Psicologia da Dor - by dorcronica.blog.br

Como o mindfulness pode piorar você

Como o mindfulness pode piorar você

Parte da popularização do mindfulness deve-se à crença de que ela é uma técnica simples, barata e de múltiplas propriedades analgésicas para o corpo e a mente. De fato, há evidências de seus benefícios, mas com o tempo também surgem achados contraditórios. Esse post mostra, por exemplo, vários experimentos de laboratório sugerindo que o mindfulness pode diminuir a probabilidade de você se sentir culpado por irregularidades e atrapalhar sua bússola moral.

“A primeira e melhor vitória é conquistar a si mesmo.”

– Platão

Nota do blog:

O meu interesse pelo mindfulness é antigo e é demonstrado por várias publicações e uma série de 3 vídeos made-in-casa explicando tudo sobre essa técnica. Por que isso? Duas razões. Primeira: o mindfulness vem sendo consistentemente lembrado entre as terapias não medicamentosas que podem ajudar a aliviar a dor crônica, e outros sintomas associados a doenças crônicas.  Como era previsível, devido a testemunhos favoráveis relacionados ao controle de estresse, ansiedade, produtividade, atualmente o mindfulness é frequentemente apontado como uma solução para quase tudo. Segunda: os praticantes de mindfulness já são muitos pelo mundo afora. Atualmente, eu desconheço o tamanho da população brasileira que pratica o mindfulness, mas sei que somente nos EUA são quase 35 milhões de pessoas, segundo o Centers for Disease Control and Prevention (CDC) americano.

Mas há sempre um contraponto para tudo. Pesquisas recentes mostram que você pode realmente levar a meditação longe demais. Um estudo português, por exemplo, mostrou que ataques de pânico completos foram relatados por 14% dos praticantes de mindfulness.

Outros meditadores podem ter o problema oposto. Estudos mostraram que a meditação pode aumentar a atividade no córtex pré-frontal dorsolateral, que por sua vez regula o sistema límbico, e a amígdala, outra região onde a saliência emocional é processada. Na quantidade certa, o controle pré-frontal sobre o sistema límbico pode resultar em melhor foco e menos reatividade emocional. Mas quando isso é levado além dos níveis ideais, pode enfraquecer todas as emoções, negativas e positivas, para que elas não sintam mais alegria ou felicidade extrema. Em casos extremos, isso pode resultar na inquietante sensação de “dissociação” de sua vida – que afetou cerca de 8% dos meditadores no estudo português.

Trechos Selecionados do artigo a seguir se referem justamente a este último fenômeno, o da “dissociação” associada ao mindfulness.

Autor: David Robson

Os resultados imediatos desta forma popular de meditação destinam-se a reduzir o estresse e o risco de esgotamento. Mas ao lado desses benefícios, há também afirmações de que o mindfulness pode melhorar sua personalidade. Quando você aprende a viver o momento, dizem os proponentes, você encontrará reservas ocultas de empatia e compaixão por aqueles ao seu redor.

A pesquisa científica, no entanto, pinta um quadro mais complicado dos efeitos da atenção plena em nosso comportamento, com evidências emergentes de que às vezes pode aumentar as tendências egoístas das pessoas. De acordo com um novo artigo, a atenção plena pode ser especialmente prejudicial quando prejudicamos outras pessoas. Ao reprimir nossos sentimentos de culpa, ao que parece, a técnica comum de meditação nos desencoraja a reparar nossos erros.

“Cultivar a atenção plena pode distrair as pessoas de suas próprias transgressões e obrigações interpessoais, ocasionalmente relaxando a bússola moral”, diz Andrew Hafenbrack, professor assistente de administração e organização da Universidade de Washington, EUA, que liderou o novo estudo.

Tais efeitos não devem nos desencorajar de meditar, enfatiza Hafenbrack, mas podem mudar quando e como escolhemos fazê-lo. “Embora alguns a tenham visto como uma panaceia, a meditação da atenção plena é uma prática específica com efeitos psicológicos específicos”, diz ele. E precisamos ser um pouco mais… bem, atentos a esses efeitos.

Calmo e insensível?

Existem muitas formas de atenção plena, mas as técnicas mais comuns envolvem focar na respiração ou prestar atenção intensa nas sensações do corpo. Há algumas boas evidências de que essas práticas podem ajudar as pessoas a lidar melhor com o estresse, mas alguns estudos nos últimos anos mostraram que elas também podem ter alguns efeitos inesperados e indesejados. No ano passado, por exemplo, pesquisadores da Universidade Estadual de Nova York mostraram que a atenção plena pode exagerar as tendências egoístas das pessoas. Se uma pessoa já é individualista, ela se torna ainda menos propensa a ajudar os outros após a meditação.

O novo estudo de Hafenbrack examinou se nosso estado de espírito no momento da meditação e nosso contexto social podem influenciar seus efeitos em nosso comportamento.

Embora a atenção plena possa ser apresentada como uma solução rápida, é importante observar as nuances, dizem os especialistas.

Em geral, a atenção plena parece acalmar sentimentos desconfortáveis, diz ele, o que é incrivelmente útil se você se sentir sobrecarregado pela pressão no trabalho. Mas muitas emoções negativas podem servir a um propósito útil, principalmente quando se trata de tomada de decisão moral. A culpa, por exemplo, pode nos motivar a pedir desculpas quando magoamos outra pessoa ou a tomar medidas reparadoras que possam desfazer parte do dano que causamos. Se a meditação consciente nos leva a ignorar essa emoção, ela pode, portanto, nos impedir de corrigir nossos erros, suspeitava Hafenbrack.

Para descobrir, ele projetou uma série de oito experimentos envolvendo uma amostra total de 1.400 pessoas usando uma variedade de métodos. Em um deles, os participantes foram solicitados a lembrar e escrever sobre uma situação que os fez sentir-se culpados. Metade foi então solicitada a praticar um exercício de atenção plena que direcionasse seu foco para a respiração, enquanto outros foram instruídos a permitir que suas mentes vagassem livremente.

Em seguida, os participantes foram convidados a responder a um questionário que mediu seus sentimentos de culpa. Eles também tiveram que imaginar que haviam recebido US$ 100. A tarefa deles era estimar quanto estariam dispostos a doar para a pessoa que haviam ofendido como uma surpresa de aniversário.

Como Hafenbrack suspeitava, os participantes que haviam feito a meditação da atenção plena relataram menos remorso – e foram substancialmente menos generosos com a pessoa que ofenderam. Em média, eles estavam dispostos a doar apenas US$ 33,39, enquanto aqueles que simplesmente deixaram suas mentes vagarem estavam dispostos a doar US$ 40,70 – uma diferença de quase 20%.

Em outro experimento, Hafenbrack dividiu os participantes em três grupos. Alguns praticaram a respiração consciente, enquanto outros foram instruídos a deixar suas mentes vagar e um terceiro grupo navegou na web. Os participantes foram então solicitados a escrever uma carta de desculpas a uma pessoa que eles haviam ofendido, que dois juízes independentes classificaram, de acordo com se o indivíduo assumiu a responsabilidade pelas ações e se eles se ofereceram para compensar o delito. (Um pedido de desculpas sincero de alta qualidade incluiria ambos os elementos.)

De acordo com a hipótese de Hafenbrack, as pessoas que praticaram a atenção plena ofereceram desculpas menos sinceras do que aquelas em qualquer uma das condições de controle. Isso novamente sugeriu que a prática havia silenciado seus sentimentos de culpa e, como resultado, sua vontade de fazer as pazes.

Os experimentos restantes sugerem que isso é verdade em muitas situações diferentes, incluindo a tomada de decisões de negócios que podem afetar a justiça social. Os participantes de um outro experimento, por exemplo, tiveram que imaginar que eram o CEO de uma empresa química que lidava com materiais perigosos. Em seguida, eles foram convidados a declarar seu endosso a uma nova política ambiental que ajudaria a reduzir a poluição do ar. Os participantes que haviam acabado de praticar mindfulness eram muito menos propensos a apoiar a medida reparadora.

A pílula de Buda

É importante reconhecer que esses estudos examinaram os efeitos dos exercícios de atenção plena em contextos muito específicos, quando a culpa era saliente na mente dos participantes. “Não devemos generalizar demais e concluir que a atenção plena faz de você uma pessoa pior”, diz Hafenbrack.

Seus resultados podem, no entanto, nos encorajar a ser um pouco mais cuidadosos ao aplicar a técnica. Devemos pensar duas vezes antes de usá-la após um desentendimento com um amigo ou colega, por exemplo, principalmente se você já sabe que estava errado. “Se reduzirmos ‘artificialmente’ nossa culpa meditando sobre ela, podemos acabar com relacionamentos piores, ou até menos relacionamentos”, diz ele.

Miguel Farias, professor associado de psicologia experimental da Universidade de Coventry, no Reino Unido, diz que acolhe qualquer estudo que detalhe cuidadosa e precisamente os efeitos da atenção plena. “Eu certamente acho que precisamos começar a olhar para as nuances.” Em seu livro The Buddha Pill, co-escrito com Catherine Wikholm, ele descreve como as intervenções de atenção plena no Ocidente são frequentemente apresentadas como uma “solução rápida”, ignorando grande parte da orientação ética que fazia parte da tradição religiosa original – o que pode ser importante para garantir que a prática produza as mudanças desejadas no comportamento das pessoas.

Desculpas sinceras são importantes, mas pesquisas sugerem que a atenção plena pode nos tornar menos propensos a reconhecer nossos erros.

Trabalhando com Ute Kreplin na Universidade Massey, na Nova Zelândia, Farias recentemente examinou os estudos disponíveis sobre as consequências da meditação para o altruísmo e a compaixão, mas encontrou evidências limitadas de mudanças positivas significativas entre os indivíduos. “Os efeitos são muito mais fracos do que o proposto.” Como Hafenbrack, ele suspeita que a prática ainda pode ser útil – mas os benefícios desejados dependem de muitos fatores, incluindo a personalidade, motivação e crenças dos meditadores, diz ele. “O contexto é muito importante.”

Outras opções

No mínimo, a pesquisa de Hafenbrack sugere que meditadores casuais podem recorrer a outras técnicas contemplativas além de respiração consciente e escaneamentos corporais durante tempos de conflito interpessoal. Ele examinou uma técnica conhecida como ‘meditação da bondade amorosa’, por exemplo, que é inspirada na prática budista de Metta Bhavana. A prática envolve contemplar as pessoas em sua vida – de amigos e familiares a conhecidos e estranhos – e cultivar bons desejos e sentimentos de carinho por eles.

Em seu estudo sobre a culpa, Hafenbrack descobriu que – ao contrário da respiração consciente – a meditação da bondade amorosa aumentava as intenções das pessoas de reparar seus erros. “Pode ajudar as pessoas a se sentirem menos mal e a se concentrarem no momento presente, sem correr o risco de reduzir o desejo de reparar relacionamentos”, diz ele.

Os seres humanos são seres complexos com muitas necessidades diferentes; é justo que usemos várias técnicas para moldar nossas emoções e nosso comportamento. Às vezes, isso envolve olhar para dentro, para fundamentar nosso pensamento em nossos corpos, e outras vezes precisamos olhar para fora e nos lembrar de nossas conexões essenciais com as pessoas ao nosso redor. Realmente não há outra maneira de assumir a responsabilidade por nossos comportamentos e garantir que nossos relacionamentos continuem a florescer.

Tradução livre de trechos de “How mindfulness can make you a darker person”, por David Robson

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Veja outros posts relacionados…

nenhum

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o mini-ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas