Psicologia da Dor - by dorcronica.blog.br

Catastrofização: o combustível da dor crônica

Catastrofização: o combustível da dor crônica

O termo catastrofização foi formalmente introduzido por Albert Ellis e posteriormente adaptado por Aaron Beck para descrever um estilo cognitivo mal-adaptativo empregado por pacientes com ansiedade e transtornos depressivos. No centro de suas definições de catastrofização estava o conceito de uma previsão irracionalmente negativa de eventos futuros. Da mesma forma, a catastrofização relacionada à dor é amplamente concebida como um conjunto de esquemas cognitivos e emocionais exagerados e negativos trazidos à tona durante a estimulação dolorosa real ou antecipada.

“Se você pode resolver seu problema, então qual é a necessidade de se preocupar: Se você não pode resolver seu problema, de que adianta se preocupar.”

– Shantideva

Em suma, a catastrofização da dor consiste em aumentar ou exagerar o valor da ameaça ou a gravidade das sensações de dor, sistematicamente. Por trás dela, a preocupação e o medo relacionados à dor, juntamente com a incapacidade de desviar a atenção da dor.

Sullivan e outros desenvolveram a Escala de Catastrofização da Dor (PCS), atualmente de uso universal. Ela incorpora itens explicitamente projetados para avaliar elementos da catastrofização. O trabalho analítico fatorial inicial indicou que o PCS produziu três fatores de segunda ordem (ou seja, magnificação, ruminação e desamparo). A figura seguinte é uma representação gráfica da estrutura trifatorial do PCS e os itens que compõem cada fator.

Figura 1

Catastrofização da dor

A catastrofização da dor pode contribuir à uma série de resultados clínicos relacionados à dor, tais como: medidas de intensidade da dor clínica, interferência na atividade relacionada à dor, incapacidade, depressão e alterações no humor.

Além disso, a catastrofização tem sido associada ao aumento das expressões comportamentais de dor, bem como a uma variedade de comportamentos de doença (por exemplo, visitas mais frequentes a profissionais de saúde).

A catastrofização da dor também está relacionada prospectivamente a resultados adversos relacionados à dor. De fato, a catastrofização da dor na pré-cirurgia parece ser responsável por uma variação significativa nas classificações de dor pós-cirúrgica, uso de narcóticos, depressão, interferência na atividade relacionada à dor e níveis de incapacidade.

A catastrofização da dor está também ligada ao humor negativo exagerado e à depressão.

Por fim, Edwards e outros sugeriram que a catastrofização da dor estava relacionada ao aumento da ideação suicida em uma grande amostra de pacientes com dor crônica.

A catastrofização da dor surgiu como um preditor bastante potente de uma variedade de resultados relacionados à dor, tanto em amostras de pacientes com dor crônica quanto sem dor. Em seguida, abordamos alguns dos mecanismos postulados pelos quais a catastrofização da dor pode estar associada a resultados adversos (Tabela 1).

Tabela 1

Conceituações teóricas da catastrofização da dor
Conceituação Detalhes da Conceituação
Teoria da avaliação A catastrofização da dor é vista como um processo de avaliação. Os estímulos dolorosos são avaliados de forma primária (ampliação, ruminação) e secundária (desamparo). O comportamento é implantado com base neste processo de avaliação.
Viés de atenção/processamento de informações. A catastrofização da dor é composta por um processamento de informações ou viés de atenção para estímulos relacionados à dor, particularmente as dimensões afetivas negativas ou “quentes” de tais estímulos.
Enfrentamento “comunitário” A catastrofização da dor é um estilo de enfrentamento interpessoal usado para solicitar apoio interpessoal de natureza tangível e emocional.
Mecanismos do Sistema Nervoso Central (SNC) A catastrofização da dor está associada a processos alterados do SNC, como aumento da soma temporal, atividade aberrante do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal e respostas alteradas de citocinas à dor.
Fundamentos neurais A catastrofização da dor está associada à ativação em regiões cerebrais implicadas no processamento das dimensões afetivas da dor; regiões que também estão implicadas na regulação cognitiva da emoção e cognição (por exemplo, córtex cingulado anterior e córtices pré-frontal ventromedial e dorsolateral).

Assuntos chave

  • A catastrofização da dor decorre de conceituações originais de catastrofização no contexto dos transtornos depressivos e de ansiedade avançados por Albert Ellis e Aaron Beck.
  • A catastrofização da dor tem sido associada a uma série de resultados relacionados à dor, incluindo intensidade da dor aguda e crônica, alteração do processamento da dor no Sistema Nervoso Central (por exemplo, diminuição da inibição da dor endógena), uso exagerado de cuidados com a saúde, resultados e incapacidade da dor pós-cirúrgica e interferência na atividade relacionada à dor.
  • Catastrofizadores parecem atender mais prontamente a estímulos relacionados à dor e têm uma incapacidade particularmente pronunciada de desvincular recursos cognitivos de tais estímulos. Comportamentos catastróficos parecem exercer efeitos significativos e potencialmente deletérios na rede de apoio do paciente. Por exemplo, durações mais longas de dor parecem exagerar a relação entre a catastrofização da dor e as respostas punitivas do cônjuge/outra pessoa significativa.
  • Existem dados preliminares sugerindo que a catastrofização relacionada à dor está associada a respostas alteradas da hipófise hipotalâmica à dor e ativação amplificada em regiões neurais implicadas no processamento e regulação de componentes afetivos da dor (por exemplo, córtex cingulado anterior).
  • Em suma, a catastrofização relacionada à dor parece representar uma variável robusta do processo cognitivo em estudos multidisciplinares de resultados de tratamento da dor, bem como em terapia cognitivo-comportamental e fisioterapia autônoma (ou seja, comportamental) para dor crônica.

Destaques e adaptação do artigo “Pain Catastrophizing: a critical review”. De Phillip Quartana e outros.

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Veja outros posts relacionados…

nenhum

4 respostas

  1. Quero dizer meu muito obrigada por seus artigos e ebooks.
    São atuais, relevantes e práticos.
    Continue seu excelente trabalho!
    Tenho fibromialgia diagnosticada desde 1992, convivo com ela às vezes bem e às vezes não tão bem.
    Seus artigos têm me ajudado na educação necessária para o convívio com ela.
    Abraços,
    Sandra.

    1. Muito grato pelos seus comentários. Digo isso com sinceridade porque tocar o https://www.dorcronica.blog.br e o http://www.fibrodor.com dá um trabalho cavalar. Reações como a sua lavam a alma. Aproveitando: em 1992 o diagnóstico de fibromialgia seguia critérios algo diferentes dos de hoje. Veja os atuais aqui no FIBROCONSULTA (https://fibroconsulta.com.br/). Pessoas diagnosticadas com fibromialgia há 25 anos de repente hoje descobrem que a doença que carregam é outra. Por que isso importa? Porque as doenças crônicas mais “velhas” que a fibromialgia, são mais conhecidas e têm tratamento melhor estabelecido. Diagnóstico errado = tratamento errado. De qualquer maneira, no Fibrodor você vai encontrar mais informações sobre isso.

      1. Eu imagino o trabalho imenso para a persistência e qualidade do trabalho disponibilizado, por isso quis manifestar minha gratidão! Apesar de ter sido diagnosticada há tantos anos, permaneço sempre recebendo e mesmo diagnóstico e como eu disse continuo na luta. Embora dificil em consequência de tratamentos pouco efetivos, tenho feito a parte que me cabe e a vida continua.
        Preenchi o formulário da fibroconsulta até o final, não o enviei, mas o achei prático e bem elaborado.
        Mais uma vez obrigada!
        Sandra.

        1. Desculpe o atraso. Obrigado, digo eu. Bom que tenha preenchido o FibroConsulta. É um principio de conversa com seu cérebro e a aquisição desse conhecimento pode trazer um senso de autocontrole – afinal, é você que começa a entender o que ocorre – que faz muita falta ao portador de fibromialgia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI