Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Fale com o seu cérebro para gerenciar a dor

Fale com o seu cérebro para gerenciar a dor

A primeira vez que ouvi essa recomendação: “Fale com seu cérebro”, como um dos recursos para aliviar uma dor crônica… eu nem sabia que a dor era igual a mãe, tinha uma só; que podia ser curada por completo, ao invés de aliviada mentalmente; e que “neurociência” devia ser um sinônimo de “ciência neurótica”, ou “ciência para neuróticos”, ou mais ou menos isso. Eu estava errado em tudo. Portanto, poupe-se de cometer o mesmo erro que eu cometi e não dispense o artigo a seguir por causa do título extravagante. Ele não é. Ao contrário, é uma forma fácil de entender que para autogerenciar uma dor crônica é preciso fazer coisas nunca imaginadas: como falar com o próprio cérebro.

Por Evan Parks

Surtos, dores agudas, cólicas e espasmos são eventos diários para quem sofre de dores crônicas. Com aumentos aleatórios na dor, fazer planos para a semana torna-se quase impossível. Não seria ótimo ter um melhor controle sobre como e quando a dor aparece? Bem, existe uma maneira de fazermos isso – com a ajuda da neurociência.

Normalmente pensamos na dor como uma informação que vem de terminações nervosas que viajam para o cérebro. Por exemplo, se você se cutucar com um alfinete, você imagina um sinal de “ai!” viajando até seu cérebro dizendo que seu dedo está machucado. Com 74 quilômetros de nervos periféricos percorrendo nosso corpo, nosso cérebro está constantemente analisando os “dados” que eles enviam.

A ciência cognitiva se refere a essa definição de percepção da dor como uma abordagem “de baixo para cima”, ou seja, os dados viajam do corpo para o cérebro, alertando o cérebro sobre o que está acontecendo. No entanto, esse conceito de percepção da dor está se tornando desatualizado e está sendo rapidamente substituído pelo Modelo Bayesiano; essa nova teoria sugere que a dor resulta da previsão do cérebro de que algo deve doer com base em experiências anteriores, dicas contextuais e informações sensoriais.

Como o cérebro prevê dor ou conforto

A teoria da probabilidade conhecida como regras de Bayes levou a uma nova visão radical de como o cérebro produz dor e traz consigo um grande potencial para ajudar os sofredores de dor crônica a encontrar alívio.

Veja como funciona: o cérebro cria uma hipótese sobre como ele espera que o mundo seja. Essa hipótese ajuda a enquadrar como o cérebro interpreta o que está acontecendo em tempo real. Se houver uma incompatibilidade entre o que o cérebro está esperando e as informações que está realmente recebendo, o cérebro mudará sua hipótese.

Para entender melhor esse modelo, considere este exemplo – sempre que você se assustou com um pedaço de penugem que inicialmente pensou ser uma aranha, ilustra como seu cérebro já tinha uma hipótese definida. Agora, nem todo mundo reagiria a um pedaço de penugem pulando, mas se seu cérebro estiver mais vigilante em relação à ameaça de uma aranha, ele verá uma, especialmente se o estímulo for ambíguo. A implicação aqui é óbvia – nosso mundo é amplamente feito do que pensamos que deveria ser, não do que realmente é.

Como o cérebro vê o corpo

O cérebro não está apenas fazendo previsões sobre possíveis encontros com aranhas em nosso ambiente externo, mas também fazendo suposições sobre o que está acontecendo dentro do corpo. Como você deve se lembrar, temos uma série de dados sensoriais chegando ao cérebro de todas as partes do corpo o tempo todo.

Quando você assiste TV por uma hora, seu cérebro recebe informações sobre seu corpo. Isso inclui o seguinte: fluxo sanguíneo insuficiente para a metade inferior do corpo, tensão nos olhos, rigidez, tensão muscular, dor, variações na respiração e na frequência cardíaca, posição do pescoço, postura inadequada, níveis de açúcar no sangue e variações na temperatura da sua pele.

A verdadeira questão é: o que todos esses dados significam para sua experiência consciente?

Quando a hipótese atual de seu cérebro é de que você é saudável, não há motivo para preocupação, e esses dados sensoriais ambíguos e ligeiramente suspeitos não serão interpretados como uma ameaça. Em outras palavras, sua atenção estará focada na TV, e não em sua experiência física ao assisti-la.

Essa expectativa positiva é a mesma razão pela qual um placebo costuma trazer alívio. A pessoa que toma uma pílula de açúcar acredita que vai ajudar e, como tal, vai “sentir que funciona”. Acontece que esse sentimento é parcialmente verdadeiro! O cérebro, tratando o fluxo normal de estímulos sensoriais como um sinal de recuperação, na verdade ajuda a ocorrer uma cura real, em alguns casos.

Alívio para dor crônica

A dor crônica e os surtos de dor podem ser mais semelhantes aos efeitos de um nocebo. O efeito nocebo ocorre quando uma pessoa toma uma pílula de açúcar com a expectativa de efeitos colaterais negativos. Se uma pessoa espera dor, desconforto, urticária, cãibras, cansaço, tontura e/ou névoa do cérebro ao tomar uma pílula de açúcar, então é isso que é mais provável que ela sinta. Os sinais ambíguos do sistema nervoso periférico agora são enquadrados como uma ameaça pela hipótese do cérebro de que algo está errado; a previsão do cérebro de que haverá um problema coloca todo o corpo em ação preparatória para a ameaça e, consequentemente, produzirá dor no esforço de nos proteger.

Se a teoria bayesiana da percepção da dor estiver correta, isso significa que o alívio da dor não vem apenas de melhorar a saúde física de uma pessoa, mas também de ajudar o cérebro a ver o que está acontecendo de uma perspectiva diferente. Mudar a estrutura é importante.

Reduza os surtos de dor mudando a maneira como você pensa.

Eu trabalho com os pacientes para encontrar a mensagem certa que faça o sentido mais individual. Por exemplo, uma mensagem com a qual sempre começo é: “Dor não é igual a dano”. Para elaborar, isso significa que só porque a dor ocorre quando uma pessoa começa um programa de exercícios leves – como aquele prescrito por um fisioterapeuta, por exemplo – não significa que um dano está realmente sendo feito. Dor não significa que o dano está ocorrendo, mas mais ainda, que o cérebro quer nos proteger. Outra mensagem positiva é: “Estou bem e estou melhorando.

Falar ao seu cérebro nesta estrutura ajuda a lembrá-lo de que você é uma pessoa saudável com um corpo forte, cheio de coragem e esperança.

Esteja atento às suas expectativas – nosso corpo está constantemente nos preparando para o que presume que acontecerá no futuro. Ao falar mensagens de segurança, saúde, prazer e uma vida significativa para si mesmo, você começará a criar uma estrutura positiva para o crescimento e a cura.

Tradução livre do artigo “Talk to Your Brain to Manage Your Pain”, escrito por Evan Parks, Psy.D., publicado pela Psychology Today em 25/07/20

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SAIBA TUDO SOBRE VACINAS COVID-19
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas