Artigos - by dorcronica.blog.br

Ansiedade: como controlá-la – Parte 1

Ansiedade

A ansiedade é hoje, no Brasil e no mundo, a doença mental mais prevalente – disputando no podium com a depressão. Se não for tratada, a ansiedade geralmente funciona como um distúrbio de “porta de entrada” para situações médicas muito piores. O isolamento que ela incentiva leva ao abuso de drogas e álcool e, às vezes, à depressão. Além disso, com o passar do tempo, a ansiedade extrema fortalece doenças crônicas e dores crônicas. O seu tratamento rápido, portanto, não é mais uma recomendação médica de segunda ou terceira ordem, e sim imperativa. O principal objetivo do artigo a seguir é descrever as opções de tratamento ora disponíveis, mas há muito mais nele capaz de interessar a médicos e pacientes.

Nota do blog:

Em 2017, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou uma pesquisa sobre as duas doenças psiquiátricas mais comuns que afetam a população mundial: os transtornos depressivos e de ansiedade.

De acordo com essa pesquisa, o Brasil liderava o mundo em prevalência de transtornos de ansiedade e ocupa o quinto lugar em taxas de depressão.

Cinco anos depois, um estudo transversal realizado com brasileiros durante a pandemia Covid-19, especifica melhor esse achado. Realizado pela internet, ele obteve 1.775 respostas, 78% de mulheres.

Nesse estudo a ansiedade cravou 4,47%. Projetando simploriamente esse dado em nível nacional, tem-se em torno de 10 milhões de portadores do transtorno. (Uma pesquisa semelhante conduzida na Itália com 2.766 participantes encontrou uma média menor, 2,89%, ainda que também expressiva do ponto de vista populacional.)

Esses dados, embora significativos, empalidecem quando comparados ao dos Estados Unidos. Nesse país, a ansiedade atualmente é a doença mental mais comum, afetando mais de 40 milhões de pessoas, a maioria adultos jovens. Muitos deles sofrendo sozinhos. A Anxiety and Depression Association of America (ADAA) estima que apenas 36,9% estão recebendo tratamento – e as consequências disso são enormes.

O relatório da Organização Mundial da Saúde afirmava:

“Qualquer que seja a extensão exata do problema no Brasil e no mundo, já é uma questão coletiva, e o fardo pessoal e financeiro da ansiedade e da depressão exige uma ação rápida e coordenada da comunidade científica e de agências governamentais.”

A síndrome de ansiedade generalizada, porém, é uma doença crônica como qualquer outra. Ela precisa de ser informada, também, em nível micro, onde deveria interessar a duas pessoas: o portador e o médico de atenção primária, aquele que é consultado em primeira mão. O artigo a seguir foi destinado ao médico, mas eu penso que não há nada nele que um paciente ansioso possa achar inútil ou difícil de entender.

O artigo “Diagnóstico e tratamento atuais dos transtornos de ansiedade”, de autoria de Alexander Bystritsky , Sahib S. Khalsa , Michael E. Cameron , e Jason Schiffman, é uma síntese atualizada e exaustiva sobre a ansiedade. A nós o tema interessa sobremaneira porque ansiedade e dor crônica andam de mãos dadas. Estudos recentes mostram que a ansiedade tem tanta probabilidade de coocorrer com condições de dor crônica quanto a depressão. O que, aliás, tem implicações no impacto e no resultado das condições de dor. Por fim, embora seja intuitivamente plausível supor que a ansiedade decorre da dor crônica, há evidências de uma relação causal reversa e fatores de risco compartilhados entre as duas condições, como por exemplo, o trauma infantil.

O artigo é bastante extenso e acessível a profissionais da saúde minimamente familiarizados com o tema central. Ele será postado em 6 partes, além da Introdução.

Autores: Alexander Bystritsky1, Sahib S. Khalsa2, Michael E. Cameron3 e Jason Schiffman4

Parte 1

INTRODUÇÃO

Os transtornos de ansiedade estão presentes em até 13,3% dos indivíduos nos EUA e constituem o subgrupo mais prevalente de transtornos mentais.5 A extensão de sua prevalência foi revelada pela primeira vez no estudo da Área de Captação Epidemiológica há cerca de 26 anos.6 Apesar de sua ampla prevalência, esses distúrbios não receberam o mesmo reconhecimento que outras síndromes importantes, como humor e distúrbios psicóticos; além disso, o médico da atenção primária geralmente é o principal avaliador e fornecedor de tratamento.78 Como resultado desse ambiente de gerenciamento, pode-se dizer que os transtornos de ansiedade são responsáveis ​​pela diminuição da produtividade, aumento das taxas de morbidade e mortalidade e crescimento do abuso de álcool e drogas em um grande segmento da população.91011

Os transtornos de ansiedade atualmente incluídos no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, 4ª ed., Revisão de texto (DSM IV-TR) estão listados na Tabela 1.12

Tabela 1

Transtornos de Ansiedade

Transtorno do pânico (TP) Especificador: com ou sem agorafobia.

Agorafobia: a pessoa fica ansiosa em lugares desconhecidos ou sente que não tem muito controle sobre a situação. É comum que isso aconteça junto com crises de pânico.

Transtorno do pânico com agorafobia (TPA)
Fobia social (FS) Especificador: generalizado.
Fobias específicas (FE) Especificador: animal, ambiental, lesão por injeção de sangue, tipo situacional.
Transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) Especificador: agudo versus crônico, com início tardio.
Transtorno de estresse agudo
Transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) Especificador: com pouca visão.
Transtornos de ansiedade devido a: Especificador: com ansiedade generalizada, com ataques de pânico, com sintomas obsessivo-compulsivos.

Os avanços na pesquisa de ansiedade na década anterior provavelmente se refletirão nas modificações dos critérios de diagnóstico no próximo DSM-5,13 planejado para publicação em maio de 2013. Por exemplo, transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) foram reclassificados nos domínios separados de Transtornos Relacionados ao Trauma e Estressores e Transtornos Obsessivo-Compulsivos e Relacionados, respectivamente.1415

Neste artigo, dividido em seis partes, comentaremos:

  1. os desafios para o diagnóstico de transtornos de ansiedade,
  2. as mudanças nos sintomas de ansiedade ao longo do tempo,
  3. o efeito desses transtornos sobre os sistemas de neurotransmissores e
  4. os papéis e a eficácia relativa dos efeitos farmacológicos e não-farmacológicos de tratamentos da ansiedade, além de outros aspectos.

Não perca as próximas 6 partes do artigo a serem publicadas semanalmente.

Tradução livre de “Current Diagnosis and Treatment of Anxiety Disorders”, publicado em Janeiro 2013.

Ler a Parte 2

Cadastre-se E receba nosso newsletter

8 respostas

    1. A ansiedade desencadeia a resposta de “luta ou fuga” do corpo como parte do sistema nervoso autônomo (SNA). Quando você se sente desconfortável com uma situação, seu SNA entra em ação, aumentando sua frequência cardíaca.

    1. Consultar um pediatra, claro. Um que não encaminhe imediatamente o seu filho a um psicólogo para se livrar dele porque ignora como tratar problemas psicológicos. Veja um pediatra que goste de tratar o psicológico antes de mais nada, se possível. Ansiedade é muito comum em crianças. Bons pediatras são a primeira opção, nesses casos. Eles sabem quando a condição é suficientemente severa a ponto de encaminhar o paciente a um psicólogo ou psiquiatra. Estes são uma segunda ou terceira opção, principalmente porque sabem distinguir e tratar diferentes tipos de ansiedade. Espero que ele fique bem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI