Covid-19 pelo mundo afora: 02-05-21

Covid-19 pelo mundo afora: 02-05-21
image_pdfimage_print

Em tempos de pandemia Covid-19, duas notícias da maior importância para a convivência humana vieram nessa semana. Uma boa e uma má. A boa é que, segundo uma pesquisa inglesa, a transmissibilidade da doença cai à metade para os vacinados (com a Oxford-AstraZeneca). A má é que, sim, o vírus voa. Ou melhor, os aerosóis que o transportam se mantém no ar algum tempo. Ou seja, a transmissibilidade não se limita a contatos interpessoais realizados a menos de 1,8 metros (a distância preventiva oficial). Na prática, você pode ser infectado no supermercado mesmo sem ter contato com ninguém.

Ah, e o novo Ministro da Saúde está parecendo cada vez mais uma cópia em preto e branco do anterior. Ok, já sei. Isso não é notícia.

Tira, põe, tira, põe…

Conforme os Centros de Controle e Prevenção de Doenças americano agora as máscaras podem ser retiradas para algumas atividades ao ar livre mais ou menos “seguras”, especialmente por pessoas totalmente vacinadas, porque o vírus não se espalha facilmente pelo ar livre. Mas o uso de máscaras ainda é exigido ao ar livre, especialmente por pessoas não vacinadas.

Dois problemas. Um: na maioria dos lugares a quantidade de pessoas vacinadas não atinge os 80% de imunidade coletiva – e sem crianças vacinadas. Dois: a diferente tolerância que os humanos têm ao risco. Por exemplo, quem é mais avesso ao risco se agasalha no verão, enquanto o seu oposto opta por andar de bermuda. A diretriz do CDC vai deixar o uso da máscara ao léu.

América Latina ou a Índia: qual está pior?

Com o aumento do número de mortos na América do Sul, os cientistas dizem que o pior ainda está por vir. Na semana passada, a região foi responsável por 35% de todas as mortes por coronavírus no mundo, apesar de ter apenas 8% da população global. A duração da epidemia na região torna ainda mais difícil o combate. Já sofreu alguns dos mais rígidos bloqueios, fechamentos de escolas por mais tempo e as maiores contrações econômicas do mundo.

Bye, bye Oxford-AstraZeneca, Fiocruz & Cia?

Na quinta-feira, os plenamente vacinados na Índia somavam 26 millhões de pessoas – 1,8% da população – uma taxa ridícula. O país luta por dispor de vacina suficiente para seu próprio povo e está causando calafrios em países como o Brasil. Embora os fabricantes indianos produzam mais ou menos 2/3 da produção mundial, essa é uma fração dos 940 milhões de adultos indianos que ainda precisam se vacinar. Fora isso, muitos dos que receberam as primeiras doses em vários estados do país relatam atrasos na obtenção da segunda… por falta de vacina.

Quando foram as últimas eleições no Brasil, que eu não lembro?

O governo da Índia não conseguiu impor restrições extras, apesar dos avisos de uma nova cepa mais perigosa no início de março, afirmam os especialistas. Um painel de cientistas indianos alertou as autoridades no início de março sobre uma nova e mais contagiosa variante do coronavírus tomando conta do país. Apesar do aviso, quatro dos cientistas disseram que o governo federal não tentou impor grandes restrições para impedir a disseminação do vírus, informou a Reuters no sábado. Milhões de pessoas sem máscara compareceram a festivais religiosos e comícios políticos realizados pelo primeiro-ministro Narendra Modi, líderes do partido governante Bharatiya Janata e políticos da oposição.

É mesmo?

Um avião transportador militar carregando mais de 400 cilindros de oxigênio e outros equipamentos hospitalares, e quase 1 milhão de testes rápidos de coronavírus pousou no aeroporto internacional. O Japão foi o último a oferecer ajuda, anunciando na sexta-feira que enviaria 300 concentradores de oxigênio e 300 ventiladores. Mais de 40 países se comprometeram a enviar ajuda médica vital, quase 550 usinas geradoras de oxigênio, mais de 4.000 concentradores de oxigênio, 10.000 cilindros de oxigênio, bem como 17 tanques criogênicos. Centenas de milhares de doses de vacinas de Covid-19, bem como matéria-prima para a produção de vacinas e medicamentos, também estavam sendo enviadas. Relaxa, isso não é aqui. É na Índia. Para o Brasil, o Biden enviou um pirulito. Por correio normal.

O Brasil fora dessa

Em outubro, a Índia e a África do Sul enviaram uma proposta à OMC para suspender as patentes de vacinas da Covid para fórmulas de vacinas bem-sucedidas inventadas por gigantes farmacêuticas como AstraZeneca e Pfizer durante a pandemia para que os países mais pobres pudessem adquirir doses mais acessíveis mais rapidamente. Hoje mais de 100 países continuam pressionando. As empresas farmacêuticas e os governos dos EUA, Reino Unido e Europa se opõem fortemente à isenção. A Federação Internacional de Fabricantes e Associações Farmacêuticas, com sede na Suíça, argumentou que reduzir os retornos das empresas é um desincentivo à inovação.

O Brasil dentro dessa?

Não se prevê que mais de 85 países pobres alcancem a implantação da vacinação generalizada antes de 2023, se é que o farão, no que o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, rotulou de “falha moral catastrófica”.

É muito estranho tudo isso

A Turquia concedeu aprovação para uso emergencial na sexta-feira à vacina russa Sputnik V, enquanto o país entrava em um lockdown de 18 dias para conter o pior surto de pandemia do país. A Albânia também o aprovou para uso na sexta-feira e já recebeu uma remessa. A Sputnik V está aprovada em 61 países, é exportada para 40, e mesmo assim a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) ainda está testando o inoculante. Até ontem, a Rússia administrou menos de 19 milhões de doses à sua população de 144 milhões. Ou seja, ainda menos que o Brasil – e lembremos que a vacinação por lá começou 2 meses antes do que aqui.

A Covid-19 pelo mundo afora

País Notícia
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas Mundo Um bilhão de doses de vacinas Covid-19 já foram administradas.
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas EUA Cem milhões de americanos estão totalmente vacinados e outros 120 milhões receberam uma dose da vacina Covid-19 de duas doses, disseram funcionários da Casa Branca na sexta-feira.
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas Índia Os números recordes de Covid-19 – o governo relata mais de 300.000 infecções diárias – não refletem a verdadeira extensão da terrível segunda onda do país, relata o The New York Times. Com hospitais lotados em alguns lugares, o número de mortos parece ser muito maior do que o número oficial de 2.000 por dia.
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas União Europeia A Rússia e a China intensificaram os esforços para desacreditar as vacinas Covid-19 ocidentais e promover as suas próprias por meio de vastas campanhas de desinformação, alertou um relatório da União Europeia na quarta-feira.

O último relatório do Serviço de Ação Externa da UE (SEAE) alertou que, entre dezembro de 2020 e abril de 2021, a desinformação patrocinada pelo estado sobre a pandemia se intensificou, "visando em particular as vacinas desenvolvidas no Ocidente".

"A Rússia e a China, em particular, continuam a promover intensamente suas próprias vacinas em todo o mundo. A chamada 'diplomacia da vacina' segue uma lógica de jogo de soma zero e é combinada com esforços de desinformação e manipulação para minar a confiança nas vacinas ocidentais, instituições da UE e estratégias de vacinação da Europa Ocidental", acrescentou.

Os dois países estão usando a mídia controlada pelo Estado, bem como a mídia social, "incluindo contas oficiais diplomáticas nas redes sociais", para divulgar sua desinformação, disse o SEAE.

Veja outros posts relacionados...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *