Psicologia da Dor - by dorcronica.blog.br

Como o estresse pode ser o pior inimigo do seu coração

Como o estresse pode ser o pior inimigo do seu coração

Exatamente como o estresse leva a um ataque cardíaco ainda está sendo estudado. O estresse emocional pode levar a um aumento da pressão arterial, ou hipertensão, que posteriormente leva a doenças cardíacas e acúmulo de placas nas artérias coronárias. O estresse emocional também pode levar ao aumento do nível de hormônios do estresse, ou cortisol. Ele ativa o centro do medo no cérebro, pondo em movimento uma cascata de reações que podem levar a ataques cardíacos e derrames.

Autora: Jane E. Brody1

Você provavelmente está familiarizado com estes principais fatores de risco para doenças cardíacas: pressão alta, colesterol alto, tabagismo, diabetes, obesidade e sedentarismo. E é provável que seu médico o tenha examinado mais de uma vez quanto a esses riscos e, espero, tenha oferecido conselhos ou tratamento para ajudar a evitar um ataque cardíaco ou derrame.

Mas o seu médico também perguntou sobre o nível de estresse em sua vida? O estresse psicológico crônico, indicam estudos recentes, pode ser tão importante – e possivelmente mais importante – para a saúde do coração do que os fatores de risco cardíacos tradicionais. Na verdade, em pessoas com corações nada saudáveis, o estresse mental supera o estresse físico como um potencial precipitante de ataques cardíacos fatais e não fatais e outros eventos cardiovasculares, de acordo com o último relatório.

novo estudo, publicado em novembro no JAMA, avaliou o destino de 918 pacientes com doenças cardíacas subjacentes, mas estáveis, para ver como seus corpos reagiam ao estresse físico e mental. Os participantes foram submetidos a testes de estresse físico e mental padronizados para ver se seus corações desenvolveram isquemia miocárdica – uma redução significativa do fluxo sanguíneo para os músculos do coração, que pode ser um gatilho para eventos cardiovasculares – durante uma ou ambas as formas de estresse. Em seguida, os pesquisadores os acompanharam por quatro a nove anos.

Entre os participantes do estudo que experimentaram isquemia durante um ou ambos os testes, essa reação adversa ao estresse mental teve um impacto significativamente maior no coração e na vida dos pacientes do que o estresse físico. Eles eram mais propensos a sofrer um ataque cardíaco não fatal ou morrer de doenças cardiovasculares nos anos que se seguiram.

Eu gostaria de ter sabido disso em 1982, quando meu pai teve um ataque cardíaco que quase o matou. Ao sair do hospital, ele foi avisado sobre exagerar no estresse físico, como não levantar nada mais pesado do que 15 quilos. Mas ele nunca foi advertido sobre o estresse emocional indevido ou os riscos de uma reação exagerada a circunstâncias frustrantes, como quando o motorista à sua frente dirigia muito devagar em uma zona de não ultrapassagem.

As novas descobertas ressaltam os resultados de um estudo anterior que avaliou a relação entre fatores de risco e doenças cardíacas em 24.767 pacientes de 52 países. Ele descobriu que os pacientes que experimentaram um alto nível de estresse psicológico durante o ano antes de entrarem no estudo tinham duas vezes mais chances de sofrer um ataque cardíaco durante um acompanhamento médio de cinco anos, mesmo quando os fatores de risco tradicionais foram levados em consideração.

estudo, conhecido como Interheart, mostrou que o estresse psicológico é um fator de risco independente para ataques cardíacos, semelhante em efeitos prejudiciais ao coração aos riscos cardiovasculares mais comumente medidos, explicou o Dr. Michael T. Osborne, cardiologista do Hospital Geral de Massachusetts.

Mas, e quanto aos efeitos do estresse nas pessoas cujos corações ainda estão saudáveis? O estresse psicológico vem de muitas formas. Pode ocorrer de forma aguda, causada por incidentes como a perda de um emprego, a morte de um ente querido ou a destruição de uma casa em um desastre natural. Um estudo recente na Escandinávia descobriu que na semana seguinte à morte de uma criança, o risco dos pais terem um ataque cardíaco era mais de três vezes a taxa esperada. O estresse emocional também pode ser crônico, resultando, por exemplo, da contínua insegurança econômica, da vivência em uma área de alta criminalidade ou de depressão ou ansiedade implacável. Os pais enlutados no estudo escandinavo continuaram a experimentar um risco cardíaco elevado anos depois.

Como o estresse prejudica o coração


O Dr. Osborne participou com uma equipe de especialistas liderada pelo Dr. Ahmed Tawakol, também do Massachusetts General, em uma análise de como o corpo reage ao estresse psicológico. Ele disse que a evidência acumulada de como o cérebro e o corpo respondem ao estresse psicológico crônico sugere fortemente que a medicina moderna tem negligenciado um risco criticamente importante para a saúde do coração.

Tudo começa no centro do medo do cérebro, a amígdala, que reage ao estresse ativando a chamada resposta lutar ou fugir, desencadeando a liberação de hormônios que com o tempo podem aumentar os níveis de gordura corporal, pressão arterial e resistência à insulina. Além disso, como a equipe explicou, a cascata de reações ao estresse causa inflamação nas artérias, estimula a coagulação do sangue e prejudica a função dos vasos sanguíneos, o que promove a aterosclerose, a doença arterial que está por trás da maioria dos ataques cardíacos e derrames.

A equipe do Dr. Tawakol explicou que a neuroimagem avançada tornou possível medir diretamente o impacto do estresse em vários tecidos do corpo, incluindo o cérebro. Um estudo anterior com 293 pessoas inicialmente livres de doenças cardiovasculares que passaram por varreduras de corpo inteiro que incluíam atividade cerebral teve um resultado revelador. Cinco anos depois, os indivíduos com alta atividade na amígdala mostraram níveis mais elevados de inflamação e aterosclerose.

Tradução: Aqueles com um nível elevado de estresse emocional desenvolveram evidências biológicas de doenças cardiovasculares. Em contraste, disse o Dr. Osborne, “as pessoas que não estão totalmente conectadas” têm menos probabilidade de sentir os efeitos do estresse sobre o coração.

Os pesquisadores agora estão investigando o impacto de um programa de redução de estresse denominado SMART-3RP (que significa Gerenciamento de Estresse e Programa de Resiliência de Resposta de Treinamento de Relaxamento e Resiliência) no cérebro, bem como fatores biológicos que promovem a aterosclerose. O programa é projetado para ajudar as pessoas a reduzir o estresse e construir resiliência por meio de técnicas mente-corpo, como meditação baseada em atenção plena, ioga e tai chi. Essas medidas ativam o sistema nervoso parassimpático, o que acalma o cérebro e o corpo. 

Eliminando o estresse e seus efeitos

Mesmo sem um programa formal, o Dr. Osborne disse que os indivíduos podem minimizar as reações de estresse que prejudicam o coração do corpo. Uma das melhores maneiras é por meio de exercícios físicos habituais, que podem ajudar a conter o estresse e a inflamação que pode causar em todo o corpo.

Como o sono insatisfatório aumenta o estresse e promove a inflamação arterial, o desenvolvimento de bons hábitos de sono também pode reduzir o risco de danos cardiovasculares. Adote um padrão consistente de hora de dormir e despertar e evite a exposição na hora de dormir a telas que emitem luz azul, como smartphones e computadores, ou use filtros de luz azul para esses dispositivos.

Pratique medidas relaxantes como meditação de atenção plena, técnicas calmantes que diminuem a respiração, ioga e tai chi.

Vários medicamentos comuns também podem ajudar, disse o Dr. Osborne. As estatinas não apenas reduzem o colesterol, mas também combatem a inflamação arterial, resultando em um maior benefício cardiovascular do que apenas seus efeitos redutores do colesterol. Os antidepressivos, incluindo o anestésico cetamina, também podem ajudar a minimizar a atividade excessiva da amigdala e aliviar o estresse em pessoas com depressão.

Tradução livre de “Stress May Be Your Heart’s Worst Enemy”, por Jane E. Brody.

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Veja outros posts relacionados…

nenhum

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o mini-ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas