Libere-se da Dor nas Costas – Dr. John Sarno – Capítulo 4 até Final

Libere-se da Dor nas Costas – Dr. John Sarno

Capítulo 4 até final

CAPÍTULO IV – O TRATAMENTO DA SMT

HISTÓRIA

Meu tratamento de SMT tem evoluído ao longo dos últimos quinze anos em resposta a um conceito de diagnóstico definido – o de que as síndromes de dor são o resultado da interação mente-corpo. Quando comecei a perceber que esse era o caso, minha reação automática foi explicar aos pacientes o que estava acontecendo. Ao mesmo tempo, prescrevia fisioterapia para todos eles, como sempre fizera. Eu acreditava que os exercícios físicos não machucariam ninguém e, como também achava que a privação de oxigênio era o que produzia os sintomas, tal terapia poderia ser benéfica, já que todas as modalidades que eu recomendava tendiam a aumentar a circulação local do sangue.

Com o passar do tempo, algo interessante surgiu. Descobri que a maioria dos pacientes que melhoraram eram aqueles que aceitavam a ideia de que a dor era resultado de fatores emocionais. Alguns dos que encontravam alívio ainda permaneciam céticos em relação ao diagnóstico, mas reagiam favoravelmente à fisioterapia.

Também ficou evidente que algumas das fisioterapias eram mais eficientes do que outras. Com base nessas observações, cheguei a duas conclusões sobre o tratamento:

  1. O fator mais importante para a recuperação é que a pessoa esteja ciente do que está acontecendo. Em outras palavras, a informação fornecida é a “penicilina” para esse transtorno.
  2. Alguns pacientes têm uma reação placebo à fisioterapia ou ao terapeuta. Como dissemos, a reação placebo é aceitável, mas geralmente é temporária, e nosso objetivo era fornecer uma cura completa e permanente.

A eficácia da reação placebo foi fácil de entender, mas o que me confundiu foi a óbvia importância de informar o paciente sobre o que estava acontecendo. Está era uma terapia de conhecimento, e parecia não fazer sentido algum. No entanto, eu fiquei fascinado pela sua eficácia e o índice de pacientes curados melhorou claramente. Além disso, eu finalmente tive a sensação de saber o que estava acontecendo, embora não fosse capaz de explicar todos os detalhes. Isso não era muito importante, já que estávamos lidando com um processo cerebral, e todos sabem que sabemos muito pouco sobre o funcionamento desse órgão.

Durante esse período trabalhei firmemente com um grupo de talentosos fisioterapeutas que tinham aprendido tudo o que era possível saber sobre a SMT, combinando fisioterapia com a explicação dos fatores psicológicos involucrados. Esses profissionais trabalhavam como meus representantes e também como fisioterapeutas. Foi muito doloroso ter que dispensar a fisioterapia depois, porque apreciei o trabalho desses leais profissionais.

Durante esses primeiros anos, eu também estabeleci uma estreita relação de trabalho com um pequeno grupo de psicólogos com os que trabalhei no Instituto SMT de Medicina de Reabilitação Howard A. Rusk, uma associação que ainda está ativa hoje. Esses profissionais me ensinaram muito sobre psicologia e desempenharam um papel muito importante no tratamento de pacientes que precisavam de psicoterapia para melhorar. Em essência, trabalhamos em equipe.

Em 1979, talvez mais tarde do que eu deveria ter feito, comecei a reunir grupos de pacientes para o que poderíamos chamar de um debate-conferência. A cada ano que passava, ficava mais óbvio para mim que a educação do paciente sobre a SMT era o fator terapêutico crucial. Às vezes, tratava de pacientes que haviam ficado psicanalisados ou que estavam em tratamento psicológico há muito tempo e que, no entanto, sofriam de uma síndrome dolorosa. E ficou claro para mim que era só os pacientes aprenderem mais sobre os fatos da SMT, que a dor iria embora. Inicialmente, o tratamento consistiu em quatro palestras de uma hora e, posteriormente, evoluiu para duas sessões de duas horas, a primeira dedicada à fisiologia e diagnóstico da SMT e a segunda à psicologia do distúrbio e seu tratamento. A razão para as palestras foi clara: se a informação era tão importante para os pacientes se recuperarem, eles deveriam estar bem informados sobre o transtorno. Mais especificamente, era essencial que os pacientes soubessem exatamente o que não sofriam (ou seja, conhecer todos os diagnósticos estruturais) e saber com precisão qual era seu transtorno (SMT). Do ponto de vista estritamente físico, a SMT é inofensiva; portanto, fisicamente eles não tinham nada com que se preocupar. Todas as proibições e advertências eram desnecessárias e, de fato, contribuíam para o problema, gerando medo em uma situação em que o medo era o menos indicado.

CONCEITOS TERAPÊUTICOS MODERNOS

Se o objetivo da dor é fazer com que o indivíduo se concentre no corpo, e através dessas palestras o paciente pode ser convencido a ignorar os sintomas corporais e pensar em coisas psicológicas, não tornamos a síndrome da dor inútil?

É como se estivéssemos descobrindo uma operação secreta. Enquanto a pessoa não estiver ciente de que a dor serve como uma distração, ela continuará ininterrupta. Mas assim que o conhecimento está profundamente assimilado (como deveria ser, uma vez que a mera apreciação intelectual do processo não é suficiente), o engano não funciona mais. A dor para, pois não há mais necessidade da dor. É a informação que cumpre esse objetivo.

A ilustração ajuda a entender melhor a ideia. Emoções inaceitáveis, descritas no capítulo relacionado à psicologia, são geradas no cérebro, que é o órgão da mente; isso é marcado com uma seta apontando para cima, para a direita. Logo acima, a mente consciente, ou que poderia ser chamado de “olho da mente”, é reprimida. É para evitar que a mente consciente se torne consciente das emoções desagradáveis elas são reprimidas – isto é, mantidas no inconsciente. Talvez uma parte da mente teme que essas emoções sejam liberadas para tornar-se conscientes, e por isso decide que é necessário o uso de um mecanismo de defesa – e psicologicamente falando, a defesa é tudo o que distrai a mente consciente (o “olho a mente”) daquilo que está sendo reprimido. Desta forma, o cérebro cria a SMT, representada pela seta à esquerda. Agora a pessoa deve prestar atenção a todas as manifestações da SMT e assim evitar o desconforto de experimentar os sentimentos negativos representados na parte direita da figura.

Esta ilustração é particularmente útil para entender por alguém se livra da SMT aprendendo sobre ela. Se podemos convencer à nossa mente consciente de que a SMT não é grave e não merece sua atenção, ou melhor, é uma farsa, uma charada e, em vez de temer que se ridicularize de que a maioria dos diagnósticos estruturais é inválido e que a única coisa que merece a nossa atenção são os sentimentos reprimidos, o que aconteceria? Nós teremos tornado a SMT inútil e não mais poderemos atrair a atenção da mente consciente; a defesa é um fracasso (a capa é soprada, a camuflagem é removida), o que significa que a dor cessa.

Se o leitor ler tudo isso soa como ficção científica ou um conto de fadas, só podemos dizer o que funciona e o que curou vários milhares de pessoas nos últimos dezessete anos.

O seguinte é um caso impressionante que demonstra o anterior. Uma mulher de fora da cidade seguiu o programa e obteve bons resultados. Algumas semanas após as palestras, a dor desapareceu e ela retomou todas suas atividades, incluindo tênis e atletismo. Um dia, cerca de nove meses após a conclusão do programa, a paciente contraiu uma nova dor enquanto corria, localizada em um ponto diferente do anterior, ou seja, o aspecto externo de um de seus quadris. Foi uma nova manifestação da SMT e, mais tarde, ela me contou os detalhes do episódio.

Ela foi ver seu médico local, que a informou que estava sofrendo de bursite no quadril e depois foi submetida a raios-x, injeções e medicações. A paciente admitiu que sentiu dor intensa (três semanas) enquanto falava ao telefone, e eu estava certo em irritá-la por seguir o regime do seu médico. Depois de falar comigo, ela me disse que após pensar durante vários minutos, tinha ficado brava verdadeiramente consigo mesma e, especialmente, com seu cérebro, por ter feito esse truque. Por fim, ela falou seriamente com seu cérebro. Em dois minutos, a dor cessou completamente e não se manifestou novamente. Surpresa pela rapidez com que a dor desapareceu, a paciente recomeçou a praticar o atletismo, concentrando-se: no problema real, que era a ansiedade inconsciente de se ferir durante o exercício.

O ponto-chave deste caso é que a informação foi o fator crucial, e que funcionou tão rápido porque a paciente já havia seguido nosso programa e se integrado (ou seja, aceito em um nível profundo) os conceitos da SMT. A dor não teria desaparecido tão imediatamente se ela não tivesse conhecimento sobre a SMT. Mas desde que os tinha, por ter seguido o programa de palestras, no momento em que percebeu que a dor no quadril era outra manifestação da SMT, essa dor desapareceu porque não conseguia mais atrair a atenção da paciente, manifestando-se como legítima. Era uma desordem física e não conseguia distraí-la por muito tempo de suas emoções.

O leitor perguntará: “Por que a paciente sentia uma nova manifestação de dor?”

A dor provocada pela SMT indica a presença de sentimentos negativos reprimidos, como raiva e ansiedade.

Essas coisas acontecem: o que aconteceu nesse caso? O leitor perguntará: “E por que o paciente teve uma nova dor?”

A dor causada pela SMT sempre indica a presença de sentimentos negativos reprimidos, como a raiva e a ansiedade. Mas supõe-se que o objetivo do meu programa é evitar que essas coisas passem: “O que aconteceu nesse caso?” O fato de que aquela senhora havia contraído uma dor em um lugar diferente do antigo nos diz que seu cérebro ainda estava tentando usar a SMT para esconder seus sentimentos reprimidos. Eu discuti isso com ela e concordou que seria adequado considerar a possibilidade de se submeter a psicoterapia se aquilo voltasse a acontecer.

Embora este tópico seja tratado no capítulo relacionado à psicologia, não é desnecessário repetir que na mente existem claramente forças opostas em relação ao que será o destino final dessas emoções reprimidas. Deve haver uma força (não consigo encontrar uma palavra melhor) que tente fazer com que esses sentimentos se tornem conscientes, apesar do seu conteúdo desagradável. Se eles eram subconscientes e estavam destinados a permanecer sempre assim, não haveria necessidade de um processo de distração como a SMT. A existência desse distúrbio sugere que algo está tentando expor esses sentimentos negativos. Isso pode parecer um raciocínio circular; no entanto, em trabalhos de psicologia há evidências bem documentadas de que as pessoas demonstram uma ampla variedade de comportamentos cujo objetivo é evitar processos emocionais desagradáveis ou dolorosos. Um exemplo clássico é a fobia aos micróbios. As pessoas que sofrem com isso são obcecadas com micróbios e lavam as mãos centenas de vezes por dia. (Algumas pessoas diriam que isso é uma neurose compulsiva, mas a compulsão de lavar as mãos é causada pelo medo de germes e microorganismos). Um comportamento ilógico como este tem sido reconhecido há muito tempo como uma espécie de substituto ou deslocamento para sentimentos fortes e inconscientes com os quais a pessoa não consegue lidar, daí a preocupação com os germes.

A SMT serve a mesma finalidade, uma vez que concentra nossa atenção no corpo, assim como outros distúrbios físicos, como dor de cabeça causada por tensão, enxaqueca, febre do feno, eczema e palpitações cardíacas, para citar apenas alguns.

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO

O programa de tratamento é baseado em dois princípios fundamentais:

  1. A aquisição de conhecimento e percepção da natureza do transtorno;
  2. A capacidade de agir de acordo com esse conhecimento e mudar o comportamento do cérebro.

Pensar psicologicamente

Devemos aprender tudo o que pudermos sobre a SMT, o que causa dor e que parte do cérebro é responsável por isso. Tudo isso é estudado nos capítulos relacionados à fisiologia e à manifestação da desordem. Em seguida, revisamos sua psicologia, o fato de que todos os membros dessa cultura tendem a gerar raiva e ansiedade, e que as pessoas mais compulsivas e perfeccionistas geram um grande número desses sentimentos. Portanto, o que devemos fazer é adquirir o hábito de “pensar psicologicamente em vez de fazê-lo em termos físicos”. Em outras palavras, sugiro aos pacientes que, quando percebem que estão conscientes da dor, devam conscientemente forçar sua atenção em algum fator psicológico, como algumas de suas preocupações, um problema familiar ou financeiro crônico, uma fonte de irritação recorrente. Qualquer coisa do campo psicológico, pois isso envia ao cérebro a mensagem de que a dor não pode mais ser. Quando esta mensagem atinge as profundezas da mente, isto é, o subconsciente, a dor desaparece.

Isso nos leva a considerar um elemento importante. É claro, todos nós queremos que a dor desapareça imediatamente. Com frequência, os pacientes dizem: “Ok, eu entendo claramente o que você está dizendo, mas por que a dor não para?”

As últimas linhas de um poema escrito por Edna St. Vincent Millay indicam a razão pela qual a dor não desaparece rapidamente:

“Ai de mim, porque o coração aprende lentamente o que a mente rapidamente percebe a cada passo”.

Se substituirmos a palavra “coração” por “subconsciente”, a ideia ficará mais clara para nós. A mente consciente é rápida e pode rapidamente entender e aceitar ideias. O subconsciente é lento, prudente, não aceita rapidamente mudanças ou novas ideias. Isso é, sem dúvida, algo muito positivo. Se não fosse assim, os seres humanos seriam animais muito instáveis. No entanto, quando queremos que as coisas mudem rapidamente, ficamos impacientes com o nosso subconsciente lento.

Bem, então quanto tempo leva para a dor desaparecer? Embora eu não tenha o costume em falar em termos numéricos, a experiência indicou que a maioria dos pacientes se livra de seus sintomas em um período de duas a seis semanas após as palestras. No entanto, eles são avisados de que esse período pode ser prolongado se contarem os dias ou semanas, ou se eles se sentirem desencorajados se a dor não desaparecer quando pensavam que deveria tê-lo feito. Os seres humanos não são máquinas e existem vários fatores que tendem a modificar o tempo necessário para resolver o problema. Quão intensas são as emoções reprimidas? Com que facilidade o paciente pode repudiar os diagnósticos estruturais que lhe foram atribuídos?

Fale com o seu cérebro

Há outra estratégia muito útil que a princípio pode parecer ridícula, mas que tem uma ótima base. Nas conferências, encorajo os pacientes a conversar com seus cérebros. Há tantos pacientes que afirmam ter feito isso por si mesmos, obtendo bons resultados, que agora sugiro diariamente, embora seja algo que possa gerar sentimentos de insensatez. O que fazemos nesses casos é tomar o controle conscientemente, em vez de nos sentirmos vítimas indefesas e intimidadas, o que é muito comum em pessoas que sofrem dessa síndrome. A pessoa age com assertividade, dizendo ao cérebro que ele não apoiará mais esse estado de coisas. E isso funciona. Os pacientes afirmam que são capazes de abortar um episódio de dor simplesmente fazendo isso. É uma estratégia muito útil.

Retomar sua atividade física

Talvez o elemento mais importante (e difícil) que os pacientes devem colocar em prática seja retomar toda a atividade física, inclusive a mais vigorosa. Isso significa superar o medo de se curvar, levantar objetos, correr, jogar tênis ou qualquer outro esporte e centenas de atividades físicas comuns. Significa “desaprender” todos esses absurdos sobre a maneira correta em que você deve se curvar, levantar objetos, sentar, levantar, deitar, quais estilos de natação são positivos e quais os tipos de cadeira ou colchão que você deve usar, os sapatos, o espartilho ou o aparelho ortopédico que você deve usar, e muitas outras pérolas da mitologia médica.

Nos Estados Unidos, as várias disciplinas médicas relacionadas às costas criaram um exército de pessoas parcialmente debilitadas por conta de suas ideias medievais sobre dano estrutural e lesão com base na dor que sentem em suas costas. Embora seja muitas vezes difícil, cada paciente deve superar seu medo e retomar plenamente a sua atividade física normal. É necessário não apenas voltar a ser uma pessoa normal (embora seja uma boa razão em si, tanto do ponto de vista físico quanto psicológico), mas também para se livrar do medo da atividade física, que muitas vezes é mais eficaz que a própria dor para manter a mente concentrada no corpo. Esse é o propósito da SMT: impedir que a mente lide com os aspectos emocionais. Como o Snoopy,  o grande filósofo contemporâneo, coloca: “Não há nada como um pouco de dor física para manter a mente longe dos problemas emocionais”. Obviamente, Charles M.  Schulz,   criador de  Peanuts, é um homem muito perspicaz.

Atualmente eu acho que as limitações físicas impostas pela SMT são muito mais importantes do que a dor, por isso é importante que o paciente as supere gradualmente. Se ele não puder fazê-lo, ele será condenado a sofrer novos episódios de dor. Nas páginas anteriores, falamos sobre fobias. O medo universal e penetrante da atividade física sofrida por pessoas com essas síndromes dolorosas, especialmente aquelas localizadas na parte inferior das costas, levou- me a sugerir um novo termo: fisiofobia. Este é um fator muito poderoso que ajuda a perpetuar síndromes dolorosas da região lombar.

Entre parênteses, devo dizer que o conselho para retomar a atividade física normal, incluindo a mais vigorosa, eu dei a um grande número de pacientes nos últimos dezessete anos. Não me lembro de nenhuma pessoa que mais tarde me disse que essa recomendação teria causado mais problemas nas costas.

Eu sempre sugiro aos meus pacientes que, quando a dor é reduzida significativamente e quando se sentem confiantes no diagnóstico, eles devem retomar a atividade física. Se eles começarem prematuramente, é muito provável que causem dor, se assustem e atrasem o processo de recuperação. Os pacientes geralmente são condicionados a esperar a dor como resultado da atividade física, portanto, não devem desafiar seus padrões programados e estabelecidos até que tenham adquirido um grau razoável de confiança no diagnóstico.

Um dos meus pacientes, um advogado de trinta e poucos anos, teve uma experiência interessante a esse respeito. Ele seguiu o programa sem incidentes e em poucas semanas libertou-se da dor, sendo capaz de realizar qualquer atividade, exceto uma: temia correr. Mais tarde, ele explicou que se repetia internamente há tanto tempo que correr era ruim para as costas, que ele simplesmente não tinha coragem de tentar, embora estivesse fazendo atividades muito mais enérgicas do que isso. Depois de quase um ano, um dia ele decidiu que isso era besteira e que iria voltar a correr. Ele fez isso e a dor voltou. Agora ele estava em uma encruzilhada: deveria continuar correndo ou seria melhor se aposentar? Ele me chamou para pedir conselhos, mas infelizmente eu estava de férias, então teve que tomar a decisão por si mesmo. Ele teve o bom senso de pegar o touro pelos chifres. E continuou correndo e sentindo dor. Então, uma noite, ele foi despertado por uma forte dor na parte superior das costas, mas a dor da região lombar havia desaparecido. Sabendo que a SMT geralmente se move para pontos diferentes durante o processo de recuperação, ele pensou que provavelmente iria conseguir, e foi o que aconteceu. Um par de dias depois, a dor na parte superior das costas também diminuiu e, a partir daí, o paciente não recaiu novamente.

É necessário enfrentar a SMT e combatê-la, caso contrário os sintomas continuarão. Perder o medo e retomar a atividade física normal é possivelmente a parte mais importante do processo terapêutico.

Suspender qualquer tratamento físico

Outro elemento essencial para a recuperação completa é a suspensão de todas as formas de tratamento físico. É ilustrativo que eu não parei de prescrever fisioterapia até doze ou treze anos depois de começar a fazer o diagnóstico. Levei todo esse tempo para romper completamente com as velhas tradições nas quais fui educado. De um ponto de vista conceitual, uma prescrição de tratamento físico contradiz o que, de acordo com os nossos resultados é a única maneira racional de lidar com o problema, ou seja, o ensino e, portanto, o cancelamento do processo no seu lugar origem: a mente. Além disso, é evidente que alguns pacientes depositaram toda a sua confiança no tratamento físico (ou no terapeuta) e obtiveram efeitos placebo, o que significa que sentirão dor novamente ou mais tarde. A questão é que se deve desistir de qualquer explicação estrutural relacionada à dor e à sua cura, caso contrário os sintomas persistirão. A manipulação, a aplicação de calor, o exercício assistido e a acupuntura pressupõem a existência de um distúrbio físico que pode ser tratado por alguns meios igualmente físicos. A menos que este conceito seja totalmente rejeitado, a dor e outros sintomas persistirão.

Muitos pacientes ficam surpresos quando sugiro que parem de praticar os exercícios e alongamentos que aprenderam a fazer para suas costas. No entanto, isso é essencial para estabelecer firmemente em sua mente o que é importante. Exercício para manter a boa saúde é, naturalmente, algo diferente e eu recomendo fortemente.

Revisão de lembretes diários

Esta é uma estratégia importante, mas é necessário ter cuidado para que ela não se torne um ritual. Os pacientes recebem uma lista de doze pensamentos-chave, e sugere-se que, pelo menos uma vez por dia, reservem cerca de quinze minutos para relaxar e revisá-los em silêncio.

Os seguintes pensamentos são os lembretes diários:

  • A dor é causada pela SMT e não por qualquer anormalidade estrutural;
  • A causa direta da dor é a privação de oxigênio leve;
  • A SMT é uma condição inofensiva, causada por minhas emoções reprimidas;
  • A principal emoção é minha raiva reprimida;
  • A SMT existe apenas para desviar a atenção de minhas emoções;
  • Dado que minhas costas são basicamente normais, eu não tenho nada a temer;
  • Portanto, a atividade física não representa qualquer perigo;
  • Não vou me preocupar ou ser intimidado pela dor;
  • Ao invés de centrar toda minha atenção na dor, devo me concentrar nos aspectos emocionais;
  • Quero eu assumir meu próprio controle, não meu inconsciente;
  • Devo pensar sempre em termos psicológicos, não físicos.

No final da segunda discussão de palestras, supõe-se que as informações sobre a SMT foram processadas intelectualmente. Os pacientes são instigados a dar a essa informação uma oportunidade de “asentar-se”, para serem aceitos em um nível consciente, pois a aceitação consciente, embora essencial como um primeiro passo, não é suficiente para reverter a SMT. Os pacientes são instruídos a esperar entre duas e quatro semanas e a me telefonar se o progresso deles tiver sido insuficiente. Neste caso, eu os assisto em meu consultório ou, mais comumente, peço que participem de uma reunião em pequenos grupos, composta de pacientes como eles (cujo progresso foi leve ou insuficiente) ou de pessoas que sofreram novos episódios depois de ter se livrado da dor por meses ou anos. O objetivo dessas reuniões é descobrir o motivo da recaída ou a falta de progresso.

REUNIÕES DE ACOMPANHAMENTO EM PEQUENOS GRUPOS

A primeira coisa que devemos verificar é se o paciente entendeu e aceitou o diagnóstico. Considere um paciente imaginário, um empresário de cinquenta anos. Este paciente chegou à reunião porque não melhorou depois de participar das conferências.

Algumas possibilidades são:

  1. O paciente aceita 90% do diagnóstico, mas receia que a hérnia de disco intervertebral na tomográfica gráfica ou ressonância magnética tem algo a ver com a
  2. É difícil acreditar que isso funciona apenas com um programa educacional.
  3. Aceita o diagnóstico, mas não tem valor suficiente para iniciar uma atividade física.

Impedimentos mentais como estes permitem que o cérebro prolongue a SMT porque o homem continua a considerar seus sintomas como produtos de um distúrbio físico. Enquanto ainda estiver preocupado com o que seu corpo faz, a dor persistirá. Sua confiança no diagnóstico deve ser aumentada de tal forma que você aceite o fato de ter SMT.

A pessoa sentada ao seu lado é uma dona de casa de trinta e sete anos que também é esposa e mãe. Ela nos informa que não melhorou depois de assistir às reuniões, mas que isso não é surpreendente, já que sua vida ainda está ocupada como sempre; o tempo todo está cansada, sobrecarregada e ela nunca sentiu que seus resultados foram todos tão bons como eles deveriam ser.

É solicitado a nunca parar de ser uma perfeccionista, você sempre terá muito o que fazer, mas o segredo para libertar a SMT não é mudar a si mesma, mas simplesmente admitir que a combinação das realidades da sua vida e personalidade fazem com que ela gere uma enorme quantidade de ansiedade e raiva.

Sim, também raiva. É provável que a paciente nunca irá admitir fazer isso, que embora ela ame suas três filhas, simultaneamente está furiosa com elas por tudo o que necessita. A ideia de que poderia estar chateada inconscientemente com as meninas está fora de sua experiência. Quando você entende a ideia de que sua recuperação depende de você aceitar esses sentimentos inconscientes e inadmissíveis, a dor irá parar.

O homem que levantou a mão na fila de trás é um capataz de construção de quarenta e cinco anos, que acompanhou o programa há três anos e, desde então, tem se desempenhado de maneira adequada, indolor, sem restrições físicas, sem problemas. No entanto, na semana passada, repentinamente sofreu um espasmo agudo na parte inferior das costas e atualmente sofre dor severa. Se ele não tivesse seguido o programa, ele estaria realmente com medo. Apesar disso, ele não consegue entender por que isso aconteceu com ele.

“O que está acontecendo em sua vida?” Eu pergunto a ele. “Nada em particular”, ele responde. “Minha esposa está bem, assim como os rapazes. Não temos nenhum problema médico ou financeiro, mas o surgimento de um espasmo agudo significa que algo deve estar acontecendo na natureza psicológica, devido que a SMT é como um barômetro emocional”. Enquanto eu continuo a interrogá-lo, finalmente descubro que o homem teve dificuldades com alguns de seus subordinados e recebeu críticas de seu supervisor.

“Nada que eu não possa lidar”, diz ele, mas não percebe que, apesar de estar lidando com o assunto, ao mesmo tempo ele está a gerar grandes quantidades de raiva e ansiedade. Há sempre uma atividade emocional importante abaixo do nível consciente, que não podemos conceber a não ser que a nossa experiência nos permita inferir e antecipá-la.

Os pacientes saem da reunião conhecendo um pouco mais sobre o funcionamento de suas emoções interiores. As dores nas costas cessarão e é provável que aquele homem pense sobre suas reações internas da próxima vez que enfrentar uma situação estressante.

As reuniões de pequenos grupos têm se mostrado eficazes e eficientes enquanto ferramentas terapêuticas, os pacientes não apenas entendem melhor suas próprias situações, mas também aproveitam as experiências dos outros. É sempre reconfortante saber que existem outras pessoas que sofrem o mesmo que você. Essas reuniões também me dão a oportunidade de identificar pacientes que podem precisar da ajuda de um psicoterapeuta.

PSICOTERAPIA

Embora 95% dos pacientes sigam o programa sem recorrer à psicoterapia, alguns deles precisam dessa ajuda. Isso significa simplesmente que eles têm níveis mais altos de ansiedade, raiva e outras emoções reprimidas e que seu cérebro não pensa em abandonar essa estratégia conveniente para esconder tais sentimentos tão facilmente. Quando alguém me diz que é difícil para ele/a aceitar o diagnóstico, suspeito que seu subconsciente reluta em desistir da SMT.

Eu lembro de um paciente que, quando (através da psicoterapia) começou a adquirir consciência de seus sentimentos longamente reprimidos, eles resultaram ser tão dolorosos e horríveis que o homem se recusou a enfrentá-los.

Essas pessoas não sofrem de nenhuma doença mental; são pessoas que vivem uma vida normal e produtiva, mas que têm uma bagagem emocional subconsciente que nunca perceberam. Coisas acontecem para nós na infância que nos deixam com uma grande quantidade de ressentimento e raiva, mas estão profundamente enterradas porque são demasiado horríveis e socialmente inaceitáveis para lhes permitir atingir o nível consciente. Como já dissemos, essa tendência de reprimir sentimentos negativos é universal; é algo que todos nós fazemos em maior ou menor medida. Não é neurótico; ou, somos todos neuróticos.

Mas para algumas pessoas, tais como aquelas que foram abusadas na infância, estes sentimentos reprimidos podem ser muito fortes, então elas precisam reconhecer que estão lá e aprender a lidar com eles. Essa é a função da psicoterapia.

Infelizmente, a sociedade ainda está atrasada quanto a reconhecer a necessidade e o papel da psicoterapia, e há uma opinião generalizada de que qualquer pessoa que precise de psicoterapia é fraca ou incompetente. Encobrir sentimentos reprimidos não tem nada a ver com força de caráter ou capacidade mental. Apesar de sabermos tão pouco sobre isso qualquer um que chegar a um cargo público é praticamente descartado se já sofreu e foi induzido a psicoterapia.

É o meu próprio preconceito pensar que seriamos mais bem governados se todos os candidatos a um cargo eletivo fossem obrigados a fazer alguma psicoterapia. Eu suspeito que podemos ser poupados de alguns dos escândalos que ocorrem nas altas esferas com regularidade angustiante em nossa nação.

No nosso programa destacamos duas coisas sobre a necessidade de psicoterapia: apenas 5% dos pacientes a necessitam, e pertencer a esse 5% não é uma desgraça.

Sinto uma grande admiração pelas pessoas que se submetem ao nosso programa, porque precisam superar alguns obstáculos importantes antes de melhorar. Um deles é o ceticismo e, às vezes, o ridículo que enfrentam. Outro é os avisos constantes, geralmente recebidos de membros da família para ter cuidado (“Não levante isso”, “Não se agache”, “Não se esqueça de colocar o seu espartilho”). Por isso, convém incentivar a participação de familiares próximos, para que eles não interfiram no processo terapêutico.

Um dos maiores problemas para os pacientes é desenvolver a confiança de que eles podem banir esse seu distúrbio físico com um programa de aprendizado. Esse tipo de coisa está completamente fora da experiência médica das pessoas. É meu trabalho convencê-las de que isso pode ser feito.

PESQUISAS DE ACOMPANHAMENTO

Um elemento de construção de confiança importante do ponto de vista do paciente é o fato de que a maioria das pessoas que completou o programa teve sucesso.  Em 1982, fizemos  um follow-up com cento e setenta e sete pacientes tratados entre 1978 e 1981. Setenta e seis por cento estavam levando uma vida normal com pouca ou nenhuma dor, oito por cento melhoraram e dezesseis por cento permaneceram estabilizados. Alguns desses pacientes não tiveram a oportunidade de assistir às conferências e na época o programa não era tão refinado como é agora.

Em 1987 foi realizado um estudo semelhante, desta vez com um grupo de pacientes sofrendo de uma hérnia discal intervertebral, documentado por tomografia computorizada, e o programa seguido entre 1983 e 1986, este tempo, 88% (noventa e seis pessoas) foram curadas, 10% melhoraram e apenas 2% permaneceram inalteradas.

Mais recentemente, o conhecido jornalista e escritor Tony Schwartz, que completou o seu tratamento com sucesso em 1986, disse em um artigo que escreveu para a revista New York, que tinha me enviado 40 pacientes para receber tratamento e que trinta e sete deles já estavam sem dor. Um jovem colega, Dr. Michael Sinel, que atualmente é diretor da área de medicina física ambulatorial do Centro Médico Cedar-Sinai, em Los Angeles, diagnosticou e tratou cerca de cinquenta pacientes. Seu trabalho é notável porque entre seus pacientes, alguns não eram necessariamente receptivos à ideia de uma desordem ser induzida por tensão, como a SMT, o que dificultou muito o seu trabalho. No entanto, seguindo os conceitos básicos enunciados neste livro, dados preliminares indicam que 75% daquele grupo teve uma boa ou excelente resolução da dor, e que mais de 90% teve melhora funcional significativa.

Convidei meus colegas aos congressos médicos para observar o programa e disse a eles que ficaria satisfeito se uma pesquisa fosse realizada por uma organização externa. Estatísticas tão impressionantes quanto as minhas tendem a causar ceticismo entre a comunidade médica.

Há razões para pensar que as estatísticas continuarão favoráveis, uma vez que agora entrevisto pacientes antes da consulta, com o objetivo de desestimular as pessoas que não serão receptivas ao tratamento. A realidade é que apenas um certo aglomerado de pessoas que sofrem de dor nas costas tem uma atitude aberta em relação ao meu diagnóstico, e tratar alguém que não o aceita é uma perda de tempo e de energia.

Alguns críticos dizem que eu obtive resultados tão bons porque só aceito pacientes que acreditam em meus conceitos. No entanto, só posso trabalhar com pacientes razoavelmente receptivos à ideia de que suas emoções são responsáveis pela dor. De fato, a maioria deles são céticos na primeira consulta. Meu trabalho é convencê-los da lógica do diagnóstico, dado que só aceitando a função das emoções podemos fazer o cérebro parar de fazer o que está fazendo. Não é uma questão de acreditar, mas de aprender.

Um cirurgião operaria um paciente com um risco cirúrgico muito alto? Eu deveria ser menos seletivo do que um cirurgião? Falando nisso, uma das críticas que frequentemente me fazem os meus colegas é que é ir longe demais dizer que a maioria das síndromes dolorosas do pescoço, ombros e costas devidas à SMT “podem estar perto de 30 ou 40% dos casos “, dizem eles.

Se 30 ou 40% dos pacientes com dor nas costas sofrem de SMT, por que esses críticos nunca dão esse diagnóstico?

O triste fato é que eles não podem porque isso significa repudiar preconceitos diagnósticos de longa data e reconhecer o papel das emoções nessas síndromes dolorosas – algo em relação ao qual eles têm uma “incapacidade visceral”, para pegar uma frase do Senador Byrd do Oeste de Virginia.

Estes resultados do tratamento são a única prova sólida da precisão do diagnóstico e da eficácia do programa terapêutico. De fato, muitos dos pacientes que chegam ao meu consultório conhecem uma ou mais pessoas que foram tratadas com sucesso. No entanto, isso não é novo no campo da medicina. O melhor gerador de novos pacientes é um paciente tratado com sucesso.

É necessário insistir em que eu não considero que um paciente foi tratado com sucesso, enquanto ele ou ela não esteja livre da dor principal (todos sofrem dor ao longo do tempo) e for capaz de realizar atividades físicas, sem restrições e sem sentir medo. Como dissemos anteriormente, para pessoas que sofrem de um problema de dor crônica, o medo da atividade física pode ser ainda mais incapacitante do que a própria dor. Praticamente todos os pacientes que eu tratei foram prisioneiros de medo (medo de se machucar, precipitar um ataque) e este último é mais eficaz do que a dor para o manter a atenção do paciente concentrada em seu corpo e não nas suas emoções. Nosso trabalho é libertá-los desse medo generalizado. Eu me vejo procurando infinitamente por maneiras de fazer a massagem. Certas frases podem chegar a algumas pessoas, mas não a outras – então eu uso todas:

“Vamos tentar evitar que seu corpo reaja fisicamente às suas emoções”

“Queremos que aprenda a enviar mensagens ao seu subconsciente”

“A informação é a penicilina que cura o distúrbio”

“O conhecimento é a  cura”

“A essa hora, seu subconsciente é quem está ditando as normas; eu vou ensinar como fazer sua mente consciente assumir o controle”

“Fique zangado com seu cérebro; fale com ele; mande-o para o inferno”

“A SMT é um truque que sua mente joga; não caia nisso”

“A SMT é um show secundário projetado para distraí-lo do que está acontecendo emocionalmente”

“Os sintomas são um truque para mascarar o que sucede na psique”

“A maioria dos câmbios estruturais de sua coluna são sucessores naturais”

“O cérebro não quer enfrentar a raiva reprimida, por isso foge disso”

“Rindo da dor ou ignorando-a, você manda novas mensagens ao seu cérebro”

“Vamos ajudá-lo a pegar a espada de Damocles em suas mãos, em  vez de deixá-la cair sobre sua cabeça”

Sou particularmente grato a uma paciente, a Sra. Norma Puzzis, que me deu os seguintes versos na conclusão do seu programa de tratamento. Atualmente, esses versos fazem parte das conferências-debate.

Pense psicologicamente, não fisicamente

O que é mais paradoxal

Ninguém teria imaginado

Emoções profundamente reprimidas

Poderia produzir tal tensão

Nem sequer mencionar

SMT

Não há nada a temer

Subconsciente, você tem medo?

Você se concentra na dor

A perdição de um sofredor de costas

Desviar a atenção

Da tensão subjacente

Seu segredo está fora

Você perdeu sua influência

Então desista, renuncie

SMT é benigno

Eu estou no controle, não você

Eu aprendi o que eu tenho que fazer

Pense psicológico, não físico

Tenho certeza de que esses versos maravilhosos ajudaram muitos de meus pacientes, porque captam com tamanha beleza uma das ideias básicas.

Uma vez que uma das características das pessoas com SMT é a de estar sentindo-se “vitimizada” e descontrolada, o programa de tratamento deve ajudá-las a recuperar seu senso de poder, apontando que a origem da dor é um processo inofensivo. Encorajo os pacientes a adotarem uma atitude de desdém pela dor para substituir seus fortes sentimentos de intimidação. Isso envia uma mensagem para o inconsciente, indicando que a estratégia de manter o foco no corpo está prestes a falhar, o que significa o fim da  dor.

PERGUNTAS DOS PACIENTES:

Um dos conceitos mais difíceis de entender é o fato de que não é necessário eliminar a tensão da própria vida. Alguns pacientes perguntam:

“Como posso mudar minha personalidade e como posso parar de gerar ansiedade e raiva?”.

Se esses fossem pré-requisitos para a recuperação, a taxa de pacientes curados seria igual a zero. Não se trata de mudar nossas emoções, mas de reconhecer que elas existem e de que o cérebro tenta nos impedir de realizar sua existência através do mecanismo da síndrome dolorosa. Esse é o ponto principal para entender por que o conhecimento é a cura mais eficaz.

“Como você sabe que o que você está fazendo não é um placebo?”

Essa é uma excelente pergunta, que sempre me preocupou, pois a “reação placebo” deve ser evitada a todo custo. Uma cura placebo é quase sempre temporária e o que estamos procurando é a resolução permanente do problema. Portanto, uma cura placebo não seria satisfatória. Por sinal, ela é muito comum. Os pacientes recebem uma variedade de tratamentos físicos, sentem-se melhor por alguns dias e depois precisam de outro tratamento. (E, claro, essas pessoas nunca superam o medo da atividade física). Uma das razões pelas quais o programa para combater a SMT não produz uma reação placebo é o fato de que quase todos os pacientes experimentam uma resolução permanente de seus sintomas.

Uma segunda razão é que o efeito placebo é baseado na fé cega: os pacientes sabem pouco ou nada sobre o distúrbio de que sofrem e a base do tratamento, limitando-se a confiar no médico. O programa educacional usado para tratar a SMT é exatamente o oposto. Eu ensino aos pacientes literalmente tudo o que sei sobre o distúrbio, incentivo-os a fazer perguntas e lhes advirto que devem convencer-se de que o diagnóstico é lógico e coerente. Sua recuperação depende de informação e conscientização. Os pacientes são participantes ativos em seu processo de recuperação. Isso pode ser qualquer coisa, exceto um processo placebo.

Talvez o argumento mais forte para mostrar que o que fazemos não é um placebo é o fato de que, em muitas ocasiões desde a publicação do meu livro Mind Over Back Pain, o predecessor deste trabalho, várias pessoas afirmaram ter se livrado completamente e permanentemente da dor simplesmente lendo o livro. Aqui não há influência da personalidade ou atenção do paciente, apenas informação simples e clara. E aprendemos que a informação é o elemento decisivo na eliminação da SMT.

“Por que você parou de usar a fisioterapia como parte de seu programa de tratamento?”

Isso foi discutido nas páginas anteriores, mas vale a pena repetir. Como disse, qualquer tratamento físico, incluindo fisioterapia, pode se tornar um placebo e nossa intenção é evitar isso a todo o custo, uma vez que os resultados obtidos por placebo são sempre temporários. No entanto, há outra razão mais sutil. Se as pessoas deixassem de prestar atenção ao corpo e começassem a pensar em termos psicológicos, a minha estratégia terapêutica não seria contraditória se eu prescrevesse fisioterapia? Demorei muito tempo para perceber isso e obter valor suficiente para parar de prescrever, já que, depois de tudo, eu tinha sido ensinado a depender de tratamentos físicos como qualquer outra pessoa. Agora custa-me algum trabalho lembrar o quão difícil foi começar a se comportar como um “purista”, isto é, a depender exclusivamente do programa educacional. Na verdade, para enfatizar este ponto, pela mesma razão eu recomendo os pacientes a parar de praticar exercícios projetados para curar suas costas Os pacientes não devem fazer nada para focar sua atenção na área afetada.

Da mesma forma, eles/as aprendem que não há maneira apropriada de se curvar ou levantar pesos, que não devem evitar cadeiras macias ou colchões, que espartilhos e colares são desnecessários e que, em geral, o grande número de dicas e proibições que acompanham a dor nas costas são simplesmente infundadas, já que a SMT é uma condição inofensiva, que não implica em danos estruturais nas costas. Correr não é prejudicial para as costas; os músculos abdominais fracos não causam dor ou força muscular, eles evitam isso pelas costas; é perfeitamente correto arquear as costas, nadar estilo peito ou rastejar; o homem é feito para andar de pé (o homo sapiens e seus ancestrais o fazem há três ou quatro milhões de anos); uma perna curta não causa dor nas costas… E poderíamos continuar e continuar indefinidamente.

“Como posso distinguir entre SMT e dor causada por músculos excessivamente exercitados que não havia usado anteriormente?”

Isso é fácil. Quando você realiza uma atividade com a qual não está acostumado e se levanta na manhã seguinte com dores nos braços ou nas pernas, é uma dor benigna que geralmente desaparece no dia seguinte. A dor causada pela SMT é sempre muito irritante e não desaparece rapidamente, se o fizer.

“Que tipo de exercício posso praticar?”

Quando a dor se foi, você pode fazer qualquer coisa, quanto mais vigorosa melhor. Obviamente, devemos seguir uma prática vigorosa após consulta ao médico, mas o ponto é que o exercício deve ser praticado por motivos de saúde em geral e não pelas costas.

“Suponha que a dor na parte inferior das costas desapareça para reaparecer no seu pescoço e ombros. O que fazer?”

Eu sempre aconselho meus pacientes me chamar para que possamos conversar sobre o significado dessa mudança. Nos estágios iniciais de tratamento, é possível que o cérebro tente localizar a SMT no pescoço, ombros, costas e nádegas. Isso porque o corpo se recusa a abandonar a estratégia que mais lhe convém para desviar a atenção das emoções. É necessário alertar os pacientes que isso pode ocorrer e que não devem entrar em pânico ou desespero, mas simplesmente aplicar os mesmos princípios para a nova localização da dor. Eu gostaria de lembrar que o sistema muscular não é o único lugar onde o cérebro pode criar esse tipo de distração. Você pode ter o mesmo no trato gastrointestinal, ou na cabeça, causando enxaqueca ou dor de cabeça, ou na pele, no trato geniturinário, etc. O cérebro pode causar danos a qualquer órgão ou sistema do corpo, por isso, devemos estar atentos. Eu aconselho meus pacientes a consultar o seu médico caso sintam um novo sintoma, mas também para me avisarem, uma vez que este sintoma pode servir o mesmo propósito que a SMT. Por exemplo, úlceras estomacais devem ser tratadas com a medicação apropriada, mas é igualmente importante admitir que elas foram causadas por fatores relacionados ao estresse.

“O que devo fazer se sofrer uma recaída dentro de seis meses ou um ano?”

Recomendo que meus pacientes me liguem imediatamente para que possamos começar a procurar a razão psicológica para o novo episódio. Isso geralmente significa comparecer a uma das reuniões de pequenos grupos ou a minha consulta.

“E quanto a hipnose? Não é uma boa maneira de fazer a mente fazer o que você quer?”

Temporariamente sim, mas o que estamos procurando é uma cura permanente. Recentemente, um estudo realizado na Stanford School of Medicine e publicado no American Journal of Psychiatry demonstrou que a hipnose pode reduzir significativamente a dor  em alguns pacientes. Isso é muito desejável se o que estamos tratando é dor, como no caso de pacientes com câncer. No entanto, digo aos meus pacientes que eu não trato a dor! Isso seria um tratamento sintomático e, portanto, uma má prática médica. Eu trato a desordem que é a causa da dor. Tanto quanto sei, a hipnose não contribui para esse processo.

O anterior nos leva a uma questão da qual não gosto de falar porque me dói. No entanto, é necessário falar sobre isso, pois é muito importante. Tem a ver com a forma como a dor crônica tem sido tratada por centenas de clínicas em todo o país nos últimos vinte anos.

O princípio básico, enunciado pela primeira vez por um campo profissional médico indica que a dor crônica é uma entidade patológica independente, um exagero da dor causada por alguma anormalidade estrutural persistente que se desenvolve porque o paciente extrai da dor o que os psicólogos chamam de “ganho secundário”. Ou seja, a dor fornece algum benefício psicológico como, atenção, dinheiro ou escape do mundo. Existe uma teoria de que os pacientes aprendem esse comportamento porque é encorajado pelo sistema médico, por familiares e amigos. O tratamento é projetado então para desencorajar tal comportamento, recompensando o comportamento não doloroso e punindo o oposto. Os estudantes de psicologia terão percebido que essas idéias derivam do trabalho de B.F.Skinner, que adquiriu grande reputação graças a seus trabalhos nos quais demonstrou esse tipo de condicionamento.

Embora se saiba que os seres humanos podem ser condicionados no sentido clássico pavloviano, é necessário ser muito cauteloso ao aplicar os princípios de Skinner ao ser humano. Muitas vezes é possível identificar elementos de ganho secundário em meus pacientes, mas esses elementos não são os principais fatores psicológicos ativos. Atribuindo tal importância ao ganho secundário, ignoramos o problema real, ou seja, os sentimentos reprimidos de todos os tipos, e nós cometemos o erro, igualmente grave, de não reconhecer a verdadeira fisiologia da dor, a que não é devida a qualquer anomalia estrutural persistente, mas a um processo psicopatológico, como descrito no presente trabalho.

É por isso que as clínicas especializadas em condições dolorosas às vezes são úteis, mas raramente curam pacientes.

“O programa de tratamento contra o SMT é um exemplo de vis medicatrix naturae, ou da capacidade do corpo para se curar?”

É em um sentido, mas em outro, vai além do processo usual de auto- cura, que é sempre ativado quando somos feridos ou invadidos por substâncias tóxicas ou agentes infecciosos, em que é possível reverter um tipo específico de desordem física, isto é, um processo psicofisiológico. No último capítulo deste trabalho explicaremos essa e outras interações que ocorrem entre a mente e o corpo, e que estão atraindo a atenção de pesquisadores médicos.

CAPÍTULO V

DIAGNÓSTICOS TRADICIONAIS (CONVENCIONAIS)

Embora para mim seja uma tarefa desagradável, é necessário analisar o grande número de distúrbios com os quais o pescoço, dor nas costas e nos membros são comumente atribuídos. O leitor deve saber o que esses diagnósticos significam para aqueles que os emitem, para as várias disciplinas que os tratam e para as pessoas que os recebem.

Durante minhas palestras para pacientes com SMT, insisto que é muito importante saber o que induz a dor e o que não a causa, porque muitos dos diagnósticos descritos abaixo provocam muito medo e, como vimos nos capítulos anteriores, o medo é o fator dominante no agravamento e perpetuação da síndrome dolorosa.

O americano médio pensa que a parte inferior das costas é uma estrutura frágil e vulnerável, que é facilmente ferida e que está constantemente em risco de se machucar novamente. A frequência de dor nas costas na população aumentou à medida que a ideia se espalhou, por isso atualmente ouvimos que um surpreendente 80 a 85% dos adultos têm uma história de qualquer uma dessas síndromes dolorosas. Idéias sobre vulnerabilidade das costas são baseadas, em grande parte, em diagnósticos emitidos por médicos. Palavras como hérnia, degeneração, deterioração e desintegração, que eles usam constantemente para se referir à parte inferior da coluna, causam medo e constituem uma explicação fácil para a “lesão” e o ataque de dor insuportável. Além disso, existem dezenas de proibições e conselhos que as pessoas aprendem em sua interação com médicos e outros profissionais, e às vezes com familiares e amigos. Entre eles estão o seguinte:

Não se agache

Não ande com os ombros caídos

Não se sentar em cadeiras macias ou usar colchões macios

Não arquear as costas

Não nade rastejando ou de peito Não usar salto alto

Sempre que levantar um peso, fazê-lo com a sua corrida para trás é ruim para a coluna

Nunca correr em superfícies duras

A fraqueza nos músculos das costas fracos é o que provoca dor

Os músculos abdominais fortes nos protege da dor nas costas

Sempre alongue antes de começar um exercício

Se você sofre de dor nas costas, evite esportes vigorosos.

O anterior é apenas uma lista parcial. Dado que o conceito fundamental sobre a causa da dor é errôneo, um volume monumental de desinformação foi gerado, contribuindo significativamente para a gravidade e duração dos episódios dolorosos.

A verdade é que as costas são uma estrutura robusta, totalmente capaz de nos levar pela vida e muito mais. É uma parte que nos exercitamos constantemente, desde o simples fato de estarmos eretos e caminhar daqui até lá requer que nossos músculos posturais, paradoxalmente, sejam os únicos afetados pela TPM, estão sempre ativos, mantendo nosso tronco ereto nas pernas e com a cabeça sobre ele. E se fizermos uma caminhada vigorosa, se corrermos ou trotamos, os músculos se exercitarão ainda mais. Sem dúvida, estes são os músculos mais fortes do nosso corpo.

Quando ouço que um atleta profissional, como um tenista, teve que sair de um torneio porque sofre de dores nas costas, fico surpreso com o quão ingênuo é dizer que ele tem deficiências nas costas. Esse tipo de desordem era praticamente desconhecido há trinta anos em esportes como tênis, beisebol, futebol ou basquete. É uma doença de aparência recente.

Há alguns anos, atendi a uma famosa esportista que sofria de dor nos mesmos músculos que praticava seu esporte. Felizmente, ela entendeu imediatamente o conceito de SMT e sua dor desapareceu muito em breve.

DIAGNÓSTICOS ESTRUTURAIS COMUNS

De acordo com minha experiência, as anomalias estruturais raramente causam dor nas costas. Isto não é surpreendente, uma vez que esta epidemia de dor nas costas é muito recente. De certa forma, a raça humana conseguiu evoluir por mais de um milhão de anos, mas se os diagnósticos estruturais estão corretos, algo aconteceu com a coluna no último período evolutivo, então já começou se deteriorar.

Essa ideia é insustentável. Podemos suspeitar que as anomalias da coluna sempre estiveram presentes, mas nunca foram acusadas de produzir dor, uma vez que não havia dor para acusá-las. Cinquenta anos atrás, essa dor não era muito comum e isso é mais importante, ninguém levou a sério. A epidemia de dor nas costas é devido ao enorme aumento na frequência de SMT durante os últimos trinta anos e, ironicamente, o fato de que a profissão médica não tem sido capaz de reconhecer e diagnosticar tem sido um fator muito importante para esse aumento. Em vez de atribuí-lo ao SMT, a dor foi atribuída principalmente a vários defeitos estruturais da coluna vertebral.

É essencial saber que quase todas as anomalias estruturais da coluna são inofensivas. Com isso em mente, vamos dar uma olhada nos diagnósticos convencionais mais comuns.

Hérnia discal

Enquanto aqueles que sofrem de dor nas costas não estão conscientes disso, os estudiosos da espinha sabem que o último disco intervertebral, que fica entre a quinta vértebra lombar e o sacro, apresenta algum grau de degeneração na maioria das pessoas com mais de vinte anos de idade. Os discos intervertebrais são estruturas que são encontradas entre os corpos dos ossos da coluna vertebral, e sua função é absorver os impactos recebidos pela coluna vertebral. Estas estruturas estão firmemente ligadas à parte superior e inferior dos corpos vertebrais, de modo que não podem “escorregar”. Elas consistem de uma camada externa dura e resistente que envolve um fluido denso, cuja função é absorver os impactos. Devido à alta atividade do pescoço e região lombar, os discos intervertebrais dessas peças começam a ONU passou em uma idade precoce, por vezes, cerca de vinte, como eu disse anteriormente.

Embora ninguém saiba exatamente o que isso é o que acontece, os discos se achatam, sugerindo que o fluido no interior secou, ou que forma uma protuberância em alguma parte enfraquecida, geralmente na face voltada para as costas. Esta protuberância na parede do disco é o que é conhecido como hérnia de disco. É um pouco semelhante a espremer pasta de dentes para fora do tubo. Em alguns casos, o fluido não forma disse bojo, mas apenas curva o disco. Tudo isso pode ser visto por meio de uma tomografia computadorizada ou um estudo de ressonância magnética, que são técnicas diagnósticas notáveis que mostram os tecidos moles em detalhes. Radiografias convencionais mostram apenas ossos, a menos que algum material de contraste seja usado.

A questão importante é: “Qual é o dano que esta protuberância no disco produz?”

De acordo com a ideia convencional, o “creme dental” comprime um nervo espinhal próximo, produzindo dor. Se a hérnia estiver entre a quarta vértebra lombar (L4) e L5, ou entre L5 e o sacro, ocorrerá dor na perna. Se a hérnia estiver localizada no pescoço, causará dor no braço. A dor na perna é geralmente referida como dor ciática.

Na minha experiência, a hérnia de disco intervertebral é raramente responsável pela dor ou qualquer outro sintoma neurológico. Esta é uma opinião minoritária, mas eu não sou o único que a apoia. O Dr. Hubert Rosomoff, famoso neurocirurgião e diretor de sua área na Faculdade de Medicina da Universidade de Miami, tem chegado numa conclusão semelhante, como explicou em seu artigo “Hérnia de disco causa dor?”, publicado em Advances in Pain Research and Therapy, por H. Campos, R. Dubner, F. Cervero e L. Jones (Nova York, Raven Press, 1985). Este médico passou por uma cirurgia nas costas por muitos anos e, aparentemente, baseia sua conclusão em certas inconsistências observadas, bem como num fato da fisiopatologia neurológica, segundo o qual a compressão contínua de um nervo faz com que ele pare de transmitir mensagens de dor após um curto período. O resultado é dormência. Então, como pode a hérnia de disco causar dor continua?

O Dr. Alf Nachemson, pesquisador sueco da área médica muito respeitado que estuda este problema há anos, em seu artigo “A coluna lombar: um desafio para ortopedia” publicado em 1976 (vol.1, p59), disse que, na maioria dos casos, a causa da dor nas costas é desconhecida e que quase todos eles devem ser tratados não cirurgicamente.

Minha conclusão, baseado em dezessete anos de experiência no tratamento desses pacientes com uma alta taxa de sucesso, é que a maioria dos discos de hérnia são inofensivos o que sugere que o material protuberante não danifica nenhuma estrutura; está simplesmente lá.

Eu começo a suspeitar da inocência de disco lesionado quando, como ocorre frequentemente, observo que não há correlação entre o que seria de esperar de uma hérnia discal e o conjunto de resultados do exame clínico e físico.

Por exemplo, um determinado estudo de diagnóstico (tomografia computadorizada ou ressonância magnética) mostrou hérnia de disco entre as vértebras L4 e L5. Uma das possíveis consequências disso seria a fraqueza dos músculos que elevam o pé e seus dedos. No entanto, o exame revelou essa fraqueza não apenas nos músculos, mas também na parte de trás da perna, o que não faz trânsito do nervo espinhal que atravessa o espaço entre as vértebras L4 e L5. Portanto, ao se descobrir no exame que os músculos glúteos que são perto do nervo ciático estavam sofrendo dor ao pressioná-los, o resultado ficou evidente: o transtorno nervoso não era proveniente da região afetada pela hérnia de disco, mas do nervo ciático que corre entre ambos os grupos musculares. A história a seguir ilustra o exposto acima:

A paciente era uma profissional de quarenta e quatro anos que sofria de dores recorrentes na parte inferior das costas e pernas há quinze anos. Cerca de sete meses antes de chegar à consulta, ela sofreu um grave ataque de dor na região lombar e na perna direita.

Ela também se queixou de fraqueza na tomografia computadorizada da referida extremidade mostrou uma pequena hérnia entre a quinta vértebra lombar e do sacro, que deveria ter vindo de muito tempo, desde que calcificou. Ela não parecia capaz de causar sintomas, mas esse era o diagnóstico. A dor continuou pelos próximos sete meses. A paciente estava fisicamente restrita devido à fraqueza de sua perna direita.

No exame que fiz, descobri que o tendão do tornozelo direito não tinha reflexos e que os músculos da panturrilha eram fracos. Ambos os resultados poderiam ser explicados pela pressão no primeiro nervo espinal sacral (este era o diagnóstico do médico assistente para o paciente), uma vez que este nervo envia fibras motoras para o músculo de vitela e passa perto do disco em questão. No entanto, exames posteriores mostraram que os músculos da frente da perna também eram fracos e que o movimento do dedo para cima e para baixo era parcial. Isso não poderia ser debitado a uma hérnia de disco, uma vez que os nervos espinhais que funcionam os músculos não chegam perto dela.

Além disso, esses resultados poderiam ser explicados pela existência de um elemento que interfere com o funcionamento nem mau nervo ciático direito, como é visto na SMT. Que o nervo recebe referências do 3, 4 e 5 nervos lombares, e nervo sacral 1 e 2. Portanto, qualquer coisa que afeta o nervo ciático, também afeta as partes da perna coberta por um ou mais destes nervos, como no caso deste paciente.

O teste que foi realizado também revelou sensibilidade à pressão em todos os músculos da nádega direita, que é onde o nervo ciático está localizado. Este e outros achados característicos obtidos no exame físico determinaram o diagnóstico de SMT no glúteo direito e no nervo ciático. A hérnia de disco foi um achado incidental sem importância.

Essas discrepâncias clínicas são comuns e me fazem pensar por que elas quase nunca são descobertas.

A fixação dos médicos com a hérnia de disco é tal que o diagnóstico geralmente é feito apenas com base nos antecedentes de dor simultânea na região lombar, o glúteo e perna e até mesmo se isso não acontecer, e sem fazer uma tomografia informatizado ou um estudo de imagem por ressonância magnética. É impossível diagnosticar clinicamente uma hérnia de disco, não só com raios-X, porque o que eles geralmente mostram é um estreitamento do espaço de disco em geral, os dois últimos espaços intervertebrais. Como vimos, essa anomalia do último espaço intervertebral está presente em quase todas as pessoas com mais de vinte anos e significa que o disco degenerou, o que é uma parte perfeitamente normal do processo de envelhecimento. Pode ser tentador, mas não é aconselhável atribuir sintomas aos fenômenos normais do envelhecimento. Na minha experiência, a degeneração dos discos intervertebrais não é mais patológica do que o branqueamento do cabelo ou as rugas da pele.

Em revistas médicas dos últimos anos numerosos relatórios têm aparecido sobre pacientes com hérnia de disco, sem histórico de dor nas costas. Tais hérnias foram descobertas involuntariamente em tomografias computadorizadas ou exames de ressonância magnética realizados para estudar outras partes do corpo.

Para avaliar objetivamente o problema, devo mencionar que um estudo estatístico mostrou uma frequência mais alta de dor nas costas em pessoas com anomalias em discos intervertebrais. Tentei conciliar esses resultados com notas claras de observação que é a SMT, e não a patologia dos discos, causando dor, e eu só podia concluir que é um misterioso processo mediante o qual o cérebro escolhe lugar para expressar a SMT, o órgão seleciona uma área anormal (tal como um disco herniado) embora esta aberração anatómica não pode ser patológica.

Para documentar o grande número de pacientes com hérnia de disco tratados com sucesso durante um período de muitos anos, em 1987, realizamos um estudo de acompanhamento. Um pesquisador assistente entrevistou pelo telefone cento e nove pacientes, cujos nomes foram selecionados aleatoriamente de uma grande população de pacientes examinados e tratados dentro de um período de um a três anos antes da referida pesquisa. Em cada um desses casos, a dor foi atribuída a uma hérnia de disco, que poderia ser vista através de uma tomografia computadorizada. Com base em seus antecedentes e no exame médico, os diagnostiquei com SMT e todos seguiram o programa de tratamento usual.

Os resultados foram os seguintes:

Mínima ou nenhuma dor, atividade física sem restrições: 96 (88%)
Melhoria, certa dor, atividade física restrita: 11 (10%)
Não ocorreram alterações: 2 (2%)

Verificou-se que os dois pacientes que não melhoram sofreram problemas psicológicos graves e persistentes, e continuaram a receber psicoterapia até hoje.

Essas estatísticas tornam difícil levar a sério a hérnia de disco. No entanto, cada um desses pacientes havia sido previamente informado de que essa era a causa de sua dor; trinta e um deles foram aconselhados a se submeter à cirurgia; três já haviam feito isso e a maioria dos outros fora informada de que uma operação cirúrgica poderia ser necessária se o tratamento e os exercícios falhassem.

O seguinte é outro antecedente histórico. O paciente era um homem de vinte e cinco anos de idade com uma história de dor na parte inferior das costas e perna direita; dois meses antes de ir a minha consulta, um mielograma lombar mostrou uma hérnia de disco. A ele recomendaram suspender toda a atividade física e se submeter a uma operação cirúrgica. Ambas as recomendações seriam apropriadas se o disco intervertebral fosse o que causasse a dor. Como o paciente era um grande atleta (cujos esportes favoritos eram basquete e squash), o diagnóstico o arrasara. Ele também se ressentia do fato de não poder mais “queimar” a tensão praticando esportes vigorosos, posto que ele se considerava uma pessoa muito tensa.

O paciente decidiu não se submeter à cirurgia e, com grande preocupação, continuou a treinar na academia e até jogou basquete de tempos em tempos. Desde que sua condição não melhorou ou piorou, ele passou a viver com um medo constante de sofrer ferimentos graves.

O exame que fiz nele não revelou qualquer manifestação de dano nervoso em nenhuma de suas pernas; no entanto, o teste de levantar a perna sem dobrar causou dor no glúteo direito. Como é habitual na SMT, pressão manual levou dor ambas as nádegas, em ambos os lados da estreita para trás por cima de ambos os ombros e os lados do pescoço. Esses achados indicaram que a dor era devido a SMT e não a hérnia de disco. O paciente aceitou o diagnóstico, participou do programa de tratamento e se livrou da dor em algumas semanas. ter sido agora cerca de 12 anos desde que ele veio até mim e continua a funcionar normalmente, com todo seu programa vigoroso de exercícios físicos.

Estenose da medula espinhal

Em todo o tempo que eu trabalhei com essa condição, tenho notado que o diagnóstico de estenose da medula espinhal é um dos mais comuns quando há dor nas costas e não uma hérnia de disco para se culpar. Este diagnóstico refere-se ao estreitamento do canal espinhal, que às vezes é herdado, mas na maioria dos casos é o resultado do envelhecimento de ossos na coluna. O acúmulo de osso, que em alguns lugares é conhecido como formação de osteófitos, faz com que o canal se torne mais estreito.

Minha reação a essa anomalia é baseada em minha experiência com pacientes. A maioria das pessoas que tratei tinha SMT, independentemente da idade, o que me levou a desconsiderar o diagnóstico baseado em radiografias. Quando se trata de uma estenose grave, é possível abrir cirurgicamente o canal, mas tenho visto poucos casos desse tipo. Eu aconselho meus pacientes, particularmente os de terceira idade, a consultarem um neurologista para que ele possa estudar cuidadosamente a possibilidade de danos na estrutura do nervo. Se o quadro neurológico é satisfatório e o paciente tem os sinais clássicos de SMT, então ele pode prosseguir com confiança, não importa o que mostrem os raios-X.

Nervo Comprimido

Um dos diagnósticos mais comuns após a hérnia de disco é a do nervo comprimido, que geralmente é emitido quando os pacientes têm dor em uma parte do pescoço, no ombro e na extremidade superior do mesmo lado. O que estaria supostamente comprimido é um nervo cervical que passa por uma abertura (chamada forame), formada pelas vértebras cervicais adjacentes. O que aparentemente faz com que a causa seja um osteófito (isto é, um acúmulo de osso, veja a seção anterior), ou uma hérnia de disco.

Este diagnóstico apresenta muitas falhas, porque é baseado em conceitos muito fracos. Também neste caso, o problema é a necessidade de identificar uma causa estrutural, o que às vezes indica uma preocupante falta de objetividade. As seguintes observações questionam o diagnóstico do nervo comprimido.

Em primeiro lugar, os sintomas descritos geralmente ocorrem em adultos jovens que não apresentam acumulações ósseas ou hérnia de disco.

Em segundo lugar, os acúmulos ósseos são extremamente comuns e muitos dos que os têm não sofrem de negligência. O número e o tamanho dessas formações aumentam à medida que o indivíduo envelhece, portanto, toda pessoa madura ou idosa deve ter pescoço e braços doloridos por causa deles, no entanto, não é assim.

Em terceiro lugar, os neuroradiologistas (especialistas em raios-X do sistema nervoso) dizem-nos que as acumulações de ossos deve estar obstruindo o forame para a costela ficar comprimida, o que é algo observado apenas em casos muito raros.

Em quarto lugar: a compressão persistente de um nervo produz dormência (ausência de dor). Isso não tem nada a ver com a sensação subjetiva de dormência que alguns pacientes experimentam em um braço ou uma perna.

Em quinto lugar, nas publicações médicas, há muitos relatos sobre grandes protuberâncias na coluna vertebral, incluindo tumores benignos, que muitas vezes não causam dor.

A maioria dos pacientes com “nervo comprimido” sofrem SMT nos músculos do pescoço e ombros, especialmente no trapézio superior e nas partes dos nervos cervicais após eles terem perdido contato com os ossos da coluna vertebral. Quatro costelas cervicais e os primeiros nervos torácicos formam o que é conhecido como plexo braquial, algo como uma área de passagem, onde esses feixes de nervos são reorganizados para se tornar os nervos que correm ao longo do braço e da mão. É muito provável que o plexo braquial esteja envolvido no processo de SMT. No entanto, o fato de ser nos nervos espinhais, no plexo braquial, ou em ambos, é irrelevante, porque nós não tratamos a doença localmente, e sim onde ela começa: no cérebro.

O seguinte é um registro impressionante que nos ensina muitas lições. A paciente era uma profissional madura que sofria dor no lado esquerdo do pescoço, bem como no ombro e no braço esquerdo. Essa dor era particularmente severa no pulso. Frequentemente, a dor naquela articulação a acordava à meia-noite. Como se isso não bastasse, um dia ela percebeu que tinha praticamente perdido a capacidade de mover o ombro esquerdo, o que é conhecido como “paralisia do ombro”. Essa é uma complicação comum da dor no ombro. Ao parecer, os pacientes começam a limitar o movimento dessa articulação, provavelmente devido à dor, sem perceber que não estão se movendo, e repentinamente percebem que a capacidade do movimento desapareceu. Por não ter um movimento normal, a cápsula da articulação encolhe, assim como qualquer articulação cujo movimento é restrito. Além disso, o paciente me disse que sentia uma grande fraqueza em sua mão esquerda, a ponto de ser incapaz de segurar objetos.

Apesar do som tenebroso desses sintomas, suspeitei que a paciente sofria de SMT, e o exame físico confirmou esse diagnóstico e a paciente foi receptiva. Ela tinha ouvido falar sobre a síndrome e seu perfil psicológico se encaixava perfeitamente nele: era extremamente comprometida com sua profissão e também extremamente trabalhadora e compulsiva em relação às suas responsabilidades.

Para meu embaraço, os sintomas não responderam ao programa terapêutico habitual. Pelo contrário, eles continuaram a se manifestar severamente por muitas semanas. Pensando que poderia haver algum problema sério transvestido de SMT, então eu enviei a paciente para uma consulta neurológica. Os resultados do exame físico e todos os testes realizados foram normais.

Depois de muitas semanas, os sintomas começaram a diminuir e, nesse meio tempo, a paciente e eu começamos a perceber por que eles haviam surgido e por que depois começaram a melhorar. O problema veio à tona ao ser informada a paciente de que perderia um membro muito importante de sua equipe de pesquisa. A mudança gerara nela muita ansiedade e, certamente, um monte de raiva. O subconsciente não é particularmente lógico sobre coisas como esta.

O desaparecimento total dos sintomas coincidiu com a saída do valioso colega, o que sugere que, depois disso a SMT deixou de ser necessária. A paciente recuperou a capacidade de movimentar o ombro sem ter que se submeter à fisioterapia.

Tratava-se de um diagnóstico clássico de “nervo pinçado” com a particularidade de que não era o tal. Como mostrado claramente neste caso, a SMT está a serviço de fenômenos psicológicos. Atribuir sintomas a uma anormalidade estrutural é um erro de diagnóstico lamentável.

Síndrome das Articulações Intervertebrais

Essas articulações conectam os ossos da coluna vertebral. Como todas as articulações, estão sujeitas a desgaste e começam a parecer anormais à medida que envelhecemos. Acredita-se que em alguns pacientes essas mudanças causam dor. Minha experiência me diz que não é.

Artrite Vertebral

O termo geralmente se refere a osteoartritis ou osteoartrite. Ambos os termos referem-se a mudanças normais causadas pelo envelhecimento, sobre as quais eu falei em parágrafos anteriores. Eles também são conhecidos como espondilose. Eu não achei essas situações patológicas, o que portanto não pode produzir sintomas. A artrite reumatóide é algo completamente diferente. É um processo inflamatório que pode atacar qualquer articulação do nosso corpo e que sempre produz dor.

Vértebra Transicional

A vértebra transicional é uma anomalia congênita em que há um osso adicional na extremidade inferior da coluna, geralmente ligado ao osso pélvico. Quando coexiste com dor nas costas, geralmente é atribuída a ela.

Espinha Bífida Oculta

Espinha bífida oculta é outra anormalidade congênita no final da coluna, na qual parte do osso está faltando. Também neste caso, a dor é muitas vezes erroneamente atribuída a este defeito.

Espondilolistese

A espondilolistese é uma anormalidade na qual duas vértebras, geralmente na parte inferior da coluna, não são adequadamente alinhadas, ficando uma frente à outra. Nas radiografias, ela parece bastante assustadora, mas descobri que geralmente é benigna. Certamente, é possível que existam alguns casos de espondilolistese maligna, mas até agora eu não vi nenhum.

Em todos esses anos, assisti a casos notáveis. Eu lembro de um homem de aproximadamente 60 anos com um histórico de três anos de crescente dor nas costas que estava arruinando a sua existência. Ele não podia praticar qualquer esporte, do qual sentia muita falta, e descrevia seus dias como sendo “uma tortura sem fim”. Ainda que uma cirurgia tivesse lhe sido recomendava várias vezes, o homem tinha medo dela, apesar de sua desesperada situação.

O exame revelou que o paciente era um homem extremamente ansioso, mas muito saudável de aparência. Suas pernas não mostraram nenhuma mudança neurológica, mas cada músculo, a partir do pescoço para nádegas, era extremamente sensível à pressão – um caso clássico de SMT.

Para mim, este paciente representou um dilema, porque ele tinha dois diagnósticos: Espondilolistese e SMT. Eu não tinha dúvida de que a dor devia-se à SMT e o paciente disse que queria acreditar em mim, porém, e os médicos que recomendaram uma cirurgia? Eles poderiam estar errados? Eu sugeri a ele que, uma vez que claramente sofria de SMT, nós deviamos tentar libertá-lo dela.

Após começar o tratamento usual e a dor diminuiu. Quatro semanas depois de iniciado o programa, o paciente saiu de férias com sua esposa e ao retornar relatou ter ficado completamente livre de dor durante todo esse período. Porém, assim que ele retomou suas atividades normais, a dor voltou, embora em menor grau. Não havia dúvida sobre sua causa. O paciente continuou a melhorar e, três meses depois de sua primeira visita, ele conseguiu voltar a praticar seu esporte favorito.

O paciente depois escreveu para mim no primeiro aniversário de sua primeira consulta, dizendo que estava tudo bem. Ele praticava seu esporte no nível competitivo e considerava sua recuperação como algo extraordinário, já que o tratamento consistia apenas em ouvir e aprender.

Seria incorreto dizer que a espondilolistese nunca provoca dores nas costas, mas até agora nunca vi nenhum paciente cuja dor se devesse a esse distúrbio.

Entre 1976 e 1980, dois médicos israelenses, o Dr. A. Magora e o Dr. A. Schwartz. publicaram quatro artigos médicos no Jornal Escandinavo de Medicina de Reabilitação, no qual relataram os resultados de seus estudos para determinar se certas anormalidades na coluna causavam dor. Seu método era comparar radiografias de pessoas com história de dor nas costas e sem elas. Se as pessoas com dor nas costas apresentassem essas anormalidades com mais frequência, poderia presumir-se que elas fossem a causa da dor nas costas.

Esses pesquisadores não encontraram diferença estatística na frequência com que osteoartrite degenerativa, vértebras transicionais, espinha bífida oculta e espondilose ocorreram em ambos os grupos. Houve uma pequena diferença estatística no caso de espondilolistese. Em outras palavras, a dor nas costas não poderia ser atribuída a nenhum desses distúrbios, com a possível exceção da espondilolistese.

Em 1953, o Dr. C. A. Splithoff, um radiologista americano, realizou um estudo semelhante, publicado no Journal of American Medical Association. Este investigador comparou a frequência de nove anormalidades além da extremidade inferior da coluna em pessoas com e sem dor. Ele também não encontrou qualquer diferença estatística.

Esses estudos sugerem que anormalidades estruturais da coluna não costumam causar dor nas costas.

Escoliose

A escoliose se refere a uma curvatura anormal da coluna vertebral que comumente ocorre em mulheres adolescentes e geralmente persiste na vida adulta. Nós não sabemos qual é a sua causa. Raramente causa dor aos adolescentes, mas a dor nas costas dos adultos é muitas vezes confusa. O seguinte é um caso característico.

A paciente era uma mulher de cerca de trinta anos de idade, que sofria de ataques recorrentes de dor nas costas desde a adolescência. Vários anos antes de ir ao consultório, ela sofrera um ataque severo ao precisar cuidar de seus filhos pequenos. Radiografias mostraram escoliose leve, à qual a dor foi atribuída. Então ela foi informada de que sua dor nas costas piorara gradualmente por causa de ela ter ficado mais velha. Apesar desse prognóstico sombrio, a paciente se recuperou do episódio e ficou muito boa até dois meses antes de vir ao meu consultório, após sofrer outro ataque severo. Ela me disse que tudo começou ao se agachar e sentir que “algo estava quebrado”, que, como vimos nas páginas anteriores, é uma das descrições mais comuns do início do distúrbio.

No seu histórico médico, eu observei que ele tivera vários episódios de tendinite nos braços e pneumonia, dores ocasionais no pescoço e nos ombros, sintomas no estômago e cólon, febre do feno. Ela era o paciente clássico com SMT.

Os resultados do exame físico foram normais, exceto pela sensibilidade usual ao palpar os músculos do pescoço, ombros, costas e nádegas.

A paciente aceitou o diagnóstico sem problemas, participou do programa de tratamento e livrou-se da dor. Posteriormente informou que não tivera mais ataques, que às vezes sentia dores leves, mas sabia que eram inofensivos e que vivia sem medo.

É claro que a escoliose não foi a causa da dor, uma vez que nenhum dos elementos de tratamento fez nada para alterar esta desordem. É igualmente claro que a sua personalidade a predispôs a sofrer várias doenças benignas, incluindo SMT.

A Osteoartrite do Quadril

A Osteoartrite do Quadril é bem conhecida entre profanos por causa de sua frequência e grande procedimento cirúrgico pelo qual a articulação inteira é substituída; o paciente ganha uma nova cabeça do fémur. Este é, sem dúvida, um dos grandes triunfos da cirurgia reconstrutiva.

O que justifica esta operação é o crescimento excessivo do osso e o desgaste da cartilagem articular, de tal forma que este perde a amplitude de movimento e tornar-se disfuncional. Afirma-se também que estas articulações osteoartríticas produzem dor, o que pode ser verdade em alguns casos. No entanto, você precisa ser cauteloso, uma vez que eu tenho visto vários pacientes cuja “dor no quadril” era uma manifestação clara de SMT.

Recentemente atendi um caso assim. A paciente era uma mulher na casa dos sessenta anos que sofria de dor nas costas. O estudo radiológico da dita articulação mostrou apenas uma mudança osteoartrítica moderada (a qual, no entanto, a dor fora atribuída), porém o exame físico revelou a verdadeira causa. Ela possuía amplitude de movimento perfeitamente normal no referido conjunto e não sofria dor ao levantar a perna com esta carregando algum peso. O lugar em que ela sentia dor era cerca de cinco centímetros acima da junta e podia ser reproduzida com uma pressão simples. O problema da paciente era uma tendonalgia devido ao SMT.

Muitas vezes a dor vem do músculo da nádega ou do nervo ciático envolvidos com SMT. Posso afirmar isso com alguma confiança, porque eu trato esses pacientes e a sua dor desaparece.

Não digo que isso seja assim invariavelmente mas apenas que a gente deve se alertar para a possibilidade de a dor no quadril nem sempre ser devido a uma condromalácia articular degenerativa.

Condromalácia

Condromalácia é uma condição na qual o interior do joelho torna-se áspero. Isso pode ser visto através de raios-X, e, sem dúvida, é a razão pela qual a dor no joelho é geralmente atribuída a ele. Ao contrário do que dissemos sobre osteoartrite do quadril, minha experiência me diz que esse transtorno nunca causa dor. Invariavelmente, os exames revelam manifestações de tendonalgia devido a SMT em um ou mais dos muitos tendões e ligamentos que cercam o joelho. Nestes casos, a dor não é dor no joelho, é gerada fora dela.

Esporas

A existência de esporas é geralmente demonstrada por um estudo radiológico. Universalmente, a dor no calcanhar é atribuída a eles. No entanto, segundo minha experiência, o esporão não tem sintomas e a dor geralmente deve-se ao distúrbio SMT.

Transtornos de Tecidos Moles: Fibromialgia (Fibrositis, Miofibrositis, Miofascitis)

O reumatismo muscular, dores e dores crônicas, o sono inquieto e a rigidez matinal afetam vários milhões de pessoas nos Estados Unidos, geralmente mulheres entre vinte e cinquenta anos de idade. Estes sintomas são normalmente diagnosticados como fibromialgia. Comenta-se que apenas uma pequena porcentagem de pacientes são diagnosticados apropriadamente e que ao falhar em encontrar qualquer anormalidade em exames de laboratório, alguns médicos frequentemente concluem ser esta uma doença “psicogênica”.

Embora a fibromialgia seja diagnosticada com cada vez mais frequência, a causa dessa condição permanece desconhecida. Os médicos aconselham ao paciente que não se preocupem, pois o transtorno não é “psicogênico” (entre aspas porque, obviamente, este é um termo impróprio) e não é degenerativo, nem deformante.

Fazem muitos anos qu eu tenho muito claro que esse distúrbio é uma das muitas variantes da SMT. Portanto, embora não seja deformante ou degenerativo, certamente é psicogênico, pois esse termo designa os processos físicos induzidos por fatores emocionais. No entanto, como já dissemos tantas vezes neste livro, muitos médicos manifestam uma incapacidade visceral quanto a aceitar um conceito como este. O termo “psicogênico” é uma palavra usada para designar algo cuja verdadeira natureza é ignorada. Esses médicos não podem conceber a possibilidade de que as emoções produzam mudanças no organismo.

Os médicos muitas vezes admitem que não sabem ao certo qual é a causa da fibromialgia (SMT); no entanto, uma anomalia característica desse distúrbio foi identificada em testes de laboratório: privação de oxigênio, exatamente como explicado no capítulo sobre a fisiologia da SMT. O problema é que, tendo identificado uma alteração fisiológica, os médicos não sabem o que fazer com a informação que possuem, embora tentem a todo custo explicá-la em termos físicos e químicos. Com admirável erudição, eles trazem à baila tudo o que se sabe sobre a física e a química do músculo e, com toda essa informação, constroem uma elaborada hipótese etiológica, mas o paciente continua sofrendo dores.

Fibromialgia e SMT são a mesma coisa. Em todos esses anos, tratei centenas de pacientes com esses sintomas. Como já dissemos, esse tipo de pessoa sofre mais que o paciente com SMT mais comum e muitas vezes precisa de psicoterapia.

Bursite

As bursas ou bolsas serosas são estruturas responsáveis pela proteção do osso nas áreas onde ele é submetido a grandes pressões. Há dois pontos em que a dor é geralmente atribuída à inflamação desses sacos: os ombros e o quadril. Medicamente, esta condição é chamada de bursite acromial ou bursite trocantérica, dependendo de onde ela afeta.

O ombro é um articulação complicada e há muitas coisas podem causar dor.

Eu geralmente encontro que a estrutura que produz a dor é um tendão que passa sobre a bursa no lugar onde o tendão se junta ao osso (acrômio) ou perto dele. Portanto, a causa da dor é uma tendonalgia e não uma bursite. Como a maioria das tendonalgias, isso se deve a SMT. Portanto, ambos, tnto a antomia e a patofisiologi estão erradas em muitos casos de SMT quando a dor é atribuída à uma bursite subacromial.

Da mesma forma, a dor experimentada em torno do que poderíamos chamar de ponto de quadril (trocânter) é atribuída usualmente a bursite, no entanto, na minha experiência, trata-se também de uma tendonalgia causada pela SMT.

As manifestações tendinosas da SMT são descritas em detalhe em outras seções do livro e aqui o serão muito brevemente.

Tendinite

No grupo de doenças conhecidas como tendinite, o tendão é corretamente identificado como a parte que produz dor, mas a razão dada é incorreta. A explicação anatômica é adequada, mas o diagnóstico está errado. Geralmente supõe-se que o tendão dolorido está inchado por excesso de uso, de modo que o tratamento consiste em imobilizar e descansar a parte, ou dar uma injeção de esteróides (cortisona). Muitas vezes, o alívio é apenas temporário.

Muitos anos atrás, eu tinha a suspeita de que a tendinite (chamada propriamente de tendonalgia) poderia ser parte da SMT, quando um paciente me informou que o tratamento tinha-o libertado não só a dor nas costas, mas também seu cotovelo parará de machucá-lo. Eu fiz o teste e descobri que, na verdade, eu também poderia curar a maioria dos tendões. Atualmente eu acho que os tendões e ligamentos são o terceiro tipo de tecido afetado pela SMT.

Os pontos comumente atingidos por tendonalgias são os ombros, cotovelos, punhos, quadris, joelhos, tornozelos e pés.

Coccidínia

O termo refere-se a dor experimentada no vinco dividindo as nádegas. Geralmente é assumido que a extremidade inferior do osso, isto é, o cóccix, é a fonte da dor, embora seja claro que a área afetada é normalmente a parte inferior do sacro. Seja no cóccix ou sacro, o sintoma é um mistério para o diagnosticador médico, já que os exames radiológicos não revelam nenhuma anomalia. Geralmente, os pacientes a relacionam a uma queda forte, quase sempre  no  passado  distante.

O coccydynia  é  uma  manifestação comum de SMT e provavelmente se trata de uma tendonalgia, haja visto que tanto o sacro como o cóccix têm músculos ligados em toda sua extensão. A prova disso é que a dor desaparece com o tratamento para a SMT.

Neuroma

É outra tendonalgia produzida pela SMT, mas atribuída a outras causas. Ela se localiza na parte anterior da base do pé. A dor geralmente ocorre na região do metatarso e muitas vezes é creditada a um neuroma, que é um tumor benigno. A dor desaparece quando o tratamento com SMT é aplicado.

Fascite Plantar

A dor de fascite plantar está localizada na parte inferior do pé, ao longo do arco. Embora não sejam tão precisos quanto a sua causa, os médicos a atribuem essa dor a inflamação. Normalmente, a área é muito sensível ao toque e parece ser uma manifestação clara de SMT.

Mononeurite Múltipla

A mononeurite múltipla é outro diagnóstico descritivo para uma condição cuja causa é desconhecida. Refere-se aos sintomas nervosos que parecem afetar muitos nervos seguindo um padrão aleatório. Pode ocorrer com diabetes, mas há muitas pessoas que sofrem com isso sem ser diabéticas. Na minha opinião, essa condição é um exemplo de uma neuralgia produzida por SMT, pois ela tende a afetar um monte de músculos e nervos diferentes no pescoço, ombros e costas.

Síndrome  da  Articulação  Temporomandibular  (SATM):  A  Síndrome  da  Articulação Temporomandibular

É um sofrimento muito comum que ocorre no rosto, e que é geralmente é atribuído a uma patologia da articulação da mandíbula (articulação temporomandibular) e, portanto, seu tratamento foi deixado nas mãos dos dentistas. Eu nunca tratei esse transtorno, mas costumo pensar que a sua causa é semelhante à dor de cabeça provocada pelo estresse e o SMT. Os pacientes com SMT que vêm até o meu escritório se queixando de costas e no ombro, muitas vezes têm antecedentes de SMT e músculos da mandíbula que apresentam sensibilidade ao toque, tal como nos músculos dos ombros, costas e nádegas.

Inflamação

É necessário falar da inflamação, porque é a explicação dada em muitos casos a dor nas costas tanto na parte superior como na inferior, e serve de base para a prescrição de medicamentos esteróides (cortisona) e não esteróides (como o ibuprofeno). Por causa da magnitude do problema da dor nas costas, estas substâncias são utilizadas com muita frequência.

Dada a minha experiência com o diagnóstico e tratamento de SMT, é claro para mim que a origem da dor não está nas estruturas da coluna vertebral nem numa inflamação. Os processos inflamatórios são uma reação automática a uma doença ou lesão – basicamente um processo protetor e curativo. A inflamação é uma reação a uma invasão de vírus ou bactérias.

Se for essa a causa do processo inflamatório, o que acontece nas costas? É a reação a uma infecção, a uma lesão ou ao quê? Até agora, nunca houve uma resposta satisfatória apoiada em bases científicas. Neste livro, sugiro que a fonte da dor é a privação de oxigênio e não a inflamação. Ao menos, essa ideia é baseada em estudos reumatológicos sobre fibromialgia.

Torções e empurrões

O termo torção deve ser usado apenas em circunstâncias muito específicas de pequenos ferimentos, como entorses de tornozelo. Eu não tenho certeza do que deveria ser um puxão. Infelizmente, ambos os termos são frequentemente usados quando o sintoma é uma manifestação da SMT.

Depois de explicar brevemente os diagnósticos tradicionais para dor nas costas, vamos agora ver quais são os tratamentos convencionais.

CAPÍTULO VI

OS TRATAMENTOS TRADICIONAIS (CONVENCIONAIS)

Em um capítulo que escrevi para um livro sobre dor nas costas, eu disse que o ecletismo terapêutico na hora de fazer um diagnóstico é um sinal de incompetência. O fato de haver tantos tratamentos para síndromes de dores comuns no pescoço, nos ombros e nas costas sugere que os médicos fazem o diagnóstico sem ter certeza do problema. Claro, o paciente receberá sempre um diagnóstico, geralmente estrutural, mas o tratamento posterior, seja de medicamentos, vários tipos de terapias físicas, manipulação, tração, acupuntura, biofeedback, estimulação transcutânea dos nervos ou cirurgia (muitos dos quais são tratamentos sintomáticos), sugerem que os diagnósticos possuem bases fracas.

As pessoas com SMT precisam conhecer esses tratamentos, para que possam entender por que respondem ou não a eles ou por que apenas eles fornecem alívio parcial ou temporário.

Pensando em como abordar o assunto, ocorreu-me que a melhor maneira seria considerar cada modalidade de tratamento do ponto de vista de sua finalidade. Claro, todos os tratamentos são destinados a aliviar a dor, mas o importante é como. Qual é a base de cada tratamento? Antes de falar sobre isso, vamos rever novamente a questão do efeito placebo, já que é muito importante em qualquer exposição relacionada aos tratamentos.

O EFEITO PLACEBO

Um placebo é qualquer tratamento que produz um resultado terapêutico positivo, apesar de não ter valor curativo intrínseco. As pílulas de açúcar são um exemplo clássico. É evidente que o resultado positivo deve ser atribuído à capacidade da mente de manipular os diferentes órgãos e sistemas do corpo. Para conseguir isso, a mente deve acreditar na eficácia do tratamento, do médico ou de ambos. O conceito chave é acreditar. O paciente deve ter uma fé cega. E se você tiver, os resultados podem ser muito impressionantes. Considere o seguinte caso, publicado pelo Dr. Bruno Klopfer em 1957.

O paciente era um homem com câncer fulminante nos gânglios linfáticos, que convenceu seu médico a tratá-lo com um medicamento chamado Krebiozen. O homem se recuperou milagrosamente e seus numerosos tumores desapareceram. Ele seguiu sua vida normal sem nenhum problema até ouvir um relato sobre a ineficiência do Krebiozen nas notícias, após o qual voltou para o mesmo estado de desespero em que se encontrava antes de iniciar o tratamento com Krebiozen.

Impressionado com sua reação ao tratamento, o médico disse que iria aplicar injeções de uma fórmula Krebiozen ainda mais poderosa, mas dessa vez ele utilizou apenas água destilado. Mais uma vez, o paciente reagiu visivelmente e seus tumores desapareceram. Quando a Associação Médica Americana anunciou oficialmente que o Krebiozen não tinha uso, o homem novamente contraiu os tumores e morreu pouco depois.

Esse caso mostra claramente que o placebo atua no corpo, não na imaginação. Placebo provocou uma vigorosa reação no sistema imunológico, capaz de destruir tumores.

Com base na impressão de que a maior parte das síndromes dolorosas que atendo é devida ao SMT, devo concluir que os resultados benéficos obtidos com a maioria dos tratamentos a serem descritos seguir devem-se ao efeito placebo.

Tratamentos para descansar a parte danificada

Se a dor de um paciente particular é de fato o resultado de uma lesão, se qualquer estrutura sofreu traumatismos e se um período de cicatrização é necessário, então tratamentos projetados para descansar a parte danificada são lógicos. Entre eles, o repouso no leito, o uso de tração lombar (cujo objetivo real é fazer com que o paciente permaneça em repouso, já que os pesos utilizados não são capazes de separar os ossos da coluna), as restrições à atividade física e o uso de colares cervicais, faixas lombares ou braçadeiras. O descanso na cama é prescrito quase universalmente a pacientes os quais se pensa sofrem de uma hérnia de disco.

No entanto, se não há nenhuma anormalidade estrutural, ou seja, se a pessoa tem SMT, esse raciocínio não é válido. Não apenas essas prescrições carecem de valor, como contribuem para intensificar o problema, sugerindo ao paciente que sua condição é perigosa o suficiente para exigir imobilização total. Como enfatizado no capítulo relacionado ao tratamento, até a percepção de que a dor tem uma causa física ao invés de emocional é capaz de perpetuar os sintomas.

Os colares e coletes usados são um tanto ridículos, porque não servem para imobilizar a parte que abraçam. Quando alguém diz que se sente melhor ou se tornou dependente deles, penso imediatamente que é o efeito placebo.

Tratamento para aliviar a dor

O objetivo de todos os tratamentos é o alívio da dor, mas os tratamentos analgésicos visam a eliminar a dor per se. Em geral, são terapias sintomáticas e, portanto, constituem uma prática médica deficiente, a menos que sejam administradas com fins humanitários. A utilização de morfina, Demerol, ou outros analgésicos potentes certamente se justifica quando o paciente sofre de dor intolerável, mas não como um tratamento definitivo.

A acupuntura tratamento definitivo parece funcionar como um anestésico local. Em outras palavras, ela bloqueia a transmissão dos impulsos nervosos da dor para o cérebro. Se a gente lida com uma doença crônica em que não se pode esperar que a dor desapareça, a acupuntura é um bom tratamento. Este método pode fornecer alívio temporário ao típico paciente com dor nas costas, mas nada faz para resolver o processo subjacente, que é a causa da dor.

Os bloqueadores de nervos são amplamente utilizados nos Estados Unidos, especialmente em casos de dor severa e intratável. Injeta-se um anestésico local e este age essencialmente como a acupuntura. Portanto, as críticas a esse tratamento para dor nas costas são essencialmente as mesmas.

A Estimulação Transcutânea do Nervo (ETN) depende de choques elétricos leves que são administrados na área afetada, com o objetivo de aliviar a dor. Geralmente, os eletrodos aderem à parte afetada e o paciente pode ativar o choque à vontade. Sobre o tratamento, podemos dizer o mesmo que nos dois casos anteriores. No entanto, existe um questionamento quanto a ele funcionar mesmo como um placebo. Em 1978, um grupo de pesquisa da clínica Mayo publicou um estudo demonstrando que um placebo funcionava igualmente bem (G. Thorsteinsson, H.H Stonnington, GK Stilwell e LR Elveback, O Efeito Placebo de Estimulação Elétrica Transcutânea por Estimulação Elétrica, Pain, Vol.5, p.31]

Quando qualquer um desses tratamentos produz um alívio prolongado, devemos suspeitar que seja um efeito placebo; não pode haver outra explicação, uma vez que tais tratamentos não atacam a causa raiz do problema.

Tratamentos que favorecem o relaxamento

Aos que prescrevem tratamentos de relaxamento eu gostaria de perguntar o seguinte: “Para quê? Qual é o propósito de fazer a pessoa relaxar? O que você espera alcançar?”.

Existe muita vaguidade sobre este assunto no que diz respeito ao alívio da dor, Inquestionavelmente, uma pessoa calma e relaxada experimenta menos dor, mas de novo trata-se de um tratamento sintomático. O distúrbio fundamental não é combatido. E quanto tempo você pode dedicar todos os dias a exercícios de relaxamento? Eu digo aos meus pacientes que o exercícios de relaxamento e meditação não causam danos, mas ninguém pode confiar neles indefinidamente para aliviar a dor.

O papel específico do biofeedback no alívio da dor é promover o relaxamento muscular. O procedimento usual é colocar pequenos eletrodos nos músculos da testa, cuja atividade elétrica (que é um reflexo da atividade muscular) é registrada em uma tela ou disco. Mais tarde, o sujeito é instruído a reduzir a leitura do calibrador, o que significa que o músculo relaxa, e isso por sua vez gera um relaxamento que reflete nos músculos em outras partes do corpo.

Eu nunca prescrevo o biofeedback, porque seu objetivo é simplesmente tratar o sintoma.

Tratamentos para corrigir uma anomalia estrutural

Provavelmente, o tratamento mais comum de quantos são usados para corrigir uma anomalia estrutural é a terapia manual. A anomalia para a qual isso é usado é o mau alinhamento da coluna e seu propósito é recuperá-lo. Eu não acho que haja tal anomalia, e tal for o caso, eu não acho que isso poderia ser corrigido por manipulação. Ocasionalmente há um alívio acentuado da dor após a manipulação, sugerindo que a pessoa exibe uma boa reação placebo. Os pacientes costumam recorrer a esse tipo de tratamento regularmente. Por essa razão, é provável que sua reação seja do tipo placebo, que é caracterizada por ser temporária.

Embora não seja tão comum quanto a manipulação, a cirurgia para remoção do material de disco intervertebral gerado também é freqüentemente utilizada. Sem dúvida, às vezes é essencial realizar esses tipos de procedimentos. No entanto, tenho a impressão, com base na minha experiência com pacientes que sofrem de hérnia de disco, de que o material intervertebral quase nunca é responsável pela dor. Não é preciso dizer que os cirurgiões que praticam essas operações o fazem com a sincera convicção de que estão removendo uma substância nociva; eis o conceito que governa a decisão de praticar a cirurgia, que é compartilhada por muitos médicos. No entanto, minha experiência terapêutica me obriga a dizer que a cirurgia às vezes pode produzir um resultado desejável devido ao efeito placebo. A potência do placebo, ou seja, sua capacidade de alcançar um resultado positivo e permanente, é medida pela impressão que deixa na mente da pessoa. É por isso que a cirurgia provavelmente é um placebo tão poderoso.

Este fato foi colocado em consideração para o mundo da medicina em 1961 (“Cirurgia com o Placebo”, Revista da Associação Médica Americana, Vol. 176, p.102) por Henry Beecher, o mesmo pesquisador que relatou reações de soldados feridos em batalha (ver capítulo 7, no qual a relação mente-corpo é explicada). Nós hesitamos em desafiar o valor da cirurgia, mas há uma quantidade considerável de evidências circunstanciais de sua falha em muitos casos. Como foi afirmado em todo este trabalho, o SMT, e não a hérnia de disco, parece ser a causa da dor em um grande número de casos. Portanto, a remoção do material do disco intervertebral não ataca o problema fundamental.

Existe um outro tratamento que pode ser considerado como pseudo-cirúrgico, já que seu objetivo é retirar material de uma hérnia de disco, como a cirurgia. A quimopapaína é uma enzima que pode ser injetada diretamente no material intervertebral gerado, com o objetivo de digeri-lo (dissolvendo-o). Esse procedimento é menos invasivo que uma operação cirúrgica, mas as mesmas críticas podem ser feitas a ele, já que o material da hérnia pode não ser a causa da dor. Além disso, relatórios médicos relataram reações graves provocadas por esta enzima.

A tração cervical, que é capaz de separar levemente os ossos do colo do útero, é outro método para corrigir uma anormalidade estrutural. Neste caso, o procedimento é usado para alongar o forame cervical. Esses forames são os buracos formados por cada par de ossos da coluna vertebral, através dos quais correm os nervos da espinha. A ideia é ampliar esses buracos de tal maneira que os nervos não sejam comprimidos. No entanto, como já dissemos antes, o conceito do nervo “pinçado” é muitas vezes errado, então este procedimento é excessivo.

Tratamentos para fortalecer os músculos

Durante anos, a doutrina de fortalecer os músculos das costas e abdômen para proteger o primeiro ou aliviar a dor tem sido pregado em todo o mundo. Este equívoco está profundamente enraizado nas mentes dos americanos. A YMCA ensinar programas de condicionamento físico, centenas de medicos. Eles prescrevem exercícios, e os pacientes recebem treinamento por uma grande variedade de terapeutas.

A prática desses exercícios e o fortalecimento desses músculos não são ruins, pelo contrário, é muito positivo (eu mesmo os pratico). Como eu digo aos meus pacientes, tais práticas não irão eliminar sua dor nem os protegerão disso e, se o fizerem, se tratará de um efeito placebo.

Qual é o uso do exercício para se sentir bem, para perder o medo da atividade física? Essa é outra história. Este é um uso imbatível de exercício.

Dr. Hubert Rosomoff, mencionado em conexão com seu repúdio da importância da patologia dos discos intervertebrais, tem um programa extenso e bem sucedida de tratamento conservador de síndromes dolorosas, realizada em parceria com a Faculdade de Medicina, Miami, Flórida. De acordo com todos os relatórios sobre o assunto, seu programa de atividade física é tão vigoroso quanto rigoroso. No entanto, acho que, embora seus pacientes melhorem e se tornem mais funcionais, muitos deles continuam a sentir dor. Do meu ponto de vista, isso é inevitável, porque a causa raiz do distúrbio não foi identificada ou atacada. Apenas raramente eu mando um paciente para ver um fisioterapeuta, e mesmo nesses casos, eu o faço para ajudá-lo a superar o medo e a rejeição do exercício físico.

Tratamentos para aumentar a circulação sanguínea local

Existem vários tratamentos físicos que aumentam o fluxo sanguíneo em uma determinada área, aumentando a temperatura do tecido. Por exemplo, é possível gerar calor dentro do músculo através do uso de ondas curtas ou radiação ultrassônica. Massagem profunda e exercício ativo produzem o mesmo efeito. Ao contrário do que se poderia esperar, a aplicação de uma bolsa quente não aumenta a circulação sanguínea  porque  o  calor  não  penetra  na  pele  e,  portanto,  não  atinge  o  músculo. Paradoxalmente, a aplicação de um bloco de gelo, se é capaz de aumentar o fluxo sanguíneo, estimulando uma reação reflexa fria.

Mas o que é conseguido com isso? A menos que a dor seja causada por uma redução no fluxo sanguíneo ou na oxigenação, produzida por algum outro mecanismo, o aumento da quantidade de oxigénio disponível sem valor.

Como o leitor sabe, a minha hipótese, suportada pela investigação reumatológica, é que a privação de oxigênio é precisamente o mecanismo utilizado pela dor muscular devido a SMT. No entanto, não utilizo estas modalidades terapêuticas, uma vez que são de natureza fisiológica e a sua utilidade é geralmente temporária. O raciocínio para esta decisão é totalmente explicada no capítulo sobre o tratamento de SMT.

Aplicar compressas quentes ou frias, usando radiação (atualmente, a radiação ultra-sônica é a mais usada), massagem profunda e superficial e exercício ativo são usados amplamente no tratamento de síndromes dolorosas, quase sem levar em conta as prováveis causas das mesmas. Por exemplo, um médico pode diagnosticar uma hérnia de disco e decidir que a cirurgia não é adequada. Nesse caso, se a dor persistir após um período de repouso no leito, geralmente é prescrito algum tipo de fisioterapia, que geralmente consiste em calor profundo, massagem e exercícios. É difícil entender o que se pretende com isso, pois isso não alterará a situação anatômica do disco afetado. Aumentará apenas temporariamente o fluxo sanguíneo e talvez tonificará os músculos, mas tudo isso e para quê?

Sendo alguém que prescreveu esse tratamento, talvez centenas de vezes anos atrás, devo confessar que o raciocínio subjacente quase nunca estava claro e que não pouca ilusão (wishful thinking) havia envolvida nisso: “Faça alguma coisa e talvez a dor ir embora”, “Fortaleça os músculos do abdômen e das costas para dar apoio a coluna”, “Relaxe os músculos”, etc.

Se o fisioterapeuta era particularmente talentoso, os resultados tendiam a ser muito bons. Aliás, aqui novamente a resposta placebo vinha à tona, isso significando que o resultado não seria permanente. Contudo, se o terapeuta ainda estivesse disponível para o paciente, outra rodada de terapia aliviaria a dor por alguns meses ou semanas. Mas o paciente continuava a viver limitado por proibições, recomendações e o medo onipresente de uma nova dor.

Os tratamentos para a inflamação

Minha resposta imediata a qualquer tratamento para combater a inflação é: “Que inflamação?” Tanto quanto eu sei, ninguém provou a existência de um processo inflamatório em qualquer síndrome de dor nas costas, no entanto, se utilizam enormes quantidades de anti-inflamatórios esteróides e não-esteróides, tanto por prescrição médica como sem ela. É um pouco difícil avaliar a eficácia desses medicamentos, uma vez que a maioria também possui propriedades analgésicas. Mas como não há inflamação na SMT devemos assumir que a melhoria produzida por esses tratamentos deve-se a à função analgésica ou ao efeito placebo.

Com uma exceção. Esteróides (medicamentos a base de cortisona) reduzem ou temporariamente eliminam os sintomas de SMT em muitos pacientes. Ignoro o como e o porquê disso. Eu vejo esses pacientes quando eles têm um novo episódio de dor, eles têm SMT – e eles geralmente reagem ao tratamento com uma resolução permanente de seus sintomas.

TRATAMENTO DA DOR CRÔNICA

Perto do fim do Capítulo 4, sobre o tratamento de SMT, eu descrevi um programa amplamente utilizado nos Estados Unidos para tratar a dor crônica. Vale a pena repetir que tratar a dor não é um procedimento medicamente válido. A dor é um sintoma, como febre. Tem sido elevada à categoria de desordem com base na hipótese de que certos fatores psicológicos fazem com que o paciente exagere a dor. Como mencionado anteriormente, esta teoria exige a presença continuada de uma causa estrutural para a dor – a qual depois é exagerada.

De acordo com minha experiência, nas síndromes de dor leve e severa, assim como nas dores agudas e crônicas, as alterações fisiológicas causadas pela SMT são responsáveis pela dor da maioria dos pacientes, e não por uma anomalia estrutural. Essas alterações fisiológicas produzem dor e outros sintomas. Tratar esses sintomas não é mais inteligente do que tratar a febre de um paciente com pneumonia pneumocócica.

De onde vem essa nova teoria? O problema se originou no fracasso dos médicos quanto a diagnosticar adequadamente a causa da dor. Então, quando se tornou grave, crônico e incapacitante, eles levantaram as mãos e esperaram que alguém os libertasse do fardo que a atenção desses pacientes implica. Os médicos ficaram satisfeitos em poder delegar essa responsabilidade quando os psicólogos comportamentais propuseram a teoria de que as necessidades psicológicas criavam um distúrbio “novinho em folha” , que denominaram dor crônica. A dor foi elevada à categoria de doença com o consentimento da profissão psicológica, quando médicos frustrados desistiram de sua função como diagnosticadores.

A dor é, sempre foi e sempre será um sintoma. Se se tornar grave e crônico, é porque sua causa é grave e não foi identificada. A natureza crônica das síndromes dolorosas deve-se à emissão de um diagnóstico inadequado. O caso a seguir demonstra o exposto acima e, ao mesmo tempo, é uma conclusão apropriada para o presente capítulo.

A paciente era uma senhora madura com filhos adultos. Antes de ir ao meu consultório, passara quase dois anos na cama. Essa mulher sofria de dores na região lombar e nas pernas há anos, passara por duas cirurgias e tinha-se deteriorado gradualmente a tal ponto que sua vida estava restrita quase inteiramente a seu quarto.

A paciente foi hospitalizada, mas nenhuma evidência de um problema estrutural contínuo foi encontrada. O que encontramos foram manifestações graves de SMT. E como a avaliação psicológica revelou que ela havia sofrido terríveis abusos sexuais e psicológicos em sua infância, não é de surpreender que ela estivesse furiosa, para dizer o mínimo, embora não estivesse ciente disso. A paciente era uma mulher simpática e maternal, o tipo de pessoa que automaticamente reprime a raiva. E assim permaneceu durante anos, sempre controlada pela síndrome da dor severa.

Sua recuperação foi tormentosa, porque quando os detalhes de sua vida começaram a emergir e ela começou a reconhecer sua raiva,  a  paciente  experimentou  vários  sintomas  físicos  (coração  e  doença  cardíaca gastrointestinal), mas a dor começou a diminuir. A terapia individual e em grupo foi muito intensa. Felizmente, a paciente era uma mulher muito inteligente, então ela rapidamente entendeu os conceitos da SMT. Como a dor diminuiu, o pessoal ajudou-a a adquirir mais mobilidade. Quatorze semanas após a internação, a paciente voltou para casa essencialmente sem dor e pronta para retomar sua vida.

Esta mulher não sofria de nenhuma doença chamada “dor crônica”, mas uma desordem física, isto é, SMT, induzida por um trauma psicológico assustador. Quão prejudicial teria sido supor que sua dor era tão grande e persistente por causa de ela derivar um benefício psicológico dela. Assim, apenas um exemplo que apoia minha oposição a esse conceito.

E da mesma forma, a minha insistência quanto a que o tratamento da SMT requer uma abordagem educacional-psicoterapêutica. A maioria dos pacientes não necessita de psicoterapia, mas eles precisam saber que todos nós geramos e reprimimos sentimentos negativos e que estes podem ser a causa de sintomas físicos.

CAPÍTULO VII

CORPO E MENTE

Está extremamente claro de que a causa e o tratamento da SMT é um exemplo impressionante do que poderíamos chamar de conexão mente-corpo. A história do conhecimento dessa interação por parte da medicina é longa e cheia de altos e baixos. Hipócrates recomendou aos seus pacientes asmáticos que eles tivessem cuidado com a raiva, o que indica que, 2.500 anos atrás, já havia alguma consciência da influência que as emoções exercem sobre a doença. Esse conceito sofreu um golpe nas mãos de René Descartes, filósofo e matemático do século XVII, que argumentou que a mente e o corpo eram duas entidades completamente separadas e deviam ser estudadas separadamente. De acordo com Descartes, as coisas da mente estavam relacionadas com religião e filosofia, enquanto o corpo tinha que ser estudado usando métodos objetivos e verificáveis. Os ensinamentos de Descartes permanecem o modelo para a prática médica contemporânea e da pesquisa. O médico considera a doença como um mau funcionamento do corpo da máquina e pensa que seu papel é o de descobrir a natureza do defeito e corrigi-lo. A pesquisa médica depende principalmente de laboratório, e o que não pode ser estudado neste campo, é considerado por muitos como não científico. Apesar da óbvia falsidade desta ideia, este continua sendo o princípio que encoraja a maioria dos pesquisadores médicos. O espírito de Descartes ainda está vivo.

CHARCOT E FREUD

No final do século XIX, o famoso neurologista francês Jean-Martin Charcot deu nova vida ao princípio da interação mente-corpo para compartilhar com as experiências do mundo médicos com um grupo de misteriosos pacientes. A última, denominada histérica, mostraram sintomas neurológicos notáveis, tais como a paralisia de um braço ou perna, sem quaisquer sinais de doença neurológica. Imagine o leitor, o efeito que causou esta pesquisa entre o público médico quando demonstrado que a paralisia pode desaparecer quando o paciente era hipnotizado. Não se pode pedir uma demonstração mais convincente da conexão mente-corpo.

Entre os muitos médicos que atenderam oficinas dadas por Charcot, estava um neurologista vienense famoso chamado Sigmund Freud. Seu nome é agora conhecido, já que foi ele quem criou o conceito do subconsciente, sem o qual seria impossível entender o comportamento humano. No entanto, a pesar de que Freud começou a escrever sobre este tópico mais de cem anos atrás, o conhecimento sobre a atividade emocional subconsciente e seu efeito sobre o que as pessoas fazem e sentem, seguem limitados a grande maioria dos psiquiatras e psicólogos analíticos. Esta é a mente particularmente infeliz, já que distúrbios como a SMT, úlcera péptica, e ulcerativa originam no subconsciente e estão relacionados com as emoções que ocorrem nele.

Freud se tornou profundamente interessado em pacientes histéricos e começou a trabalhar com eles. Foi motivado pela observação de que a hipnose poderia eliminar temporariamente o sintoma, mas não curá-lo. Finalmente, esses pacientes, que chamou os sintomas da histeria de conversão, resultaram de processos subconscientes complicados em que emoções dolorosas foram reprimidas e descarregadas fisicamente. Freud achava que os sintomas eram simbólicos e representou uma liberação de tensão emocional. Ele tinha a ideia de que o processo de repressão era uma defesa contra as emoções dolorosas. Entretanto, diferenciei o tipo de sintomas apresentados por esses pacientes e os que afetam os órgãos internos, como o estômago e o cólon. Ele acreditava que este último pertencia a uma categoria diferente e não podia ser tratado psicologicamente. Ele também descobriu que podia tratar muitos pacientes com histeria de conversão através do processo terapêutico da psicanálise, que era sua criação e que adquiriu uma reputação justa.

Do meu ponto de vista, a maior contribuição de Freud a medicina foi o fato de reconhecer a existência do inconsciente humano, bem como seus esforços contínuos para compreendê-lo. Suas realizações são comparáveis às de Einstein, Galileu e outros cientistas e inovadores notáveis.

FRANZ ALEXANDER

Enquanto podemos dizer que Freud foi o primeiro grande proponente da conexão mente-corpo, e tornou-se interessado no problema durante toda a sua vida, foram seus discípulos que fizeram as maiores contribuições nessa área. Talvez o mais importante deles foi Franz Alexander, que, com seus colegas do Instituto de Psicanálise de Chicago, fez algumas das mais importantes obras deste século em relação à medicina psicossomática. Nesse campo, Alexander foi além de Freud ao afirmar que anomalias orgânicas como as úlceras pépticas, também eram induzidas por fenômenos psicológicos, embora fossem diferentes daquelas que causam os sintomas da histeria conversiva. Ele achava que certos distúrbios, que ele chamava de neurose vegetativa (como úlceras e colites), eram uma reação fisiológica a estados emocionais constantes ou recorrentes. Alexander estudou as condições das  vias  gastrointestinais  interiores  e  superiores,  asma  brônquica,  arritmias  cardíacas, hipertensão, dor de cabeça, várias doenças da pele, diabetes, hipertiroidismo e artrite reumatóide. Eu pensava que, em cada caso, havia uma situação psicológica específica originando cada doença em particular; por exemplo, a raiva reprimida produzia pressão arterial elevada (mais adiante, voltarei a este conceito para explicar as minhas teorias sobre a causalidade de distúrbios físicos induzidos psicologicamente).

Alexander fez outra contribuição importante ao rever a história da psicologia médica (em Psychosomatic Medicine, New York; Norton, 1950) e salientar que, com o surgimento da medicina científica moderna no século XIX, o impacto da psicologia sobre a saúde e a doença parou de ser estudado. No campo da medicina moderna, acredita-se que tudo pode ser explicado com base na física e na química, que o corpo é uma máquina incrivelmente complicada e que tudo o que precisa ser feito para alcançar a saúde perfeita e se livrar da doença é aprender como a máquina foi construída e como ela reage aos ataques. Como dissemos acima, essa ideia foi originalmente formulada por Descartes como uma reação  ao  passado  místico e  espiritual da medicina. Portanto, a ciência médica menosprezou Freud e seus seguidores, acusando-os de serem cientistas.

O PREDOMINIO DO CONCEITO FÍSICO-QUÍMICO DA PATOLOGIA

Alexander acreditava ter superado as críticas da comunidade médico-científica usando métodos científicos rigorosos em seu trabalho, nos quais a função das emoções na saúde e na integridade era reconhecida e estudada intensamente. No entanto, não foi assim. Como os discípulos entusiastas e talentosos de Freud desapareceram da cena médica, o conceito de que as emoções eram diretamente responsáveis por certos distúrbios físicos e desempenhavam um papel importante em outros também o fez. Os filósofos médicos cartesianos mais uma vez estabeleceram seus conceitos. A dominação e as emoções foram expulsas do campo da pesquisa médica. A revista médica Psychosomatic Medicine, fundada por Alexander e seus colegas, foi tomada por profissionais cujo interesse principal era o trabalho de laboratório e a estatística. Esses pesquisadores afirmaram que o que não podia ser estudado no laboratório não era científico, então a ideia da mente-corpo não era científica e não podia ser examinada que estávamos prestes a entrar em uma nova era da ciência e do conhecimento.

Com o passar do tempo, esse ponto de vista físico-químico adquiriu tanta força, que um grande número de psiquiatras, autonomeados de biopsiquiatras, começou a proclamar que os distúrbios emocionais são causados por anormalidades químicas na função cerebral, e que tudo o que se tem a fazer é encontrar a natureza do defeito químico e corrigi-lo com um produto farmacêutico. Segundo esses médicos, depressão e ansiedade são nada mais do que simples desequilíbrios dos produtos químicos do cérebro. Naturalmente, os criadores e distribuidores de drogas se regozijaram na forma assumida pelos eventos, mas não foram eles, mas a comunidade psiquiátrica, que os iniciou.

A óbvia falácia desse pensamento é que certamente existem mudanças químicas que podem ser detectadas no cérebro, e que se relacionam com os estados emocionais normais e “anormais”, mas os processos químicos não são a causa do estado emocional. Se um médico trata um paciente usando produtos químicos, ele estará praticando uma má prática médica, já que ele estará tratando o paciente sem levar a causa.

Por exemplo, o Sr. Jones sofre de ansiedade porque está sofrendo de contratempos. Esta é uma prática ruim da medicina, ao invés de sugerir algo que irá ajudá-lo a lidar com a realidade da sua situação, o seu médico irá prescrever um tranqüilizante, esta é uma prática pobre da medicina.

A física-química da patologia aumentou nos últimos trinta e cinco anos. Atualmente, a linha central (mainstream) da medicina está longe de mostrar qualquer interesse nas relações mente-corpo. Em uma data tão recente quanto junho de 1985, um redator editorial do The New England Journal of Medicine, que é uma das revistas médicas de maior prestígio, disse que a maior parte do conhecimento sobre esse assunto não é mais que folclore. O editorial levantou uma onda de protestos de todo o mundo, porque eles começaram a realizar pesquisas de alta qualidade neste campo. No entanto, esse editorial mostrou a fatuidade e arrogância dos fiéis seguidores de Descartes. Finalmente, outro periódico médico importante, o britânico The Lancet, se equilibrou no mês seguinte, em julho de 1985, quando seu editorial comentou o trabalho que havia sido feito na área das relações mente-corpo e sugeriu que a comunidade médica deveria começar a prestar mais atenção a eles. Este editorial não apoiou abertamente a pesquisa nessa área, embora fosse certamente mais objetivo e científico do que o The New England Journal.

ESTADO ATUAL DA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS RELAÇÕES MENTE-CORPO

Se o cenário descrito parece sombrio, isto é porque a maior parte do trabalho e pesquisa clínica nos Estados Unidos ainda é guiada por uma visão estrutural. No entanto, existem algumas luzes que indicam que nem tudo está perdido. Novas idéias são sempre indesejáveis e geralmente são rejeitadas quando apresentadas pela primeira vez, especialmente se elas contradizem ou vão além dos princípios que foram honrados e produziram frutos por um longo tempo. O mais notável e valioso na área da medicina ocorrido nos últimos cem anos têm sido o resultado de descobertas feitas no laboratório (como a penicilina), e nós temos muito para o que poderíamos chamar a era da medicina de laboratório. No entanto, temos de ser capazes de nos movermos para a frente e perceber que pode ser necessário recorrer a novos métodos de investigação, particularmente ao estudar algo tão difícil e misteriosa como a mente humana.

De acordo com Franz Alexander (em Psychosomatic Medicine), Einstein afirmou que as idéias de Aristóteles sobre o movimento atrasaram a evolução da mecânica por mais de dois séculos. Seria muito lamentável que a filosofia cartesiana fizesse o mesmo para o estudo da influência da mente, particularmente das emoções no corpo.

Por que os médicos contemporâneos não aceitam os conceitos relacionados à unidade mente-corpo? Na minha opinião, isso acontece porque eles se consideram engenheiros do corpo humano. Segundo eles, a saúde e a doença pode ser expressa em termos físicos e químicos, e a ideia de que um pensamento ou emoção pode de alguma forma ter um efeito sobre o físico-químico merece anátema. É por isso que meu trabalho foi tão completamente ignorado. Eu demonstrei definitivamente que um processo físico-patológico é o resultado de fenômenos emocionais, e pode ser interrompido por um processo mental. Isto é, primeiro, uma heresia, e segundo, excede a capacidade de compreensão da maioria dos médicos. Nenhum elemento de seu treinamento os prepara para tal ideia, e para eles, tais ideias soam como vudu. Lembre-os com arrepios a antiga era de cientifica nenhum medicamento, antes de Descartes. Paradoxalmente, o profano reflexivos são capazes de aceitar esta ideia, porque eles não são oprimidos por uma educação médica, nem por todos os preconceitos filosóficos que a acompanham. A ciência médica contemporânea está limitada cientificamente porque está fechada ao progresso e não está disposta a avançar além das fronteiras seguras de sua tecnologia conhecida. Esta ciência deve aprender muito com a física teórica, onde as ideias são constantemente revistas à luz de novos conhecimentos.

MINHA HIPÓTESE SOBRE A NATUREZA DAS INTERAÇÕES MENTE E CORPO

Antes de apontar os recentes avanços na compreensão das interações mente-corpo, eu gostaria de apresentar as minhas hipóteses relacionadas a este tópico. A maioria dessas ideias evoluiu como resultado da minha experiência no diagnóstico e tratamento de SMT. Gostaria de salientar que todas elas são hipotéticas.

A primeira ideia, e a mais básica, é que os estados mentais e emocionais pode influenciar e alterar, para bom ou ruim, para qualquer um dos órgãos ou sistemas do corpo. Não sabemos qual é o mecanismo pelo qual isso é realizado, embora a pesquisa tenha começado a sugerir algumas respostas. No entanto, isso não importa, porque não podemos explicar como o cérebro é capaz de tomar a mistura de sons que entram nossos ouvidos e transformar em palavras compreensíveis ou milhares de linhas e formas que vemos com nossos olhos, que não têm sentido até que o cérebro os tenha capturado e os transformou em palavras ou objetos que podemos reconhecer. A maior parte do que o cérebro faz (inconscientemente) representa um mistério para nós. Então, por que se preocupar em explicar como os fenômenos mentais e emocionais influenciam o cérebro e o corpo? O que acontece no santuário de Lourdes é real; o que os faquires fazem é real; O efeito placebo é real. O trabalho da ciência médica consiste em estudar todos esses fenômenos, em vez de ridicularizá-los.

Permitir que o leitor enfatize que, na minha opinião, a mente pode influenciar qualquer processo físico.

A Composição Da Psique

Por quase cem anos, admitiu-se que a configuração da estrutura emocional da mente, que poderíamos chamar de psique, é multifacetada. A psique parece ser composta de forças diferentes, que às vezes estão em conflito e que geralmente funcionam abaixo do nível consciente. Devemos esta informação a Freud, que trabalhou toda a sua vida para entender e descrever tais forças. Suas formulações e suas descrições, do eu e do superego são bem conhecidas. Eu não tenho o treinamento ou conhecimento necessário para realizar uma análise psicanalítica de minhas observações. Tudo o que posso fazer é descrever o que vi, apresentar minhas impressões do que isso significa do ponto de vista psicológico e deixar que os especialistas decidam se essas observações se encaixam na teoria psicanalítica moderna.

Para simplificar as coisas, poderíamos considerar que esse mecanismo emocional multifacetado é equivalente à personalidade. Todos nós temos um e estamos cientes de algumas de suas características; Por exemplo, sabemos se somos compulsivos  ou  perfeccionistas.  No  entanto,  existem  elementos  importantes  da  nossa personalidade que não conhecemos, que estão no inconsciente e podem afetar profundamente nossas vidas. É claro que a cada ano tem que ser os mesmos componentes básicos na estrutura de sua personalidade, embora possa haver variações consideráveis na sua composição e a importância relativa de cada um deles na vida de um indivíduo. Por exemplo, embora todos nós temos uma consciência, em algumas pessoas pode ser tão poderoso que praticamente dominam suas vidas, enquanto outros podem ser tão fraco que  seu  comportamento  faz  fronteira  com  os  criminosos.

Uma  parte  importante  da personalidade inconsciente é infantil e primitivo, portanto, narcisista. É egoísta, excluindo toda preocupação com as necessidades, desejos e bem-estar dos outros. Está orientado para o self. O tamanho (força e influência) desta parte é diferente em cada pessoa. Em alguns indivíduos, essa parte é grande, então eles são mais propensos a reagir ou se comportar de formas autoindulgente ou pueris, embora este último são difíceis de detectar porque essas pessoas sempre se disfarçam como comportamentos adultos. Sem dúvida, muitos sentimentos e comportamentos são remanescentes da infância. As crianças se sentem fracas e vulneráveis; eles são dependentes e percebem fortemente essa dependência; eles geralmente não pensam por si mesmos; eles têm uma necessidade constante de aprovação; Eles são muito propensos a ansiedade e raiva e falta de paciência. Até certo ponto, todos nós continuamos a gerar alguns desses sentimentos inconscientemente para a vida adulta. O que varia de pessoa para pessoa é o quanto.

Joseph Campbell, o grande estudioso de mitologia, filósofo e professor, sustenta que as tribos mulheres primitivas têm ritos de iniciação através dos quais meninos e meninas se tornam homens e mulheres. Tais ritos são sempre dramáticos, muitas vezes traumáticos, mas são sempre específicos e poderosos. Sem dúvida, esses rituais ajudaram a reduzir a influência dos remanescentes da infância, estabelecendo uma clara demarcação entre a infância e a idade adulta. A sociedade moderna e civilizada não possui mais esses ritos (o Bar Mitzvah do judaísmo e a confirmação e corpo cristã são a coisa mais próxima a eles, embora certamente não sejam tão poderosos), e pode nos fazer muita falta. Se a linha entre a infância e a idade adulta não é clara, poderemos manter uma grande quantidade de tendências de nossos filhos, não importa qual seja a nossa idade cronológica.

É possível que a ansiedade, que faz parte da vida de toda essa parte de nossos sistemas emocionais, enfrente o estresse e as tensões da vida cotidiana. Quanto maior o estresse, mais ansiedade ele gera. E, como vimos no capítulo individual, ela surge como uma reação dedicada à psicologia da SMT, o mesmo acontece com a raiva.

Talvez a raiva pode ser um dos mais importantes e menos apreciada quantas emoções que geramos. Em 1984, Willard Gaylin, o famoso psicanalista e moralista, publicou o livro The Rage Within (A Raiva Interior), que explorou o tema da raiva no homem moderno. Desde que a emoção é a antítese do que entendemos como uma conduta adequada na sociedade civilizada, tendemos a reprimi-lo no momento em que é gerado no inconsciente, por isso não percebemos a sua existência. Há muitas razões pelas quais suprimimos a raiva, e a maioria deles são inconscientes. Eu os listei no capítulo dedicado a psicologia da SMT.

A tendência para suprimir emoções indesejáveis é um elemento muito importante da nossa vida emocional, e este conceito também devemos a Freud. Reprimimos nossos sentimentos de ansiedade, raiva, fraqueza, dependência e baixa autoestima por razões óbvias.

No outro extremo do espectro emocional é o que Freud chamou o superego, que é o nosso Moisés. Esta parte nos indica o que é que devemos e não devemos fazer, e podemos nos tornar um verdadeiro tirano. De fato, sua influência é adicionada às pressões que provocam ansiedade e raiva, o que na verdade aumenta a tensão dentro de nós. Como dissemos antes, as pessoas com SMT tendem a estar sobrecarregadas, hiper- responsáveis, conscienciosos, ambiciosa e orientada para objetivos, o que coloca pressão sobre o seu eu perturbado. Mais uma observação: assim como há uma forte tendência a reprimir as emoções indesejáveis, parece haver um impulso igualmente forte para torná-las conscientes. Essa ameaça para superar a repressão é o que força o cérebro a criar condições como SMT, úlceras e enxaquecas.

A SMT como um exemplo da interação mente-corpo: O princípio da equivalência

Agora podemos passar a examinar a questão do lugar que ocupa a SMT no diagrama de mente-corpo. Na minha opinião, o SMT faz parte de um grupo de reações físicas geradas para o mesmo fim. A SMT é equivalente a úlcera péptica, colite espástica, a constipação, dor de cabeça provocada por stress, enxaqueca, umas palpitações do coração, o eczema, rinite alérgica (febre dos fenos), (normalmente) a prostatite, os zumbidos nos ouvidos e a vertigem. A anterior é uma lista parcial, mas nela estão representadas as reações mais comuns. Curiosamente, eu observei que laringite, boca seca patológico, micção frequente e muitas outras doenças têm a mesma finalidade. Eu acho que esses distúrbios são intercambiáveis e equivalentes entre si, já que os pacientes com SMT muitas vezes têm uma histórico de antecedentes, às vezes simultaneamente, mas muitas vezes emparelhado. Recentemente assisti a uma paciente que havia sofrido acesso enxaqueca severa (que, dada sua descrição, prováveis dores de cabeça foram causados por stress), que cessaram quando começou a sofrer de dor na região lombar e ciática.

Essa equivalência também é sugerida pelo fato de que os pacientes geralmente se livram de qualquer uma dessas condições quando a dor é causada pela SMT desaparece. Isso acontece com grande frequência, no caso da febre do feno. Vou ensinar aos pacientes que todos os transtornos servem ao mesmo propósito psicológico. Considere o seguinte trecho de uma carta que recebi há alguns meses. Anteriormente, o remetente disse sua esposa, que sofria dores nas costas, eu tinha progredido muito. E então ele escreveu em seguida:

“Você pode se lembrar que, após a conferência, eu me aproximei de você e mencionei que você sofria de problemas estomacais nos últimos vinte anos. Você me disse que poderia aplicar o mesmo princípio. E funcionou, apesar do meu ceticismo: eu tenho consumido todos os tipos de pílulas e Maalox há anos, mais do que gostaria de reconhecer. Meus problemas no estômago começaram quando eu estava no terceiro ano do ensino médio. Era incapaz de comer sem sentir a necessidade imediata de tomar algum remédio para o estômago. Aplicando sua teoria e percebendo como o subconsciente controla nossa vida diária, meus problemas estomacais desapareceram completamente. Ninguém acredita em mim quando tento explicar isso a eles, mas tenho certeza de que você me entende.”

O leitor pode ter certeza de que ninguém leva esse homem a sério, já que os profanos geralmente adotam as mesmas normas relacionadas à saúde que a profissão médica e já vimos qual é a posição da medicina nesses assuntos. Na minha opinião, apenas 10% da população seria capaz de entender a experiência desse paciente.

Do ponto de vista teórico, existem algumas implicações interessantes. Com relação ao grupo de transtornos mencionados, podemos inferir, a partir da hipótese de Franz Alexander, que cada transtorno em particular tem um significado psicológico. Em seu trabalho clássico, este pesquisador descreve a psicodinâmica que, em sua opinião, é responsável por problemas gastrointestinais, respiratórios e cardiovasculares. A experiência com a SMT e as condições relacionadas sugerem que é possível que exista um denominador comum, talvez ansiedade, capaz de causar algum desses distúrbios. Nesse caso, alguma outra emoção, por exemplo a raiva, pode ser o elemento primordial que induz a ansiedade, que gera o sintoma.

Pessoalmente, eu tenho experimentado hiperacidez gástrica, colite enxaqueca, palpitações e vários sintomas musculares e ósseos característicos de SMT, e tenho certeza de que todos eles eram o resultado de raiva reprimida. Quando eu tinha aprendido o truque, geralmente eu poderia identificar a razão para a raiva e, muitas vezes, desativar o sintoma.

É interessante notar que a maioria dos distúrbios mencionados acima são transmitidos pelo sistema nervoso autônomo. Até onde sabemos, a febre do feno é uma exceção, embora seja devido a um mau funcionamento do sistema imunológico. Mais tarde, voltaremos a tratar esse tema, quando discutimos o novo campo de psiconeuroimunologia.

Os Distúrbios Físicos como Defesas contra Emoções Reprimidas

Este tópico foi discutido no Capítulo 2, que se refere ao psicologia de SMT, por isso, esta parte somente insistem em que o propósito da sintomatologia física, e muscular, gastrointestinal ou geniturinário é perturbador, ou constitui um mecanismo que permite que o indivíduo a evitar a sensação ou face emoções indesejáveis, sejam elas quais forem. No entanto, devemos distinguir claramente entre as decisões tomadas no subconsciente e consciente. Como mencionado nas páginas anteriores, pacientes com SMT enfrentam seus problemas muito bem; o seu inconsciente que se comporta covarde. A melhor prova da validade deste conceito é o fato de que os pacientes são capazes de parar o processo simplesmente aprendendo sobre a distração para funcionar quando identificá- lo como ele é. Como mencionado no capítulo 4, sobre o tratamento, muitas pessoas afirmaram ter se libertado de suas síndromes de dor nas costas depois de ler meu primeiro livro, o que deixa claro que a informação foi adquirida. Poderia ser um efeito placebo.

Freud e seus discípulos reconheceram que os sintomas histéricos são por vezes exteriorizada como dor. Em todos esses anos eu tratei muitos pacientes com manifestações de SMT tão grave que muitas vezes teve que ficar na cama. Além de apresentar o sinais usuais de SMT, ou seja, dor à pressão em determinados músculos e a participação de certos nervos, como o ciático, estes pacientes muitas vezes sentem dor em lugares estranhos e uma qualidade incomum. Um exemplo clássico é: “Eu sinto que tenho vidros quebrados sob a pele”. Freud descreveria isso como uma dor histérica. Os sintomas histéricos afetam o sistema sensorial motor e não o autonômico, que isto é, por exemplo, de sintomas gastrointestinais, e sugere que eles são devidos a uma causa psicológica diferente. Eu acho que a SMT, seus equivalentes e a dor histérica latente partem da mesma fonte psicológica, mas a magnitude do problema emocional pode determinar quais são os sintomas que o cérebro escolhe.

Teoria Unitária de dor induzida Psicologicamente

Em Julho de 1959, Dr. Alan Walters fez o principal discurso da decima primeira reunião anual da Sociedade Neurológica Canadense, que intitulou de “Dor regional psicogênica, aliás dor histérica”. Este discurso foi publicado na revista Brain, de Março de 1961. O Dr.Walters pensou que o termo “dor histérica” não era adequado, uma vez que, em sua experiência, o tipo de dor geralmente identificado como histérica poderia ser induzida por uma variedade de estados mentais e emocionais, e não apenas pela histeria (note a semelhança dessa idéia com o que expliquei acima). Tipicamente, a dor histérica ocorre em lugares onde, do ponto de vista neuroanatômico, onde ela não deveria ocorrer.

Walters propôs o termo dor regional psicogênica para designar essa condição. O termo psicogênico indica que o distúrbio é claramente devido a um distúrbio emocional ou mental. (Todos os pacientes foram completamente estudados para descartar lesões físicas). A palavra regional, indica que a dor afeta uma região específica do corpo, independentemente da distribuição dos nervos.

Minha experiência permite-me apoiar e complementar as observações do Dr. Walters. Tenho observado tanto a presença de dor da SMT, que inclui dor nos músculos, nervos, tendões ou ligamentos, como dor regional psicogênica em pessoas com estados de ansiedade de diferentes magnitudes, mesmo em pacientes com transtornos esquizofrênicos e maníaco-depressivos. Aparentemente, quando o cérebro precisa se defender contra sentimentos amadores ou indesejáveis, escolhe a partir de um amplo repertório de distúrbios dolorosos e não dolorosos. Dor Regional é geralmente observada quando o estado emocional é severo.

Segurar a hipótese de que, além de vários graus de gravidade do transtorno emocional (por exemplo, ansiedade leve, moderada ou grave), os indivíduos reprimem esses sentimentos em diferentes níveis. Pode parecer que em algumas pessoas essas emoções são enterradas tão profundamente que seria difícil, se não impossível, para o terapeuta levar o paciente a elevá-las ao nível consciente. Por outro lado, em outras pessoas, esses sentimentos estão nivelados com a superfície. Sem dúvida, os sentimentos mais dolorosos ou assustadores são enterrados mais profundamente.

Na minha prática, os pacientes com problemas mais graves e que geralmente requerem psicoterapia, além do programa educacional, representam cerca de 5% do total.

As emoções e distúrbios mais graves

No campo da medicina, há pessoas que pensam que as emoções desempenham um certo papel em todos os aspectos da saúde e da doença. Eu sou uma dessas pessoas que Alexander sugeriu eliminar o termo medicina psicossomática porque é redundante: todo elemento médico é influenciado em alguma medida pelas emoções. Eu acho que qualquer estudo médico que não considere o fator emocional é imperfeito. Por exemplo, um projeto de investigação sobre o endurecimento das artérias normalmente leva em conta alimentos (colesterol), peso, exercício, fatores genéticos, mas não inclui fatores emocionais, os resultados serão, do meu ponto de vista, inválidos.

Antes de explicar outros tipos de problemas médicos nos quais as emoções provavelmente desempenham um papel proeminente, é importante esclarecer que a pessoa não faz isso para si mesmo. Muitas vezes, depois de diagnosticar SMT, os pacientes me dizem: “Eu me sinto mal; Eu fiz isso a mim mesmo”, ao que respondo que seus padrões emocionais já estavam bem estabelecidos muito antes de atingirem a idade das responsabilidade e o que eles são agora é o resultado de uma combinação de fatores genéticos, ambientais e de desenvolvimento sobre os quais eles não tinham controle. É como se eles assumissem a responsabilidade por sua estatura ou pela cor de seus olhos. Portanto, eles reagem à vida da única maneira que sabem. Além disso, se começarmos a entender por que reagimos como fazemos e queremos mudar, podemos alcançar algum grau de progresso.

Outra reação de natureza semelhante é a dos médicos que se recusam a reconhecer o papel das emoções em condições como o câncer. Esses médicos afirmam que é cruel sugerir aos pacientes que suas emoções podem ter contribuído para o surgimento do câncer, pois isso faria com que se sentissem culpados e responsáveis. Minha resposta é que a maneira pela qual o assunto é levantado para os pacientes pode fazer uma grande diferença. Em vez de bater com cassetetes com informações fazendo-os acreditar que sofre de um defeito emocional, eles devem ser explicados que não são responsáveis, ao longo das linhas descritas acima, e falar com eles sobre suas vidas, tentando identificar  os  fatores  emocionais  que  podem  contribuir  para  processo  canceroso. Posteriormente, é necessário fazer sugestões específicas sobre como eles podem corrigir e revisar e os fatores negativos. Não estou sugerindo que há um processo terapêutico bem ensaiado com base nessas idéias, mas é uma área que é necessário realizar um grande número de estudos.

ESTADO ATUAL DA MEDICINA MENTE-CORPO

Os leitores medicina mente-corpo interessados em conhecer uma excelente visão geral da situação atual da medicina sobre a conexão mente- corpo, eu recomendo a leitura do The Healer Within (O curador interior) por Steven Locke, M. D e Douglas Colligan (Nova York: Dutton, 1986). O Dr. Locke trabalha na área de psiquiatria na Faculdade  de  Medicina  de  Harvard  e  excelentemente  descrita,  juntamente  com seu colaborador, a história e os atuais esforços para compreender como a mente influencia o corpo.

Não há nada importante no livro com o qual eu discorde. No entanto, tenho a impressão de que os autores se concentram demais no sistema imunológico e sugerem que o futuro desse campo depende do que eles chamam de “ciência da psiconeuroimunologia”.O estudo deste ramo é altamente cientifico e vai ser muito importante para a compreensão de muitas doenças graves, como câncer e doenças auto-imunes (tais como artrite reumatóide e diabetes), mas do meu ponto de vista, este é nada mais do que parte de um estudo maior sobre o modo como as emoções podem influenciar em qualquer um dos órgãos e sistemas do corpo.

A SMT é um exemplo de um distúrbio psicossomático produzido no sistema nervoso autônomo. O sistema imunológico não participa. Suspeito que este último não intervenha na interações entre as emoções e o sistema cardiovascular. Também neste caso, fico intrigado com o fato de que o cérebro atravessa fronteiras para responder às suas necessidades psicológicas. Assim, vários pacientes com o mesmo diagnóstico psicológico (embora em intensidade diferente) podem contrair SMT mediado pelo sistema nervoso autónomo, rinite alérgica mediada sistema imunológico, ou dor regional psicogênico, que é uma condição causada diretamente pela ação de sistema sensorial.

Na área da bioquímica cerebral dos diferentes Institutos Nacionais de Saúde Mental nos Estados Unidos, um trabalho muito importante é realizado na interação mente-corpo. Um dos pioneiros nesse campo é Candace Pert, ex-diretora daquela seção e cujo trabalho mostra que há comunicação entre o cérebro e as diferentes partes e sistemas do corpo. Os leitores interessados encontrarão uma excelente revisão do trabalho deste pesquisador, escrito por Stephen S. Hall e publicado na edição de junho de 1989 do Smithsonian.

A mente e o corpo interagem de várias maneiras. Nas partes seguintes do capítulo, algumas das mais comuns são explicadas.

MENTE E SISTEMA CARDIOVASCULAR

As questões que estão mais interessados nesta área são a hipertensão arterial, doença cardíaca coronária, arteriosclerose (endurecimento das artérias), palpitações cardíacas e prolapso da válvula mitral.

Como todos sabemos, hipertensão arterial (hipertensão) é muito comum e um pouco assustador porque está relacionado a problemas cardíacos e derrame. Muitas pessoas tomam como certo sua relação com as emoções, embora esta não tenha sido demonstrada em laboratório. Dr. Neal Miller, um psicólogo da Universidade Rockefeller mostrou que animais de laboratório poderiam ser condicionados a que iria reduzir a sua pressão arterial e modificar muitos outros processos corporais, o que mostra claramente que é possível fazer o cérebro influenciar o corpo.

O Dr. Herber Benson, cardiologista de Harvard, descreveu o que chamou de reação de relaxamento e mostrou que é possível reduzir a pressão arterial aplicando seu método, que é semelhante à meditação.

Na edição de 11 de abril de 1990 do Journal of American Medical Association (Vol. 263, página 1929 a 1935), um estudo muito importante apareceu. Dr. Peter L. Schnall e uma equipe do Centro de Doença Cardiovascular e Hipertensão, New York Hospital-Cornell Medical School, em colaboração com médicos e outras escolas médicas na área de Nova York, publicaram um artigo que demonstra a existência de uma relação clara entre estresse psicológico no trabalho (tensão laboral) e pressão alta. Este estudo também mostrou que pacientes com esse distúrbio têm um aumento no tamanho do coração, o que é um efeito negativo da hipertensão contínua. Especialistas suspeitam há algum tempo que, em casos de pressão alta, fatores psicológicos estão envolvidos. O principal mérito do estudo do Dr. Schnall é que ele foi projetado e executado com tal cuidado que poderia convencer alguns dos mais céticos sobre a importância da conexão mente-corpo.

Muitas pessoas com SMT têm uma história de hipertensão, o que sugere que os mesmos estados emocionais podem causar qualquer uma dessas condições. Algumas semanas atrás, uma paciente me ligou e me disse que sua dor nas costas havia desaparecido, mas que ela estava sofrendo de hipertensão. Este é um exemplo claro de equivalência.

Em contraste, é difícil para um paciente com SMT ter uma histórico de doença coronariana, ou contrair mais atrde. Eu posso documentar a primeira declaração, mas não tenho estatísticas para provar a segunda. Isto é simplesmente uma impressão clínica.

Quase todo mundo já ouviu falar do chamado tipo A padrão de comportamento e a susceptibilidade das pessoas com doença cardíaca coronária, descrita pelo Dr. Meyer Friedman e Dr. Ray Rosenman em seu livro Type A Behavior and Your Heart (Digite um Comportamente e seu Coração), publicado em 1974.

Neste trabalho as pessoas de tipo A descritas como muito ansiosas, agressivas, amantes de competição, obsessivamente trabalhadoras, que são geralmente sob muita pressão auto- imposta, com uma grande necessidade de reconhecimento e com muita hostilidade. Dada a sua tendência a ser muito compulsivo, perfeccionista, responsável e conscienciosos, os pacientes com SMT são pessoas frequentemente descritos como tipo A. No entanto, eles diferem em vários aspectos importantes. Muitos pacientes com SMT são a antítese de hostilidade; muitas vezes sentem uma grande necessidade de serem pessoas boas, positivas, agradáveis, adaptáveis e úteis. Enquanto eles podem ser ambiciosos e muitas vezes têm muitas realizações, nem sempre perseguir seus objetivos com a intensidade característica do tipo de pessoas A.

Na sequência da publicação de comportamento do tipo A e seu coração, numerosos estudos têm sido realizados para definir a importância relativa dos vários traços de personalidade tipo A. Tem sido sugerido que, de todos os mencionados, a hostilidade pode ser a única que prepara uma pessoa para doença coronariana.

Isso pode ser preocupante para uma pessoa que está ciente de que ele é facilmente enfurecido, se ele tem ou não SMT. Isso é muito interessante por causa do número crescente de evidências de que a raiva reprimida é uma importante dinâmica psicológica de SMT. No entanto, como podemos conciliar isso com a evidência estatística clara que a doença coronariana é muito raro em pacientes com SMT?

Evidentemente, é necessário investigar e refletir muito mais para resolver este mistério. É perigoso se concentrar em um traço como a hostilidade sem saber mais do que sabemos sobre a psicodinâmica da raiva ou os milhares de detalhes da personalidade das pessoas. É possível que o homem que amaldiçoa os taxistas enquanto dirige na rua esteja deslocando a raiva que sente contra ele dessa maneira, já que isso é melhor do que perder o emprego. Ou talvez seja tudo muito mais complicado.

O problema com os estudos comportamentais tipificados nesta seção é que eles são unidimensionais, pois tiram conclusões baseadas em modelos simplificados de comportamento humano. Esse é um dos pontos fracos da pesquisa atualmente realizada nessa área. Em sua tentativa de obter conclusões estatisticamente válidas, os pesquisadores devem usar critérios mensuráveis e, embora isso seja apropriado, também exige que eles tenham absoluta certeza do que estão medindo. Isto é perfeitamente ilustrado pela história da pesquisa sobre o comportamento tipo A.

Para complicar ainda mais as coisas para o pobre que está com raiva na maioria das vezes, ele é instruído a parar! Isso a deprime profundamente, já que lhe disseram que esse tipo de comportamento pode causar um ataque cardíaco, mas, para evitá-lo, ela precisa parar de ser ela mesma.

Eu não ousaria aconselhar qualquer pessoa que acredita ter uma personalidade tipo A. Eu indico para meus pacientes com SMT que, estatisticamente, eles não parecem estar propensos à doença coronariana. Se eles estão conscientes de que estão furiosos a maior parte do tempo, eles ganharam uma parte da batalha, precisamente porque estão cientes disso. Se você está realmente preocupado com essa tendência, posso recomendar um psicoterapeuta para ajudá-lo a saber por que você está se comportando dessa maneira. Na minha experiência, a consciência é um bom remédio.

A coisa maravilhosa sobre toda a questão do tipo A é que convenceu alguns membros da comunidade médica de que os fenômenos mentais podem ser muito importantes em conexão com os fenômenos corporais, pelo menos em termos para doença coronariana.

Os termos endurecimento das artérias, arteriosclerose e deposição de placas arterioscleróticas têm o mesmo significado. Desde que estreita as artérias coronárias são placas rioscleróticas artísticos, e demonstrou uma relação entre as emoções e doença cardíaca coronária, é tentador teorizar sobre o endurecimento das artérias em geral. A arteriosclerose é a formação de placas com crostas no interior dos vasos sanguíneos que podem retardar o fluxo sanguíneo ou formar coágulos que entopem a artéria. De acordo com o trabalho de Friedman e Rosenman os médicos, é difícil evitar o choque que as emoções podem desempenhar um papel no endurecimento das artérias, sem importar o corpo onde eles estão, embora seja claro que fatores genéticos (é bom escolher os pais certos), pressão arterial, dieta, peso e exercício também são elementos importantes.

Um importante relatório foi publicado em julho de 1990 na prestigiosa publicação The Lancet (Vol. 336, pag. 129-133). Uma grande equipe liderada pelo Dr. Dean Ornish, da Faculdade de Medicina de San Francisco, parte da Universidade da Califórnia, realizou um estudo randomizado controlado que mostrou que as mudanças no estilo de vida (praticado por um ano) pode reverter o processo de arteriosclerose (esclerose ou endurecimento) das artérias coronárias. Os pacientes do grupo experimental foram submetidos a uma baixa dieta vegetariana de gordura e colesterol, eles participaram de atividades para gerenciamento de estresse, como a meditação, relaxamento, visualização, respiração, técnicas e exercícios de alongamento, além de praticar exercícios regulares aeróbica moderada. Além disso, duas vezes por semana há reuniões para fornecer apoio social e reforçar o monitoramento do programa. O grupo controle (não experimental) apresentou aumento da arteriosclerose coronariana. Além da redução do bloqueio da artéria coronária, os pacientes do grupo experimental também apresentaram diminuição na frequência, duração e gravidade da angina pectoris (dor torácica), enquanto o grupo de controle apresentou aumento nessa condição no período de um ano.

Este importante relatório demonstra algo que há muito se suspeita: não são apenas alimentos, exercícios e outros fatores puramente físicos que determinam se as artérias endurecem ou não, mas também os fatores psicossociais. Posso afirmar que, no futuro, investigações posteriores identificarão o estado emocional da pessoa como a variável mais importante, e será possível provocar uma reversão semelhante da arteriosclerose usando apenas psicoterapia intensiva.

Para o homem da rua, palpitações cardíacas geralmente significam um ritmo cardíaco muito acelerado. O termo médico para essa condição é taquicardia. Esta condição produz ritmos de 130 a 200 batidas por minuto. A forma mais comum é a Taquicardia Atrial Paroxística (TAP) e, na minha experiência, é geralmente induzida por fatores emocionais. No entanto, deve ser tratado pelo médico de família, internista ou cardiologista. Idealmente, a razão emocional do ataque deve ser explorada.

Eu tenho sofrido essa condição de forma intermitente ao longo da minha vida, e é claro para mim que é devido a fatores emocionais. Se você tem, entre em contato com seu médico para se certificar de que não é um produto de qualquer anormalidade cardíaca. Geralmente, é aceito que esses distúrbios ocorrem através do sistema nervoso autônomo.

Finalmente, a condição conhecida como prolapso da válvula mitral é uma anomalia muito comum que afeta um dos membros das válvulas cardíacas. O membro “amolece” e não funciona normalmente, o que produz um som como um murmúrio. Parece ameaçador, mas é uma doença muito comum. Ocorre mais  frequentemente  em  mulheres  e  não  parece  estar  associada  a  qualquer incapacidade funcional. Embora eu tenha tido isso por anos, levo uma vida muito ativa e pratico atividades aeróbicas vigorosas regularmente.

O estranho é que muitos médicos consideram que esse distúrbio é psicogênico, isto é, que é induzido pela ansiedade. E não há muita evidência de que relaciona com atividade anormal do sistema nervoso autónomo (editorial The Lancet, 3 de Outubro de 1987, intitulado “A função do sistema nervoso autónomo no prolapso da válvula mitro”).

Um artigo foi publicado recentemente na edição de julho de 1989 do Archives of Physical Medicine and Rehabilitation (Vol.90, p. 541-543), no qual foi relatado um estudo no qual 75% de um grupo foi encontrado um de pacientes com fibromialgia sofreram de prolapso da válvula mitral; Este índice é maior que o da população em geral. Como já mencionado, penso que a fibromialgia é uma manifestação de SMT.

Desde que a SMT e prolapso da válvula mitral são induzidas pela actividade anormal do sistema nervoso autónomo e a SMT é um resultado claro de factores emocionais, é tentador incluir o prolapso da válvula mitral na lista de distúrbios físicos que são gerados no campo das emoções. Por exemplo, tenho sofrido SMT, sintomas gastrointestinais, enxaqueca, febre do feno, problemas dermatológicos e prolapso da válvula mitral, bem como muitos dos meus pacientes com SMT. Isso indica que a raiz de todos esses distúrbios é a mesma: emoções reprimidas e indesejáveis.

Deixe-me repetir o leitor algo muito importante: para a maioria dos médicos, a idéia de que as emoções podem provocar mudanças fisiológicas é impossível aceitar, privando-os da capacidade de compreender muitas das condições que atualmente afligem seres humanos. A SMT e o prolapso da valva mitral fazem parte desse grupo.

Em resumo, nesta parte descrevemos brevemente cinco distúrbios provavelmente relacionados às emoções. É muito interessante que três deles (hipertensão, palpitações e prolapso da valva mitral) estejam ligados ao sistema nervoso autônomo.

A MENTE E O SISTEMA IMUNOLÓGICO

Ao contemplar a complexidade da fisiologia animal, um sente inspirado e oprimido. É impossível imaginar como algo tão complicado como o nosso organismo foi criado. Não é de surpreender que sua evolução tenha durado milhões de anos.

O sistema imunológico é uma maravilha em termos de complexidade e eficiência. Ele é projetado para nos proteger de todos os tipos de invasores externos, dos quais os mais importantes são os agentes de urso, bem como perigosos inimigos gerados internamente, como o câncer. Este sistema utiliza várias estratégias de defesa: pode gerar química para eliminar substâncias invasoras, podem mobilizar exércitos de células para devorar e tem um elaborado sistema que pode reconhecer e neutralizar milhares de substâncias estranhas ao nosso corpo.

Por muito tempo, os imunologistas acreditavam que o sistema imunológico era autônomo, embora houvesse histórias clínicas intrigantes que sugeriam que a mente poderia ter algo a ver com o funcionamento desse sistema. A maioria dessas histórias foi desqualificada por especialistas, mas agora há evidências concretas e impossíveis de ignorar que o cérebro influência esse sistema.

Robert Ader, pesquisador em fisiologia na Universidade de Rochester, participou de um experimento que tentou condicionar um grupo de ratos a rejeitar a água adoçada com sacarina. Este experimento foi semelhante ao realizado por Pavlov, no qual foram condicionadas a um conjunto de cães para que eles salivassem ao ouvir o som de uma campainha. O Dr. Ader injetou em ratos uma substância que causava náusea, de modo que os animais relacionados à água adoçavam com náusea. No entanto, ele depois percebeu que a droga que ele usou, chamada ciclofosfamida, também suprimiu o sistema imunológico dos ratos, o que causou a morte. No entanto, a coisa mais surpreendente foi que, mais tarde, para suprimir o sistema imunológico de ratos, eu só tinha que alimentá-los com água adoçada com sacarina, mas não havia injetado com o produto químico, como eles tinham aprendido a associar-se com água e com a droga, que causou as náuseas. Portanto, o simples fato de alimentá-los com sacarina suprime seu sistema imunológico. Esta foi uma descoberta muito importante que mostrou que um fenômeno cerebral, neste caso a aversão a um certo sabor, é capaz de controlar o sistema imunológico.

Diante do exposto, não é surpreendente que pessoas com SMT sintam dor nas mais estranhas circunstâncias, como quando estão deitadas de bruços. Foi dito a esses pacientes que deitar-se de forma que fosse ruim para as costas, o que os condiciona a mostrar uma aversão a essa posição e, naturalmente, sentir dor ao fazê-lo. Como dissemos antes, o cérebro é capaz de influenciar qualquer órgão ou sistema do organismo. No caso dos ratos no experimento realizado pelo Dr. Ader, o sistema afetado foi o imunológico, enquanto para os pacientes com SMT é o sistema nervoso autônomo.

O Dr. Ader também observou que ratos com distúrbios autoimunes melhoraram durante os experimentos. Isso acontce porque esses tipos de distúrbios ocorrem quando o sistema imunológico se volta contra o próprio corpo e produz substâncias prejudiciais a alguns de seus tecidos (como na artrite reumatóide, no lúpus eritematoso e na esclerose múltipla). Isso significa que qualquer fator que suprima o sistema imunológico permitirá que essas condições melhorem. Tal foi o caso de ratos com desordens auto-imunes alimentadas com água adoçada com sacarina.

As implicações disso para a saúde e a doença são enormes, já que os distúrbios auto-imunes estão entre os mais problemáticos e mal compreendidos de todas as categorias de doenças. Estas experiências sugerem que o cérebro poderia jogar alguma função no tratamento dessas doenças. Além disso, indica-me que as emoções poderiam influenciar suas causas.

Norman Cousins, em seu famoso livro The Anatomy of an llness (Anatomia de uma doença), descreve como ele superou uma daquelas doenças auto-imunes chamada espondilite anquilosante (que é uma forma de artrite reumatóide), admitindo que ele foi induzido emocionalmente, e introduzindo uma espécie de terapia de bom humor e vitamina C. Com base na minha experiência com SMT, estou inclinado a pensar que foi o reconhecimento do papel das emoções em causar as doenças que produziram a cura. É possivel que esse distúrbio pode, como a SMT, desviar a atenção do reino de emoções, e quando a pessoa percebe que é o que acontece e chama a atenção para as emoções, não tem propósito e desaparece.

Aqueles de nós que acreditam que o sistema imunológico é fortemente influenciado por emoções, estão em dívida com o Dr. Ader por ter demonstrado esse fato em laboratório. No entanto, ele não é o único. Outros cientistas demonstraram a existência de relações mente-corpo igualmente notáveis.

Um relatório que me impressionou particularmente foi o que apareceu na prestigiada publicação Science em abril de 1982, escrita por Visintainer, Volpicelli e Seligman. Estes pesquisadores descreveram um grupo de ratos que sofreram o mesmo tipo de câncer, que foram expostos a um choque elétrico irritante em duas situações experimentais mentais diferentes: um grupo poderia escapar dele e o outro era para ficar até que ele cessou. Ambos os grupos receberam choques da mesma intensidade e a possibilidade de fuga era a única diferença entre eles. Segundo os autores, “os ratos que não puderam escapar do choque tinham 50% de chance de rejeitar o tumor e uma probabilidade 100% maior de morrer do que os ratos que podiam escapar e que o grupo controle, que não recebeu choque. Apenas 27% dos ratos que não puderam escapar rejeitaram o tumor, em comparação com 63% daqueles que conseguiram escapar e 54% daqueles que não receberam o choque”.

Este estudo mostrou claramente que o sistema imunológico de ratos com maior estresse emocional foi menos eficiente, dado que a eficácia do referido sistema determina se o corpo rejeita ou não o câncer. Se isso acontecer com ratos, imagine o leitor como as emoções, que são muito mais importantes para os seres humanos.

CÂNCER E O SISTEMA IMUNOLÓGICO

Como já apresentamos o conceito de emoções e câncer, vamos falar um pouco mais sobre isso. Embora este tópico não esteja atualmente sujeito a estudos intensivos pela medicina convencional, ao longo dos anos tem sido observado em numerosas ocasiões que fatores psicológicos e sociais podem desempenhar um certo papel na causa e na cura do câncer.

Uma dessas observações foi divulgada por Kenneth Pelletier, membro da equipe de professores da Faculdade de Medicina da Universidade da Califórnia. Esse pesquisador estava interessado em “curas milagrosas do câncer” e experimentado por sete pessoas da área de San Francisco, e se perguntou se eles tinham algo em comum. Na verdade, ele descobriu que sete outras pessoas voltaram mais extrovertidas, mais orientadas para a sua comunidade e interessadas no que acontecia além de si mesmas, todas tentaram mudar suas vidas de tal forma a ter mais tempo para distrair-se, todas se tornaram religiosas em diferentes formas, embora todas procurassem algo superior a si mesmas; todas passaram alguns momentos do dia meditando, sentadas em silêncio e em estado de contemplação ou oração; todas começaram um programa de exercícios e mudaram sua dieta, consumindo menos carne e mais verduras. Certamente parece como se os fatores emocionais e sociais jogados havia uma função muito importante nessas “curas milagrosas”.

Pelletier é o autor do famoso livro sobre a conexão mente-corpo, intitulado Mind as a Healer, Mind as a Slayer (Mente como Curador, Mente como um Assassino, Nova York, Delacorte, 1977).

Para os leitores interessados, há um livro escrito por O. Carl Simonton, Stephanie Matthews-Simonton e James Creighton intitulado Getting Well Again (De Novo Saudável, New York: J.P. Tarcher, 1978) em que a técnica terapêutica descrito para Simonton tratamento do câncer. Esses autores abordam o problema do ponto de vista psicológico com o intuito de compreender seus pacientes e descobrir maneiras de mudar atitudes e conceitos, pois julgam que são relevantes para o resultado final.

Um livro muito popular recentemente publicado é Love, Medicine, and Miracles, do Dr. Bernie Siegel, cirurgião de Yale (New York: Harper & Row, 1986). Dr. Siegel começou sua carreira como cirurgião, percebendo as dimensões sociais e psicológicas do câncer. Mais tarde, ele começou a trabalhar com seus pacientes colocando essa percepção em prática. Seu livro é muito inspirador e, devido à sua popularidade, fez com que muitas pessoas se interessassem pela idéia de que é possível fazer a mente contribuir para o combate ao câncer.

É possivél que exista certa preocupação na natureza do trabalho do Dr. Siegel, uma vez que carece de especificidade psicológica e fisiológica. Este médico não apresenta um modelo teórico de como as emoções influenciam a causa e a cura do câncer, ou como seu trabalho se encaixa nesse modelo. Na falta daqueles elementos do corpo, é improvável que o seu trabalho venha a ter uma influência importante na comunidade de pesquisadores médicos tradicionais.

O anterior é lamentável, uma vez que é necessário definir com precisão quais são os fatores sociais e psicológicos que contribuem para as doenças e como eles fazem isso. Ao reconhecer a importância das emoções na saúde e na doença, a medicina deve reexaminar seus conceitos sobre a causa das doenças. Para passar por essa misteriosa lacuna entre as emoções e a fisiologia, são as mentes da medicina experimental e com o mesmo tipo de interesse e compromisso que a medicina atualmente dedica à pesquisa genética e à quimioterapia do câncer.

No entanto, não conseguiremos que essas pessoas participem ou obtenham esse tipo de compromisso se colocarmos o “poder do amor” em um contexto  médico  sem  estudar  cuidadosamente  seus  efeitos  fisiológicos  e  psicológicos específicos. Se agirmos assim, como podemos distinguir entre Bernie Siegel, Norman Vincent Peale e Mary Baker Eddy?

Além dessas considerações, médicos como Siegel, Simonton, Pelletier e Locke (assim como outros que não mencionei) são pioneiros e seus ensinamentos são de enorme importância para o futuro da medicina.

O SISTEMA IMUNOLÓGICO E AS DOENÇAS INFECCIOSAS

Também neste campo, a consciência de que as emoções têm a ver com a nossa susceptibilidade à infecção e nossa capacidade de luta tem uma longa história. No entanto, esse fato geralmente não é aceito pelos médicos e raramente é aplicado na prática diária. Resfriados frequentes e infecções geniturinárias estão entre as doenças mais comuns, e é provável que fatores psicológicos estejam relacionados a todos esses processos infecciosos. Tal como acontece com o câncer, o que entra em jogo é a eficiência do sistema imunológico para erradicar o agente infeccioso.

As emoções estressantes reduzem a eficácia e permitem que a infecção prospere, no entanto, existem ainda muitos indícios de que as pessoas podem aumentar a eficiência do sistema imunológico melhorando seu estado emocional ou usando outras técnicas, como ilustrado pelo caso seguinte.

O artigo principal do Washington Post Health Journal de janeiro de 1985, escrito por Sally Squires, intitula-se The Mind Strikes Back. Ela descreve um estudo realizado por uma equipe de imunologistas e psiquiatras da Universidade de Ciências Médicas do Arkansas, em que uma mulher descreveu como “meditador assíduo” e que estava particularmente sintonizado com as reações de seu corpo.

A mulher foi injectada com o vírus da varicela no antebraço. Tendo sido anteriormente expostos ao vírus, desenvolvido reação imune positiva e habitual, ou seja, uma saliência de 1,5 cm de diâmetro que desapareceu alguns dias mais tarde. Para confirmar a existência da reação imune, um exame de sangue foi realizado, o que mostrou que seus glóbulos brancos estavam ativamente combatendo a infecção. Depois de repetir o procedimento mais duas vezes, obtendo a mesma reação, ela foi instruída a tentar deter a reação do corpo ruim, o que ela fez durante sua meditação diária, e por três semanas seguidas, a protuberância foi reduzida cada vez mais. Ela foi solicitado a parar de interferir na reação imunológica normal. Ao fazer isso, as três últimas injeções do vírus fizeram com que a protuberância usual reaparecesse.

Isso mostra claramente que a mente é capaz de alterar uma reação corporal se for ensinada a fazê-lo. Os médicos que participaram do estudo ficaram tão impressionados com os resultados, que repetiram todo o experimento nove meses depois, obtendo os mesmos resultados.

A investigação médica convencional dificilmente  pode  encontrar  um fracasso neste experimento, que foi uma surpreendente demonstração do chamado poder mental, que neste caso agiu sobre o funcionamento do sistema imunológico.

O tratamento da SMT sucede em fenomeno semelhante, em que o conhecimento adquirido tem a capacidade de interterir com uma reação física desagradável, isto é, a dor causada pela SMT.

HIPERATIVIDADE DO SISTEMA IMUNOLÓGICO – ALERGIAS

Embora a idéia seja controversa, opino, com base na minha experiência com pacientes que sofrem de SMT e rinite alérgica (febre do feno), que algumas das alergias mais comuns na vida adulta são equivalentes de SMT, dizem, é causada por fatores emocionais. Quando você ouve isso, as pessoas invariavelmente dizem “Oh, mas a febre do feno é provocada por pré-conceitos como pólen, poeira e moro. Como posso dizer que é devido à tensão?”. Se colocarmos dez pessoas em um campo onde houver uma, nem todas elas começarão a espirrar, mas apenas as alegações. Qual é o direito de pessoas alérgicas e não alérgicas? O sistema imunológico das primeiras se voltou hiperativo devido ao estresse, ou seja, os sentimentos reprimidos daqueles que têm falado. Isso tem sido demonstrado em ocasiões por pacientes com SMT, que dizem que, no curso de sua experiência de aprendizagem que a febre do feno é um equivalente da SMT e pode ser removido de forma igual. E eles o fizeram.

O Mr. G informou, em uma das reuniões de grupos que sofreram a partir febre do feno outonal por dezessete anos, mas não no ano em que recebeu o tratamento! Este paciente levou muito a sério o que ele tinha ouvido falar em reuniões e milagrosamente, ele não sofreu de febre do feno naquele ano.

Por anos eu tenho sido alérgico à substância exalando gatos (mais conhecida como caspa, mas agora somos informados de que pode haver algum componente de sua saliva, que seca após estes animais lamberem sua pele e flutuar no ar). Se eu entro numa casa e não tenho consciência de que há um gato nela, meus olhos começam a me doer. Eu costumo começar a esfregá-los sem pensar. Então, o gato entra na sala e eu digo “Ah, eu sei porque meus olhos coçaram” e o ardor parou. Isso acontece porque sei que a rinite alérgica e a conjuntivite fazem parte do repertório de tensão da minha mente e, como vimos no capítulo 4, em que falamos de tratamento, o fato de reconhecer essas situações como o que as invalida e os sintomas desaparecem.

Eu usei que a maioria da comunidade médica rejeita a idéia de que as emoções têm algo a ver com alergia. Os dois exemplos anteriores não podem ser explicados de outra maneira e mostram que algo está acontecendo, além da reação do sistema imunológico autonomo, no caso das substâncias inaladas. Como é possível parar os sintomas simplesmente pensando? É claro que, nesses casos, a mesma dinâmica mental-emocional descrita no capítulo que fala sobre o tratamento é ativada.

A “terapia do conhecimento” funciona com as outras alergias comuns, por isso não vou dizer nada sobre elas, exceto que, se eu sofresse alguma delas, certamente levaria em conta os fatores emocionais da minha vida. O fato de reconhecer a função das emoções não impede o uso de tratamentos médicos convencionais.

A MENTE E O SISTEMA GASTROINTESTINAL

Esta é a única área na qual ela tradicionalmente função dos fatores emocionais foi reconhecido por ambos os médicos e pelos profanos. No entanto, embora a maioria das pessoas ainda acredite que as úlceras são causadas pelo estresse, os médicos tentam incansavelmente provar o contrário. Se lermos com atenção qualquer publicação médica especializada no sistema gastrointestinal (há um com a coragem de nomes coloridos de Guts (tripas), você vai encontrar muitos artigos que sugerem a existência de puramente físico provoca caso, e em nenhuma menção que de emoções. Isto coincide com a tendência a concentrar-se cada vez mais da física e da química da doença.

Em meus dezessete anos de trabalho com a SMT, tenho observado que há uma correlação constante entre esta doença e os transtornos gastrointestinais. Em geral, os pacientes têm antecedentes de acidez, hérnia hiatal (que parece ser parte da síndrome ulcerosa), úlcera péptica, síndrome do intestino irritável, prisão de ventre, cólon espástico ou gás, para citar apenas os mais comuns. Em geral, os pacientes sofreram com essas condições antes de contrair a síndrome dolorosa.

Bem como a SMT, tais distúrbios são o resultado do que eu chamei de uma função autonoma anormal, que, do meu ponto de vista, é estimulado pelos mesmos fatores emocionais que causam a SMT. Essas condições são menos comuns do que trinta ou quarenta anos atrás, mas isso ocorre porque a SMT se tornou a defesa física preferida contra a ansiedade e a raiva. Outra razão provável é a criação de excelentes medicamentos anti-ulcerosos, porque esses medicamentos são capazes de eliminar os sintomas, eles se tornam incapazes de atrair a atenção do paciente, e esta é pré precisamente o propósito de processos psicofisiológicos. Portanto, o cérebro escolhe outro recurso, como a SMT. Essa redução na frequência de tais transtornos foi documentada em publicações médicas.

A evidência mais convincente de que os distúrbios gastrointestinais estão relacionados às emoções, para que possam ser atacados da mesma forma que a SMT, é o caso de um homem que acompanhou sua esposa para as conferências. Esta pessoa é aliviada de seus sintomas gastrointestinais para aprender a forma que a mente influencia sobre o corpo.

A MENTE E A DOR DE CABEÇA

A dor de cabeça persistente ou recorrente deve ser sempre tratada por um médico de família, como pode ser um sinal de algo mais sério, como um tumor.

No entanto, o último é muito raro não pretende apresentar uma revisão exaustiva da dor de cabeça, mas simplesmente dizer que, na minha experiência, a maioria dos casos de cefaléia tensional deve, o que intimamente relacionados a SMT. Suspeito que o mecanismo seja exatamente o mesmo: a constrição dos vasos sanguíneos que suprem os músculos cranianos. Como na SMT, a causa raiz é a tensão, como a definimos, e há uma grande variedade de padrões e graus de severidade.

As enxaquecas que afetam a parte de trás da cabeça relacionam claramente músculos dorsais do pescoço que fazem parte dos pacientes SMT. Alguns dizem que a dor se manifesta em toda a cabeça, enquanto outros experimentam apenas em a região frontal. Um caso muito comum é o da “dor atrás dos olhos”. Quando se lida com dor unilateral (ou seja, afetando apenas um lado da cabeça), severa e acompanhada de náusea, geralmente são chamadas de enxaquecas. A dor de cabeça causada pela tensão pode ser tão incapacitante quanto a pior dor no pescoço, no ombro ou nas costas.

A enxaqueca parece ter a mesma causa psicológica subjacente que a cefaléia tensional, mas sua fisiologia é diferente. Sofri de enxaqueca por vários anos e posso falar com a autoridade de alguém que sofreu essa condição. O que o distingue da dor de cabeça causada pela tensão é um certo fenômeno neurológico, geralmente de tipo visual, que precede o começo da dor, eu percebi uma linha irregular e curva que ocupava diferentes partes do meu campo de visão. Parecia um cristal quebrado e que estava piscando, ou seja, ele entrava e saía muito rapidamente. Por alguma razão, esses fenômenos são conhecidos como “luzes”. Usualmente começam como um pequeno ponto que obscurece parte do campo visual e, em questão de minutos, torna-se o padrão descrito acima. Este fenômeno durou cerca de quinze minutos antes de desaparecer gradualmente e foi seguido por uma dor de cabeça, que pode ser muito grave.

O que é um pouco assustador sobre a enxaqueca é que tem sido demonstrado que é devido à constrição de um vaso sanguíneo localizado dentro da matéria cerebral. Em uma ocasião, sofri um episódio no qual meu discurso ficou incoerente por cerca de uma hora. Este fenômeno é conhecido como afasia e é devido à constrição temporária de uma artéria vital localizada no centro da fala cerebral.

No entanto, a boa notícia sobre a enxaqueca é que ela também constitui um equivalente da SMT e pode ser interrompida precisamente da mesma maneira; pelo menos, essa é a minha experiência. Aconteceu comigo anos antes de eu saber algo sobre a SMT. Quando eu era apenas um jovem médico de família que sofria de ataques ocasionais de enxaqueca, conversei com um dos veteranos médicos da comunidade que lera em algum lugar que a enxaqueca poderia ser causada por raiva reprimida. A próxima vez que vi as “luzes”, o que significava que eu tinha cerca de quinze minutos para refletir, tentei descobrir por que poderia estar com raiva, mas não conseguia pensar em nada, mas para minha surpresa, não sofri o ataque e então não tive outro, embora continue a ver as luzes algumas vezes por ano.

Em retrospecto, sei muito bem por que sofria de enxaqueca na época e do que estava reprimindo. Agora quando vejo o sinal de alarme, eu geralmente sei por que estou furioso, e fico constantemente surpreso com o fato de que, não importa quantas vezes admito que estou suprimindo a raiva, continuo fazendo isso de novo e de novo, já que parece fazer parte da minha natureza, ou seja, a maneira como me desenvolvi psicologicamente. Ao reconhecer o que estava fazendo, consegui parar uma reação física muito desagradável. O mesmo acontece com a SMT.

A MENTE E A PELE – ACNE E VERRUGAS

Parece haver uma estreita relação entre esses distúrbios e emoções da pele. Como em quase todos os processos que envolvem a unidade mente-corpo, não temos evidências experimentais para a função causal das emoções, mas certamente há muitas evidências clínicas para provar isso. A acne é uma das “outras coisas” mais comuns que os pacientes com SMT tiveram antes de sofrerem de seu problema nas costas, ou que a experimentam simultaneamente.

Há uma história sobre um homem que sofreu de uma erupção na parte do dedo em que ele usou o seu anel de noivado; o distúrbio desapareceu quando ele se separou de sua esposa. Outros anéis de ouro não produziram uma erupção semelhante.

Tem sido sugerido que outras doenças da pele, como o eczema e a psoríase, estão relacionadas às emoções. Eu estou inclinado a pensar o mesmo, embora eu não tenha nenhuma evidência para apoiar ou contradizer esta afirmação.

O DOUTOR BRUXO

A evidência do poder da mente está em toda parte. A reação placebo ocorre em todos os lugares. A maioria dos médicos deve parte de seu sucesso a esse fenômeno, e alguns não teriam conseguido, se não fosse pelo efeito placebo.

Há alguns anos, descobri um maravilhoso exemplo de interação mente-corpo em um artigo escrito por Louis C. Whiton e publicado na edição de agosto-setembro de 1971 da revista Natural History. O artigo foi intitulado “O poder do Grande Gadux” (Vol. 80 No. 7). Durante anos, o Dr. Whiton tinha vindo a realizar estudos antropológicos em Suriname, América do Sul, e havia se interessado particularmente em cerimônias, ritos e curas de médicos feiticeiros de um grupo de habitantes da selva conhecido como o preto jungle. Durante dois anos, este investigador sofreu de dor na região da anca direita atribuída a bursite trocantérica. Esta desordem tinha resistido todo o tratamento. Acompanhado por seu médico pessoal, cinco amigos e editor de uma revista do Suriname, o pesquisador viajou quase 65 km na selva de Paramaribo para o tratamento de um famoso curandeiro chamado Raineh. O artigo do Dr. Whiton inclui uma foto desse personagem, que o mostra como um homem muito impressionante.

A cerimônia, descrita com grande detalhe pelo Dr. Whiton, começou à meia-noite e durou quatro horas e meia. Esta cerimônia consistia em muitas partes: o paciente tinha que ser protegido contra os maus espíritos, era necessário interrogar sua alma sobre sua vida passada e atrair as divindades benéficas locais; Da mesma forma, foi necessário “expulsar o mal” do corpo do paciente e transportado para o curandeiro. Naquela época, Dr. Whiton levantou do chão, descobrindo que a dor se foi. A cerimonia continuou a transferir o “mal” do corpo de uma galinha e concluiu com encantamentos e outros procedimentos para evitar que “o mal” voltou para o corpo do paciente.

Certamente, Dr. Whiton estava predisposto a experiência terapêutica vai ser bem-sucedido, e eu confiava no poder da mente para curar o corpo. No entanto, que a predisposição não era ele utilidade nos Estados Unidos; precisava de um curador com poder e categoria, e encontrou-o na selva do Suriname.

Como eu disse em outras partes do livro, eu não sou a favor de curas placebo porque elas geralmente são temporárias. No entanto, eu relatei essa história porque é mais um exemplo do que a mente pode fazer.

O Dr. H. K. BEECHER

O Dr. H.K. Beecher é um dos primeiros pesquisadores sérios em dor nos Estados Unidos. Em 1946, ele publicou um artigo na revista Annals of Surgery intitulado “Dor em soldados feridos no campo de batalha” (Vol. 123, p.96). Durante anos, este artigo foi amplamente citado por causa de suas observações interessantes. No entanto, atualmente o nome do Dr. Beecher está mergulhado na escuridão, pois seus ensinamentos não são mais aceitáveis são para estudiosos dor.

Dr. Beecher questionou duzentos e quinze soldados tempos depois de ser gravemente ferido em várias partes da Europa durante a segunda Guerra Mundial, descobrindo que 75% deles sofreram dores leves para que eles não precisam de morfina. Após reflexionar intensas emoções que são capazes de bloquear a dor, o Dr. Beecher conjecturou que: “Com relação a isso, é importante considerar a posição do soldado: sua ferida madamente exclui um ambiente extremo perigoso, cheio de fadiga, desconforto, ansiedade, medo e perigo real de morte, e dá-lhe acesso para a segurança dos hospitais. Seus problemas acabaram, ou pelo menos é o que ele pensa”.

Esta observação é apoiada por um relatório do Departamento de Saúde dos Estados Unidos durante a segunda Guerra Mundial, citado no livro The Second World War: A Complete History (Guerra Mundial: uma história completa, New York: Henry Holt, 1989), de Martin Gilbert. O que aponta é que, para evitar a deterioração de soldados psíquicos, devem ser aliviados, geralmente cedo demais. O relatório afirma que uma ferida ou “uma lesão não é considerada uma desgraça, mas uma bênção”.

A seguinte de outra maneira pela qual a mente pode modificar ou eliminar a dor. Uma atitude positiva, bom humor e um estado emocional positivo são capazes de bloquear ou evitar a dor. Mas ainda não sabemos como esse mecanismo funciona.

No entanto, sabemos parcialmente como funciona o processo terapêutico na SMT. O fato de saber o que o cérebro está fazendo faz com que o processo fique sem propósito e que os estímulos autônomos parem, assim como a dor. No entanto, ainda falta descobrir como fenômenos emocionais podem estimular o estado fisiológico, embora isso possa exceder os nossos horizontes mentais. É inquestionável que isso acontece, mas nos dias de hoje, talvez nós resolver debates observação de Benjamin Franklin “Não é muito importante que saibamos o modo como a natureza exerce suas leis, que nos satisfaçamos em conhecer as próprias leis”.

CARTAS AOS PACIENTES

Muitos pacientes me escreveram para me contar suas experiências em relação à SMT e os resultados que alcançaram com o meu livro.

Eu vou deixar eles falarem por si mesmos:

 

CARTA NÚMERO 1:

Caro Dr. Sarno:

Esta carta é uma continuação da que lhe escrevi no início de julho de 1987 … Tenho o prazer de informar que meu problema nas costas foi a SMT e que consegui me livrar da dor em quase um 95 por cento. Muitas vezes sinto alguma dor, mas depois de remover as causas do estresse da minha mente (embora não necessariamente da minha vida), fiz um progresso importante. Meu pior problema foi a incapacidade de sentar e, como trabalho em um escritório, foi muito difícil para mim. Por meses, eu usei uma cadeira projetada para suportar a maior parte do peso nos joelhos, mas agora eu posso sentar em cadeiras normais por longos períodos de tempo e eu nem sequer penso nas minhas costas!

 

CARTA NÚMERO 2:

Caro Dr. Sarno:

Finalmente, recebi sua carta … No lugar onde cuido da minha mãe doente há três semanas. Isso foi realmente um teste para descobrir se minhas costas iriam começara doer de novo. Eu me machuquei de novo! … Eu sei que eu não estaria com dor novamente se não fosse pelo cansaço que me faz constantemente cuidar de uma pessoa idosa, a decisão de hospedada em uma residência no lugar onde minha irmã mora, e então vá até a casa dela e passe uma semana pegando tudo e vendendo a casa. Isso é realmente uma fonte de estresse!

De qualquer forma, a boa notícia é que eu não permiti que essa situação me estressasse… Eu sei que quando eu voltar para casa… e descansar por alguns dias, eu ficarei bem.

…Eu acho que a sua teoria sobre a SMT está correta e eu gostaria que o maior número possível de pessoas se beneficiassem da sua pesquisa…

 

CARTA NÚMERO 3:

Dr. Sarno:

…Minha dor na parte inferior das costas começou quando eu tinha cerca de vinte e cinco anos (Agora eu tenho trinta e quatro). Quando fiz 30 anos, a dor se espalhou por minhas costas, pescoço e ombros. A dor era crônica e muitas vezes debilitante. Depois de várias sessões mal sucedidas, primeiro com meu médico de família e depois com um neurologista, recorri à quiropraxia por recomendação de um amigo. Depois de dois anos e meio fazendo “ajustes” uma a três vezes por semana, a dor diminuía e permanecia sob controle, mas não estava permanentemente curada. Como oficial naval, é possível que, em um futuro não muito distante, você tenha que trabalhar no exterior e possivelmente em alto mar, então eu sabia que minha dependência de quiropraxia teria que acabar se eu quisesse continuar minha carreira naval. Eu estava no meio da briga com esse problema quando um amigo de um membro da família me contou sobre seu trabalho…

…Percebi que o estereótipo de um paciente com SMT me descrevia como uma pessoa inteira. Além disso, toda a sua explicação fisiológica do SMT era lógica para mim como nada que eu tivesse ouvido (dos médicos) ou lido antes. Foi um alívio finalmente encontrar alguém que não apenas entendesse o que eu estava sentindo, mas oferecesse esperança baseada em raciocínio e experiências médicas sólidas! Eu imediatamente aceitei o SMT como meu diagnóstico.

(Minha aceitação talvez tenha sido apressada pelo fato de que um veterano da marinha, um especialista em dores nas costas, havia examinado detalhadamente uma série completa de radiografias de minhas costas e pescoço e concluiu que minha coluna não estava desalinhada, nem tinha nenhum disco anormal ou sinais de artrite.) Depois de ler o livro mais duas vezes, e depois de quase dois meses, minha dor nas costas e no pescoço praticamente desapareceram. Algumas semanas depois, a dor retornou, mas eu simplesmente concentrei meus pensamentos no diagnóstico da SMT, e a dor desapareceu novamente após cerca de uma semana. Desde então, sofri algumas recaídas, mas o mesmo tipo de terapia do conhecimento acalma-as rapidamente, de modo que cada vez elas duram menos…

Eu considero que minha SMT está sob controle. Eu sei que é provável que nunca vá embora completamente, mas estou confiante de que posso controlá-lo sem depender de um quiroprático, de um médico ou de outra pessoa. Mais uma vez eu posso desfrutar de minha esposa e meus filhos; minha carreira na Marinha está no caminho certo e tenho muita confiança no futuro …

 

CARTA NÚMERO 4:

Caro Dr. Sarno:

Em 1970, fui diagnosticado com uma luxação do disco. Eu o controlei muito bem até 1979, quando sofri outro ataque sério. Outro médico (visitei quatro vezes esse ano: dois disseram que era um disco deslocado dois disseram que não fez) me disse que eu tinha duas vértebras muito juntas e que isso levou a um exercício de desequilíbrio muscular. Me exercito religiosamente duas vezes por dia (desde então até naquela primavera). Isso me manteve fora da cama (eu passei muito de 1979 na cama), mas nunca foi bom. Então, em 1986, fiquei pior. A região interna das minhas coxas tremeu e doeu muito. Me assustei. Ele temia uma cirurgia de volta, porque os resultados são variados como as pessoas. Depois de ler seu livro, comecei a ignorar a dor e, mais importante, para parar de temer, e agora faço o que quero. Ainda sinto algum desconforto, mas continuo e se dissipa. É um livro maravilhoso. A síndrome na qual você entra, o círculo vicioso da dor, repouso na cama, mais dor, medo, medo, medo, envolve você e é muito deprimente. Esperei alguns meses para ver se isso realmente funcionaria a longo prazo. Foi por isso que eu estou escrevendo para agradecer.

 

CARTA NÚMERO 5:

Caro Dr. Sarno:

…Cerca de seis meses atrás me recuperei, de acordo com o diagnóstico de uma hérnia de disco L-5 com neuralgia ciática. Antes de ler o seu livro, eu consultei dois de seus ortopédicos reconhecidos, relacionados (um famosal) School of Medicine e um quiroprático, todos eles me garantiram que os resultados da ortografia tomográfica e sintomas clínicos confirmaram o diagnóstico fui obrigado a ficar na cama por alguns semanas, eu estava prescrito anti-inflamatórios e foi dito que a recuperação não tinha certeza.

Eu vivi com bastante dor e terríveis limitações por quase quatro meses. Trabalho como psicólogo clínico e tive que mentir para servir meus pacientes. Dirigindo meu carro prozudiu uma terrível dor e sentia que só podia andar a curtas distâncias. Meu estilo de vida, ativo e atlético antes, ele estava se tornando uma memória. A medida que minha incapacidade se arrastou, eu me preocupava que precisava de uma operação cujo resultado era incerto.

Após a leitura inicial do seu livro, eu era cético, o que não podia evitar, mas me sentia animado. Apesar da minha formação como psicólogo, ela havia as aceitado sem questionar, as explicações mecânicas da lesão do disco apresentado por ortopédicos. Notei que a minha dor piorou quando ele estava tenso, mas isso não muda minha opinião sobre a minha “lesão”. Seu livro me deu outra explicação, cientificamente plausível, foi valia a pena considerar.

Se tornou claro que não pensar em outra coisa que não fora em minha dor nas costas e na perna, e eu estava realmente com medo cada movimento. O medo de doer mais do que minha coluna sempre me acompanhou. Como eu li seu livro, ocorreu-me que os meus primeiros sintomas tinham surgido numa época em que eu experimentei um evento muito estressante emocional. Uma vez que eu sofri com problemas  gastrointestinais durante um período de estresse, então a idéia de que meu problema nas costas poderia ter começado como um distúrbio de somatização fazia sentido para mim.

Seguindo o conselho de um amigo, que também foi “curado” graças ao seu livro, tentei ser mais ativo, apesar da dor. Embora minhas primeiras tentativas de aumentar meu nível de atividade fossem muito assustadoras, logo percebi que elas não pioravam a dor. Notei também que a dor passava de uma perna a outra, embora a tomografia mostrasse uma protrusão apenas do lado direito. Essa observação foi muito animadora. Lembrei-me do momento em que, depois de andar pelo quarteirão e perceber a dor na perna esquerda e também na perna direita, comecei a rir de alegria. Tinha razão! Todo esse sofrimento foi devido à tensão muscular! Afinal, minha vida não foi arruinada!

Duas semanas após essa descoberta, retomei minha vida. Comecei a fazer longas caminhadas e a me sentar normalmente. A dor diminuiu gradualmente. Eu notei que quando alguém mencionou a palavra disco em uma conversa, minha dor aumentou. Eu tive que reler seu livro várias vezes para manter minha confiança e depois de cada leitura, minha dor diminuiu. Evitei o contato com a minha ortopédica e pessoas que acreditavam ter problemas estruturais nas costas, enquanto ele ainda estava muito hesitante em meu novo entendimento, e o ciclo de medo-dor-medo-dor é facilmente reativado para pensar que você pode estar errado.

Quando comecei a me recuperar, consultei um fisioterapeuta que achava que suas ideias eram plausíveis e me ajudou a aumentar minha fortaleza muscular. Agora percebo que isso me ajudou muito a me sentir segura em me mudar novamente.

Durante o ano passado, não tive restrições às minhas atividades físicas. Fiz muitas coisas que seria terrível para uma pessoa com hérnia de disco L-5 e dor ciática, como voar para a Tailândia (vinte e seis horas sentado no avião), construir um porão, esqui, fazer longas caminhadas, carregando bebês nos braços e caminhadas com uma mochila. Eu raramente sinto dor no nervo ciático e quando isso ocorre, geralmente é leve. Eu não penso mais nas minhas costas; em vez disso, penso no que pode me deixar ansiosa ou tensa. Sinto meu nervo ciático como um barômetro benigno de ansiedade. Eu sei … você ouviu muitas histórias como a minha. Espero que esta carta pode ser útil para outras pessoas que estão sofrendo o que para mim foi um transtorno iatrogênico e provocado por não entender o que, em princípio, era um problema somatização inofensivo…

 

CARTA NÚMERO 6:

Caro Dr. Sarno:

Me agrada muito em oferecer meus comentários sobre seu livro e seu efeito em mim. No verão de 1987, ao jogar tênis, eu senti uma “dor” súbita nas costas. Ele tinha sofrido alguns problemas menores nas costas quando era um adolescente, mas não tinha tido quaisquer sintomas em mais de vinte anos (agora tenho quarenta um). Cheguei no trabalho como pude, mas quando meu chefe, que sofreu (e ainda sofre) de volta problemas nas costas que levaram à cirurgia, me viu, ele mandou que eu fosse para casa e ir ao médico sem demora.

O médico tirou uma modelo de uma coluna vertebral e me mostrou como os nervos podem ficar presos entre o osso e a cartilagem e criar o espasmo doloroso que estava sofrendo. Seu conselho foi que eu ficasse na cama por duas semanas e, claro, cancelaria o passeio de bicicleta de uma semana que eu planejara por dez dias a partir de agora. Eu imediatamente comecei a suar frio com a perspectiva de perder duas semanas de trabalho e da gravidade dos aparecimentos da minha doença, conforme indicado que convalescença prolongada.

Bem, eu fiquei na cama apenas cinco dias e logo voltei a trabalhar, ainda com dor. Incapaz de ficar sentado por longos períodos de tempo, passei algumas horas do dia no chão do meu escritório com o telefone ao meu lado. Então, armado com Motrin e Robaxin que o médico prescreveu, fiz a viagem de bicicleta. Perdida, descobri que sentia minhas costas melhorarem à medida que a semana avançava, embora estivesse sentada em um assento de bicicleta por cinco horas por dia.

Nos dez meses seguintes, tive alguns outros incidentes menos sérios. Toda vez que um desses acessos aparecia, eu mantinha meus tênis e meu equipamento para jogar tênis e esperava que a dor diminuísse (visualizando o tempo todo que minha coluna estava cortada em dois por um disco que pressionava as vértebras). Então, na primavera de 1988, coincidindo com uma situação especialmente tensa na minha vida pessoal, sofri um ataque que durou semanas. Ao mesmo tempo, um amigo … que teve problemas crônicos nas costas por anos, me contou sobre você. Eu tive grandes dúvidas, para dizer o mínimo. Suponho que posso dizer que as duas viagens de ida e volta a Nova York que me levaram a ler o livro mudaram minha vida. É embaraçoso pensar que sou tão comum, mas, por outro lado, me deu confiança para saber que sou normal. O livro deixou perfeitamente claro para mim que, embora os espasmos nas costas fossem reais, eles dependiam de músculos que não tinham fluxo sanguíneo suficiente… Embora eu ache que a sociedade tem expectativas irreais e exageradas sobre o poder de auto-cura (como implicitamente culpar as vítimas de câncer por sua incapacidade de superar a doença), estou agora absolutamente convencido de que grande parte do nosso bem-estar está ao alcance de cada um de nós. Seu livro simplesmente me mostrou a direção que devo seguir quando surge um problema.

 

CARTA NÚMERO 7:

Caro Dr. Sarno:

Seu livro foi literalmente um alívio. A carta que acompanhei, que enviei ao meu médico, pode resumir melhor minha situação … Espero que minha gratidão por escrito reflita com precisão o que alivio que seu livro me deu e a minha esposa. Obrigado.

 

CARTA NÚMERO 8:

Querido Doutor Sarno,

Estou escrevendo para lhe contar como progredi desde a última vez que o vi em novembro. A última vez que nos falamos, você revisou os resultados de um estudo de ressonância magnética que eu estava praticando. Naquela época, eu estava prestes a aceitar sua recomendação de se submeter a uma operação cirúrgica; Não havia melhorado após um longo período de repouso na cama e, mais tarde, o estudo de ressonância magnética parecia mostrar uma hérnia de disco sem ter sido internado antes. Estava tentando mudar minha área profissional. Depois de consultar você, fui a um quiroprático, mas não ajudou. A dor na minha perna às vezes melhorou e piorou nos outros; não havia um padrão definido. Então, no Natal, cancelei todos os meus planos de sair de férias e resolvi passar três semanas na cama. No entanto, depois de uma semana, minha perna doía mais do que nunca. Francamente, eu estava muito preocupado. Eu quase me resignei a me adaptar a um estilo de vida restrito, até que um parente me enviou um livro sobre dor nas costas que eu acho que deveria saber.

O livro foi impressionante porque, depois de uma descrição completa deste tipo de dor e outros semelhantes, atribui minha dor nas costas a espasmos musculares causados por tensão. A cura: sair da cama e retomar a vida normal (fazer o fluxo sanguíneo nos músculos atrofiados e relaxar). A primeira coisa que fiz depois de ler o livro (e note que ele sofreu uma dor insuportável) estava levando meu carro, livrando-me do apoio das costas e dirigindo por quatro horas seguidas. Quando estacionei o carro, não senti dor. Nos três ou quatro dias seguintes, sentei-me quase todo o dia sem descansar e caminhei vigorosamente em uma praia arenosa. E a dor seguia diminuindo. Uma semana e meia depois, joguei frescobol por uma hora e meia e ganhei os três jogos sem sentir qualquer dor em nenhuma parte do corpo.

O diagnóstico de espasmo muscular era razoável porque nenhum incidente específico causou a dor, mas veio quando eu deixei o meu trabalho para entrar na pós-graduação nal e tive que dar o passo naquele momento ou não. Naquele momento não haveria prontuários de pacientes necessários para puxar minha perna para me dizer que eu estava “estressado”.

Meu principal objetivo ao escrever esta história é agradecê-lo pelo seu tempo e paciência e, mais importante, ajudar os outros…

 

CARTA NÚMERO 9:

Caro Dr. Sarno:

Eu quero agradecer a você tanto que tem contribuído para a minha saúde e, portanto, a qualidade da minha vida…

Tinha sofrido dor nas costas (superior e inferior, incluindo o ciático) por sete anos quando lhe chamei. Também sofria regularmente de fortes cãibras intestinais, fortes dores no peito; dor nos joelhos, tornozelos, cotovelos, punhos, juntas e um ombro. Todas essas dores, especialmente as costas, limitaram consideravelmente minha capacidade de trabalhar e jogar. Eu não poderia limpar o chão, lavar os pratos, levantar bebês nos braços (na verdade, qualquer coisa que pesava mais de um quilo e meio), praticar esportes, e assim por diante. Até mesmo escovar meu cabelo me causou dor.

Tinha sido uma pessoa muito forte e ativa, com uma grande necessidade de me esforçar fisicamente, para que eu e todos os outros, nós atribuímos a causa dos meus problemas nas costas.

Na primeira visita ao meu médico, ele havia recomendado para suspender o máximo possíveis atividades, não fazer nada que me doesse e me disse que provavelmente muitas coisas me machucariam.

Eu segui esse conselho. Nos sete anos seguintes, tornei-me um “especialista” nas alegadas causas e curas de dor nas costas, mas em vão. Eu fui a catorze sessões de acupuntura, dezessete sessões com o quiroprático, dezessete sessões de alinhamento corporal, treze sessões de rolfing, várias sessões de fisioterapia, eu usei uma “unidade de desbloqueio do nervo”, participei de “aulas de ginástica para costas doentes”, me inscrevi a um clube desportivo (iria nadar e utilizava a jaccuzi e a sauna, recebeu muitas mensagens em massagens, etc). Um médico pensou que poderia ser síndrome de fibromialgia primária”e me receitou L-triptofano e B6.

Todos estes tratamentos pareceu ajudar um pouco, mas ainda assim sofri uma tremenda dor. Depois da minha conversa com você, eu considerei a possibilidade de consultar um psicoterapeuta, mas decidi tentar primeiro sozinho. Eu percebi que a causa do meu stress não era um problema subjacente grande, mas todas as pequenas coisas em minha vida diária eu tinha aprendido a temer e tensão produzindo, que começou o ciclo de dor, mais stress, mais dor, etc. Se a causa era um conflito psicológico não resolvido, eu notei que a maior parte do tempo não tinha resolvido para que a dor cesara, apenas para perceber que era a fonte de minha dor.

Agora eu acho que eu tendo a resolver as coisas mais rápido do que fiz antes. Fiquei muito surpreso e feliz com a minha capacidade de transformar um espasmo doloroso em um sinal de que algo deve estar me incomodando (emocionalmente ou mentalmente) e depois livrar completamente da dor em questão de um minuto ou menos.

Levou quatro meses para controlar bem o procedimento e, em menos de um ano fui capaz de contar aos amigos e familiares: “Sim, por mim minhas costas estão curadas. Não faz mal!”. Ao mesmo tempo que minhas costas havia se libertado da dor, cada uma das outras partes do corpo que mencionei a princípio, também fizeram isso. Finalmente consegui trabalhar e jogar de novo como eu não fazia há sete anos. Que alívio!

Eu sempre serei grato a você, Dr. Sarno, por ter coragem e gentileza para fazer o que você tem feito por mais de vinte anos: ajudar as pessoas a se libertarem permanentemente da dor incapacitante.

Obrigado.

 

CARTA NÚMERO 10:

Caro Dr. John Sarno:

…Eu melhorei notavelmente e agora levo uma vida ativa e normal depois de ter vivido com dor e sofrimento. Eu tento informar os outros que acho que beneficiariam o trabalho deles.

Eu só quero que você saiba que você tem a enorme apreciação de alguém que não conhece você, mas que foi muito influenciado por seu dom especial. Reitero meus sinceros agradecimentos.

 

CARTA NÚMERO 11:

Caro Dr. Sarno,

…Ler seu livro mudou minha vida. Tive uma dor crônica e tentei muitas “curas”, nenhuma das quais me ajudou até que li seu livro.

 

CARTA NÚMERO 12:

Caro Dr. Sarno:

Durante seis meses no ano passado, senti uma dor intensa na parte inferior do corpo. Depois de duas semanas de conhecer sua teoria sobre a SMT, minha dor nas costas desapareceu. Sinto-me muito grato a você e quero lhe contar a história de sua influência remota em mim.

Em julho de 1988, depois de correr por uma manhã, senti uma certa tensão na parte inferior das costas e a dor irradiava da parte de trás da minha perna esquerda para o meu pé. Por vinte e quatro horas senti uma dor severa nas costas, então fui ver meu quiroprático. Imediatamente comecei a seguir seu plano de tratamento, que consistia em ficar deitado de costas por alguns instantes durante vários dias, colocando gelo nele com a maior frequência possível. Mais tarde ele teve que fazer exercícios de alongamento suaves, andar de bicicleta estacionária, usar um apoio lombar e depois um suporte para as costas. Ele me disse que ele tinha tensão muscular, ligamentos instáveis na região inferior da coluna e, provavelmente, uma pequena lesão no disco. Eu segui fielmente este plano de tratamento porque confiei em meu quiroprático e fui compreensivo, e experimentei tratamentos satisfatórios em lesões anteriores nos músculos do pescoço e do quadril. Continuei trabalhando, indo para a cama com frequência e fazendo caminhadas curtas regularmente.

Infelizmente, a dor não diminuiu e pareceu piorar gradualmente. Senti um ligeiro alívio por algumas semanas em Agosto, durante as férias, mas quando voltei ao trabalho, a dor era mais forte do que nunca. Ele acreditava que, como me foi dito, ele me machucar, então caminhou com muito cuidado: Eu parei de correr, eu adaptei a lombar minha cadeira em suportes de trabalho, tive o cuidado ao me mover, e, geralmente, começou a restringir a minha vida, já que quase tudo que eu fiz machucava minhas costas e eu estava com medo de interferir no processo de cura.

Em Novembro, a dor foi mais forte do que antes. Eu tive uma série de testes na esperança de encontrar alguma explicação. Meu quiroprático não achava que era algo sério, mas eu estava confuso, junto comigo, porque eu não estava se recuperando. Eu fiz exames para artrite, um raio-x, uma ressonância magnética e um exame neurológico. O único resultado de tudo isso foi o conselho do neurologista para tentar nadar. Eu não sabia o que estava acontecendo.

Em Dezembro, senti tanta dor que mal conseguia me sentar no trabalho e tinha problemas de concentração. Eu sou psicoterapeuta, então, para mim, é essencial poder prestar atenção aos meus pacientes. Com muita angústia, decidi parar de trabalhar por alguns meses para tentar me curar.

Naquela época, eu estava procurando desesperadamente alguma solução para esse problema. Indeciso, eu consultei um clarividente. Ele também me disse que ele tinha espasmos musculares nas costas e ligamentos frouxos que o impediam de se curar. Ele recomendou que eu fizesse tratamento de acupressão com um especialista chinês. Depois de cinco ou seis sessões dolorosas de tratamento, o médico disse (através de um intérprete) que ele deveria ter melhorado e que estava confuso. Quando ele soube que ele estava usando compressas de gelo e fazendo exercício, disse: “Oh, não, deve manter quente, relaxar e fazer como se estivesse em férias”. Surpreendentemente, depois de totalmente relaxar durante o fim de semana, eu senti um pouco alívio.

Então, na próxima segunda-feira de manhã, em Janeiro (1989), quando recebi uma carta de um velho amigo da faculdade (que sabia dos meus problemas nas costas) com uma cópia de um artigo de Tony Schwartz, apareceu na revista Nova York, sobre um tratamento milagroso para a dor nas costas aplicado por um Dr. John Sarno, estava pronto para ouvir suas ideias. Passei o dia no telefone conversando com os conhecidos de minha amiga, todos os quais confirmaram a mesma cura milagrosa… e eu chamei sua consulta. Fui informado de que você me ligaria quase duas semanas para marcar uma consulta.

Enquanto esperava, comecei a seguir o tratamento sozinho. Imediatamente percebi a precisão do diagnóstico da SMT. Como resultado, foi fácil me dizer que não tinha nada, que não estava ferido, que a dor era devida à tensão e que desapareceria. Eu também tentei relaxar minhas costas usando técnicas de meditação para relaxamento e tentei identificar o conflito subjacente. Após anos em psicoterapia, fiquei surpreso ao expressar conflitos inconscientes somaticamente. Mas decidi que o problema tinha a ver com a falta de manutenção por conta própria.

Em duas semanas, a dor desapareceu durante as sessões de relaxamento. Em dois meses, eu estava tão ativo quanto antes. Se a dor retornou quando fui ao cinema, fui ao cinema todas as noites durante uma semana e disse que a dor desapareceria. E assim aconteceu. Quando ela ligou para me marcar, eu estava a caminho da cura e decidi que poderia fazer isso sozinho. Em maio de 1989, descobri o verdadeiro conflito inconsciente que causou a tensão… e a dor nas minhas costas. Tornou-se claro que a tensão e a dor nas costas eram parte de um grupo de sintomas somáticos presente no momento (distúrbios gastrointestinais, infecções frequentes na contagem do trato urinário, ombro congelado), que foi um dos primeiros sinais do meu organismo lembrando o corpo da tensão e a dor de experiências incestuosas precoces.

Ao longo deste ano último, eu tinha pontadas suaves e breves de dor nas costas para lembrar os sentimentos resistir dolorosos de abuso sexual. Mas eu sabia que todos os sinais de dor nas costas desapareceriam quando as feridas psicológicas se curassem.

Deixe-me dizer-lhe o quanto sou grato por você, suas ideias não apenas me proporcionaram um quadro de referência que me permitiu curar minha dor nas costas, mas também me ajudaram a descobrir o verdadeiro significado escondido por trás da tensão e da dor. Agora, a cura completa já começou.

Muito obrigada.

Download

Libere-se da Dor nas Costas - John Sarno - Capitulo IV ate Final

DOWNLOAD

Envie o link de download para:


Cadastre-se E receba nosso newsletter

SAIBA TUDO SOBRE VACINAS COVID-19
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas