Neurociência e Dor - by dorcronica.blog.br

Fitness cerebral: uma abordagem surpreendente à melhora da mente

Fitness cerebral

O exercício é uma das melhores coisas que você pode fazer pela sua saúde, mas também tem um impacto surpreendente no seu humor. Há pelo menos duas formas em que o exercício – físico e mental – pode fortalecer a saúde em geral e a preservação da capacidade imunológica e mental da pessoa, principalmente após os 50 anos.

Pelo lado do intestino

Num bom artigo, Scott C. Anderson, um jornalista especializado em temas científicos, aponta para “uma relação intrigante entre exercício, micróbios intestinais e o cérebro”. A pesquisa, escreve ele, encontrou uma correlação entre a saúde do seu intestino e a depressão. Este é o eixo intestino-cérebro e tem a ver com sua microbiota: as bactérias, fungos e vírus que vivem em seu intestino.

Conexão intestino-cérebro

O eixo intestino-cérebro é a sinalização bioquímica bidirecional que ocorre entre o trato gastrointestinal e o sistema nervoso central e já foi comentado aqui.

Essa rede não é apenas anatômica, mas também inclui vias de comunicação endócrinas, humorais, metabólicas e imunológicas. O sistema nervoso autônomo, o eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA) e os nervos do trato gastrointestinal ligam o intestino e o cérebro, permitindo que o cérebro influencie as atividades intestinais, incluindo a atividade das células efetoras imunológicas funcionais; e o intestino para influenciar o humor, a cognição e a saúde mental.1

Uma microbiota ruim pode levar a um intestino permeável, o que pode permitir que toxinas e bactérias entrem na corrente sanguínea. Uma vez lá, seu coração bombeia obedientemente esses maus atores para todos os tecidos do seu corpo. Seu sistema imunológico sabe como rastrear esses intrusos e matá-los, mas se você estiver vazando patógenos continuamente, poderá se tornar suscetível à inflamação sistêmica crônica. Isso pode levar a algumas das doenças mais intratáveis ​​que conhecemos, incluindo doenças cardíacas, diabetes, câncer e muito mais. Também pode afetar seu cérebro, afetando a cognição e o humor e até levando à demência.

De fato, ansiedade, depressão e transtornos do espectro do autismo, estão ligados a distúrbios gastrointestinais funcionais, enquanto doenças gastrointestinais (ex.: síndrome do intestino irritável, doença do intestino irritável) geralmente envolvem comorbidades psicológicas associadas à alteração do microbioma intestinal.2 Por fim, a dieta também demonstrou influenciar o impacto do microbioma intestinal na função cognitiva.34

Quanto mais velho você é, maior o risco

Segundo os neuropsicólogos Victoria Sanborn e John Gunstad, da Kent State University, esses problemas mentais são mais problemáticos em idosos.5

Eles observam que o exercício:

  • previne a hipertensão e melhora a função vascular, ambos associados a uma melhor cognição;
  • promove o crescimento de células nervosas; o hipocampo, uma estrutura cerebral envolvida na memória e cognição; e
  • modula os níveis de insulina, potencialmente exercendo um efeito benéfico sobre diabetes e obesidade, síndromes que ocorrem com frequência suficiente para ganhar o apelido de “diabesidade”. A resistência à insulina, aliás, está por trás do diabetes tipo 2, e um fenômeno semelhante ocorre no cérebro, levando alguns pesquisadores a rotular o diabetes tipo 3 da doença de Alzheimer.

Gunstad diz:

“Os cientistas estão apenas começando a entender as muitas maneiras pelas quais as mudanças relacionadas à atividade física no microbioma intestinal podem estar ligadas à proteção do cérebro contra a perda de memória e condições como a doença de Alzheimer.”

O exercício também reduz a inflamação, protegendo o cérebro de lesões. A inflamação pode ser o aspecto mais importante da conexão exercício-intestino-cérebro.

O resultado encorajador é que o exercício e um intestino saudável podem levar a uma melhor cognição e menos depressão e ansiedade. Mas como tudo está conectado? O exercício afeta os micróbios intestinais, aumentando a diversidade e melhorando a proporção de bactérias boas/ruins. Isso implica que o exercício pode manter as bactérias intestinais fora da corrente sanguínea e, de fato, os atletas apresentam níveis sanguíneos mais baixos de moléculas associadas à infecção bacteriana.6

Pelo lado do cérebro

“Fitness cerebral” envolve tudo, desde construir músculos físicos até meditação e seguir uma receita. Geriatras bem atualizados recomendam começar a treinar o cérebro bem antes dos últimos anos. Isso, porque o deterioro cognitivo pode começar 20 anos antes dos sintomas aparecerem.

Fitness Cerebral

Sanborn diz que um treino mental completo inclui seis categorias de condicionamento cerebral:

  • Pensamento crítico
  • Movimento corporal
  • Sequenciamento passo a passo
  • Aprender algo novo
  • Desenvolver soluções analíticas
  • Fazer exercícios regulares de memória de longo prazo

Por exemplo, com pensamento crítico, você debate um tópico do ponto de vista oposto com o qual concorda. Com o movimento corporal, você usa a mente e o corpo simultaneamente para aprender o movimento. Com o aprendizado, você procura uma nova palavra de vocabulário e a usa por uma semana, ou substitui por novas palavras os clichês que usa regularmente. Com o sequenciamento, você segue uma receita ou instruções de construção que exigem etapas e medições. Com exercícios de memória de longo prazo, você responde a questionários ou testes que exigem que você relembre as informações que aprendeu no passado.

No fim da linha, independente da categoria de condicionamento mental, o que interessa é estimular o cérebro de tal forma que ele se sinta desafiado a fazer mais do que normalmente faria.7

Baseado em “A Surprising Way That Exercise Improves Your Mind”, de Scott C. Anderson

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI