Terapias Alívio da Dor & Outros - by dorcronica.blog.br

Demência: aqui vamos nós!

Demencia

Confesso que eu cresci, fui alfabetizado, me eduquei em bons colégios e tirei um doutorado dos sérios… e esse tempo todo pensei que demência fosse sinônimo de loucura. (Impossível evitar uma pitada de estigma cada vez que ouvia falar ou lia sobre esse estado mental.) Pois não é. Igual a loucura, demência não é. Demência é um termo geral para perda de memória, linguagem, resolução de problemas e outras habilidades de pensamento que são graves o suficiente para interferir na vida diária. Por força do Boletim sobre Dor Crônica, que eu preparo e divulgo mensalmente sobre doenças e dores do gênero, acabei por aceitar a demência em geral, o Alzheimer e a Doença de Parkinson como os figurantes mais assíduos. E ao mesmo tempo, mais desconhecidos do grande público. Obviamente, porque o grande público abaixo dos 60 anos pensa que esses transtornos mentais são coisa-de-velho-muito-velho. E não são. E por isso, eu optei por incluir na postagem a seguir boa parte das informações publicadas sobre elas, nas melhores revistas científicas relacionadas à saúde, no mundo, até o momento em 2022.

“Nenhum de nós quer ser lembrado de que a demência é aleatória, implacável e assustadoramente comum.”

– Laurie Graham

Nota do blog:

Um estudo de 47 artigos relevantes sobre demência publicados nos últimos 40 anos revelou que entre os indivíduos com 50 anos ou mais na comunidade, a prevalência combinada de demência por todas as causas, doença de Alzheimer e demência vascular foi de 1.137 por 10.000 pessoas, respectivamente. A demência avança velozmente após os 50-60 anos e o número de pessoas que vivem com demência aproximadamente dobra a cada cinco anos. Nos indivíduos de 60 a 69 anos, a prevalência de demência no sexo feminino foi 1,9 vezes maior do que no sexo masculino (108 casos versus 56 casos por 10.000 pessoas). A taxa de prevalência foi maior na Europa e América do Norte do que na Ásia, África e América do Sul.

A doença de Parkinson e a doença de Alzheimer são condições neurológicas causadas por neurodegeneração (dano gradual às células cerebrais). Como outras doenças cerebrais progressivas, elas estão associadas ao acúmulo de certas proteínas no cérebro. Cada uma dessas condições tem seu próprio conjunto de sintomas e um tipo específico de acúmulo de proteínas em determinados locais do cérebro.1

Quanto mais tempo os níveis de pressão arterial de uma pessoa permanecerem sob controle, menor será o risco de demência

A boa saúde do coração e do cérebro é melhor alcançada mantendo a pressão arterial sistólica (o número superior) consistentemente sob controle, em comparação com níveis que variam, mesmo que a média esteja dentro da faixa-alvo. As descobertas são consideradas preliminares. Rastrear por quanto tempo a pressão arterial é mantida sob controle pode ajudar os profissionais de saúde a “identificar pacientes com maior risco de demência e fornecer intervenções individualizadas de pressão arterial para ajudar os pacientes a permanecerem dentro do objetivo”. Estudos anteriores associaram a pressão alta descontrolada, também chamada de hipertensão, a um risco maior de demência e declínio cognitivo. O que este (estudo) nos diz é que os níveis de pressão arterial sistólica e diastólica não contam toda a história. Quanto tempo um paciente está no alvo pode ser a variável mais valiosa.2

Os sintomas de demência começam até 9 anos antes do diagnóstico real

Usando dados do Biobank do Reino Unido, pesquisadores compararam medidas cognitivas e funcionais em pessoas que mais tarde desenvolveram uma forma de demência com aquelas que não desenvolveram. O Biobank é uma coleção de dados médicos e genéticos de meio milhão de voluntários que são usados ​​para ajudar os pesquisadores a prevenir, diagnosticar e tratar uma ampla gama de doenças. O estudo envolveu 500.000 pessoas com idades entre 45 e 69 anos e analisou suas funções do dia-a-dia. “Queríamos procurar as diferenças significativas entre os grupos”, explica Rittman. “Uma vez que os encontramos, queríamos saber se eles sempre tiveram esses sintomas e se estavam piorando ou não. Quanto mais perto do diagnóstico, pior eles ficavam.” Embora os sintomas se tornem mais óbvios à medida que a demência progride, os primeiros sinais podem ser fáceis de raciocinar – ou, no caso dos próprios pacientes, negar. Mas saber quais podem ser os primeiros sinais e agir sobre eles pode ser importante para a intervenção precoce.3

Pessoas com demência podem experimentar níveis aumentados de dor 16 anos antes de seu diagnóstico

Pesquisadores da Université de Paris, examinaram a linha do tempo da associação entre demência e dor autorrelatada, analisando dados de um estudo que coleta dados de participantes há 27 anos.

Os pesquisadores usaram dados do estudo Whitehall II, um estudo de saúde de longo prazo em funcionários do governo britânico. Os participantes tinham entre 35 e 55 anos quando se inscreveram no estudo. Foram medidos dois aspectos da dor relatada pelo participante: a intensidade da dor, que é quanta dor corporal um participante experimenta, e a interferência da dor, que é o quanto a dor de um participante afeta suas atividades diárias.

Dos 9.046 participantes, 567 desenvolveram demência durante o período de observação. Os diagnosticados com demência relataram também níveis de dor maiores em relação àqueles que nunca foram diagnosticados com demência. No momento do diagnóstico, as pessoas com demência relataram significativamente mais dor do que as pessoas sem demência.

Os diagnosticados com demência relataram um pouco mais de dor 16 anos antes do diagnóstico. Portanto, como as alterações cerebrais associadas à demência começam décadas antes do diagnóstico, é improvável que a dor cause ou aumente o risco de demência. Em vez disso, a dor crônica pode ser um sintoma precoce de demência ou simplesmente estar correlacionada com a demência.4

Caminhar cerca de 4.000 passos por dia pode reduzir o risco de demência em 25%

Aumentar sua contagem diária de passos para pouco menos de 10.000 pode reduzir o risco de demência de uma pessoa em cerca de 50%. No entanto, mesmo aqueles que andam menos podem colher benefícios significativos.5

Demência — A dieta combinada com outras estratégias de redução de risco pode apresentar resultados diferentes

Os hábitos alimentares da meia-idade não estavam ligados à incidência de demência em um período de 20 anos, mostrou um estudo prospectivo na Suécia. Aderir às recomendações dietéticas convencionais ou a uma dieta mediterrânea modificada não foi associada à menor incidência de demência por todas as causas, demência da doença de Alzheimer, demência vascular ou patologia amiloide, relatou Isabelle Glans, MD, da Universidade de Lund, na Suécia, e colegas. “O estudo não exclui uma possível associação entre a qualidade da dieta e o desenvolvimento subsequente de demência”, escreveram em Neurology.6

Apneia do sono: estudos encontram risco aumentado de câncer, declínio cognitivo e muito mais

Ter apneia obstrutiva do sono, que pode cortar o suprimento de oxigênio durante o sono, pode estar associado a um risco aumentado de desenvolver câncer, demência e coágulos sanguíneos, de acordo com três novos estudos.7

Tratamentos da Artrite Reumatoide podem prevenir a demência

Considerando que atualmente não existem tratamentos preventivos eficazes para a doença de Alzheimer ou outras formas de demência, a observação pode ser inovadora. Quais são as evidências que apoiam essa ideia? Aqui estão alguns dos estudos observacionais mais recentes e convincentes.

Um estudo publicado em 2019 relatou que pessoas com artrite reumatoide (AR) tratadas com medicamentos padrão tinham menos da metade do risco de desenvolver demência em um período de cinco anos em comparação com pessoas sem AR.8

Um estudo de 2021 descobriu que as taxas de demência diminuíram entre pessoas com AR e aumentaram entre a população em geral nas últimas décadas. Durante esse tempo, os tratamentos para AR foram melhorando.9

Um estudo de 2022 que analisou pessoas em diferentes tipos de tratamento para AR fornece algumas das descobertas mais convincentes. Descobriu-se que as pessoas com AR que receberam os tratamentos mais recentes e eficazes desenvolveram demência 19% menos frequentemente ao longo dos três anos do estudo em comparação com aquelas tratadas com medicamentos mais antigos. Quando as pessoas que tomavam uma variedade de medicamentos mais novos foram comparadas, não houve diferença significativa na taxa de demência.10

Juntos, esses estudos sugerem que certos tratamentos que ajudam a artrite reumatoide podem fazer mais do que proteger as articulações; eles também podem proteger o cérebro. Esta não é a primeira vez que um medicamento causa um efeito colateral inesperadamente positivo. Mas pode ser um dos mais importantes.11

Demência: Alzheimer x Parkinson

Esquecer um nome de vez em quando ou perder suas chaves não significa que você está no caminho da doença de Alzheimer

À medida que envelhecemos, é natural que nosso cérebro fique um pouco mais lento (e também um pouco mais sábio). No entanto, se seus problemas cognitivos piorarem com o tempo ou interferirem no seu dia-a-dia, talvez seja hora de consultar um especialista. Várias doenças neurológicas causam um declínio progressivo na memória, pensamento, raciocínio, personalidade ou comportamento. Alzheimer, doença de Parkinson, doença do corpo de Lewy e outras se enquadram no termo abrangente “demência”. Se você tem mais de 65 anos, corre um risco maior de desenvolver demência. De fato, estima-se que 50% das pessoas tenham alterações no cérebro que podem levar à demência. É por isso que tomar medidas para diminuir seu risco é tão importante.12

O simples a serviço do retardamento do Alzheimer

Um novo estudo promissor da Columbia University e da Duke University, sugere que há uma atividade simples, comum e subestimada que pode ajudar a retardar a perda de memória entre as pessoas que precisam isso mais. Dois professores psiquiatras recrutaram 107 voluntários com idade média de 71 anos e fizeram com que eles fizessem palavras cruzadas ou jogassem videogames (dependendo do grupo) durante um período de muitas semanas. Os resultados? Os participantes que fizeram palavras cruzadas se saíram muito melhor em termos de perda de memória ou falta dela em comparação com aqueles que jogaram videogames, conforme medido por testes cognitivos e mudanças no tamanho do cérebro (medido com uma ressonância magnética) ao longo de 78 semanas.13

Personalidade e o “risco Alzheimer”

Traços de personalidade são fatores de risco para a doença de Alzheimer e demências relacionadas. No entanto, os cientistas não conseguiram encontrar uma ligação causal. O desenvolvimento de placas amiloides e emaranhados insolúveis de proteínas tau no cérebro também está associado à doença e às demências relacionadas. Agora, um novo estudo explora uma possível ligação entre traços de personalidade e esses problemas de saúde.

O estudo descobriu que o neuroticismo aumenta a probabilidade de desenvolver placas amiloides e emaranhados de tau, e que ser cuidadoso reduz a probabilidade de desenvolvê-los. O que há de novo neste estudo: estudos anteriores analisaram o diagnóstico clínico. Aqui, foi examinada a neuropatologia; ou seja, as lesões no cérebro que informam sobre a mudança patológica subjacente.14

Um teste rápido pode revolucionar a forma de detectar sinais da doença de Alzheimer

Uma equipe da Universidade de Bath afirma que o “Fastball EEG” pode ajudar a diminuir a idade típica para o diagnóstico de Alzheimer em até cinco anos. “Fastball oferece uma maneira genuinamente nova de medir como nosso cérebro está funcionando. A pessoa que está sendo avaliada não precisa entender o teste, nem mesmo responder, ela simplesmente observa uma tela de imagens piscando e pela maneira como manipulamos as imagens que aparecem podemos aprender muito sobre o que o cérebro dela é capaz de fazer”, disse o pesquisador e neurocientista cognitivo Dr. George Stothart, do Departamento de Psicologia de Bath. O Fastball EEG é barato e portátil, e facilmente acessível para os pacientes. Nos Estados Unidos, o CDC estima que mais de seis milhões de pessoas viviam com a doença de Alzheimer em 2021.15

A doença de Alzheimer pode ser detectada mais cedo com escaneamentos PET

A tomografia cerebral por emissão de pósitrons (PET) produz imagens tridimensionais detalhadas do interior do cérebro e permite que os pesquisadores procurem a presença de biomarcadores da Alzheimer no cérebro, como as proteínas beta-amiloide e tau. Um estudo publicado em 2019 forneceu dados extensos para apoiar o uso de exames de PET amiloide no diagnóstico e tratamento do Alzheimer. Um estudo recente investigou se é possível prever o declínio cognitivo com base na presença de proteínas amiloides e tau no cérebro. Eles descobriram que a presença dessas proteínas no cérebro de indivíduos cognitivamente saudáveis ​​está ligada ao declínio cognitivo de curto prazo. Os pesquisadores esperam que as varreduras cerebrais PET de amiloide e tau possam ser usadas para identificar indivíduos em risco de declínio cognitivo, permitindo que recebam intervenções precoces.16

Alzheimer: estudo encontra molécula que pode ajudar a limpar o acúmulo tóxico

Um novo estudo em camundongos descobriu uma molécula que ativa a micróglia – células imunes no cérebro e no sistema nervoso – para limpar os resíduos de forma mais eficaz. Ela ativa os fagócitos do cérebro para remover placas amiloides ligadas a muitos dos sintomas da doença de Alzheimer. O estudo, que aparece na revista CellTrusted Source, sugere que o aumento dessa molécula, chamada tirosina quinase do baço (SYK), pode ser um tratamento eficaz para a doença de Alzheimer e outros distúrbios neurodegenerativos. Quando ativada, a microglia limpa as placas beta-amiloides que impedem os impulsos nervosos e levam a sintomas como perda de memória, confusão, problemas de linguagem e comportamento impulsivo.17

Medicamento contra o Alzheimer da Roche morre na praia

O Laboratórios Roche relatou em 14/11/22 resultados negativos de um par de ensaios clínicos que investigava um tratamento com anticorpos para pessoas com doença de Alzheimer em estágio inicial – outro revés para o esforço de décadas da gigante farmacêutica suíça para desenvolver medicamentos contra a doença que destrói a memória. A droga, chamada gantenerumab, diminuiu a taxa de declínio cognitivo e funcional em comparação com um placebo em 8% e 6%, respectivamente – não o suficiente para atingir o objetivo principal dos dois estudos de pouco menos de 2.000 pacientes com Alzheimer em estágio inicial, Roche disse em um press release.

Tratamento Neuroprotetor Multimodal Necessário Contra a Doença de Parkinson

Métodos de tratamento neuroprotetores e multimodais contra a doença de Parkinson podem causar uma mudança no paradigma de tratamento da doença, de acordo com Neural Regeneration Research. O tratamento farmacológico atual para Parkinson visa fornecer alívio sintomático e melhorar a capacidade funcional por meio de práticas de reposição de dopamina, como por meio da administração de levodopa. Esses métodos são eficazes no início, mas a responsividade diminui com o tempo e geralmente leva a efeitos adversos, como discinesias, flutuações motoras e mudanças de comportamento. O tratamento farmacológico com foco na neutralização da morte neuronal dopaminérgica em oposição ao tratamento que adere ao ponto de vista de “uma doença-um-alvo” pode mudar a forma como a doença de Parkinson é tratada. Até o momento, nenhuma estratégia terapêutica regenerativa, neuroprotetora ou modificadora da doença foi aprovada como terapia para Parkinson.18

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Veja outros posts relacionados…

nenhum

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o mini-ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas