Coronavirus - by dorcronica.blog.br

Está se preparando para as festas de fim de ano? A Omicron também.

A Omicron e as festas de fim de ano

As perguntas sobre a variante Omicron ainda abundam à medida que os casos aumentam em todo o mundo. Entre eles estão se os sintomas da Omicron diferem notavelmente das cepas anteriores do novo coronavírus. Como acontece com a maioria das coisas em relação à Omicron, as respostas ainda não são claras. Embora a Organização Mundial da Saúde (OMS) tenha afirmado em 28 de novembro: “Atualmente não há informações que sugiram que os sintomas associados à Omicron sejam diferentes daqueles de outras variantes”, os dados mais recentes sugerem o contrário.

“Vai desaparecer. Um dia, é como um milagre, ele (o vírus) irá desaparecer”.

Donald Trump, ex-Presidente dos Estados Unidos e mentiroso diplomado.

Evidências preliminares indicam que as pessoas infectadas com a cepa Omicron de Covid-19 podem apresentar sintomas mais leves, semelhantes ao resfriado, com base em vários estudos.

Esta semana, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) publicaram uma análise de dados sobre os primeiros 43 casos Omicron investigados nos EUA. Entre esses casos, 80% das pessoas foram totalmente vacinadas ou totalmente vacinadas e receberam o reforço. Quarenta das 43 pessoas eram sintomáticas e apenas uma foi hospitalizada. Os sintomas mais comumente relatados foram tosse (89%), fadiga (65%) e congestão/rinorreia (59%). Notavelmente, apenas 8% das pessoas tinham o sentido do olfato reduzido, característico de cepas anteriores de Covid-19. (A pesquisa de 2020 descobriu que mudanças temporárias no sentido do olfato ou paladar eram um dos sintomas mais comuns em casos leves de Covid-19, conforme relatado por SELF.)

Esses dados se alinham com um estudo de caso de surto de Omicron pós-feriado em Oslo que pesquisadores do Instituto Norueguês de Saúde Pública (NIPH) publicaram na revista de acesso aberto Eurosurveillance esta semana. Entre os 111 dos 117 participantes do evento de 26 de novembro que participaram das entrevistas (96% dos quais estavam totalmente vacinados), 81 pessoas adoeceram até 13 de dezembro – incluindo 66 casos de Omicron confirmados (verificados por meio de triagem de variante de PCR e/ou sequenciamento total do genoma) e 15 casos suspeitos de Omicron (um teste de PCR positivo para Covid-19, mas nenhum teste de cepa). Apenas um caso era sintomático e a maioria das pessoas (74) tinha pelo menos três sintomas. Os sintomas de Omicron mais comuns foram:

Tosse
83%
Coriza / Nariz entupido
78%
Fadiga / Letargia
74%
Dor de garganta
72%
Dor de cabeça
68%
Febre
54%

Apenas 12% das pessoas relataram uma redução do olfato. Não houve hospitalizações e 42% das pessoas classificaram a gravidade dos seus sintomas como nível três em uma escala de um a cinco.

Reino Unido

No Reino Unido, o aplicativo de rastreamento de COVID ZOE coletou dados de 52.489 casos recentes de Covid-19 confirmados por PCR em Londres, onde a Omicron é agora a cepa dominante, que gerou resultados semelhantes. Os principais sintomas foram coriza, dor de cabeça, fadiga, espirros e dor de garganta – mais parecidos com um resfriado do que com os casos semelhantes à gripe de Covid-19 que vimos com frequência no início da pandemia. Mas os pesquisadores do ZOE não encontraram “diferenças claras” nos primeiros sintomas do Covid-19 neste momento em comparação com os dados coletados durante um período anterior, quando a Delta era a cepa dominante.

Africa do sul

Na África do Sul, onde a variante surgiu pela primeira vez, um estudo de uma seguradora privada de saúde analisou dados (incluindo 211.000 resultados de testes Covid-19 e entrevistas com prestadores de cuidados de saúde) e encontrou evidências de uma doença mais branda, relata o New York Times… Isso inclui taxas de hospitalização mais baixas em comparação com a onda Delta – bem como sintomas mais leves e menor permanência no hospital entre os hospitalizados, de acordo com relatos anedóticos de médicos. No entanto, a idade média das pessoas no estudo era de apenas 34 (e os mais jovens geralmente têm casos mais leves), e mais da população agora está vacinada (o que protege significativamente contra doenças graves), como observa o Times.

Como observam os autores desses vários estudos, é difícil determinar o quanto da gravidade leve dos sintomas da Omicron é atribuível à variante da Omicron especificamente versus a proteção da vacinação – e é provável que ambos os fatores estejam envolvidos até certo ponto. (E como o CDC aponta, com todas as outras variantes, houve um lapso entre o surgimento da cepa e os resultados graves.) Precisaremos de mais semanas de dados para entender verdadeiramente a Omicron.

Enquanto isso, porém, a melhor aposta de todos é jogar pelo seguro – quer você pense que tem um caso Omicron de Covid-19, uma cepa diferente do novo coronavírus, do resfriado comum ou da gripe. A orientação oficial do CDC sobre como as pessoas vacinadas podem ficar seguras durante as celebrações do feriado e viagens permanece a mesma. Isso inclui usar máscaras em locais públicos internos, evitar espaços internos mal ventilados, fazer o autoteste antes das reuniões e isolar-se se você se sentir doente, etcétera, etcétera…

“Eu não faria nada diferente do que estávamos recomendando o tempo todo, apesar do fato de que … provavelmente veremos mais casos de Omicron com o passar das semanas e dos dias”.

Anthony Fauci, MD, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças infecciosas dos Estados Unidos.

Segundo ele, as pessoas vacinadas devem “se sentir razoavelmente confortáveis” reunindo-se com prudência durante as festas de fim de ano.

Não importa a variante predominante ou a época do ano, “o risco nunca é zero”, disse o Dr. Fauci, que é o que torna aquelas precauções básicas anti-Covid-19 ainda mais importantes.

Transcrito deAre Omicron Symptoms Different From Other COVID-19 Variants?”. Publicado online, SELF.

Nota do blog:

A mensagem do post acima é tranquilizadora e pode servir como o incentivo que faltava a quem tinha dúvidas se ia confraternizar com familiares e/ou os amigos nos próximos dias. Eu não compartilho dessa opinião. Mas esse sou eu, e o meu papel aqui é o de conduzir um blog isento; ou seja, mostrar todos os ângulos dos quais examinar uma questão relevante.

O que fazer nas festas de fim de ano, e depois nas férias (se for o caso), é relevante para muitas pessoas. Então achei por bem compartilhar com você alguns trechos de uma matéria recentemente publicada pelo The New York Times.

VIVENDO COM A OMICRON1

Ainda há muito que não sabemos sobre A Omicron, mas isso é bastante claro: é altamente contagiosa e se espalha rapidamente. Depois de entrar em erupção em países como África do Sul, Grã-Bretanha e Dinamarca, já encampa os EUA.

Brasil O Brasil?

Por incrível que pareça, não estamos nada mal – comparativamente falando.

O gráfico a seguir acaba de ser publicado pela The Economist, e aponta até que ponto certos países estão protegidos das variantes Delta e Omicron com base no estágio da vacinação nas respectivas populações. O eixo vertical mede a proteção diante a Omicron e o eixo horizontal, a proteção diante a Delta.

Dupla penalização

O país mais duplamente protegido é o Chile, seguido do Uruguai e, em seguida, do Brasil. Israel e o Reino Unido vem logo atrás. Na rabeira, a Índia, coitada – duplamente vulnerável.

Ok, eu ignoro se os dados estão corretos e também não saberia explicar a situação do Reino Unido, ou a dos Estados Unidos – ou mesmo a do Chile, há apenas um mês. Países aparentemente muito vacinados e assim “protegidos” (no conceito da The Economist), mas também com ora ou outrora burbulhando com novos casos de infectados com a Delta e a Omicron.

Voltando a matéria do The New YorkTimes:

Um laboratório da Universidade de Washington relatou que a parcela de amostras virais que parecem conter o padrão revelador de mutações da Omicron saltou de 3% para 20% em questão de dias. A variante foi detectada em 39 estados, com relatos de grandes picos em Nova York e outras cidades. (É importante notar que, embora a Omicron esteja se espalhando rapidamente, a variante Delta também é amplamente difundida no país.)

A evidência inicial sugere que a variante Omicron pode escapar de alguma quantidade de imunidade oferecida, tanto pela vacinação quanto por uma infecção anterior. Isso, junto com sua velocidade vertiginosa, significa que as infecções em pessoas vacinadas provavelmente se tornarão cada vez mais comuns nas próximas semanas. Os feriados podem sobrecarregar essa tendência.

Nota do blog:

Enquanto eu escrevo estas mal traçadas, a Omicron se espalha significativamente mais rápido do que Delta. Quem diz é a Organização Mundial da Saúde. A variante Omicron do coronavírus está se espalhando significativamente mais rápido do que a cepa Delta em países com transmissão comunitária documentada, com um tempo de duplicação de 1,5 a 3 dias, disse a OMS. Identificada há apenas 3 semanas, já está em quase uma centena de países.

No Reino Unido, um dos países mais afetados por uma nova onda viral, a Omicron é prevalente e mais de 90.000 novos casos de coronavírus e 3.000 hospitalizações são relatadas por dia.

Então, como você deve encarar a vida na era da Omicron?

Embora a orientação certamente mude à medida que aprendemos mais, aqui está um guia inicial para navegar na próxima fase da pandemia. O que sabemos com certeza? O básico não mudou. Mesmo neste momento obscuro no meio, onde há muitas incógnitas sobre a Omicron, as regras antigas para reduzir o risco ainda se aplicam: reduza o contato com outras pessoas, especialmente em ambientes internos lotados; use uma máscara e atualize-a; e seja vacinado, com um reforço se possível.

O que mudou é que a Omicron é melhor em contornar parte da proteção que as vacinas nos dão. As primeiras evidências da África do Sul aumentaram as esperanças de que a Omicron pode ser mais suave do que a Delta, mas ainda é muito cedo para tirar conclusões amplas.

“A Omicron será perturbadora por pelo menos um ou dois meses, mas não estamos experimentando uma repetição de 2020”.

E se eu for vacinado?

Embora a Omicron pareça capaz de impedir uma certa quantidade de imunidade, os reforços parecem fazer um bom trabalho na prevenção de infecções. Mesmo se você ficar doente com uma infecção sanguínea, os cientistas acreditam que as vacinas ainda fornecem proteção sólida contra doenças graves e morte.

Dito isso, todos deveriam presumir que estão menos protegidos agora do que antes do Dia de Ação de Graças. Ed Yong, do The Atlantic, colocou desta forma: “Como uma abreviatura grosseira, suponha que a Omicron negue um evento de imunização anterior – uma infecção ou uma dose de vacina. Alguém que se considerava totalmente vacinado em setembro seria apenas parcialmente vacinado agora (e a definição oficial pode mudar em breve). Porém,  alguém que recebeu a terceira dose da vacina possui o mesmo nível de proteção que uma pessoa vacinada que não recebeu a terceira dose tem contra Delta.”

(Yong cancelou recentemente sua festa de aniversário e explicou a análise de risco por trás de sua decisão.)

Devo mudar meus planos para reuniões de feriado?

Não há uma resposta simples para essa pergunta, mas ainda posso dar uma dica simples que pode ajudá-lo a descobrir: planeje seu evento em torno da pessoa mais vulnerável na sala.

Pense nas coisas que você precisaria fazer para proteger um avô mais velho, por exemplo, e isso lhe dará uma ideia se o evento deve prosseguir com precauções extras, ser reduzido ou cancelado. Você pode diminuir o risco pedindo que todos recebam um reforço, se possível, e façam um teste rápido algumas horas antes do evento. Concentre-se na ventilação e peça a todos que reduzam suas atividades sociais antes do evento.

“Se você está comemorando a véspera de Natal, faça o teste da Covid-19 na quarta-feira e, em seguida, faça um teste rápido na véspera de Natal, pouco antes da festa.  Reuniões de família, especialmente agora que entramos em nosso terceiro ano de vida pandêmica, são realmente importantes. Se todos estiverem dispostos a fazer o que for necessário para proteger os mais vulneráveis, você pode diminuir o risco e se reunir com mais segurança.

E se eu me sentir mal?

Faça o teste. É a única maneira de saber se o que está sentindo é um resfriado ou Covid. Também é importante saber para que você possa informar outras pessoas a quem possa ter exposto, caso seu teste seja positivo. Se você der positivo com um teste de antígeno, é uma boa ideia fazer um acompanhamento com um teste de PCR mais sensível.

Eu testei positivo. E agora?

A orientação é a mesma para a Omicron e para outras variantes. Se você for vacinado, você deve se isolar por 10 dias e descansar. Se você mora com outras pessoas, deve ficar em um “quarto de doente” ou área específica e usar um banheiro separado, se disponível. Use uma máscara e não compartilhe pratos.

O período de isolamento de 10 dias começa no primeiro dia completo após o desenvolvimento dos sintomas. Se seu teste for positivo, mas não tiver sintomas, o relógio de 10 dias começará a funcionar no dia seguinte ao teste positivo. Se você desenvolver sintomas posteriormente, acerte o relógio. A qualquer momento, se você tiver um sinal de alerta de emergência, como dificuldade para respirar, vá para o hospital.

Estou viajando nas férias.

Para começar: você precisa mesmo viajar? E se testar positivo fora de casa? A Dra. Emily Volk, presidente do College of American Pathologists, diz que o isolamento após um teste positivo é “a coisa moral e eticamente correta a fazer”. Se o seu teste for positivo durante uma viagem internacional, as regras dependerão de onde você estiver. Alguns lugares não permitem que você embarque em um avião, enquanto outros lugares podem exigir que você permaneça em um hospital do governo por mais de 10 dias. Se você estiver viajando para o exterior, aqui estão alguns conselhos: aprenda as regras locais e faça as malas como se você fosse ficar preso por lá.

LEMBRE-SE: use máscara
Cadastre-se E receba nosso newsletter

Veja outros posts relacionados…

nenhum

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

CONHEÇA FIBRODOR, UM SITE EXCLUSIVO SOBRE FIBROMIALGIA
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
Preencha e acesse!
Você pode baixar as imagens no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ver os vídeos no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o mini-ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no blog gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas