Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Dor e exames de imagem: o que estes realmente significam

Dor e exames de imagem: o que estes realmente significam

Esse post exemplifica o que uma médica integrante do grupo australiano Pain Revolution, diz sobre o que o paciente com dor deve pensar diante de um raio-X, ressonância magnética ou outros exames de imagem da própria lombar ou joelho. De quebra, terminada a leitura, você pode assistir a um vídeo a cargo do fundador do grupo, o Professor Lorimer Moseley, desmistificado em menos de um minuto uma das ameaças mais temidas pelos pacientes com dor nas costas: a hérnia de disco.

Nota do blog:

Um grupo de cientistas da dor australianos resolveu desmistificar o que se sabe sobre dores crônicas inespecíficas nas costas, no pescoço, no joelho etc., no intuito de convencer os portadores a viver sem medo. Isso, porque o medo paralisa, impede, bloqueia, a disposição para adotar a melhor terapia conhecida para se livrar dessas dores, que é o movimento. Pain Revolution, chama esse movimento conduzido por voluntários e que visa a educação em dor de moradores em comunidades rurais. Eu tenho especial admiração pelo trabalho desse pessoal. Por duas razões: primeiro, suas posições em relação ao autogerenciamento da dor, muitas vezes tidas como iconoclastas e inusuais, estão solidamente baseadas em neurociência e experimentação científica; e segundo, eu mesmo pratico o que eles pregam, e assim vou “muito bem, obrigado” no controle de uma dor crônica nas costas que, no entanto, em nada me impede de ter toda a qualidade de vida que desejo.

Publicado no site Pain Revolution, pela Dra. Tasha Stanton, em 26/02/21

O que meu exame de imagem realmente significa?

Frequentemente, quando fazemos um exame desses em nosso joelho, o laudo médico que acompanha as imagens entregues ao paciente pode parecer assustador – muitas vezes são usados ​​muitos jargões e termos médicos que podem ser difíceis de entender. Pode ser difícil ver como esta imagem ou ilustração digitalizada se relaciona com VOCÊ e o que isso significa em termos de qualidade de vida e futuro.

Os exames de imagem NÃO nos dizem muito sobre:

  • A quantidade de dor que você sente agora
  • A quantidade de dor que você provavelmente sentirá no futuro
  • Quanta atividade você pode fazer

O que os exames de imagem nos dizem sobre:

Achados que são normais com a idade:

  • Muitas das descobertas relatadas podem parecer anormais, mas ocorrem naturalmente com a idade.
  • Por exemplo, achados artríticos ou degenerativos, defeito da cartilagem, esporão ósseo
  • Sabemos que é esse o caso porque as pessoas com pouca dor ou sem nenhuma dor mostram os mesmos achados nas imagens à medida que envelhecem.
  • Assim, esses achados são como “rugas internas”.


Assim sendo, eles:

  • Podem ter estado lá antes de sua dor começar
  • Podem ainda estar lá quando sua dor diminuir
  • Ou seja, a sua dor não emana, nem depende necessariamente deles


Você precisa saber (e se convencer de) que a estrutura da coluna vertebral ou da articulação de um joelho:

  • É forte, estável e rodeado por grandes músculos e ligamentos
  • Ela se desenvolveu e adaptou durante milhões de anos para carregar o corpo (caminhar, correr etc.).
  • Precisa de movimento para ser saudável.

Aqui estão alguns termos comuns (e potencialmente assustadores) usualmente usados nos laudos médicos de exames de imagem relativos ao sistema musculoesquelético, e o que elas realmente significam:

Achados “artríticos” ou “degenerativos”

Esses são termos que descrevem achados gerais nos ossos e na cartilagem (o revestimento duro dos ossos do joelho) que ocorrem naturalmente com o processo de envelhecimento. O osso e a cartilagem podem parecer mais finos ou menos lisos do que antes, mas isso não determina sua capacidade de usar o joelho. Algumas pessoas podem ter lhe dito que essas descobertas ocorrem devido ao “desgaste” – mas pesquisas recentes mostram que isso não é verdade. Os corredores de maratona (tecnicamente o “desgaste”) têm cartilagem mais espessa do que as pessoas que não correm maratonas. Na verdade, agora sabemos que – a menos que a sua lesão seja definitivamente estrutural e impeditiva etc. – a atividade física é a MELHOR coisa para as suas costas e para o seu joelho. Em vez disso, acredita-se que essas descobertas podem contribuir para a dor quando há inflamação, pois a inflamação pode aumentar a superproteção do sistema de dor.

Osteófitos

São formações ósseas que podem fazer com que as bordas da articulação do joelho pareçam um pouco ásperas ou salientes em uma varredura. Normalmente começam como cartilagem e depois se transformam em osso – acredita-se que ocorram para fornecer estabilidade (suporte) à articulação. Eles são comuns à medida que envelhecemos. Essas descobertas nos ossos nos dizem muito pouco sobre sua dor atual ou futura e não predizem a progressão da osteoartrite. Em vez disso, eles podem realmente tornar seu joelho mais estável, criando uma plataforma sólida.

Defeito de cartilagem

A cartilagem é o revestimento da articulação que às vezes pode se tornar mais fino e menos liso à medida que envelhecemos, o que pode ser descrito como “defeitos” em um relatório de ressonância. A cartilagem é uma coisa realmente dura, então mesmo que seja um pouco mais fina do que antes, ainda faz seu trabalho. Além disso, você sempre terá um pouco de cartilagem sobrando – tanto na coluna como nos joelhos a situação nunca é verdadeiramente uma de “osso com osso”. Embora não seja comumente conhecido, a cartilagem pode até mesmo se reparar! Também é importante lembrar que a cartilagem não tem terminações nervosas, portanto, mesmo que haja “defeitos”, elas não causam dor.

Lágrima meniscal

Você tem dois meniscos em cada joelho – são copos de cartilagem em forma de C que ajudam a absorver as cargas que passam por sua articulação. Esses meniscos costumam sofrer alterações relacionadas à idade, portanto, não é incomum ver pequenas lacerações em uma ressonância. Grandes estudos mostram que não há diferença na dor ou função em pessoas que têm os meniscos reparados ou removidos cirurgicamente em comparação com pessoas que não têm.

Esclerose subcondral ou lesões da medula óssea

Esclerose ou lesão são termos para descrever áreas do osso que parecem diferentes de outras áreas (têm conteúdo de água aumentado). Esses achados podem ocorrer com a idade, mas costumam estar associados a níveis mais elevados de inflamação. Esses achados em seu osso podem resolver (ou desaparecer) por conta própria e/ou quando sua inflamação diminuir.

Espaço de junta reduzido

Às vezes, os radiologistas relatam que há “espaço articular reduzido” entre os dois ossos principais do joelho (ou seja, a tíbia e o fêmur). Esta é uma parte completamente normal do envelhecimento. Lembre-se de que SEMPRE há uma lacuna ali, mesmo que não pareça haver em uma digitalização. Os joelhos nunca são verdadeiramente “osso com osso”.

É importante lembrar que os radiologistas (as pessoas que examinam seu exame e escrevem o relatório) são OBRIGADOS a relatar tudo o que veem em detalhes, mesmo que não seja relevante para o seu problema.

O que isto significa para mim?

Simples: Você é MUITO MAIS do que apenas uma fotografia das suas costas ou do seu joelho. O joelho e os tecidos ao redor se adaptam e mudam de acordo com o que você faz – isso é chamado de bioplasticidade. A melhor coisa para promover essa mudança nos tecidos do joelho e no sistema imunológico e nervoso é realizar atividades que aumentem gradualmente com o tempo. Isso significa que você pode viver uma vida feliz e sem dor – não importa o que o seu exame de imagem mostrar.


Assista a palestra feita pelo Dr. Lorimer Moseley. Vale a pena!


Veja também o post publicado: Você não é a sua ressonância magnética.

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Veja outros posts relacionados...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *