Psicologia da Dor - by dorcronica.blog.br

Depressão e gravidez

Depressão e gravidez

A gravidez pode ser um momento de alegria – e estresse. A depressão (também chamada de transtorno depressivo, depressão maior e depressão clínica) é uma condição médica que causa sentimentos de tristeza e perda de interesse em coisas que você gosta de fazer. A depressão ocorre duas vezes mais em mulheres do que em homens, e atinge o pico durante os anos reprodutivos da mulher. Pode afetar como ela sente, pensa e age e pode interferir em sua vida diária. Precisa de tratamento para melhorar.

“Eu não sabia o que tinha acontecido comigo. Eu estava presa nessa depressão cinzenta onde eu só queria me esconder e puxar as cobertas sobre minha cabeça e chorar.”

– Margaret Trudeau

A depressão perinatal é a depressão que ocorre durante a gravidez ou no primeiro ano após o nascimento do bebê. É uma das complicações médicas mais comuns da gravidez. Afeta até 1 em cada 7 mulheres (cerca de 15%). Inclui a depressão pós-parto (também chamada de DPP), que é a depressão que ocorre após a gravidez.1

A depressão pós-parto, apesar de poder acontecer a qualquer momento após o parto, geralmente começa dentro de 1 a 3 semanas após o nascimento do bebê.  São fortes sentimentos de tristeza, ansiedade (preocupação) e cansaço que duram muito tempo após o parto. Esses sentimentos podem tornar difícil para a mulher cuidar de si mesma e de seu bebê.

Ela afeta entre 7% e 15% das mulheres no pós-parto, dependendo do método e local de pesquisa. Para metade das mulheres diagnosticadas com DPP, é a primeira vez que têm depressão. E elas podem ter tido sinais e sintomas de depressão durante a gravidez. A mulher que tem DPP em uma gravidez, é provável que tenha novamente em outra gravidez.2

Evidências sugerem que a depressão pós-parto (DPP) pode fazer parte de um continuum, com início da doença durante a gravidez.3

Por que a depressão durante a gravidez muitas vezes não é reconhecida?

Alguns sintomas de depressão, incluindo alterações no sono, nível de energia, apetite e libido, são semelhantes aos sintomas da gravidez. Como resultado, você ou seu médico podem atribuir esses sintomas à sua gravidez, e não à depressão. As mulheres também podem relutar em conversar com seus profissionais de saúde sobre mudanças de humor durante a gravidez, devido ao estigma associado à depressão. Há também uma tendência de se concentrar mais na saúde física da mulher durante a gravidez, em vez da saúde mental.

Quais são os fatores de risco para depressão durante a gravidez?

Alguns fatores de risco incluem: ansiedade, estresse, história de depressão, falta de apoio social, gravidez indesejada, violência por parceiro íntimo.

Quais são os sinais e sintomas de depressão durante a gravidez?

  • Ansiedade excessiva sobre seu bebê
  • Baixa autoestima, como sentimentos de inadequação sobre a maternidade
  • A incapacidade de sentir prazer em atividades geralmente consideradas agradáveis
  • Resposta ruim à segurança
  • Baixa adesão ao pré-natal
  • Fumar, beber álcool ou usar drogas ilícitas
  • Ganho de peso insuficiente devido a uma dieta diminuída ou inadequada
  • Pensar em morte ou suicídio (suicídio)
  • Mudanças de sentimentos
  • Sentir-se triste, sem esperança ou sobrecarregada
  • Sentir-se inquieta ou mal-humorada
  • Chorar muito
  • Sentir-se inútil ou culpada
  • Mudanças na vida cotidiana
  • Comer mais ou menos do que o habitual
  • Ter problemas para lembrar de coisas, concentrar-se ou tomar decisões
  • Não conseguir dormir ou dormir demais
  • Afastar-se de amigos e familiares
  • Perder o interesse em coisas que normalmente gosta de fazer
  • Mudanças no corpo
  • Carecer de energia e sentir-se cansada o tempo todo
  • Ter dores de cabeça, problemas de estômago ou outras dores persistentes.

Quais são os fatores de risco associados ao desenvolvimento de depressão na gravidez?

Fatores Biológicos:

  • História de transtornos de humor e ansiedade
  • História de depressão pós-parto
  • História de transtorno disfórico pré-menstrual
  • História familiar de doença psiquiátrica

Fatores Psicossociais:

  • História de abuso na infância
  • Ser muito jovem
  • Gravidez não planejada
  • Ambivalência de sentimentos negativos sobre a gravidez
  • Mãe solteira
  • Muitos filhos
  • Suporte social limitado
  • Violência doméstica ou conflito no matrimônio
  • Baixo nível de escolaridade e desemprego
  • Abuso de drogas
  • Fumar

Quando os episódios depressivos são mais frequentes?

Algumas pesquisas sugerem que os episódios depressivos ocorrem com mais frequência durante o primeiro e o terceiro trimestres.

Tratamento

Dependendo da gravidade da depressão, as opções de tratamento podem incluir antidepressivos; psicoterapia (individual ou em grupo); terapia de luz brilhante; e muito raramente, terapia eletroconvulsiva (ECT).

As duas psicoterapias mais utilizadas são a terapia interpessoal (TIP), que se concentra em melhorar as interações sociais e lidar com as transições da vida, e a terapia cognitivo-comportamental (TCC), que visa ajustar os padrões de pensamento autodestrutivos dos pacientes. O uso de TIP durante a gravidez demonstrou melhorar substancialmente o humor após 16 semanas (evidência de nível I).4 Infelizmente, há pouca pesquisa sobre a eficácia de outros tratamentos não farmacológicos para a depressão pré-natal.

“Se você tem DPP em uma gravidez, é provável que tenha novamente em outra gravidez.”

Embora a eficácia da TCC para DPP tenha sido demonstrada (evidência nível I),5 até o momento não há pesquisas sobre seu uso para depressão durante a gravidez. A eficácia da terapia de grupo para depressão durante a gravidez não foi relatada, embora a terapia de grupo pré-natal tenha se mostrado eficaz na prevenção da DPP (evidência de nível II).6

Tratamento farmacológico

Os inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRSs) e inibidores seletivos de recaptação de serotonina e norepinefrina (IRSNs) são mais comumente usados ​​atualmente. Os antidepressivos mais antigos, como os antidepressivos tricíclicos, não são mais usados ​​rotineiramente como tratamento de primeira linha para a depressão maior.

Os ISRSs incluem fluoxetina (por exemplo, Prozac), paroxetina (Paxil), sertralina (por exemplo, Zoloft), fluvoxamina (por exemplo, Luvox) e citalopram (Celexa). A venlafaxina é um exemplo de antidepressivo ISRS. Bupropiona (por exemplo, Wellbutrin) e mirtazapina (Remeron) estão entre os mais novos antidepressivos de dupla ação que estamos vendo em mulheres grávidas. Todos os ISRSs, bem como a venlafaxina (Effexor), atravessam a placenta7 mas esse achado deve ser interpretado com cautela na prática clínica. Se uma paciente respondeu melhor à fluoxetina, por exemplo, é recomendado que ela continue tomando fluoxetina durante toda a gravidez. Como cada mãe e cada bebê metabolizam a medicação de forma diferente, nenhuma afirmação universal sobre a escolha de um determinado medicamento durante a gravidez pode ser feita.

A detecção precoce e o tratamento da depressão pré-natal são vitais. Uma vez confirmado o diagnóstico, os médicos de família precisam incluir os pacientes em uma análise de risco-benefício e delinear cuidadosamente as consequências da depressão não tratada para a mãe e o bebê.

Para depressão leve a moderada, os tratamentos não farmacológicos devem ser oferecidos primeiro, juntamente com o encaminhamento a um psicólogo, se disponível. Para pacientes mais graves, a psicoterapia sozinha pode ser insuficiente e o tratamento adicional com um antidepressivo pode ser necessário.

“Me senti um zumbi. Eu não conseguia acessar minhas emoções. Não conseguia conectar. Foi terrível. A parte mais difícil para mim foi reconhecer o problema. Eu pensei que a depressão pós-parto significava que você estava chorando todos os dias e era incapaz de cuidar de uma criança. Pode ser. Mas há diferentes nuances e profundidades, e é por isso que acho tão importante que as mulheres falem sobre isso. Eu me senti um fracasso.”

– Gwyneth Paltrow

Por que o tratamento para depressão durante a gravidez é importante?

Se você tem depressão não tratada, pode não procurar atendimento pré-natal ideal, comer os alimentos saudáveis que seu bebê precisa ou ter energia para cuidar de si mesma. Você também está em maior risco de depressão pós-parto e terá dificuldade em se relacionar com seu bebê.

Quais são as recomendações para o rastreamento da depressão durante a gravidez?

O Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas recomenda que os profissionais de saúde rastreiem depressão e ansiedade usando uma ferramenta padronizada pelo menos uma vez durante a gravidez. Durante a triagem, seu médico provavelmente fará perguntas de um questionário de triagem padronizado, que consiste em perguntas sobre humor e ansiedade. Suas respostas são pontuadas e sua pontuação total pode ser usada para identificar se você tem depressão. Alternativamente, seu médico pode perguntar se, no último mês, você se sentiu triste, deprimida, ou sem esperança ou com pouco interesse em fazer as coisas.

Há evidências limitadas de que a triagem para identificar e tratar a depressão durante a gravidez melhora os resultados. No entanto, a triagem para depressão durante a gravidez pode fornecer alguma autoconsciência do risco de depressão e ansiedade.8

Concluindo:

  • A gravidez é um período de alto risco para depressão reativada ou de início recente.
  • Se não tratada, a depressão pode continuar no período pós-parto.
  • A depressão pós-parto, é um fator de risco para reativação de transtornos de humor durante a gravidez e depois.
  • Para depressão leve a moderada, a psicoterapia pode ser suficiente. Para depressões graves, medicamentos antidepressivos são recomendados e seguros.
  • As decisões medicamentosas devem ser tomadas caso a caso, em consulta com cada paciente.
  • Os efeitos da depressão não tratada são mais preocupantes do que a exposição neonatal à medicação.

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Veja outros posts relacionados…

nenhum

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o mini-ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas