Dor Crônica - by dorcronica.blog.br

Depressão maior: como reconhecê-la? Como tratá-la?

Depressão maior

Os sinais de depressão vão além da tristeza. Os sintomas do transtorno depressivo maior podem se manifestar como sentimentos de desesperança e irritabilidade para uma pessoa ou sentir-se realmente para baixo e exausto para outra. A depressão – que é um dos transtornos de humor mais comuns nos EUA – pode ser variada, embora tenha algumas características comuns. Resistir a crises ocasionais de tristeza é normal e simplesmente faz parte do ser humano, por isso nem sempre é fácil perceber quando se torna um problema persistente.

Autora: Ashley Abramson

O transtorno depressivo maior (TDM), que também é conhecido como depressão clínica, é mais do que um único sentimento: é uma condição de saúde mental debilitante que pode se infiltrar silenciosamente em todas as partes de sua vida, provocando uma série de pensamentos e emoções que podem fazer você sentir que é quase impossível funcionar ou que a vida não vale a pena ser vivida.

É importante lembrar que se sentir assim não é culpa sua, porque a depressão é uma condição complicada que muitas vezes não tem uma causa clara, diz Anne H. Gilbert, MD , psiquiatra clínica da Indiana University Health. De fato, de acordo com o Instituto Nacional de Saúde Mental, pesquisas sugerem que a depressão pode se desenvolver devido a uma combinação de fatores genéticos, ambientais ou psicológicos, muitos dos quais podem estar fora de seu controle.

Mesmo que a condição pareça exaustiva, muitas pessoas com depressão começam a se sentir melhor com o tratamento. O primeiro passo para obter ajuda, porém, é reconhecer os sinais de depressão. Apenas observe que alguns dos tópicos abordados podem ser desencadeantes para pessoas que apresentam sintomas graves.

Quais são os sintomas do transtorno depressivo maior?

Se você tiver um dos dois primeiros sintomas (e pelo menos quatro dos sintomas restantes) durante a maior parte do dia por pelo menos duas semanas, você pode estar experimentando alguma forma de depressão, de acordo com os critérios descritos no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5).1

  1. Você se sente persistentemente triste, sem esperança ou vazio: preste muita atenção a essas emoções se elas parecerem muito avassaladoras, não parecem ter um gatilho específico e não começam a diminuir com o tempo.
  2. Você não está mais interessado em suas paixões: a depressão geralmente é caracterizada pela perda de motivação para fazer atividades que você gostava. Portanto, se você sempre ansiava por seus treinos matinais, por exemplo, pode sentir que se exercitar é a última coisa que deseja fazer.
  3. Você sente que está prestes a explodir: a irritabilidade pode parecer diferente para todos, mas você pode começar a ficar realmente irritado com pequenas coisas, fazendo com que você comece a brigar com seu melhor amigo ou parceiro, por exemplo.
  4. Você está exausto: você pode sentir que é difícil sair da cama ou que nem tem energia para fazer o almoço.
  5. Seu horário de sono não está ajudando: apesar de seguir uma rotina de sono consistente, você pode ter problemas para adormecer à noite. Ou você pode se sentir tão cansado que dorme até bem depois do horário normal de acordar.
  6. Você não consegue se concentrar: Concentrar-se em seu trabalho pode parecer impossível e você pode se sentir confuso. Você pode ter dificuldade em tomar decisões também.
  7. Suas mudanças de apetite são realmente significativas: pode haver momentos em que você não come nada ou come demais, o que pode fazer com que você perca ou ganhe peso.
  8. Você está lidando com uma dor inexplicável: a depressão pode realmente ser a causa de sintomas físicos como dores musculares, dores de cabeça, cólicas estomacais ou problemas digestivos que parecem não melhorar com o tratamento, de acordo com o Instituto Nacional de Saúde Mental.
  9. Você se sente super inquieto ou realmente letárgico: você pode ter problemas para ficar parado ou se sentir geralmente desconfortável sem qualquer motivo claro, ou pode se mover e responder muito mais devagar que o normal.
  10. Você está tendo pensamentos sobre automutilação: em casos graves, a depressão pode levar a pensamentos sobre morte ou suicídio. Se isso acontecer, é crucial entrar em contato com um amigo ou membro da família de confiança, procurar atendimento médico em uma clínica hospitalar local ou ligar para a Linha Direta Nacional de Prevenção ao Suicídio.

Os sintomas de depressão são diferentes em crianças e adolescentes?

A pesquisa2 sugere que a depressão pode ocorrer em crianças a partir dos três anos de idade, mas as crianças nem sempre mostram os sinais típicos de depressão. Por exemplo, crianças pequenas (entre três e oito anos) podem reclamar mais de doença ou dor, ficar mais irritadas, mostrar sinais de ansiedade ou se comportar mal. À medida que as crianças envelhecem, elas podem começar a desenvolver sintomas mais clássicos do transtorno depressivo maior. De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças e a Clínica Mayo, isso inclui o seguinte:

  • Eles estão frequentemente tristes ou irritáveis.
  • Eles não querem fazer atividades divertidas, como sair para tomar sorvete.
  • Eles comem mais ou menos do que normalmente.
  • Eles têm comportamento autodestrutivo e têm problemas na escola.
  • Eles têm dificuldade em se concentrar.
  • Eles falam sobre se sentir mal consigo mesmos.
  • Eles ficam frustrados ou irritados com pequenas coisas, como derramar água.
  • Eles param de sair com seus amigos.
  • Eles têm problemas para tomar decisões.
  • Eles começam a beber ou usar drogas.

Todos nos lembramos de ser (compreensivelmente) mal-humorados quando crianças, mas é importante prestar atenção às mudanças de comportamento realmente drásticas em uma criança ou adolescente. Por exemplo, talvez eles de repente não estejam saindo com os amigos, fazendo a lição de casa ou indo a práticas esportivas.

Como o transtorno depressivo maior é diagnosticado?

Obter um diagnóstico claro de depressão não é um processo simples. Ao notar alguns dos sinais acima, convém iniciar uma conversa com um médico de cuidados primários, para explorar melhor seus sintomas e incentivá-lo a consultar um terapeuta. Ou você pode já estar em terapia e, eventualmente, receber um diagnóstico depois de algumas sessões.

O médico de cuidados primários pode realizar alguns testes de laboratório para descartar outras condições que podem imitar sintomas de depressão, como distúrbios da tireoide e deficiências nutricionais, que podem causar sintomas como fadiga, mau humor ou irritabilidade. Ele também examinará mais de perto os medicamentos que você está tomando para identificar possíveis efeitos colaterais.

Se você estiver vendo um psicoterapeuta, ele fará uma avaliação psiquiátrica. Isso pode parecer assustador, mas você simplesmente será questionado sobre pensamentos e sentimentos que tem tido, bem como quaisquer padrões de comportamento ou mudanças que tenha notado. (É comum preencher um questionário antes de sua primeira consulta também.) Se você atende aos critérios do DSM-5 para depressão clínica, seu médico ou psicoterapeuta avançará com um plano de tratamento de depressão personalizado.

Como é o tratamento do transtorno depressivo maior?

Há várias coisas a serem consideradas ao descobrir como é o tratamento da depressão para você, incluindo seu histórico médico, seus sintomas pessoais e se você já esteve ou não deprimido antes.

Em geral, porém, seu caminho a seguir provavelmente incluirá alguma forma de terapia, medicação ou ambos. Em uma meta-análise de 92 estudos sobre psicoterapia publicada em 2014 no Journal of Affective Disorders ,362% de 6.937 pessoas com depressão clínica descobriram que apenas ir à terapia ajudava a reduzir seus sintomas a ponto de não atenderem mais aos critérios para um diagnóstico de depressão clínica.

Sentir-se confortável com o seu tratamento é crucial (porque você precisa segui-lo!), por isso é importante falar se você se sentir hesitante sobre qualquer coisa. Por exemplo, algumas pessoas podem preferir tentar unicamente a terapia da fala antes de se comprometer com um medicamento. Se for esse o seu caso, certifique-se de deixar todas as preocupações claras para o seu médico ou terapeuta, pois eles podem responder a perguntas para fazer você se sentir mais à vontade ou recomendar uma abordagem diferente primeiro.

Em particular, a terapia cognitivo-comportamental (TCC) é vista como a forma padrão-ouro de terapia para a depressão porque pode ajudá-lo a aprender a reformular a maneira como você pensa,4 de acordo com a American Psychological Association. De preferência, com a ajuda de um psicoterapeuta, a TCC pode ajudá-lo a aprender a identificar quando seu pensamento se torna distorcido, entender melhor seus próprios comportamentos, bem como as motivações das pessoas ao seu redor, desenvolver habilidades de resolução de problemas para ajudá-lo a lidar com momentos difíceis e construir um sentimento geral de confiança em si mesmo. Com o tempo, você pode começar a perceber pensamentos negativos, como: “Minha vida é terrível, e nunca serei nada”, e como eles só contribuem para sua depressão.

Todos nós podemos nos beneficiar da TCC, mas o processo pode levar algum tempo e esforço. É por isso que, especialmente se você tiver sintomas graves, os antidepressivos são frequentemente considerados. Medicamentos como inibidores seletivos de recaptação de serotonina (SSRIs) funcionam aumentando seus níveis de serotonina – um produto químico que melhora o humor – de forma relativamente rápida, mas levam cerca de seis a oito semanas para fazer efeito, de acordo com a Cleveland Clinic. Estes são muitas vezes a escolha mais popular de medicamentos para depressão porque geralmente têm menos efeitos colaterais5 do que outros antidepressivos, mas você pode precisar experimentar um pouco para descobrir qual é o melhor para sua situação específica.

Tradução livre de “10 Major Depressive Disorder Symptoms You Shouldn’t Ignore”, por Ashley Abramson, e medicamente revisado por David Klemanski, PsyD, MPH

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Veja outros posts relacionados…

nenhum

3 respostas

  1. Tenho sintomas de depressão não tenho nem vontade de sair pra trabalhar não tenho vontade nem uma de sair pra divertir nem tomar banho tenho vontade raramente consigo sorrir única coisa q tenho vontade é ficar em casa no silêncio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o mini-ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas