Psicologia da Dor - by dorcronica.blog.br

Por que a cetamina é um psicodélico e por que isso importa?

Por que a cetamina é um psicodélico e por que isso importa?

Ao explorar o campo da terapia psicodélica e da medicina psicodélica, você pode se deparar com a questão de saber se a cetamina é corretamente classificada como “psicodélica”. Essa questão se torna importante à medida que o tratamento com cetamina como opção de terapia psicodélica se expande rapidamente. O que é mais importante, no entanto, é o que essa classificação empresta à discussão geral em torno das modalidades de terapia psicodélica como opções de tratamento de saúde mental.

Autor: Eric Brown

Discussão sobre a cetamina como um medicamento “psicodélico”

A classificação da cetamina (ou ketamina) como psicodélica é em grande parte uma discussão semântica e subjetiva até o momento desta escrita. Entidades clínicas, acadêmicas, bioéticas e comerciais discordam amplamente da definição formal de “psicodélico”.

Aqueles céticos de que a cetamina seja classificada como psicodélico normalmente adiam a definição de um “psicodélico clássico”, que se refere exclusivamente a compostos alucinógenos que atuam principalmente nos receptores serotoninérgicos 5-HTA2 no cérebro. Este grupo inclui a psilocibina (encontrada em cogumelos psicodélicos) e a dietilamida do ácido lisérgico (LSD). Em comparação, a cetamina atua nos sistemas de glutamato do cérebro e nos receptores NMDA.

Aqueles que apoiam a classificação da cetamina como psicodélico citam suas semelhanças neurobiológicas (físicas) e fenomenológicas (características mentais) com os psicodélicos clássicos. Eles também apontam para a semelhança nos resultados do cliente por meio de várias modalidades de terapia psicodélica na pesquisa clínica, apesar da diferença nos mecanismos de ação neurológicos.

A cetamina não está sozinha nesta discussão. O composto 3,4-metilenodioximetanfetamina (MDMA) é outro psicodélico não clássico com aplicações medicinais apoiadas por pesquisas e rastreamento de aprovação do FDA. O MDMA também demonstrou levar a resultados positivos de saúde mental, especialmente em pacientes com transtorno de estresse pós-traumático (TEPT). 

Por que é importante que a cetamina seja reconhecida como um medicamento psicodélico?

Trata-se de aumentar o acesso à terapia psicodélica e melhorar os resultados de saúde mental dos clientes.

Além da Covid-19, a crise de saúde mental é a segunda principal crise de saúde pública nos Estados Unidos. De acordo com a Administração de Abuso de Substâncias e Saúde Mental dos EUA (SAMHA), 21% dos adultos dos EUA sofreram doenças mentais em 2020. Essa estatística representa um em cada cinco adultos, ou cerca de 53 milhões de pessoas.

A pesquisa em medicina psicodélica indica resultados positivos para um número crescente de condições de saúde mental e seus sintomas, como:

  • Transtornos do humor (depressão, transtorno depressivo maior, transtorno bipolar)
  • Transtornos de ansiedade (transtorno de ansiedade generalizada, transtorno de ansiedade social)
  • Distúrbios do trauma (TEPT)
  • Transtornos por uso de substâncias (transtorno por uso de álcool, transtorno por uso de substâncias)
  • Ideação suicida

“Sabemos através de pesquisas que todos os compostos psicodélicos exibem diferentes experiências sentidas e impactos neurobiológicos, mesmo psicodélicos clássicos dentro de sua própria categoria”, diz o Dr. Leonardo Vando, Diretor Médico da Mindbloom. “O mais importante são os tremendos resultados que medicamentos psicodélicos como a cetamina e compostos rastreados pelo FDA, como MDMA e psilocibina, estão proporcionando aos clientes que vivem diariamente com desafios de saúde mental”.

Portanto, embora “psicodélico” continue sendo um termo geral, com a maioria dos acordos centrados no que se qualifica como “experiência psicodélica”, a importância dessas classificações se torna menos importante diante dos resultados que elas fornecem.

O que é uma experiência psicodélica?

Origens do termo “psicodélico”

O termo “psicodélico” foi originalmente cunhado pelo psiquiatra inglês Humphry Osmond em uma carta endereçada a Aldous Huxley na década de 1950.

É uma combinação das palavras gregas “psyche” (mente) e “delos” (revelar). Isso nos dá a definição comum de psicodélico como “manifestação da mente”.

Quando combinada, a experiência “psicodélica” é uma experiência direta e incorporada de como a mente de um indivíduo funciona. Isso estabelece as bases para o potencial profundamente introspectivo que esses compostos e experiências têm a oferecer aos indivíduos.

Marcas de uma experiência psicodélica

As experiências psicodélicas geralmente fornecem aos indivíduos insights, emoções ou experiências únicas de porque e como eles são do jeito que são. Eles descobrem de onde surgem os padrões de comportamento, como se relacionam consigo mesmos, com os outros e com o mundo, e o estado atual de quem são no momento da experiência.

Existem vários fatores que surgiram na medicina psicodélica como marcas de uma experiência psicodélica. Embora a experiência de cada um seja única e varie de acordo com o indivíduo e cada sessão separada, essas características marcantes são uma estrutura poderosa para usar ao avaliar se um determinado composto ou experiência pode ser considerado psicodélico.

Inefabilidade

Uma marca clássica da experiência psicodélica é que é difícil, se não impossível, colocar adequadamente a experiência em palavras. Palavras e linguagem linear não parecem descrever a plenitude da experiência, e essa inefabilidade fundamental é um sinal de uma experiência psicodélica.

Novas experiências/insights

A experiência psicodélica pode fornecer ou induzir novas experiências, emoções, insights, revelações ou conexões que não eram previamente conhecidas, compreendidas ou incorporadas como realidade.

Dissolução

Um traço distinto da experiência psicodélica é a dissolução da sensação de ser um Eu isolado e separado — um ego.

Atemporalidade

Outra sobreposição com as experiências místicas, a experiência psicodélica muitas vezes pode trazer uma sensação de atemporalidade, que a experiência está ocorrendo fora do tempo.

Realidade de ordem superior

Uma sensação de “ver a Verdadeira Realidade” ou uma realidade de ordem superior à que está comumente disponível na consciência desperta comum. Uma sensação distinta de que tudo o que é experimentado como sendo quase “hiper-real”.

Perspectiva de 3ª Pessoa

Os psicodélicos e sua natureza de manifestação da mente muitas vezes podem trazer uma perspectiva de terceira pessoa: uma sensação de olhar para si mesmo e para sua psique como se estivesse de uma posição de observação distanciada. É essa perspectiva que ajuda a incluir os novos insights, emoções ou entendimentos que podem surgir em experiências psicodélicas.

Um ponto que vale a pena notar é que, a partir da definição original de uma experiência psicodélica, essa experiência não é estritamente limitada a uma classe de compostos ou dependente da ingestão de uma substância específica. Existem muitas experiências, e talvez a própria vida, que podem ser classificadas como psicodélicas sob essas definições.

Para fins de categorizar diferentes medicamentos, compostos e experiências como psicodélicos, essas seis características da experiência são um ponto de partida útil.

Se você já experimentou o tratamento com cetamina, ou conhece alguém que o tenha, pode notar que a experiência com cetamina geralmente inclui várias dessas características como parte da experiência. É essa realidade subjetiva da experiência da cetamina que é o argumento mais forte a favor da classificação da cetamina como um medicamento psicodélico.

Efeitos da cetamina como medicamento psicodélico

Semelhanças fenomenológicas

Referindo-se às características clássicas de uma experiência psicodélica, o tratamento com cetamina é capaz de induzir de maneira confiável e eficaz muitos, se não todos, esses indicadores em uma única sessão.

Da inefabilidade da experiência a um senso distorcido de tempo, espaço ou autoidentidade, e da dissolução do ego à qualidade noética de acessar um espaço novo, mas familiar, rico em informações, a experiência individual com cetamina compartilha quase todas as características clássicas de uma experiência psicodélica.

Semelhanças neurobiológicas

Embora não se limite apenas às características fenomenológicas ou mentais, a cetamina tem várias semelhanças neurobiológicas com os psicodélicos clássicos (psilocibina, LSD). Isso dá suporte à classificação da cetamina como psicodélica.

Este é um ponto que muitas vezes surge na discussão sobre se a cetamina deve ou pode ser considerada psicodélica. Enquanto os psicodélicos clássicos têm seu mecanismo de ação baseado no sistema serotoninérgico, atuando no 5HT2A e em outros receptores, a cetamina atua dentro de um sistema separado no cérebro: o sistema glutamato e os receptores NMDA.

É esse mecanismo de ação diferente que costuma ser usado para transmitir que a cetamina não é um psicodélico clássico. Embora o mecanismo de ação seja separado, você ainda pode notar que os resultados neurobiológicos permanecem semelhantes entre os vários compostos psicodélicos.

A pesquisa mostra níveis aumentados de neuroplasticidade nos dias após uma sessão, aumento da comunicação em diferentes regiões do cérebro e uma diminuição da atividade na Rede de Modo Padrão (DMN) no cérebro. Esses impactos neurobiológicos são alavancas poderosas no potencial transformador dos psicodélicos e existem na experiência da cetamina, bem como em outros compostos rastreados pela FDA, como o MDMA , não apenas os compostos psicodélicos clássicos.

Embora haja uma diferença no mecanismo de ação neurobiológico específico, vemos que os resultados finais são semelhantes. Além disso, dada a natureza subjetiva e experiencial da experiência psicodélica, são as semelhanças fenomenológicas que dão mais credibilidade à afirmação de que a cetamina pode e deve ser classificada como um composto psicodélico.

Essas semelhanças fenomenológicas da experiência, pareadas com resultados e impactos neurológicos semelhantes, contribuem como grandes pontos de apoio para a discussão de que a cetamina é, e deve ser, considerada um medicamento psicodélico e ser incluída no repertório clínico das modalidades de terapia psicodélica.

A cetamina é um psicodélico?

Sim. Com base nas características das experiências psicodélicas, nas definições neurobiológicas, fenomenológicas e linguísticas fornecidas acima, é justo dizer que a cetamina é um medicamento “psicodélico”.

Embora o tratamento com cetamina tenha suas origens como anestésico dissociativo, rapidamente se tornou a principal aplicação medicinal da medicina psicodélica. Com o conjunto certo e configuração, preparação e integração e dosagens seguras e eficazes, pode ser verdadeiramente e completamente psicodélico. Abrange a totalidade de uma experiência psicodélica.

Tradução livre de “Why Ketamine is a Psychedelic, and Why it Matters”, escrito por Eric Brown e revisado medicamente por Chelsea Tersavich, PA-C

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Veja outros posts relacionados…

nenhum

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o mini-ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas