Dor Crônica - "Você não precisa sofrer, aprenda com a dor crônica e recupere-se"

“Você não precisa sofrer, aprenda com a dor crônica e recupere-se”

Destaques da Semana

Dor Crônica & Cia

Ir para os destaques

Não perca a nova versão do jogo ALIVIO 2.0. Mais simples. Mais intuitivo. E uma categoria somente destinada à dor feminina.

Saiba mais

Galeria entenda porque dói

Saiba mais

Dor Crônica

Você tem fibromialgia? E será que tem mesmo?
Você tem fibromialgia? E será que tem mesmo?
Atualmente há evidências claras, colhidas e divulgadas por cientistas de ponta, de que a maioria dos casos clínicos de fibromialgia nos EUA não atinge os níveis de gravidade considerados diagnósticos. (Leia-se, os critérios diagnósticos clínicos não permitem diagnosticar com precisão.)…
AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII!!!! Você sabe o que é isso?
AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII!!!! Você sabe o que é isso?
Na última década um grupo de doenças crônicas, as autoimunes mais a fibromialgia, tem sido associadas à hipersensibilidade do Sistema Nervoso Central e Sistema Nervoso Periférico. Grosso modo, hipersensibilidade significa que a pessoa doente sente mais dor do que sentiria…
A dor feminina e a sua opinião
A dor feminina e a sua opinião
O impacto biológico da dor, o seu significado e a reação que suscita na pessoa são diferentes na mulher em comparação com o homem. Disso, já há evidências. O que me intriga é como esse achado é visto em países…
Fibromialgia: o que é mais difuso, a dor ou o diagnóstico?
Fibromialgia: o que é mais difuso, a dor ou o diagnóstico?
Gostemos ou não, não é qualquer médico que está capacitado para diagnosticar fibromialgia. Para se qualificar, ele precisa de décadas de experiência, particularmente na avaliação de distúrbios reumáticos, e muitas horas de estudo digerindo os muitos artigos científicos que o…

Dor nas Costas

Os vikings e a dor lombar crônica? Tudo a ver.
Os vikings e a dor lombar crônica? Tudo a ver.
Pergunte a uma pessoa que diz padecer de dor crônica sobre qual poderia ser a causa. Provavelmente ela dirá algo assim como: “Deve ser aquele acidente que eu tive quando criança”; ou “Eu deveria ter levado uma vida mais regrada”;…
Dor lombar crônica, pilates & o cafuringa
Dor lombar crônica, pilates & o cafuringa
Qualquer pesquisa rigorosamente baseada em evidências sobre um tema relacionado à dor humana tem mérito. Mesmo que seja uma grama, algum valor ela agrega ao conhecimento científico. Num país como o Brasil, porém, a exigência vai além disso. Ela, a…
Dor Lombar Crônica, Pilates & Game of Thrones
Dor Lombar Crônica, Pilates & Game of Thrones
Pilates, junto com a ioga, são os dois tipos de exercício mais “recomendados” para aliviar a dor lombar. “Recomendados” por quem tem interesse no assunto: professores, instrutores, personal trainers, naturalmente. Porém no caso do Pilates, essas recomendações têm fundamento? Que…
Duzentas opções, nenhuma solução?
Duzentas opções, nenhuma solução?
Tratamentos para a dor nas costas hoje são vendidos como acarajé na rua. Previna-se, você pode acabar com dor de barriga.

Psicologia da Dor

“Psicologia e dor”. Como é que isto não foi escrito antes?
“Psicologia e dor”. Como é que isto não foi escrito antes?
Ler e comentar um bom livro que trata de um bom tema é um prazer. “Psicologia e Dor – O que você deve saber”, faz jus a seu título: ele realmente cobre (quase) tudo o que um profissional da saúde…
O pentágono e o seu estresse
O pentágono e o seu estresse
O primeiro passo para tratar do estresse consiste em… conversar a respeito. E ninguém com mais autoridade para fazer isso que o médico. Tempo, um copo d’água e disposição para ouvir, podem resolver. O Pentágono é um passatempo digital que…
O estresse crônico, a rainha e um pentágono (para você)
O estresse crônico, a rainha e um pentágono (para você)
Você anda estressado? Você e mais uns quantos milhões. Conheça um aplicativo que pode tirá-lo do buraco com ajuda de… você mesmo. Examine seus estressores, reflita sobre eles e mexa-se. Tudo isso em, no máximo, 5 minutos. Podem ser os…

Neurociência e Dor

“Estresse bom” e dor. Acredite, eles andam juntos.
“Estresse bom” e dor. Acredite, eles andam juntos.
O estresse bom sempre se pensou que pudesse mascarar uma dor aguda. É o soldado que continua lutando mesmo ferido, ou o atleta olímpico que completa a prova mesmo machucado. Todavia, um estudo de pesquisadores israelenses e canadenses enfraquece essa…
Depressão e dor crônica? <em>Neurofeedback</em> pode ajudar.
Depressão e dor crônica? Neurofeedback pode ajudar.
O manejo da dor baseia-se principalmente na farmacoterapia, que possui muitas limitações. Dados da literatura confirmam a alta eficácia do neurofeedback no tratamento de síndromes dolorosas, crônicas e agudas. Este post comenta um achado recente (e promissor) sobre sua aplicação…
Amor, Dor & Cia. - Pode, uma coisa dessas?
Amor, Dor & Cia. - Pode, uma coisa dessas?
Experiências profundamente gratificantes, como o amor, podem naturalmente reduzir a dor, por meio dos estreitos laços neurológicos entre o processamento da recompensa e as regiões de processamento da dor no cérebro. Que tal isso de presente para O Dia dos…
O desafio da nova (neuro)ciência da dor
O desafio da nova (neuro)ciência da dor
Afinal, o que muda na relação entre o profissional da saúde e o(a) paciente no contexto de um modelo biopsicossocial?

Terapias para o Alívio da Dor & Outros

Otimizando a consulta médica do paciente com dor
Otimizando a consulta médica do paciente com dor
As duas principais razões que explicam longos períodos de espera no consultório de um médico privado, aqui e noutros países desenvolvidos, são as de que o tempo do médico fica refém de compromissos em geral inadiáveis, ou imprevisíveis, além do…
Consultório médico: um lugar onde quem espera, desespera
Consultório médico: um lugar onde quem espera, desespera
Nenhum médico gosta de correr atrás, e a maioria tenta respeitar os horários em atenção à vida ocupada dos pacientes. Mas mesmo com as melhores intenções, atrasos acontecem devido a circunstâncias imprevisíveis. Entender as razões comuns pelas quais seu médico…
Jogo Alívio 2.0 na parada
Jogo Alívio 2.0 na parada
O Jogo Alívio 2.0 foi apresentado no 14º.CBDor, no mês passado. Uma versão mais simplificada, entretida e veloz que a original. Não que esta fosse problemática – em 8 meses mais de 30.000 pessoas já jogaram e a conta continua…
A dor é uma orfã da medicina. E a educação em dor é o que, então? – Parte 2
A dor é uma orfã da medicina. E a educação em dor é o que, então? – Parte 2
A ideia me veio à cabeça lembrando do que vi, há décadas, num pequeno museu, numa pequena cidade próxima de Amsterdam. As obras de arte eram acompanhadas de um texto sobre o tema, o seu significado, dados sobre o artista…
A página do Terapeuta da Dor

Artigos

Integrando o manejo da dor na prática clínica – Parte 3
Integrando o manejo da dor na prática clínica – Parte 3
Esta é a Parte 3, e última, de um artigo que detalha pari passu as numerosas contribuições do gerenciamento da dor para o bem-estar dos pacientes, na linha de frente clínica. Nela, estão comentadas as Estratégias de Gestão Médica e Comportamental, as Intervenções Psicológicas para Dor, as Questões Psiquiátricas e de Abuso de Substâncias, além de Direções Futuras.
Integrando o manejo da dor na prática clínica – Parte 2
Integrando o manejo da dor na prática clínica – Parte 2
Esta é a segunda parte de um artigo detalhando pari passu as numerosas contribuições que o gerenciamento da dor poderia dar ao bem-estar dos pacientes, na linha de frente clínica. Nele estão comentados aspectos tais como a avaliação da intensidade da dor – medidas e congruência entre as avaliações de dor dos pacientes e dos profissionais de saúde –, avaliações de estado de humor e personalidade vis-à-vis a dor; a percepção da dor, as crenças sobre a dor e os mecanismos de enfrentamento da dor, e por fim o monitoramento de medicação para a dor e seus efeitos adversos.
Integrando o manejo da dor na prática clínica – Parte 1
Integrando o manejo da dor na prática clínica – Parte 1
Boa parte, se não a maioria, dos que marcam consulta médica o fazem porque sentem dor. No entanto, nem o que é dor, nem como aliviá-la, é ensinado nas faculdades de medicina, no Brasil. Um paradoxo e tanto, não é mesmo? Este artigo (dividido em 3 partes) detalha pari passu as numerosas contribuições que o gerenciamento da dor poderia dar ao bem-estar dos pacientes, na linha de frente clínica. A profissão dos autores, porém, é um outro paradoxo: eles são psicólogos e não médicos.