Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

A síndrome do ovário policístico

A síndrome do ovário policístico

Muitos estudos demonstraram um biomarcador elevado de inflamação em mulheres com Síndrome do Ovário Policístico, mesmo quando a idade e o índice de massa corporal são controlados. Uma meta-análise recente concluiu que os marcadores de inflamação são 96% maiores em mulheres com Síndrome do Ovário Policístico em comparação com aquelas sem a síndrome. Mas não é somente inflamação que ela provoca em até 15% das adolescentes. Aprofundar algo mais sobre os sintomas, causas, manifestações e riscos dessa condição é o tema desse post.

“Autocuidado é dar ao mundo o melhor de você, em vez do que sobrou de você.”

Katie Reed

Por Dr Ruchi Parikh

A Síndrome do Ovário Policístico (SOP) é vista comumente entre mulheres na faixa etária de 15 a 30 anos. Ela é a principal causa de hiperandrogenismo e oligoanovulação, e afeta 6-18% das meninas adolescentes e aproximadamente 8-13% das mulheres jovens em todo o mundo.

Hiperandrogenismo bioquímico é o aumento dos andrógenos no sangue. A expressão clínica máxima do hiperandrogenismo é a virilização.

Oligoanovulação (ovulação irregular) ou anovulação (não há ovulação): caracterizam o ciclo menstrual irregular.

Sua prevalência apresenta variações regionais e, no Brasil, estima-se que este distúrbio acometa, aproximadamente, 13% das mulheres em idade reprodutiva.

A apresentação clínica, a avaliação laboratorial, os critérios diagnósticos e o tratamento da SOP diferem entre meninas adolescentes e mulheres adultas. Meninas adolescentes (10 a 19 anos) representam uma situação desafiadora, devido à sobreposição do desenvolvimento puberal normal com os critérios diagnósticos de adultos.

A Síndrome do Ovário Policístico pode influenciar a saúde reprodutiva, a saúde metabólica, a saúde cardiovascular e o bem-estar emocional. As implicações da SOP em meninas adolescentes podem se estender até a idade adulta. Pode levar a complicações de longo prazo, como hipertensão, diabetes mellitus tipo 2, infertilidade, diabetes durante a gravidez, trabalho de parto prematuro, abortos espontâneos recorrentes, câncer de endométrio (revestimento do útero) e problemas psicossociais de baixa autoestima, problemas de imagem corporal, depressão, ansiedade e transtornos alimentares.

Sintomas da Síndrome do Ovário Policístico

O início dos sintomas é variável, com algumas mulheres relatando-os paralelamente ao início da menarca, enquanto outras não recebem o diagnóstico até que tenham dificuldades para conceber.

Os sintomas mais comuns incluem:

  • A menstruação irregular é definida como um ciclo menstrual que continuamente fica fora da duração esperada do ciclo de 24 a 38 dias. Isso pode ser acompanhado por forte sangramento quando a menstruação ocorre, pois o revestimento uterino fica mais espesso.
  • O crescimento excessivo de pelos no rosto e no corpo é conhecido como hirsutismo, causado por quantidades excessivas de andrógenos. Por outro lado, o cabelo no couro cabeludo pode ficar mais fino e cair.
  • A acne geralmente se apresenta como cistos inflamados ao redor da linha da mandíbula, bochechas e queixo. Isso resulta de um excesso de testosterona que causa hiperatividade das glândulas sebáceas.
  • O ganho de peso afeta até 80% das mulheres com SOP e tende a se desenvolver na região abdominal.

Mulheres com Síndrome do Ovário Policístico e as complicações associadas são suspeitas de representar um fator de risco adicional para infecção por Covid-19.

Meninas que podem estar em risco de Síndrome do Ovário Policístico na adolescência:

  • Aquelas que nascem com baixo peso e ganho de peso rápido nos primeiros anos de infância
  • Aquelas que nascem com excesso de peso
  • História familiar de SOP na mãe ou parentes próximos do sexo feminino e diabetes mellitus.
  • Ganho de peso significativo com base na massa corporal (IMC). Isso define o sobrepeso como o 23º IMC equivalente em adultos (em comparação com o 25º) e a obesidade como o 27º IMC equivalente em adultos (em comparação com o 30º) para asiáticos. A obesidade desencadeia o processo subjacente para SOP e aumenta o risco de complicações cardíacas e psicossociais.
  • Crianças magras (é um mito comum que meninas magras não podem ter SOP) com características de hirsutismo (excesso de pelos corporais distribuídos em uma área de padrão masculino, como mechas laterais, lábio superior e queixo) ou calvície ou acne grave (espinhas) que não respondem ao tratamento.
  • Sem início do ciclo menstrual até os 15 anos de idade.
  • Ciclos menstruais irregulares, conforme definido após 1 ano de seu início.
    • Entre 1-3 anos de início, se o intervalo entre os ciclos for inferior a 21 dias ou superior a 45 dias.
    • Após 3 anos de início, se o intervalo entre os ciclos for inferior a 21 dias ou superior a 35 dias ou se houver menos de 8 ciclos em um ano.
    • Duração do intervalo de mais de 3 meses para qualquer ciclo.

Pontos importantes a serem observados sobre a Síndrome do Ovário Policístico:

  • A crença de que o ciclo menstrual pode permanecer irregular em adolescentes e pode normalizar após o casamento pode levar a subdiagnóstico ou diagnóstico tardio.
  • É essencial diferenciar a SOP de outras condições semelhantes para evitar diagnósticos errados como avaliação e tratamento, e o resultado futuro pode ser diferente.
  • Os critérios ultrassonográficos em meninas adolescentes são menos definidos e podem ser sugestivos (um volume ovariano> 12 cc), mas não confirmatórios. Esses critérios considerados isoladamente podem levar a diagnósticos excessivos e má gestão.

A identificação precoce é possível em meninas adolescentes com monitoramento periódico do crescimento (peso, altura e IMC após 5 anos de idade), uso de gráficos de crescimento para compreender a mudança no IMC e uma compreensão dos sinais de alerta dos valores do IMC, irregularidades nos ciclos menstruais e padrões de pelos corporais incomuns, com ou sem acne severa. A história familiar de SOP pode afetar uma criança.

O encaminhamento oportuno para um especialista, endocrinologista pediátrico e adolescente, é fundamental para a prevenção de morbidades de longo prazo, conforme mencionado acima. Idealmente, o manejo da Síndrome do Ovário Policístico requer uma equipe de atendimento multidisciplinar composta por pediatra, endocrinologista pediátrico, ginecologista com interesse na saúde do adolescente, nutricionista, psicólogo infantil e adolescente e dermatologista pediátrico.

A modificação do estilo de vida desempenha um papel importante, além de outras modalidades de tratamento individualizadas. Essas adolescentes podem passar por uma revisão do diagnóstico em uma idade posterior, quase 8 anos após o início dos ciclos menstruais, para compreender suas implicações na idade adulta.

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Veja outros posts relacionados…

nenhum

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SAIBA TUDO SOBRE VACINAS COVID-19
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas