Artigos - by dorcronica.blog.br

Fibromialgia em homens

Fibromialgia em homens

Costuma-se dizer que mais de 90% das pessoas com fibromialgia são mulheres, mas estudos mais recentes sugerem que fibromialgia em homens é muito mais comum do que se pensava anteriormente.

Autora: Teresa Dumain

Fibromialgia em homens: fatos importantes sobre uma condição negligenciada e mal compreendida

Quando o Pedro suspeitou que ele tinha fibromialgia, ele mencionou ao seu médico. A resposta: “Ele riu”, lembrou Pedro em um post no Facebook, “e disse que era uma síndrome feminina”. Ele teve que encontrar um novo médico, passar por meses de testes e obter uma recomendação para ver um reumatologista antes de finalmente ser diagnosticado com a doença.

Paulo teve uma experiência semelhante: aos 38 anos, ele se sentia exausto e com dores constantes. “Fazer os médicos admitirem que eu tinha fibromialgia foi um trabalho muito difícil”, ele compartilhou em um post. “Achei que estava ficando louco e estava tudo na minha cabeça.”

A fibromialgia é um distúrbio caracterizado por dor generalizada acompanhada por fadiga, sono, memória e problemas de humor. É também um dos mais incompreendidos, principalmente para os homens. Algumas estimativas dizem que até 90% dos pacientes fibromiálgicos são mulheres e, portanto, apenas 10% são homens. É por isso que a fibromialgia é frequentemente considerada um distúrbio que afeta quase exclusivamente as mulheres.

Embora seja verdade que a fibromialgia é mais comum em mulheres, estudos recentes sugerem que a disparidade pode não ser tão grande como se pensava anteriormente. A pesquisa indica que a prevalência da fibromialgia é realmente semelhante entre homens e mulheres – só que os homens têm muito menos probabilidade do que as mulheres de identificar os sintomas e serem diagnosticados com a doença. E os resultados da pesquisa publicados no jornal A Arthritis Care & Research descobriu que 20 vezes mais homens relataram sintomas de fibromialgia do que haviam sido diagnosticados, em comparação com três vezes mais mulheres.

Por que menos homens são diagnosticados com fibromialgia

A causa da fibromialgia é desconhecida: a história familiar pode desempenhar um papel para alguns, pois certos genes podem torná-lo mais suscetível. A fibromialgia pode ser desencadeada por trauma físico (como um acidente de carro), estresse emocional ou certas infecções, de acordo com a Clínica Mayo . E, frequentemente, os sintomas de fibromialgia se desenvolvem gradualmente, sem nenhum evento desencadeante. Quanto ao motivo pelo qual a fibromialgia é às vezes esquecida nos homens, os especialistas suspeitam que alguns motivos podem ser os seguintes:

Não há um teste único para detectar fibromialgia

Para diagnosticar a fibromialgia, você precisa sentir dor generalizada por mais de três meses, sem nenhuma outra condição médica subjacente que possa estar causando a dor, de acordo com o American College of Rheumatology. Não há exames laboratoriais para confirmar o diagnóstico, mas seu médico pode fazer exames de sangue e exames de imagem para descartar outro problema de saúde que pode ser confundido com fibromialgia.

Os médicos também rastrearão a gravidade e a duração de outros sintomas que apontam para fibromialgia, como fadiga, distúrbios de humor, problemas de sono e problemas cognitivos.

“É improvável que alguém tenha fibromialgia e não tenha um distúrbio do humor ou do sono e apenas tenha fadiga.”

Quando alguns médicos atendem pacientes do sexo masculino com dores e sofrimentos, no entanto, eles podem não pensar em perguntar sobre outros sintomas da fibromialgia, simplesmente porque, historicamente, eles foram ensinados a ver a fibromialgia mais nas mulheres. “Pode haver um preconceito inconsciente por parte do profissional de saúde”, explica o Dr. Bose.

No passado, os critérios diagnósticos para fibromialgia incluíam um exame de “ponto sensível”, onde os médicos verificariam 18 pontos específicos no corpo de uma pessoa para ver quantos deles doíam quando pressionados com firmeza. Para diagnosticar oficialmente você com fibromialgia, pelo menos 11 desses 18 pontos tinham que testar positivo para sensibilidade. Embora os critérios tenham mudado e os pontos sensíveis por si só não sejam mais usados ​​para diagnosticar a fibromialgia, as mulheres em geral tendem a ter mais pontos sensíveis do que os homens – então os homens são menos prováveis para passar neste teste tradicional também.

Os estereótipos de gênero podem desempenhar um papel

Embora isso não seja verdade para todos, em geral, os homens tendem a ser mais estoicos em relação à dor e menos propensos a expressar preocupações com a saúde. Os homens podem sentir que “não devem reclamar de dor”, o que pode atrasar ou impedir o diagnóstico de fibromialgia. Uma pesquisa publicada no American Journal of Men’s Health descobriu que os homens eram mais propensos a esperar até seis meses antes de ir ao médico para discutir a fibromialgia. Um motivo sinalizado: uma crença geral da sociedade de que um homem precisa parecer forte e “resistir”.

Sintomas de fibromialgia em homens

A ciência não está clara se os sintomas da fibromialgia aparecem de forma diferente nos homens e nas mulheres. Um estudo na revista Pain Medicine, por exemplo, descobriu que as mulheres relataram mais sensibilidade à dor, enquanto os homens relataram mais incapacidade e uma maior duração dos sintomas. Algumas pesquisas sugerem que os homens têm menos e mais sintomas leves do que as mulheres, outros estudos sugerem o contrário e outros ainda indicam pouca diferença entre os sexos. O que sabemos é que a dor crônica e generalizada é o principal sintoma dos fibro-sintomas – costuma ser descrita como uma dor constante e incômoda que ocorre em ambos os lados do corpo e acima e abaixo da cintura. Fadiga crônica, problemas de sono e problemas de memória ou raciocínio com clareza – muitas vezes chamados de “ névoa fibro” – também são comuns, assim como depressão e dores de cabeça. O ponto culminante desses sintomas pode muitas vezes ser frustrante e, às vezes, debilitante. Alguns dias Fulano pode levantar quase 60 quilos; outros dias, ele tem dificuldade para levantar uma cadeira e, fora isso, seus problemas de memória podem ser paralisantes:

Eu realmente tomei aquele remédio ou não? Usei shampoo ou apenas molhei o cabelo? Eu perco minha linha de pensamento enquanto tento entender as coisas”.

Além do que, ele está sempre com dor, o que o torna mal-humorado: “Até ser tocado pode machucar”. 

O Estigma de fibromialgia nos homens

O impacto da fibromialgia na saúde física é difícil de controlar, não importa seu sexo/gênero. Mas a pesquisa sugere que os homens com fibromialgia também sentem um fardo pesado em seu bem-estar mental, relacionamentos e carreira profissional – em parte devido às expectativas sociais ou culturais. Em uma pesquisa nacional que incluiu 800 homens com fibromialgia, quase todos disseram que a depressão era o principal sintoma. Mais da metade dos entrevistados (54%) relatou impactos negativos nos relacionamentos com a família e amigos – dizendo que, embora as pessoas próximas a eles geralmente tentassem apoiar, muitas vezes eles não entenderiam a condição e seus efeitos.

Quando Will L. foi diagnosticado com fibromialgia aos 54 anos, ele se sentiu decepcionado: “Eu sou um cara grande, 1,80 metro” e 230 libras, barbudo. Pareço muito mais forte e saudável do que sou”, ele diz. Por causa de seus sintomas e da natureza física de sua profissão, Will não consegue trabalhar da mesma forma que costumava e luta não apenas com o potencial de perder uma carreira de sucesso, mas também com a forma como os outros o percebem. “Tenho medo de ser visto como preguiçoso quando, por fora, pareço bem”. Se alguém lhe pergunta como ele está, ele mente: “Aprendi que dizer a verdade incomoda”, explica. “Muitas vezes me sinto envergonhado, julgado e rejeitado.” 

Suponhamos que…

Você é homem, sente dor em diversos locais do corpo, vive cansado, dorme mal, recentemente notou falta de concentração, leu por aí que esses são sintomas de fibromialgia e não quer contar para ninguém.

Nesse caso, continue lendo.

O primeiro que precisa entender é que a fibromialgia é um a síndrome – doença, se preferir – crônica e, portanto, raramente tem cura. E também, que não há tratamento-padrão para ela.

Segundo, se você não quer mesmo consultar um médico para tirar a limpo se você é portador ou não de fibromialgia – cá entre nós, isso é algo idiota – terá de fazer algo por si mesmo, você mesmo. E provavelmente, ninguém irá ajudá-lo nisso.

Assim sendo, leia calmamente o que vem a seguir:

O tratamento da fibromialgia inclui uma combinação de medicamentos e principalmente autocuidado para ajudar a minimizar os sintomas e melhorar a saúde geral. Nenhum tratamento funcionará para todos os sintomas da fibromialgia ou para todas as pessoas.

Medicamentos para ajudar a reduzir a dor e melhorar o sono, incluem:

  • Analgésicos de venda livre ou prescritos.
  • Antidepressivos: medicamentos como duloxetina e milnaciprano podem ajudar a aliviar a dor e a fadiga associadas à fibromialgia.
  • Medicamentos anticonvulsivantes: medicamentos para epilepsia podem ajudar a reduzir certos tipos de dor, como gabapentina para ajudar a aliviar os sintomas da fibromialgia e pregabalina, que é aprovada pelo FDA para tratar a fibromialgia.

Contudo, saiba que a farmacologia tem muito pouco a lhe oferecer, em termos de resultados. Essa é uma constatação unânime de inúmeras pesquisas científicas. Certamente, você pode dar certo e a duloxetina ou a pregabalina funcionar consigo, mas no geral é fato que a lei das probabilidades não favorece os fibromiálgicos.

Fisioterapia para ajudar a melhorar a força, flexibilidade e resistência.

Terapia cognitivo-comportamental (TCC) para tratar a depressão subjacente e abordar o impacto que a fibromialgia está tendo em sua qualidade de vida. A TCC é um tipo de psicoterapia destinada a mudar a maneira como as pessoas agem ou pensam. Leia mais aqui sobre a TCC e seu uso em condições de dor crônica.

Mudanças no estilo de vida para ajudar a melhorar os sintomas e a função diária. Algumas dicas de autocuidado incluem:

  • Arranje tempo para relaxar todos os dias. Os exercícios de respiração profunda e a meditação ajudam a reduzir o estresse que pode causar sintomas, recomenda o American College of Rheumatology.
  • Durma o suficiente. Vá para a cama e acorde na mesma hora todos os dias e limite os cochilos diurnos. Isso ajudará a estabelecer um padrão regular de sono para que seu corpo descanse o que precisa para se recuperar, física e mentalmente.
  • Fique ativo. Os exercícios podem ser difíceis no início, mas comece devagar e vá devagar, adicionando gradualmente a preparação diária à sua rotina, como caminhar, nadar ou alongar-se. O exercício regular geralmente reduz a dor e a fadiga. À medida que os sintomas da fibromialgia diminuem, aumente seus exercícios aos poucos.
  • Conheça seus limites. “Independentemente do trabalho ou da família, você deve ser gentil com você mesmo”, aconselha o membro do CreakyJoints, Paul G. “Os homens precisam perceber que podem ser abertos sobre a doença – e suas limitações.” Se você faz muito nos dias bons, pode ter mais dias ruins. Mantenha sua atividade em um nível uniforme. Leia mais aqui sobre estimulação energética com fibromialgia.

Para obter mais conselhos sobre como lidar com a fibromialgia, aqui estão 16 dias para lidar com um surto de fibromialgia.

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Veja outros posts relacionados…

nenhum

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o mini-ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas