Terapias Alívio da Dor & Outros - by dorcronica.blog.br

Os comprimidos para dormir são seguros?

Os comprimidos para dormir são seguros?

Aproximadamente um terço da população geral apresenta alguma dificuldade para dormir. O risco de desordens do sono aumenta com a idade. Dentre essas desordens, insônia é a mais prevalente. Se você integrar esse grupo, pode estar tomando um comprimido para dormir ou pensando em fazê-lo. Pode ser que isso o ajude a curto prazo. Mas pode ser que não, e até que cause problemas de saúde adicionais. Por isso, é importante você se informar bem sobre o assunto. Isso inclui saber sobre os efeitos colaterais dos comprimidos para dormir, e como evitá-los.

“A vida secreta do meu cérebro está me mantendo acordado às noites”.

Anônimo

Autor: Erin Heger1

PONTOS-CHAVE

  • As pílulas para dormir são, em sua maioria, seguras, mas apresentam riscos e efeitos colaterais potencialmente prejudiciais.
  • A prescrição de soníferos deve ser tomada sob supervisão de um médico, pois eles podem não ser seguros em algumas condições médicas subjacentes, e a sobredosagem pode ser muito perigosa.
  • Geralmente, medicamentos para dormir sem receita são mais seguros, mas desde que tomados de acordo com as instruções.

Problemas de sono são comuns. De acordo com a National Sleep Foundation, 30% a 40% dos adultos norte-americanos relatam ter sintomas de insônia, e 4% dos adultos com mais de 20 anos usam remédios para dormir com receita.

Mas você não precisa necessariamente de receita. Existem também aparelhos para dormir sem prescrição médica. Aqui está o que você precisa saber sobre os dois tipos de pílulas para dormir e seus riscos, efeitos colaterais e segurança. 

Prescrição de pílulas para dormir

Medicamentos prescritos para dormir são geralmente reservados para pessoas com diagnóstico de insônia.

A insônia é definida como dificuldade em adormecer, permanecer dormindo ou acordar muito cedo por pelo menos três noites por semana durante um período de três meses, diz Alex Dimitriu, MD, fundador da Menlo Park Psychiatry & Sleep Medicine.

Outros fatores que podem afetar o sono, como depressão, ansiedade, uso de álcool e substâncias, ou dor e problemas médicos, devem estar ausentes para fazer um diagnóstico claro de insônia, diz Dimitriu.

Se você tratou de outras condições médicas possíveis que podem dificultar o sono, mas ainda acha que a insônia interfere em sua vida diária, uma receita ou sonífero de venda livre pode ajudá-lo a voltar aos trilhos.

Pílulas para dormir prescritas, conhecidas como hipnóticos sedativos, se enquadram em três categorias:

  • Os agonistas do receptor de melatonina, como Rozerem e Hetlioz, têm como alvo os receptores de melatonina no cérebro que são responsáveis ​​pelo ciclo de sono-vigília do corpo. Essas drogas funcionam imitando a melatonina, um hormônio que ocorre naturalmente e produzido durante o sono. Estudos mostraram que os agonistas do receptor de melatonina reduzem o tempo que leva para adormecer em pacientes adultos e idosos, com poucas evidências de efeitos colaterais no dia seguinte ou sintomas de abstinência ao interromper o medicamento.
  • Os benzodiazepínicos, como Valium e Xanax, têm como alvo uma substância química do cérebro chamada ácido gama-aminobutírico (GABA), que reduz a atividade nervosa, relaxa os músculos e promove o sono. No entanto, eles não são mais prescritos para tratar a insônia, pois nem sempre são eficazes e podem ser prejudiciais se tomados por um longo prazo. Essas drogas podem causar dependência, diz Rajkumar Dasgupta, MD, professor assistente de medicina clínica na Keck School of Medicine da University of Southern California, e os riscos geralmente superam os benefícios.
  • Os não-benzodiazepínicos, como Ambien ou Lunesta, também têm como alvo o GABA, mas esses medicamentos têm meia-vida mais curta do que os benzodiazepínicos, o que significa que não duram tanto no corpo. Isso resulta em um medicamento mais seguro com menos efeitos colaterais do que os benzodiazepínicos, mas também torna os não-benzodiazepínicos menos eficazes na manutenção do sono durante a noite.

ebook
INSÔNIA MULHER, Problemas e Soluções

  • Dormir mal, faz mais mal a mulher do que ao homem
  • A mulher dorme pior do que o homem
  • Dormir mal e dor crônica são parceiros
  • A dor crônica afeta mais a mulher do que o homem

Os comprimidos para dormir são seguros?

As pílulas para dormir são, em sua maioria, seguras, mas carregam alguns efeitos colaterais conhecidos, que podem representar um risco para sua saúde.

Por exemplo, os benzodiazepínicos e não-benzodiazepínicos podem causar tontura durante o dia, o que pode aumentar o risco de quedas ou outros acidentes, diz Dasgupta. Alguns não benzodiazepínicos estão associados a comportamentos perigosos e complexos relacionados ao sono, como sonambulismo e direção sonolenta.

O FDA (Food and Drug Administration) exige advertências nos rótulos de três medicamentos não benzodiazepínicos – eszopiclona, ​​zaleplon e zolpidem – por causa de “ferimentos e mortes raros, mas graves” causados ​​por sonambulismo ou direção sonolenta ao tomar esses medicamentos. De acordo com o FDA, esses medicamentos foram relacionados a 20 mortes relatadas e 46 lesões não fatais, mas graves.

De modo geral, a segurança e a eficácia das pílulas para dormir dependem muito de cada indivíduo.

“Acho que é aqui que você deve adaptar a medicação do seu médico para a sua situação”, diz Dasgupta. “Depende apenas da pessoa, de tudo o mais que está acontecendo, das opções disponíveis e de seu histórico médico.”

Como usar pílulas para dormir com segurança

Os comprimidos para dormir devem ser tomados antes de uma noite inteira de sono para reduzir o risco de tontura excessiva no dia seguinte. No entanto, pílulas para dormir, quando usadas incorretamente ou por um grupo de alto risco, podem ser extremamente perigosas.

Antes de procurar um sonífero, aqui está o que você deve saber:

  • Se você tem mais de 65 anos, considere os riscos. Pessoas com mais de 65 anos são mais sensíveis aos efeitos colaterais dos benzodiazepínicos, que podem prejudicar a cognição, a mobilidade e as habilidades de direção, bem como aumentar o risco de quedas. Se você for um adulto mais velho, seu médico pode prescrever uma dose mais baixa ou sugerir um medicamento com meia-vida mais curta para reduzir o risco.
  • Se você estiver grávida ou amamentando, tome muito cuidado. Alguns estudos descobriram que mulheres que tomam benzodiazepínicos durante a gravidez aumentam o risco de defeitos físicos no nascimento, como doenças cardíacas congênitas. Embora alguns remédios para dormir sejam considerados seguros durante a amamentação, outros podem não ser. Portanto, converse com seu médico. Alguns medicamentos para dormir podem diminuir o suprimento de leite ou causar efeitos colaterais em bebês amamentados, como irritabilidade.
  • Se você tem doença renal ou hepática, converse com seu médico. Como esses medicamentos podem ser metabolizados pelo fígado ou rins, alguns comprimidos para dormir podem ser mais perigosos para pessoas com doença renal ou hepática. A pesquisa mostrou que o anti-histamínico hidroxizina é um sonífero eficaz para pessoas com doença hepática, mas o uso de um sonífero em pessoas com doença renal ou hepática deve ser monitorado por um médico.
  • Não combine pílulas para dormir com outros medicamentos. Os benzodiazepínicos podem ser particularmente perigosos quando combinados com analgésicos prescritos, como os opioides, porque os dois tipos de medicamentos podem dificultar a respiração ou fazer com que pare de respirar.
  • Não combine pílulas para dormir com álcool. Isso pode aumentar o risco de comportamentos anormais de sono, como sonambulismo, diz Dasgupta. Além disso, o álcool também pode causar cansaço e, quando combinado com um comprimido para dormir, esse efeito sedativo é potencializado. Isso é um problema, porque ambas as drogas deprimem o sistema nervoso central, diminuindo a frequência cardíaca e o sistema respiratório, e dificultando a respiração.
  • Siga as instruções. É possível ter uma overdose de soníferos, portanto, use-os apenas conforme as instruções. De acordo com um relatório de 2018 do Centro Nacional de Estatísticas de Saúde dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, os opioides e os benzodiazepínicos são duas das drogas mais comumente usadas em mortes por overdose.

Os efeitos colaterais comuns das pílulas para dormir incluem dores de cabeça, sonolência prolongada, problemas de memória e tonturas.

Se você notar esses efeitos colaterais ou riscos mais graves, como sonambulismo ou tontura no dia seguinte, que afetam sua capacidade de funcionar, Dasgupta recomenda interromper a medicação e consultar seu médico.

Pílulas para dormir de venda livre são mais seguras, mas também trazem riscos

Só porque um comprimido para dormir é vendido sem prescrição médica, não significa necessariamente que seja seguro, diz Dasgupta. Assim como acontece com os remédios para dormir com receita, fatores como histórico médico, outros medicamentos que você toma e as condições de saúde subjacentes contribuem para a forma como seu corpo reage a pílulas para dormir sem prescrição.

A maioria dos soníferos de venda livre, como Unisom, ZzzQuil e Sleepinal, contém anti-histamínicos, que são normalmente usados ​​para tratar sintomas de alergia, mas também podem causar sonolência. A histamina é produzida no cérebro e desempenha um papel ajudando você a se sentir acordado, portanto, medicamentos que interrompem a recepção da histamina podem resultar em sonolência.

O anti-histamínico Benadryl, por exemplo, contém um ingrediente chamado difenidramina. O uso prolongado de difenidramina aumenta o risco de demência. Além disso, assim como acontece com os soníferos prescritos, você também pode se tornar dependente de pílulas para dormir de venda livre, como o Benadryl ou o Unisom, diz Dasgupta.

Suplementos de ervas como raiz de valeriana, camomila e melatonina também podem ajudar no sono, embora não sejam regulamentados nem aprovados pelo FDA.

A opção mais segura para o tratamento da insônia não é a medicação, mas um tipo de terapia conhecida como terapia cognitivo-comportamental (TCC), diz David Cutler, MD, médico de família no Providence Saint John’s Health Center.

A TCC ajuda a mudar pensamentos e comportamentos que podem estar contribuindo para seus problemas de sono e não vem com efeitos colaterais comuns de pílulas para dormir, como tontura ou comportamentos anormais de sono. Estudos mostram que a TCC reduz os sintomas de insônia e ajuda os pacientes a superar as causas subjacentes de seus problemas de sono.

“A mente é muito poderosa”, diz Cutler. “Muito disso realmente se refere à terapia cognitivo-comportamental e ao uso do poder da mente para ajudá-lo a ter um sono melhor.”

Tradução livre de “Are sleeping pills safe? The risks of prescription and over-the-counter sleep aids, and how to use them safely”, por Erin Heger, publicado no Insider.com em 20/04/20.

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o mini-ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas