A dor é uma orfã da medicina. E a educação em dor é o que, então? – Parte 2

A dor é uma orfã da medicina. E a educação em dor é o que, então? – Parte 2

A ideia me veio à cabeça lembrando do que vi, há décadas, num pequeno museu, numa pequena cidade próxima de Amsterdam. As obras de arte eram acompanhadas de um texto sobre o tema, o seu significado, dados sobre o artista e sua vida etc. Ou seja, imagem e texto, juntos explicando algo. E explicando melhor do que cada um em separado. Recentemente, matutando sobre maneiras de facilitar o trabalho educacional relativo à dor aos profissionais da saúde, de repente revivi aquele episódio.

Então, que tal selecionar temas importantes sobre a dor e seu gerenciamento – tipos de dor, medicação para a dor, dor inexplicável, dor no idoso, o papel do cérebro, fatores psicológicos, a dor feminina diferente da masculina, dor crônica e depressão etc. – e usar imagem e texto, para divulgá-los com rapidez e clareza?

Algo como a lâmina seguinte:

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

E como usar essas lâminas?

Bem, suponhamos que o médico X identifica na paciente Y, diagnosticada com fibromialgia, um medo enorme cada vez que acometida de uma crise de dor. E é claro que essa emoção só piora as coisas para a paciente. O resultado é mais dor.

Então ele, o médico X, envia a ela, a paciente Y, uma ou duas lâminas sobre “medo da dor” e na próxima consulta abre a sessão perguntando o que ela fez ou deixou de fazer baseado naquela informação.

Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas

No Blog, as lâminas estão organizadas por temas:

Cada tema é composto de 7 lâminas.

Agora vejamos o efeito do anterior. Como você acha que a paciente Y se sentiu ao receber a informação do médico X? Bem, provavelmente. Ajudou a ela aprender sobre dor? Talvez, dependendo do seu interesse. Custou ao médico alguma coisa? Nada, exceto alguns minutos. Serviu para fidelizar a paciente e motivá-la a comentar com outros do seu convívio algo assim como “Olha, o meu médico é diferente. Ele se preocupa comigo etc.?” Muito provavelmente.

Então todos ganham, me parece.

Enfim, isso é apenas um exemplo dos usos que um profissional da saúde, desde que minimamente sensível às necessidades que alguns pacientes têm quanto a saber sobre a dor e como participar num tratamento para isso, pode dar à Galeria “Entenda Por Que Dói”. Outros são passar as lâminas em sequência no circuito de TV interno na sala de espera da consulta, ou incluí-las em apresentações em congressos profissionais, ou divulgá-las nas redes sociais ou profissionais as que participa… oportunidades é que não faltam.

Ah, mas e se eu for um(a) paciente, você deve estar se perguntando – o que eu faço?

Bem você tem duas opções. A primeira, esperar (talvez eternamente) que o seu médico lhe envie uma lâmina, ou duas. Ou você pode se antecipar clicando aqui. Terá acesso total e imediato a todas as lâminas, de graça. Poderá examiná-las à vontade. E depois, só de brincadeira, você pode mandar uma ou duas… para ele.

Veja outros posts relacionados...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *