Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

Ansiedade: como controlá-la – Parte 3

Ansiedade

Para muitas pessoas exageradamente ansiosas, um tratamento médico não é necessário. Mudanças no estilo de vida podem ser suficientes para lidar com os sintomas da ansiedade. Em casos moderados ou graves, no entanto, é diferente. Os dois principais tratamentos para transtornos de ansiedade são psicoterapia e medicamentos, separados ou combinados. A questão é: quem define isso?

Numa consulta médica as chances de acertar no caminho a seguir são limitadas. A opção mais simples é simplesmente encaminhar o paciente a um psicólogo ou psiquiatra. Mais ou menos na base de “eu não estudei para isso”. A outra opção, mais digna da tradição hipocrática é examinar melhor o paciente no que diz respeito a condição de ansiedade que ele ou ela relata (ou demonstra).

Essa 3ª Parte do Artigo “Diagnóstico e Tratamento atuais de Transtornos de Ansiedade”, fornece uma ferramenta de diagnóstico (primário) da ansiedade para uso de… psicólogos e psiquiatras. Mas não há razão impedindo o médico ou médica de também usá-la para dar ao paciente uma orientação competente e oportuna sobre o que fazer.

Parte 3

O MODELO “ABC” DE ANSIEDADE

Compreender como a reatividade emocional, as crenças essenciais e as estratégias de enfrentamento interagem com o tempo deve levar a diagnósticos mais precisos e a um melhor gerenciamento dos transtornos de ansiedade. Recentemente, aplicamos um modelo matemático usando dinâmica não linear para descrever esses processos1 e desenvolvemos esse modelo para cobrir apresentações de diagnóstico e seus processos subjacentes.2 O modelo que, para simplificar, chamar o “modelo ABC de ansiedade” pode ser visto como uma interação no espaço e no tempo de a) Alarmes (alarms), b) Crenças (beliefs) e c) Estratégias de Enfrentamento (coping) (Figura 1).

Figura 1

Modelo ABC de ansiedade

Esquema detalhando o modelo “ABC” de ansiedade. Neste modelo, uma variedade de eventos desencadeadores pode eliciar respostas nos níveis de sensações de alarme, crenças e estratégias de enfrentamento associadas (ABC), incluindo comportamentos. Cada um desses processos se origina em circuitos cerebrais discretos que estão funcionalmente conectados. Com o tempo, isso perpetua um círculo vicioso, moldando a apresentação de uma variedade de transtornos de ansiedade.

Alarmes (A) são sensações emocionais ou reações fisiológicas a uma situação, sensação ou pensamento-gatilho. Um conjunto bem definido de circuitos cerebrais processa rapidamente as informações sobre o alarme.

A decisão subsequente de agir é tomada com base em crenças (B) que dependem fortemente de experiências anteriores, antecedentes pessoais e culturais e das informações que são percebidas pelos órgãos sensoriais. Pacientes com transtornos de ansiedade parecem processar informações sobre uma situação supostamente perigosa, com atenção mais focada em comparação com indivíduos sem o transtorno.3 A tomada de decisões precisa em relação às crenças é obscurecida por uma enxurrada de detalhes, o que leva ao pensamento catastrófico e à indecisão.

Isso, por sua vez, leva a estratégias de enfrentamento (C), por exemplo, comportamentos específicos ou atividade mental com o objetivo de reduzir a ansiedade e evitar o “perigo” percebido. As estratégias de enfrentamento podem ser consideradas adaptativas ou não-adaptativas, com base em sua eficácia na redução da ansiedade. Esses processos evoluem com o tempo, formando uma imagem complexa de um distúrbio de ansiedade específico.

Como exemplo clínico, o transtorno do pânico pode começar como um ataque de pânico inicial devastador, impulsionado pela ativação das redes de alarme do cérebro. Este evento ativa circuitos que processam informações sobre perigo e, quando associado a crenças pessoais sobre o evento, leva a uma crescente preocupação com a saúde e segurança pessoal. Por sua vez, isso leva a uma tentativa específica de diminuir o perigo da situação (por exemplo, uma avaliação médica que inicialmente acalma o medo).

Esses processos geralmente ocorrem em pessoas saudáveis ​​que podem experimentar uma situação desagradável ou perigosa; em pacientes com transtorno do pânico, no entanto, uma avaliação médica regular é insuficiente para acalmá-los, porque eles exigem 100% de garantia de “nenhum perigo”. Como isso é impossível de fornecer, a preocupação e a antecipação de outro ataque iminente persistem. O paciente subsequentemente aumenta os comportamentos de enfrentamento de “segurança”, como realizar exames médicos repetidos (buscando segurança) e ter uma pessoa “segura” o tempo todo.

Infelizmente, como nenhuma segurança absoluta é encontrada, esses comportamentos se tornam mais extensos e crônicos na tentativa de aliviar a ansiedade. O fato de a ansiedade persistir induz mais preocupação e, eventualmente, angústia, perpetuando assim o círculo vicioso do distúrbio (ataques de pânico recorrentes). Se o padrão é ininterrupto, eventualmente leva a um comportamento de enfrentamento ainda mais inadequado, como evitar possíveis gatilhos de pânico (agorafobia) e pode resultar em desespero e depressão comórbidos. A maioria dos transtornos de ansiedade segue esse processo, embora diferentes estágios possam predominar em diferentes distúrbios; isto é, o comportamento ritualístico é mais característico do TOC e a prevenção predomina no transtorno de ansiedade social.

Descobrimos que os pacientes reconhecem e interpretam rapidamente seus padrões de sintomas dentro do modelo ABC. Incorporamos efetivamente esse padrão com medicamentos e técnicas comportamentais, conforme descrito nos estudos anteriores. 4 Também descobrimos que a conceitualização de casos clínicos usando o modelo ABC é particularmente útil no ensino de residentes em psiquiatria. Usando esse modelo, os residentes são capazes de entender e começar a administrar terapia cognitivo-comportamental (TCC) em relativamente poucas sessões.

Veja a Parte 1 e Parte 2 deste artigo publicadas recentemente e não perca as próximas partes a serem publicadas toda semana.

Tradução livre de “Current Diagnosis and Treatment of Anxiety Disorders”, publicado em Janeiro 2013.

Ler a Parte 4

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SAIBA TUDO SOBRE VACINAS COVID-19
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas