Neurociência e Dor - by dorcronica.blog.br

Como acabar com a dor crônica mudando o cérebro

Como acabar com a dor crônica mudando o cérebro

Até um em cada cinco americanos sofre de dor crônica, um problema muitas vezes intratável que custa ao país mais de US$ 600 bilhões em tratamentos e perda de tempo de trabalho e ajudou a alimentar uma epidemia mortal de opioides. Mas uma nova pesquisa fornece algumas das evidências mais fortes de que um tratamento psicológico não medicamentoso pode fornecer alívio potente e duradouro. O estudo sugere uma maneira fundamentalmente nova de pensar sobre as causas da dor crônica nas costas para muitas pessoas e as ferramentas disponíveis para tratar essa dor.

“Dê a alguém que tem fé em você um placebo e chame-o de pílula para crescer cabelo, pílula antináusea ou qualquer outra coisa, e você ficará surpreso com a quantidade de pessoas que respondem bem à sua terapia.”

– Bernie Siegel

Autora: Lisa Marshall

O estudo descobriu que dois terços dos pacientes com dor crônica nas costas que foram submetidos a um tratamento psicológico de quatro semanas chamado Terapia de Reprocessamento da Dor (PRT), ficaram sem dor ou quase sem dor após o tratamento. E a maioria manteve o alívio por um ano. Eles também mostraram mudanças nas regiões cerebrais geradoras de dor após a terapia.

“Por muito tempo, pensamos que a dor crônica se devia principalmente a problemas no corpo, e a maioria dos tratamentos até agora visava isso”, disse o principal autor Yoni Ashar, que conduziu o estudo enquanto fazia seu doutorado no Departamento de Psicologia e Neurociência na University of Colorado Boulder. “Este tratamento é baseado na premissa de que o cérebro pode gerar dor na ausência de lesão ou após a cicatrização de uma lesão, e que as pessoas podem desaprender essa dor. Nosso estudo mostra que funciona.”

DOR CRÔNICA: FALHAS NAS VIAS NEURAIS

Aproximadamente 85% das pessoas com dor crônica nas costas têm o que é conhecido como “dor primária”, o que significa que os testes são incapazes de identificar uma fonte corporal clara, como dano tecidual, osteoartrite ou degeneração do disco.

Cada vez mais pesquisas sugerem que o mau funcionamento das vias neurais é, pelo menos parcialmente, o culpado: diferentes regiões do cérebro – incluindo aquelas associadas à recompensa e ao medo – são ativadas durante episódios de dor crônica e não de dor aguda. E entre os pacientes com dor crônica, certas redes neurais são sensibilizadas para reagir exageradamente até mesmo a estímulos leves.

Se a dor é um sinal de alerta de que algo está errado com o corpo, a dor crônica primária, disse Ashar, é “como um alarme falso preso na posição ‘ligado’”.

A  Terapia de Reprocessamento da Dor PRT procura silenciar o alarme

“A ideia é que, ao pensar na dor como segura em vez de ameaçadora, os pacientes podem alterar as redes cerebrais que reforçam a dor e neutralizá-la”, disse Ashar, agora pesquisador de pós-doutorado na Weill Cornell Medicine.

Ashar e o autor sênior Tor Wager recrutaram 151 homens e mulheres que tinham dor nas costas por pelo menos seis meses em uma intensidade de pelo menos quatro em uma escala de zero a 10.

Aqueles no grupo de tratamento completaram uma avaliação seguida por oito sessões de uma hora de PRT, uma técnica desenvolvida pelo psicólogo da dor de Los Angeles, Alan Gordon. O objetivo: Educar o paciente sobre o papel do cérebro na geração da dor crônica; para ajudá-lo a reavaliar sua dor enquanto se envolve em movimentos que tinha medo de fazer; e para ajudá-lo a lidar com as emoções que podem exacerbar sua dor.

Por exemplo, se alguém sempre sente dor quando se senta, pode ser solicitado que se sente devagar, prestando atenção em como realmente se sente e tentando ver a sensação como segura. Se a dor surgir em torno de um chefe maldoso ou parente distante, eles podem reconhecer isso e prestar atenção a isso.

DOR: NÃO ESTÁ ‘TUDO NA SUA CABEÇA’

“Isso não está sugerindo que sua dor não é real ou que está ‘tudo na sua cabeça’”, enfatizou Wager, ex-professor do Instituto de Ciência Cognitiva da CU Boulder, agora no Dartmouth College. “O que isso significa é que, se as causas estão no cérebro, as soluções também podem estar lá.”

Antes e depois do tratamento, os participantes também foram submetidos a exames de ressonância magnética funcional (fMRI) para medir como seus cérebros reagiram a um leve estímulo de dor. No final, para a maioria dos pacientes, o PRT foi notavelmente eficaz.

“A magnitude e durabilidade das reduções de dor que vimos são muito raramente observadas em ensaios de tratamento de dor crônica”, disse Ashar, observando que os opioides – embora altamente viciantes – produziram apenas alívio moderado e de curto prazo em muitos ensaios.

Após o tratamento, 66% dos pacientes no grupo de tratamento ficaram sem dor ou quase sem dor em comparação com 20% do grupo placebo e 10% do grupo sem tratamento. E quando as pessoas no grupo PRT foram expostas à dor no pós-tratamento do scanner, as regiões cerebrais associadas ao processamento da dor – incluindo a ínsula anterior e o cíngulo médio anterior – se acalmaram significativamente.

Os autores enfatizam que o tratamento não se destina à “dor secundária” – aquela enraizada em lesões ou doenças agudas.

Mais e maiores estudos são necessários para determinar se o tratamento é eficaz para o tratamento de outros tipos de dor crônica.

Enquanto isso, outras técnicas similares centradas no cérebro estão lentamente sendo adotadas por especialistas em dor, fisioterapeutas e outros médicos.

“Este estudo sugere uma maneira fundamentalmente nova de pensar sobre as causas da dor crônica nas costas para muitas pessoas e as ferramentas disponíveis para tratar essa dor”, disse a coautora Sona Dimidjian, professora de psicologia e neurociência e diretora do Renee Crown Wellness Institute na CU Boulder. “Ele fornece uma opção potencialmente poderosa para pessoas que desejam viver sem ou quase sem dor.”

Tradução livre de “How therapy, not pills, can nix chronic pain and change the brain”, por Lisa Marshall

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI