Terapias Alívio da Dor & Outros - by dorcronica.blog.br

O índice de massa corporal (IMC) é impreciso e enganoso?

O índice de massa corporal (IMC) é impreciso e enganoso?

O Índice de Massa Corporal (IMC) se baseia na altura e no peso de uma pessoa. Ele ainda é o padrão pelo qual a obesidade e o peso saudável são medidos e definidos na prática clínica. Contudo, é preciso distinguir entre o IMC como uma medida empírica e objetiva de saúde e o IMC como um rótulo arbitrário e subjetivo para categorizar – e eventualmente estigmatizar – boa parte da população. Na medida que você questiona a primeira acepção, menos aceitável se torna a segunda – e é justamente desse questionamento que trata a postagem seguinte.

“Eu não estou acima do peso. Eu sou apenas 20 centímetros muito baixa.”

– Shelley Winters

O IMC (índice de massa corporal), que se baseia na altura e no peso de uma pessoa, é uma medida imprecisa do teor de gordura corporal e não leva em consideração a massa muscular, a densidade óssea, a composição corporal geral e as diferenças raciais e sexuais, dizem os pesquisadores da Perelman School of Medicine, da Universidade da Pensilvânia.

A cada poucos meses, o mesmo comentário é feito por especialistas “O IMC é falho”. A notícia chega às manchetes, todos concordam, e então tudo fica quieto por um tempo.

Você tem peso normal se seu IMC estiver entre 18,5 e 25; sobrepeso se estiver entre 25 e 30. Qualquer pessoa com um IMC de 30 ou mais tem obesidade.

Mitchell Lazar, MD, PhD, Professor de Medicina e Genética e Diretor do Instituto de Diabetes, Obesidade e Metabolismo, e Rexford Ahima, MD, PhD, Professor de Medicina e Diretor da Unidade de Obesidade do Instituto de Diabetes, Obesidade e Metabolismo, discutem os desafios que os profissionais de saúde enfrentam ao estudar os riscos de mortalidade e saúde de pessoas com obesidade na revista Science.

Todos sabemos que a obesidade aumenta o risco de desenvolver doenças cardíacas, diabetes tipo 2câncer, apneia do sono e outras doenças e condições.

No entanto, de acordo com estudos recentes, a obesidade também pode proteger contra a morte por todas as causas, bem como a morte por acidente vascular cerebralinsuficiência cardíaca e diabetes.

No artigo da Science –“O risco para a saúde da obesidade – um imperativo de melhores métricas” – os autores referem-se aos prós e contras da obesidade como o “paradoxo da obesidade-mortalidade”. Um paradoxo que gera muita controvérsia.

Dr. Aima disse:

“Há uma necessidade urgente de ferramentas precisas, práticas e acessíveis para medir gordura e músculo esquelético e biomarcadores que possam prever melhor os riscos de doenças e mortalidade. Avanços para melhorar a medição da obesidade e fatores relacionados ajudarão a determinar o peso ideal para um indivíduo, levando em consideração fatores como idade, sexo, genética, condicionamento físico, doenças pré-existentes, bem como novos marcadores sanguíneos e parâmetros metabólicos alterados pela obesidade.”

Pessoas com IMC de 30 ou mais, ou seja, indivíduos com obesidade, têm um risco significativamente maior de se tornarem diabéticos, desenvolver câncer, doenças cardiovasculares, osteoartrite e doenças do fígado e da vesícula biliar.

Ter obesidade aumenta o risco de morte prematura

No entanto, vários estudos demonstraram que alguns indivíduos com obesidade têm menor risco cardiovascular e um perfil metabólico melhorado, enquanto um subconjunto de pessoas com “IMC normal” são metabolicamente insalubres e têm maior risco de mortalidade.

Uma equipe de pesquisadores da Universidade da Virgínia, Charlottesville, encontrou melhores taxas de sobrevivência pós-cirúrgica em curto prazo entre pessoas com obesidade do que pacientes com peso normal. Pacientes com IMC de 23,1 ou menos tinham duas vezes mais chances de morrer dentro de 30 dias após a cirurgia do que aqueles com IMC de 35,3 ou mais.

Drs. Lazar e Ahima apontam que o verdadeiro impacto da obesidade pode não ser totalmente compreendido, porque os estudos populacionais focam na ligação entre IMC, riscos de saúde e mortalidade, sem levar em conta como a perda/ganho de peso não intencional/intencional pode afetar esses resultados.

O Dr. Lazar observou que “as pesquisas futuras devem se concentrar mais em vias moleculares, especialmente como os fatores metabólicos alterados pela obesidade alteram o desenvolvimento de diabetes, doenças cardíacas, câncer e outras doenças e influenciam o estado de saúde e a mortalidade”.

O IMC exagera a magreza em pessoas baixas e a gordura em pessoas altas

Nick Trefethen, professor de análise numérica no Instituto de Matemática da Universidade de Oxford, em uma carta ao The Economist, explicou que o IMC leva à confusão e desinformação.

IMC = peso em quilogramas dividido pela altura em metros ao quadrado.

Adolphe Quetelet

Adolphe Quetelet desenvolveu o IMC para medir a forma do corpo humano. Prevaleceu por mais de 160 anos

O professor Trefethen acredita que o termo IMC altura2 /peso divide o peso por muito em pessoas baixas e muito pouco em indivíduos altos. Isso faz com que as pessoas altas acreditem que são mais gordas do que realmente são, e as baixas pensem que são mais magras.

O IMC foi concebido na década de 1830 por Lambert Adolphe Jacques Quetelet (1796-1874), um matemático, sociólogo, estatístico e astrônomo belga.

Trefethen explicou que na época de Quetelet não existiam calculadoras, computadores ou aparelhos eletrônicos – provavelmente por isso ele optou por um sistema supersimples. Trefethen se pergunta por que as instituições hoje em ambos os lados do Atlântico continuam usando a mesma fórmula de IMC defeituosa.

“Talvez ninguém queira balançar o barco”, acrescentou Trefethen.

Trefethen acredita que um cálculo melhor do que o presente peso/altura2 para o IMC seria peso/altura2,5

“Certamente, se você plotar os pesos típicos das pessoas em relação às suas alturas, o resultado será mais próximo da altura2,5 do que da altura2.”

Tamanho da cintura ligado ao risco de diabetes, independentemente do IMC

Pesquisadores da Unidade de Epidemiologia do Conselho de Pesquisa Médica (MRC), Reino Unido, relataram na PLoS Medicine que a circunferência da cintura está fortemente e independentemente associada ao risco de diabetes tipo 2, mesmo após a contabilização do IMC.

A líder do estudo, Dra. Claudia Langenberg e sua equipe sugeriram que a circunferência da cintura deveria ser medida mais amplamente para estimar o risco de diabetes tipo 2.

Eles apontaram que um homem sem obesidade que está acima do peso com uma circunferência da cintura de pelo menos 40,2 polegadas (102 cm) tem o mesmo ou maior risco de diabetes tipo 2 que um homem com obesidade. O mesmo se aplica a mulheres com cintura de 88 cm ou mais.

Um estudo publicado pela RAND Corporation mostrou que o tamanho da cintura explica a maior taxa de diabetes tipo 2 nos EUA do que no Reino Unido, e não o IMC. O co-autor, James P. Smith, disse que “os americanos carregam mais gordura em torno de suas seções médias do que os ingleses, e esse foi o único fator que explicou a maior parte da maior taxa de diabetes observada nos Estados Unidos, especialmente entre as mulheres americanas. O tamanho da cintura é o novo fator de risco que faltava que deveríamos estudar.”

Relação cintura-altura melhor que o IMC

A Dra. Margaret Ashwell, ex-diretora científica da British Nutrition Foundation, explica que a relação cintura-estatura é um preditor superior ao IMC de diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares.

“Manter a circunferência da cintura para menos da metade da altura pode ajudar a aumentar a expectativa de vida de todas as pessoas no mundo”.

Assim, um homem de 6 pés de altura deve ter uma circunferência da cintura de 36 polegadas ou menos, enquanto a cintura de uma mulher de 5 pés e 4 polegadas não deve exceder 32 polegadas.

A relação cintura-estatura deve ser considerada como uma ferramenta de triagem, acrescentou Ashwell.

Ashwell explicou que o IMC não leva em consideração a distribuição de gordura ao redor do corpo. A gordura abdominal afeta órgãos como o rim, o fígado e o coração mais severamente do que a gordura na parte inferior ou nos quadris. A circunferência da cintura dá uma indicação dos níveis de gordura abdominal.

Dr. Ashwell e seus colegas acreditam que “manter sua circunferência da cintura para menos da metade de sua altura” convém levar mais em conta que o IMC.

Tradução livre de “Why BMI is inaccurate and misleading”, por Christian Nordqvist, atualizado em 19/01/22.

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Veja outros posts relacionados…

nenhum

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o mini-ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas