Dor Crônica - by dorcronica.blog.br

O caminho da dor

O caminho da dor

O CAMINHO DA DOR é um invento meu destinado a testar o quanto você, um profissional da saúde, sabe sobre como a dor é produzida. A dor à qual eu me refiro, mais precisamente, é a dor  nociceptiva – a dor mais comum, aquela que resulta de uma batida, um corte, uma queimadura, uma descarga elétrica, etc… Esse post anuncia a sua inclusão, no dorcronica.blog.br, a partir dessa semana.

O CAMINHO DA DOR integra o esforço do blog por munir os profissionais da saúde de informações úteis para educar seus pacientes sobre a dor. Suponho que isso interesse. Afinal, há evidências de que a maioria das consultas no primeiro atendimento são, quem diria! sobre… dor.

O CAMINHO DA DOR é mais do que um teste, aliás.

O conjunto educacional está formado por:

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Se você não estiver familiarizado com o tema (de como a dor viaja do local de uma lesão até o cérebro, ida e volta) eu o aconselho a assistir os vídeos e ler os artigos, antes de fazer o teste. Ou o vexame pode ser traumático. Os valentes, claro, podem ir direto ao que interessa e boa sorte.

Convite feito, fique comigo mais umas linhas. O tempo de todos nós é escasso, eu sei. Portanto, é válido questionar se convém aceitá-lo. Afinal, a experiência (do teste) demora uns 10 minutos. (Ou menos que isso, se a pessoa desiste no meio de tanta humilhação.)

Então, por que eu insisto em interessá-lo(a) no assunto?

A seguir, as minhas razões:

A anatomia é a mais antiga disciplina científica da medicina, sabia disso? O seu estudo começa em 1600 a.C., com as primeiras dissecações científicas documentadas sobre o corpo humano acontecendo muito depois, no século III a.C. em Alexandria.

“Viver com dor crônica é difícil, mas lidar com aqueles que não se importam ou não entendem é mais difícil.” –

E por que a anatomia ganhou essa atenção? Porque, eu suponho, o interesse primordial dos humanos da época era – tal como é hoje e sempre será – o de evitar a doença e a morte. Afinal, sem saber como o bicho é, como ele acontece, enfim, não há como curá-lo.

O estudo científico da dor, que não tem nem 4 séculos, foi diferente. Assim como os anatomistas egípcios tiravam suas conclusões dissecando animais e não seres humanos, os pesquisadores da Harvard e da Mayo Clinic também o fazem. Por outro lado, pouquíssimos médicos e pacientes têm interesse em saber como o bicho da dor “funciona”. Como é que essa sensação estranha e desagradável vem literalmente à tona? Como ela pode, em questão de segundos, ir de zero ao desconforto, ou à paralisia, ou à loucura?

E por que razão isso deveria interessar se pode ser resolvido com um medicamento ou com um bisturi?

Os tempos mudam, porém. Às vezes, até evoluem.

  • Para começar, está ficando cada vez mais claro que, assim como as vacinas, os fármacos são falíveis. E que aqueles encarregados de prescrevê-los também o são. Convém ir pensando em novas alternativas analgésicas, então.
  • Depois, a neurociência mudou – ou detonou – boa parte do que era considerado científico e sabido em relação à dor até meados do século passado: aquilo da dor ser um fenômeno puramente sensorial, uma mensagem de tecidos agredidos ao cérebro, para fins apenas de registro. Essa noção, tida por verdadeira pela maioria dos profissionais da saúde, foi detonada. Kaput. Hoje é sabido que a coisa funciona ao contrário: é o cérebro que, provocado por um estímulo, decide quanta dor haverá, onde no corpo e por quanto tempo. E isso só acontece depois dele decidir se é para haver dor ou não.
  • Por fim, hoje o estudo do cérebro – do qual, por sinal, sabe-se apenas 5% do que deveria ser sabido – mostra que a dor é modulada por conta de um embate entre neurônios que querem amplificá-la e neurônios que querem inibi-la, no seu desenvolvimento a caminho do cérebro. Haverá dor, e em havendo, ela será mais ou menos intensa, surda, profunda e duradoura, dependendo de quem vencer.

“A dor é uma construção do cérebro, 100% do tempo”.

Lorimer Moseley, especialista em dor.

Mas, como tudo isso ajuda no tratamento da dor? Você deve estar se perguntando.

Eu vou citar apenas dois exemplos.

Primeiro, saber por onde os sinais de dor transitam pelo sistema nervoso ajuda a bloqueá-los, seja com os dedos, com um antidepressivo, ou até com um bisturi.

Segundo, o cérebro abriga memórias, traumas e emoções em determinadas regiões neurais e elas em geral funcionam como combustível para uma agressão ao corpo gerar mais dor do que deveria. Sabendo manipular esses fatores psicossociais, via mindfulness ou estimulação magnética craniana, está mais do que comprovado que é possível aliviar a dor.

Em suma, por que inventei O CAMINHO DA DOR? Simples. Porque eu não vejo…

… como um profissional da saúde pode tratar clinicamente de alguém sem colocar a dor no centro das atenções, e não como apenas um sintoma coadjuvante de uma doença qualquer; e

…muito menos como fazer isso sem ter uma mínima ideia de como a dor comum, a dor aguda com causa explicada, realmente “funciona”.

Não deixe de visitar O CAMINHO DA DOR e testar seus conhecimentos.

Mas, lembre-se… é um conjunto educacional composto de:

Boa sorte!

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Veja outros posts relacionados…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SAIBA TUDO SOBRE VACINAS COVID-19
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas