Educação em dor: começando pelo começo

Educação em dor: começando pelo começo
image_pdfimage_print

Esse post anuncia uma iniciativa conjunta do blog com a Liga Interdisciplinar para o Estudo da Dor de Curitiba, que visa levar o conhecimento sobre a dor aos futuros profissionais da saúde. Dessa forma, alunos de graduação em qualquer área da saúde – medicina, fisioterapia, enfermagem, biomedicina, psicologia, assistência social… – terão a chance de testar esse conhecimento a cada semana. Como? Respondendo um QUIZ sobre dor hospedado no blog, e baseado num banco de dados destinado à educação em dor contendo mais de 6 mil itens, e suas respectivas fontes científicas.

“A melhor maneira de prever o seu futuro é criá-lo.”

– Abraham Lincoln

Nessa semana, a ideia de criar e conduzir um blog destinado a educar gente sobre dor crônica começa a fazer sentido. Trata-se de uma iniciativa conjunta do blog com a Liga de Dor de Curitiba, destinada a beneficiar alunos de graduação em instituições de ensino relacionadas à saúde.

A intenção é permitir a esse pessoal testar o quanto sabem sobre o tema “dor”, e aprender no ensejo, logo no albor da vida profissional. Toda semana, haverá 7 afirmações afins a serem avaliadas como Certas ou Erradas. Idealmente, o acadêmico terá participado antes do Jogo Alívio, ou do Jogo Alívio Mulher, dois jogos educacionais da minha autoria. Dessa forma, o seu desempenho no QUIZ sobre dor irá dizer o quanto ele(a) está entendendo do riscado.

A iniciativa é da Liga de Dor de Curitiba, uma entidade informal, multidisciplinar, sem fins de lucro e coordenada por profissionais voluntário(a)s advindos de diversas áreas da saúde. A coordenação da Liga de Dor de Curitiba, por exemplo, cabe a uma médica – dra. Maria Beatriz de Campos, uma cirurgiã dentista – dra. Luci Mara França Correia – e duas biomédicas – dra. Adriana do Carmo de Souza e dra. Laís Kozminski Akcelrud. (Ligas de Dor, por sinal, existem em quase todos os estados do Brasil.)

Ok, você deve estar se perguntando o que é uma Liga de Dor? Bem, não é um clube de masoquistas. Ao contrário, é uma agremiação interessada em, no final das contas, amenizar a dor na população brasileira. Como? Instruindo no tema os profissionais da dor do futuro. E por que isso é necessário?

Simples. Porque ele(a)s precisam. E os pacientes acometidos por uma dor crônica, mais ainda.

A maioria desse pessoal peregrina por inúmeros consultórios médicos. Até achar – se achar – uma pista que conduza a um diagnóstico ou algo parecido com isso. Eu passei anos nessa toada. Enfiado numa máquina trituradora de tempo, dinheiro e esperança. E que, no meu caso ao menos, deu em nada vezes nada.

Muito depois compreendi que aquilo era um paradoxo: o preço pago por nós, os pacientes, pelo progresso da medicina convencional. Você quer ser operado da próstata por um robô comandado por um cirurgião, ou pela versão humana do dito cujo? A primeira opção é mais segura, eficiente e, bem… também mais cara. E assim caminha a humanidade. A ultra-especialização da medicina ao trote…não, desculpe, a galope. Você sabe quantas especialidades médicas existem num estado como o de Minas Gerais, por exemplo? Meia centena.

Isso é ruim? Claro que não, porém, constitui um obstáculo quase insuperável para o “paciente crônico” típico. Ele ou ela raramente sabe a quem acudir, que tipo de médico consultar, se a fisioterapia faz sentido ou por que a conversa com um psicólogo pode valer a pena. Além do que, convenhamos, esses profissionais, o médico, o fisioterapeuta, o psicólogo…também nem sempre sabem como tratar um bípede se queixando de dores crônicas.

A ideia de uma Liga de Dor é honrar a característica multifatorial da dor. Ou seja, como a dor tem várias causas, físicas e psicológicas, então os profissionais da saúde especializados nessas causas, deveriam conhecer igualmente sobre a dor. O conceito de Liga de Dor abriga, portanto, estudantes de nível universitário ou técnico, oriundos de medicina, fisioterapia, odontologia, biomedicina, enfermagem, terapia educacional, educação física, nutrição, gerontologia, medicina veterinária, podologia, e outros que me escapam. O sonho? Que todos esses profissionais de áreas distintas aprendam, logo no início da carreira, o necessário e o mesmo sobre o tema “dor”.

A seguir, assista um vídeo preparado para informar melhor sobre a iniciativa. Nele, a dra. Luci Mara França Correia, uma das coordenadoras da Liga de Dor Curitiba responde a três perguntas: O que são as Ligas de Dor? Porque o interesse da Liga de Dor de Curitiba em concretizar a ideia do QUIZ? E o que se espera atingir com a participação dos estudantes no QUIZ, no final das contas?

Veja outros posts relacionados...

nenhum

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *