguém para me orientar. Creio estar num estágio muito avançado da síndrome. Obrigada

    1. Penso que a melhor maneira de responder é pedindo a você ler um breve post que eu fiz há um tempo (https://dorcronica.blog.br/tudo-que-voce-queria-saber-sobre-fibromialgia-reacoes/) sobre as reações das pessoas ao ebook “Tudo que você queria saber sobre Fibromialgia e tinha medo de perguntar” (https://www.dorcronica.blog.br/ebooks/fibromialgia-1/). São pessoas provavelmente parecidas a você, ou sofrendo da mesma forma com essa doença crônica sobre a qual ainda pouco se sabe. Por outro lado, há muita mitologia que desmotiva e acovarda os pacientes, impedindo que, no final das contas, façam o que interessa: assumir o próprio tratamento. A desinformação muitas vezes começa por um diagnóstico equivocado. Você preenche mesmo todos os critérios de diagnóstico da fibromialgia? Reveja isso. Ou com um tratamento falido. Como foi (ou ainda é) seu tratamento de autocontrole da dor? O qual, aliás, depende pouco de medicação e muito de levar consistentemente uma vida saudável. Enfim, o blog fornece muita informação sobre essas coisas e não adianta eu agora lhe mostrar caminhos sem você ter feito o dever de casa: estudar o que é fibromialgia, seus sintomas, as terapias, as expectativas de cura ou alívio etc. Compreendo a sua dor e respeito o seu sofrimento. Lamento não ter um remédio para lhe dar, ou um médico que poderia recomendar.

  2. Tenho fibromialgia desde de 2002,venho fazendo tratamento,e já fiz academia,caminhada e tenho hérnia de disco, infecção no nervo ciático e osteoporose já não aquento mais de tantas dores e agora me aparece alergia à vários alimentos.

    1. Maria de Lourdes, não sou médico e posso apenas opinar, não recomendar o que quer que seja. Algumas coisas talvez estejam angustiando você gratuitamente. O seu diagnóstico é mesmo de fibromialgia? Convém revisar isso porque foi feito há duas décadas e há várias outras doenças crônicas parecidas com fibromialgia que, a diferença desta, tem tratamento. Quanto a hérnia de disco, eu recomendo a você ler esse post publicado há um ano no blog (https://www.dorcronica.blog.br/a-sua-dor-nas-costas-pode-ser-fake-news/). Vai se surpreender. E por fim, não piore (você mesma) sua condição dolorosa antes de se informar bem sobre ela.
      Lamento não poder ajudar mais. De qualquer maneira, fique atenta a um post que vou publicar na próxima terça-feira (27/07). Você vai encontrar opções para tentar aliviar seus sintomas numa crise. Selecione uma ou outra, mas confirme com um médico as que convém adotar.

  3. Não há nada pior que vc ter uma doença que muitas vezes é tratada pelos outros como preguiça. Por ser uma doença silenciosa e invisível as pessoas tendem a duvidar da nossa dor.
    Muitas vezes me sinto tão mal que é xo ml o se eu tivesse levado uma surra do Popó e depois tivesse sido obrigada a correr uma maratona. Mas mesmo assim sou obrigada a sair da cama e cuidar de casa e do meu marido. Não há feridas, nao há nada que denote que estou tendo um ma crise fibromialgica portanto ninguém acredita na minha dor.
    Tenho sentido vontade de me matar, pois a morte deve ser melhor do que essa dor que não passa.

    1. Que tal dividir? Não para conquistar, mas para aguentar melhor a realidade. A dor da fibromialgia (ou de várias outras doenças crônicas parecidas) é uma coisa e… a atitude do próximo-não-tão-próximo é outra. Aceite a primeira e esqueça a segunda. Dependendo da severidade da fibromialgia, algumas pessoas conseguem preservar qualidade de vida, mas é demorado e requer estudo, mudança de hábitos e autogestão do tratamento. Pouca gente consegue. Não perca a esperança se não tentou tudo isso ao mesmo tempo por ao menos 6 meses. Quanto aos outros, eles são humanos e pior ainda, a dor que você sente não é transferível, nem imaginável. Então, não espere crédito ou compreensão dos outros, e evitará sentir raiva, pena e impulsos emocionais como isso de querer se suicidar. Na sua imaginação, peça para o Popó dar um jeito neles. Acredite, distrai da dor e faz bem para a paz de espírito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SAIBA TUDO SOBRE VACINAS COVID-19
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas