Terapias Alívio da Dor & Outros - by dorcronica.blog.br

Como identificar a psoríase, porque os sintomas nem sempre são óbvios

Como identificar a psoríase

Se você sabe uma coisa ou duas sobre a psoríase, a mera menção pode trazer à mente manchas escamosas e inflamadas da pele. Essas manchas são, na verdade, o sintoma característico do tipo mais comum de psoríase, chamado psoríase em placas, que afeta cerca de 80% a 90% das pessoas com essa condição de pele, de acordo com a National Psoriasis Foundation. Este post é uma radiografia dessa condição autoimune atualmente apresentada por 3 milhões de brasileiros.

“Ame a si mesmo (a). Lembre-se que você tem psoríase, a psoríase não tem você.”

– Vanessa Scott, paciente

Autora: Eleesha Lockett, MS

A psoríase pode aparecer em todas as diferentes áreas do corpo, mas geralmente aparece na parte inferior das costas, cotovelos, joelhos e até no rosto e no couro cabeludo. Como a psoríase é o resultado de um sistema imunológico hiperativo, ela faz com que o corpo produza em excesso as células da pele que levam a essas placas, juntamente com outros sintomas – como inflamação das articulações e alterações nas unhas.1

Quanto aos outros tipos de psoríase? Há psoríase gutata, psoríase pustulosa, psoríase inversa e psoríase eritrodérmica, que podem causar diferentes sintomas na pele, mas vamos nos concentrar na variedade da placa. A seguir, exploraremos tudo o que você precisa saber, desde como receber um diagnóstico até a importância do tratamento.

Os sintomas podem começar pequenos

Quando você desenvolve psoríase em placas, pode não notar nenhum sintoma além de pequenas alterações na pele.

“Pequenas placas ou áreas escamosas elevadas, nos cotovelos, joelhos, rosto ou couro cabeludo e atrás das orelhas podem ser sinais iniciais”

– Shari Hicks-Graham, MD, FAAD, dermatologista

A coceira é outro sintoma que você provavelmente notará nos estágios iniciais da psoríase.

As placas geralmente são grandes, ovais e escamosas e podem parecer rosadas ou prateadas em tons de pele mais claros. Em pessoas com tons de pele mais escuros, essa condição geralmente aparece de maneira bem diferente. “A psoríase em placas pode parecer mais roxa ou marrom-avermelhada na pele mais escura”, diz a Dra. Hicks-Graham, ou mesmo cinza ou marrom escuro.

Existem vários gatilhos para surtos de psoríase em placas

A exposição a certos gatilhos pode levar ao que é conhecido como surto de psoríase, que é quando o sistema imunológico é ativado e causa os sintomas comuns que associamos à doença. Durante um surto, você pode notar um aumento de placas na pele.

De acordo com a Academia Americana de Dermatologia (AAD), os gatilhos comuns da psoríase incluem:

  • Estresse
  • Lesões na pele
  • Doença e infecções
  • Certos medicamentos
  • Mudanças climáticas
  • Tabaco e álcool

Tomar medidas para evitar gatilhos é um bom plano, mas nem sempre é possível. É por isso que manter seu plano de tratamento é importante (mais sobre isso depois).

A psoríase em placas geralmente aparece em certas áreas do corpo

Embora a psoríase em placas possa aparecer em qualquer parte do corpo, há certas partes do corpo em que as placas são mais propensas a aparecer, como a pele que cobre as articulações (como os dedos, cotovelos e joelhos), os braços e as pernas, a parte inferior costas, o couro cabeludo e atrás das orelhas, diz a Dra. Hicks-Graham. Veja como a psoríase em placas pode parecer em diferentes áreas do corpo:

Torso e virilha

As placas podem aparecer no peito, nas costas e até na região da virilha – sendo a parte inferior das costas uma das áreas mais afetadas.2 A psoríase genital também existe e, como pode causar sintomas como coceira, ardor e dor, receber o diagnóstico correto é importante para ajudar a distinguir entre outras condições, como infecções sexualmente transmissíveis.

“Áreas particularmente dolorosas incluem dobras de pele sob os seios ou nádegas ou na virilha ou na barriga”

– observa a Dra. Hicks-Graham

Braços e pernas

Os cotovelos e joelhos também são áreas comuns de aparecimento da psoríase em placas, que muitas vezes tem uma aparência simétrica.3 Assim, por exemplo, se você desenvolver placas no joelho esquerdo, é provável que também apareçam placas no joelho direito, e o mesmo vale para os cotovelos, mãos e pés.

Mãos e pés

As placas que afetam as mãos e os pés podem levar a rachaduras dolorosas nas palmas das mãos e solas dos pés. A psoríase ungueal também é extremamente comum, afetando cerca de 50% das pessoas com psoríase. Em vez de placas, a psoríase ungueal pode causar corrosão das unhas (pequenas amolgadelas nas unhas), descoloração, aspereza e onicólise, que é quando a unha se levanta e se separa do leito ungueal.

Rosto e couro cabeludo

Se a psoríase tende a aparecer em seu rosto, você não está sozinho. Cerca de 50% das pessoas com psoríase apresentarão placas no rosto, incluindo bochechas, testa e áreas mais sensíveis, como a lateral do nariz e as pálpebras.

Psoríase em placas ao redor da boca, pode ser doloroso ao falar ou mastigar. A psoríase do couro cabeludo também pode ser um problema, com sintomas como pele escamosa, coceira, queimação e sangramento – com algumas pessoas experimentando até mesmo com perda de cabelo.

As causas da psoríase em placas não são totalmente compreendidas

A psoríase é uma doença autoimune da pele. (Alguns especialistas debatem se ela se qualifica como uma verdadeira condição autoimune ou não, mas geralmente é considerada como uma.)4 Isso significa que o sistema imunológico age de uma maneira que acaba levando ao excesso de inflamação – neste caso, na pele – e causa sintomas. Normalmente, a inflamação ocorre quando o sistema imunológico é ativado contra uma ameaça, como uma lesão ou infecção, e envia células especiais para atacar essa ameaça. Na psoríase, a inflamação resultante altera a forma como as células da pele são eliminadas e substituídas (um processo conhecido como renovação celular).

“Com a psoríase, as camadas da pele são sinalizadas por células inflamatórias dentro da pele para permanecerem no lugar”, explica ela. Ao mesmo tempo, novas células da pele continuam a ser produzidas. “Isso faz com que a pele fique mais espessa, levando a placas elevadas que geralmente são dolorosas”. Os pesquisadores acreditam que tanto a genética quanto o ambiente desempenham um papel no desenvolvimento de condições relacionadas ao sistema imunológico, como a psoríase em placas.5 Portanto, você pode estar em maior risco de desenvolver psoríase se tiver um familiar próximo (como pais, avós ou irmãos) que também tenha psoríase, de acordo com a AAD.

Um dermatologista provavelmente diagnosticará a psoríase em placas

Se você acha que pode ter sintomas de psoríase em placas, um dos primeiros passos é agendar uma consulta com um dermatologista para um exame de pele. Um dermatologista pode revisar seu histórico médico e seus sintomas físicos para determinar se seus sintomas indicam psoríase – ou algo completamente diferente.

“A psoríase pode ser confirmada com um simples teste de procedimento chamado biópsia de pele”, explica o Dr. Hicks-Graham. Durante uma biópsia de pele, seu médico irá anestesiar sua pele e usar uma pequena ferramenta para coletar uma amostra de suas células da pele, que podem ser observadas ao microscópio.

Embora a jornada para o diagnóstico de psoríase pareça bastante simples, ainda pode ser um processo difícil para muitas pessoas – especialmente para pessoas de cor, cujos sintomas são frequentemente confundidos com outras condições.

Existem vários tratamentos para a psoríase em placas

Os sintomas e os gatilhos da psoríase em placas de todos são diferentes, por isso pode levar algum tempo para você e seu médico elaborarem um plano de tratamento que funcione para você.

Aqui estão os tratamentos padrão que seu médico provavelmente recomendará:

  • Medicamentos tópicos: são aplicados na pele para ajudar a reduzir a vermelhidão, a coceira e outros sintomas de inflamação. Os esteroides são frequentemente usados ​​para ajudar a reduzir a inflamação geral da pele, enquanto os não esteroides – como vitaminas e anti-inflamatórios – podem ajudar a manter a pele saudável durante e após os surtos. “Cremes, loções, pomadas, espumas e sprays tópicos estão disponíveis e oferecem opções para psoríase de pele leve a moderada”, diz a Dra. Hicks-Graham.
  • Fototerapia: A fototerapia é outra opção, que usa a luz para reduzir a renovação das células da pele – efetivamente levando a menos surtos e lesões de psoríase.
  • Medicamentos sistêmicos: “Às vezes, os tópicos e a fototerapia não são suficientes, e é aí que entram os medicamentos sistêmicos, como os biológicos”, explica a Dra. Hicks-Graham. Por exemplo, ela observa que existem opções orais e injetáveis ​​para atingir diretamente o sistema imunológico, ajudando a reduzir a inflamação e minimizar as crises.

Em última análise, o tipo de medicamento que você escolher deve ser adaptado à sua situação pessoal. “Seu médico poderá ajudá-lo a decidir qual medicação pode ser melhor para você, dependendo da gravidade da sua psoríase, quais locais estão envolvidos e quais outros problemas médicos você tem ou teve anteriormente”, diz a Dra. Hicks-Graham.

Quando você deve consultar um médico?

Novas alterações na pele, como coceira ou manchas inflamadas, aconselham consultar um médico o mais rápido possível. Usar o detergente errado pode causar erupções cutâneas, mas a psoríase em placas exige um diagnóstico adequado para obter o tratamento certo. E quanto mais cedo, melhor.

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Veja outros posts relacionados…

nenhum

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o mini-ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas