Espiritualidade e religião na dor e no gerenciamento da dor – Parte 1

Espiritualidade e religião na dor e no gerenciamento da dor – Parte 1

Muitos fatores não fisiológicos, como os religiosos e espirituais, contribuem para a experiência e a resposta à dor. Esse artigo, um resumo do original apresentado em duas partes, mostra a sustentação científica dessa contribuição.

Autores: Ozden Dedeli e Gulten Kaptan (University School of Health, Istambul, Turquia)

INTRODUÇÃO

Estudos sobre a dor podem ser rastreados desde as tábuas de argila da Babilônia. Aristóteles (4th aC) descrevia como dor emoção, sendo o oposto do prazer. Emoções certamente desempenham um papel importante na percepção da dor, mas sabemos que há muito mais envolvido neste processo.

Na Idade Média, a dor era considerada uma questão religiosa. A dor era vista como o castigo de Deus pelos pecados, ou como evidência de que um indivíduo estava possuído por demônios. Essa definição de dor ainda é adotada por alguns pacientes que podem dizer aos profissionais de saúde que o sofrimento é sua cruz. O alívio da dor pode não ser atraente para os indivíduos que acreditam nessa definição de dor. Aconselhamento espiritual, portanto, pode ser mais uma prioridade do que o gerenciamento médico.1 Muitos crentes hindus visualizam a dor como uma punição divina ou demente, ou resultante de ações pessoais. No Islã, pode ser algo punitivo ou a vontade de Allah. Uma crença budista popular é que o sofrimento é o custo do apego.2

A década de 1960 trouxe uma onda de interesse em pesquisas de espiritualidade e consciência e mudanças nas atitudes e crenças em relação à medicina. O pensamento pós-moderno estimulou a aceitação de diversos sistemas médicos e o empoderamento dos pacientes. Mais de 150 anos depois, a medicina iniciou o retorno à percepção mente/corpo/percepção do espírito da saúde e do cuidado. Terapias mente-corpo-espirituais incluem abordagens comportamentais (meditação, biofeedback, hipnose), sociais e espirituais (oração e cura mental).3

Espiritualidade e Religião

Crenças espirituais e religiosas são importantes na vida de muitos indivíduos. No entanto, religiosidade e espiritualidade não são a mesma coisa. Essas crenças podem influenciar o estilo de vida, as atitudes e os sentimentos sobre a vida, a dor e a morte. Ambas as crenças religiosas e espirituais ajudam algumas pessoas a aceitar sua própria doença e ajudam a explicar a doença para os outros. As crenças espirituais geralmente ajudam as pessoas a planejar o futuro. Além disso, a religião pode tanto ajudar as pessoas a viverem vidas mais profundas quanto fortalecer ou consolar as pessoas durante o sofrimento e a preparação para a morte inevitável. Ao fornecer significado à vida e à morte, a religião pode suprir a família.45

Espiritualidade, religião e dor

A dor é um fenômeno complexo envolvendo uma cascata de respostas comportamentais, pensamentos e emoções. Muitos fatores não fisiológicos (atitudes psicológicas, familiares e sociais, estressores da vida e culturais ou espirituais) contribuem para a experiência e a resposta à dor. Estresse emocional, como ansiedade e depressão, desempenham um papel fundamental na experiência da dor. Em estudos recentes mostrou-se que pessoas que vivem com dor crônica podem relatar dor mais intensa e incapacidade relacionada, se tiverem depressão, ansiedade ou ambos. Além disso, o medo da dor pode ter causado mais incapacidade do que a própria dor. Em outro estudo, descobriu-se que há um padrão cíclico de dor crônica que leva à depressão e depressão causa um aumento na dor crônica, criando uma relação de reforço mútuo.678 Além disso, as crenças e atitudes da família e dos cuidadores em relação à dor, de forma positiva e negativa, para tolerar e expressar a dor são importantes. Profissionais de saúde que prestam assistência a pacientes com dor crônica são os agentes mais importantes para o manejo da dor. Portanto, os profissionais de saúde devem estar sintonizados com as necessidades biológicas e psicossociais de seus pacientes em seus esforços para abordar a dor de forma holística.910

Mais recentemente, a espiritualidade como conceito foi incluída no modelo biopsicossocial (BPSM). Como o modelo biopsicossocial-espiritual (BPSSM) sugere, a doença perturba as relações biológicas, interpessoais e espirituais exclusivas do indivíduo. O BPSSM reconhece o impacto potencial de variáveis ​​espirituais e religiosas que podem aumentar ou diminuir a experiência da responsividade da doença e da dor.11 Da mesma forma, pesquisas mostraram que cognições espiritualmente negativas (por exemplo, Deus está me abandonando) estão relacionadas a uma maior sensibilidade à dor.12 O BPSSM sugere que a espiritualidade e as formas espirituais dos indivíduos podem desempenhar um papel importante no enfrentamento da doença e da dor.13

Espiritualidade e religião podem influenciar a experiência de dor e fadiga. Pessoas religiosas são menos propensas a ter dor e fadiga de acordo com Baetz e Bowen. Eles obtiveram dados de 37.000 indivíduos, com 15 anos de idade ou mais, com fibromialgia, dor nas costas, enxaqueca e síndrome de fadiga crônica, constatando que aqueles que são espirituais, mas não afiliados à frequência regular de adoração, têm maior probabilidade de ter essas condições. Eles também descobriram que aqueles com dor crônica e fadiga eram mais propensos a usar a oração e buscar apoio espiritual como um método de enfrentamento à dor em comparação com outras pessoas. Sofredores de dor que eram religiosos e espirituais eram mais propensos a ter um bem estar psicológico e usar estratégias positivas.14

Intervenções espirituais variam de acordo com a cultura. Orar é uma prática espiritual universal; pode tomar a forma de oração intercessora, confissão, gratidão ou comunhão silenciosa. Oração não envolve nenhum contato físico direto e nenhuma tentativa de fazer qualquer coisa ou dar qualquer coisa. O único objetivo é se tornar um ente querido por seu Deus. Buscar cuidados médicos e usar a oração não são atividades mutuamente exclusivas.15 A dor é frequentemente referenciada no contexto do relacionamento das pessoas com Deus. Deus é responsável pela saúde e as crenças espirituais são a maneira mais eficaz de influenciar a cura. Pacientes com dor podem praticar uma série de intervenções religiosas e espirituais, como a oração, buscando apoio espiritual, para lidar com a dor.16 Pesquisas descobriram que a maioria dos pacientes com dor crônica usa formas religiosas e/ou espirituais, como a oração e apoio espiritual para lidar com a dor. Isto tem sido caracterizado como fontes externas poderosas de controle de doenças e em poderes e virtudes internas. A religião intrínseca e a reapreciação foram valorizadas moderadamente, enquanto a orientação da busca espiritual foi de menor relevância. As fontes internas de controle da doença, como vida consciente e saudável e atitudes positivas, foram os mais fortes indicadores da confiança dos pacientes na espiritualidade e religião, além da denominação religiosa.17

Pesquisas correlacionais sugerem que indivíduos com fortes vidas religiosas e espirituais tendem a ser mais saudáveis, psicologicamente e fisicamente. Em uma meta-análise de 147 estudos independentes de religiosidade e sintomas depressivos, a religiosidade pareceu proteger contra a depressão, particularmente em tempos de grande estresse da vida. Essa relação também se manteve em um estudo de pacientes com dor crônica; aqueles que relataram mais experiências espirituais também relataram uma saúde mental mais positiva. Além disso, a relação entre espiritualidade e saúde mental foi mais forte entre aqueles que relataram níveis mais altos de dor.18

Whitford et al. 19 questionaram 449 australianos com sintomas de dor e fadiga e descobriram que o grupo de baixa fé parecia gostar mais de sua vida do que o grupo de alta fé. Crenças sobre a natureza de Deus variam entre um Deus que ama e um Deus que pune. Pesquisas futuras devem incluir não apenas a presença ou ausência de uma crença em um poder superior, mas também o tipo de crenças que o participante mantém sobre Deus, uma vez que a valência da crença pode afetar os resultados de saúde mental e física.20 No estudo de Newberg et al. 21 crenças e atitudes negativas estimulam atividades intensas no sistema límbico, resultando em uma enxurrada de substâncias químicas que muitas vezes desencadeiam sentimentos de medo, raiva e sentimentos de desconexão. O significado negativo parece diminuir a resiliência levando a habilidades de enfrentamento mais fracas. A valência do enfrentamento espiritual e religioso é fundamental para a construção de significado e a capacidade de o paciente lidar com a dor crônica.22 Embora a oração seja considerada uma estratégia de enfrentamento positiva, o conteúdo e a valência da oração podem afetar os resultados. A oração, quando usada como meio de abandonar o controle e a responsabilidade pelas soluções para a dor, pode impactar negativamente a incapacidade e o autocontrole percebido.2324

O’Connell-Edwards et al.25 descobriram que os níveis mais altos de psicopatologia e reações afetivas à dor foram encontrados nos participantes com frequência mais alta na igreja e que os participantes moderados da igreja experimentaram uma menor intensidade de dor e psicopatologia. Pode ser que o uso moderado de recursos de religião e espiritualidade seja uma ferramenta mais eficaz para tratar a dor quando o indivíduo ainda mantém alguma forma de autoeficácia e responsabilidade, mas também se sente apoiado por seu poder superior. O equilíbrio é necessário entre a autoeficácia e a renúncia ao controle a uma parte externa, seja essa força externa religiosa ou espiritual ou médica e farmacológica. Os melhores resultados do tratamento podem ser experimentados quando o sistema de criação de significado de um indivíduo inclui a responsabilidade por algum tipo de autoeficácia no processo de tratamento.262728

Bussing et al.utilizaram o questionário de Atitudes Espirituais e Religiosas para Lidar com as Doenças (SpREUK) e o questionário Adaptive Coping with Disease (AKU) para descobrir se a espiritualidade e a religiosidade são um recurso relevante para 580 pacientes que lidam com condições de dor crônica. Cinquenta e oito por cento dos pacientes foram fundamentados em religião ou espiritualidade e dão significado, mas não no contexto da religião ou espiritualidade. Cinquenta por cento deles afirmaram que não eram religiosos, 32% deles religiosos, mas não espirituais, 8% deles espirituais, mas não religiosos e 18% deles religiosos e espirituais. A análise de regressão stepwise revelou que as fontes internas de controle da doença, como o modo de vida consciente e saudável e as atitudes positivas, foram os mais fortes indicadores da confiança do paciente na espiritualidade e na religiosidade.29

Mente aberta também pode ser um preditor de bem estar. Dezutter et al. enviaram questionários para 155 pacientes com dor crônica e para 166 participantes da saúde sem dor para comparar sua relação entre atitudes religiosas e bem-estar subjetivo, utilizando uma escala de exclusão-inclusão literal e uma escala de exclusão-inclusão simbólica.30 Os indivíduos de Inclusão Literal definem os conteúdos religiosos de forma dogmática de mente fechada e os indivíduos de Exclusão Literal rejeitam a possibilidade da realidade religiosa. Os indivíduos de Inclusão Simbólica têm uma mente mais aberta e assumem que várias interpretações de conteúdo religioso são possíveis, e os indivíduos de Exclusão Simbólica são menos críticos em relação à religiosidade, mas não acham que precisam de religiosidade para encontrar significado para sua vida. Níveis mais altos de bem-estar na amostra de dor crônica foram significativamente relacionados à Inclusão Simbólica e à Exclusão Simbólica e níveis mais baixos de bem-estar foram significativamente relacionados à Exclusão Literal, sugerindo que uma atitude mais aberta em relação à religião e o que está além do comum pode amortecer os efeitos de dor crônica, oferecendo significado, propósito e esperança.

A dor e a doença podem desafiar o sistema de crenças, embora os indivíduos que sofrem de dor crônica tenham maior probabilidade de se tornarem religiosos e espirituais após o início de sua condição. A dor crônica pode fazer com que as pessoas se voltem para as práticas que as instituições religiosas e espirituais defendem para uma melhor saúde psicológica, mental e até física.31323334

Veja outros posts relacionados...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *