Artigos - by dorcronica.blog.br

Bloqueio de nervos. Informe-se, pode haver um no seu futuro.

Bloqueio de nervos

Os bloqueios de nervos periféricos (BNP) são amplamente utilizados para anestesia cirúrgica, bem como para analgesia pós-operatória e não cirúrgica. Bloqueios nervosos terapêuticos (não cirúrgicos) são recomendados pelos médicos, por exemplo, a pacientes com dores musculoesqueléticas crônicas como última opção antes de se pensar em ir para uma mesa de operações. Dores desse tipo são cada dia mais comuns. Por isso esse post pode ajudar aqueles que não estão familiarizados com o propósito ou a função de um bloqueio nervoso, um tipo de anestesia parcial que requer a injeção de uma mistura de anestésico e medicação em nervos danificados. O seu objetivo é controlar a dor de uma forma mais duradora. Embora os bloqueios nervosos podem ser altamente eficazes no tratamento da dor crônica, sempre há a possibilidade de efeitos colaterais. Mais uma razão para se informar sobre essa técnica, cujo uso, aliás, o paciente deve autorizar.

Os bloqueios nervosos podem ajudar a prevenir ou controlar muitos tipos diferentes de dor, interrompendo as mensagens de dor provenientes dos nervos em uma parte do corpo. Muitas vezes bloqueiam a dor de nervos específicos. Eles podem ser usados ​​para alívio da dor, bem como perda total de sensibilidade, se necessário para cirurgia.

O Termo de Consentimento Informado Livre e Esclarecido (TCLE) é um documento médico que objetiva registrar por escrito que o paciente e/ou seus representantes legais receberam as informações pertinentes aos procedimentos médicos necessários ao seu diagnóstico e tratamento e que estão cientes dos riscos e benefícios dos mesmos, que tiveram todas as suas dúvidas esclarecidas e que concordam com a execução dos mesmos.1

O consentimento deve ser obtido antes da chegada do paciente à sala de anestesia, exceto em circunstâncias excepcionais. A quantidade e a natureza das informações fornecidas ao paciente devem ser destinadas a ajudá-lo a tomar uma decisão informada sobre a escolha de uma das opções disponíveis. Os pacientes também devem ter a oportunidade de fazer perguntas. A discussão entre paciente e anestesista deve ser documentada nas anotações; esta documentação deve cobrir quais riscos, benefícios e alternativas foram explicados ao paciente.2

O TCLE é recomendado pelo Conselho Federal de Medicina.34

Sobre bloqueios nervosos

Os bloqueios de nervo são injeções de medicamentos que requerem agulhas, geralmente junto com um fluoroscópio, ultrassom ou tomografia computadorizada para guiar adequadamente a agulha. O profissional de saúde também pode usar estimulação elétrica de baixo nível para localizar o nervo que causa a dor.5

As agulhas e as imagens guiadas são usadas para injetar medicamentos analgésicos ou anti-inflamatórios ao redor de um nervo ou grupo de nervos. Isso adormece a área ou alivia a inflamação. Às vezes, produtos químicos ou cirurgia são usados ​​para danificar ou cortar intencionalmente o nervo.

Tipos de bloqueios nervosos

Os bloqueios nervosos podem ser temporários ou duradouros. Os profissionais de saúde podem administrá-los com anestesia local após anestesiar onde a agulha entra na pele. Eles também podem bloquear os sinais de dor para uma área cortando ou destruindo deliberadamente certos nervos durante a cirurgia.

As quatro categorias

São normalmente divididos em quatro categorias principais: terapêutico, diagnóstico, prognóstico e preventivo.

  • Os bloqueios nervosos terapêuticos são usados ​​para tratar a dor crônica e várias condições de dor. Esses bloqueios nervosos geralmente contêm anestésico local que pode ser usado para tratar a dor aguda. Estudos mostraram que esses bloqueios nervosos são eficazes na melhoria da qualidade de vida de pacientes com dor crônica.
  • Os bloqueios nervosos diagnósticos são emitidos para identificar a fonte da dor de um paciente. Esses bloqueios contêm um anestésico de nível inferior que proporciona uma duração de alívio da dor.
  • Os bloqueios nervosos prognósticos identificam o prognóstico de certos tratamentos. Por exemplo, um bloqueio de nervo prognóstico pode ser emitido para determinar se uma solução permanente, como a cirurgia, seria uma via mais bem-sucedida para aliviar a dor do paciente.
  • Os bloqueios nervosos preventivos são únicos, pois são usados ​​para evitar a dor subsequente, muitas vezes vista como resultado de um procedimento. Isso inclui sintomas como dor no membro fantasma.

Os bloqueios nervosos também são divididos em categorias mais específicas com base no tipo de dor ou localização da dor que o paciente está sentindo. Esses bloqueios nervosos específicos são os bloqueios simpático, do gânglio estrelado e da articulação facetária.

  • Os bloqueios do nervo simpático são realizados para determinar se há dano existente na cadeia do nervo simpático. Isso inclui uma rede de nervos que percorrem toda a extensão da coluna e são responsáveis ​​por controlar as funções involuntárias do corpo. O profissional de saúde administra um medicamento para bloquear a dor do sistema nervoso simpático em uma área específica.
  • Os bloqueios do gânglio estrelado são um tipo de bloqueio simpático que também é usado para identificar danos aos nervos simpáticos. No entanto, os bloqueios do gânglio estrelado são usados ​​mais especificamente para identificar danos nos nervos da cabeça, pescoço, tórax e braços.
  • Os bloqueios das articulações facetárias são conduzidos nas articulações facetárias da coluna e também são conhecidos como bloqueios zigapofisários. Estes são usados ​​para determinar se uma articulação facetária é a causa da dor.
  • Neurectomia. Um nervo periférico danificado é cirurgicamente destruído.
  • Rizotomia. O cirurgião destrói a raiz dos nervos que se estendem da coluna.

Bloqueios de nervos por localização

Os bloqueios nervosos podem ser injetados em várias áreas, dependendo da causa e localização da dor do paciente.6 Alguns dos bloqueios nervosos mais comuns por localização anatômica incluem…

  • Bloqueios do nervo trigêmeo para neuralgia do trigêmeo (face)
  • Bloqueios dos nervos subaracnóideos e celíacos (abdômen e pelve)
  • Bloqueios do nervo supraorbital (testa), peridural cervical, torácica e lombar (pescoço e costas)
  • Bloqueio do nervo maxilar (mandíbula)

Estes são tipos de bloqueios nervosos não cirúrgicos:

  • Analgesia ou anestesia epidural. Talvez o bloqueio nervoso mais conhecido. Muitas mulheres grávidas pedem uma epidural durante o parto para aliviar a dor do trabalho de parto. Em uma epidural, os médicos injetam uma droga anestésica no espaço fora da coluna vertebral.
  • Raquianestesia. O profissional de saúde pode injetar medicamento no fluido ao redor da medula espinhal.
  • Bloqueio de nervo periférico. O profissional de saúde pode injetar medicamento em torno de um nervo alvo causando dor.

Benefícios dos bloqueios nervosos

Os bloqueios nervosos podem ser usados ​​para controlar a dor crônica ou de longo prazo, dor após a cirurgia, dor aguda grave ou de curto prazo.

Bloqueios nervosos temporários são frequentemente uma solução de curto prazo. A dor pode retornar dentro de poucas horas após o efeito das drogas. Algumas pessoas podem precisar de tratamentos de bloqueio nervoso repetidos ou mesmo de longo prazo para controlar a inflamação e a dor.

Usos comuns para bloqueios nervosos

Bloqueios de nervo são frequentemente usados ​​durante cirurgias para aliviar a dor. Eles também podem ser usados ​​para controlar a dor de condições crônicas de saúde ou lesões em que os nervos estão danificados, inflamados ou irritados.

Os bloqueios nervosos são comumente usados ​​para controlar a dor que vem da coluna, bem como a dor debilitante que afeta os braços, pernas, pescoço e nádegas.

Outros tipos de dor que podem ser controlados com bloqueios nervosos:

  • Dor de parto
  • Dor após a cirurgia
  • Dor relacionada ao câncer
  • Dor da artrite
  • Dor facial severa, como neuralgia do trigêmeo
  • Dor lombar
  • Dores de cabeça, incluindo enxaquecas e neuralgia occipital
  • Síndrome de dor regional crônica, ou CRPS

Os bloqueios nervosos como ferramentas de diagnóstico

Ao julgar como o paciente reage a um bloqueio nervoso temporário e como isso afeta sua dor, o médico pode descobrir melhor o motivo de sua dor, onde ela está localizada e a melhor forma de tratá-la.

Riscos de bloqueios nervosos

Um bloqueio de nervo pode levar a sangramento e infecção no local onde a injeção foi administrada, o medicamento pode se espalhar para outras áreas inesperadamente e os profissionais de saúde podem atingir o nervo errado durante a cirurgia.

A dor rebote, que pode surgir entre 12 a 24 horas após a cirurgia e afeta negativamente a qualidade do sono, parece ser um efeito colateral dos bloqueios de nervos periféricos, apesar destes terem eficácia no controle álgico. Recomenda-se o uso de técnicas de bloqueio de nervo periférico que evitem a lesão do nervo e uma adequada analgesia perioperatória.7

Em comparação com muitos procedimentos, no entanto, os bloqueios nervosos parecem ser bastante seguros.

Quem não deve ter bloqueios nervosos?

Você pode não ser um bom candidato para o bloqueio do nervo se:

  • Tiver uma infecção no local da injeção
  • Está em uso de anticoagulantes ou tem um distúrbio hemorrágico
  • Tem problemas neurais anteriores na área do nervo que está sendo injetado

Existem diferentes tipos de bloqueios nervosos projetados para combater a dor em diferentes áreas do corpo.

Por exemplo:

  • Bloqueio do nervo occipital maior: trata dores de cabeça ou dores no pescoço associadas à neuralgia occipital.
  • Bloqueio do nervo intercostal: trata a dor de lesões ou danos nos nervos das costelas.
  • Bloqueio Seletivo da Raiz Nervosa Lombar: trata a dor específica de uma raiz nervosa ou nervo espinhal.
  • Bloqueio Simpático Lombar: trata dores neuropáticas nas pernas e pés.
  • Bloqueio do gânglio estrelado: diagnostica ou trata a dor relacionada à síndrome da dor regional complexa (SDRC).

Esses bloqueios nervosos geralmente são administrados para diagnosticar a dor crônica, tratar a dor quando outras opções de tratamento, como o controle controlado de medicação para a dor, não funcionaram ou controlar a dor do câncer.

Embora os bloqueios nervosos sejam altamente eficazes, eles não são soluções permanentes para o alívio da dor. Na verdade, a maioria, se não todas as opções de tratamento da dor, são consideradas não permanentes. No entanto, os bloqueios nervosos são cobiçados por sua capacidade de produzir alívio duradouro da dor para aqueles com condições leves ou moderadas.

Embora cada paciente seja diferente, em geral, os bloqueios nervosos para o controle da dor crônica podem durar de 6 meses a um ano. Existem casos raros em que um bloqueio nervoso durará até 2 anos. Por outro lado, os bloqueios nervosos podem durar apenas alguns meses, razão pela qual podem ter que ser repetidos ao longo do ano.8

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Veja outros posts relacionados…

nenhum

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o mini-ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas